Evolução da sociedade missioneira e a migração juvenil
 
Evolução da sociedade missioneira e a migração juvenil
 


A EVOLUÇÃO DA SOCIEDADE MISSIONEIRA E A MIGRAÇÃO JUVENIL

 Eliseu S. Melo - Publicado em LIBERDADE - O JORNAL

 

Tendo por base os últimos sensos do IBGE percebemos que a Região das Missões esta envelhecendo. Nesse contexto, a migração de jovens dessa região se reveste de uma singular importância: A partida de seu meio de origem em direção aos grandes centros urbanos é preocupante. Se as regiões se esvaziam de seus jovens, não seria necessário agir para frear o êxodo?

 

 

O índice nacional mostra que o migrante típico tem entre 17 e 25 anos e tem com principal razão para a necessidade de um rendimento, sendo que a maioria pertence a famílias pobres ou de rendimento médio, sendo que boa parte dos jovens do sexo masculino migra como trabalhador temporário, enquanto o sexo oposto migra de forma mais permanente.

 

 

Regionalmente, o discurso sobre a migração baseia se no efeito negativo sobre as missões. Desde muitos anos, o objetivo declarado da ação pública de apoio se funda sobre desenvolver o interior a partir de seus recursos naturais e as políticas de desenvolvimento regional repousaram sobre investimentos importantes em educação, saúde e no domínio econômico a fim de reduzir as disparidades e desigualdades, mas a economia da região ainda é frágil comparado às demandas de emprego.

 

 

O recente desenvolvimento na região de médias e pequenas empresas também exerce papel preponderante sobre as economias e são essas as maiores empregadoras de jovens desde o final dos anos 80. No entanto, o recente desenvolvimento das missões se caracteriza por sua fragilidade pois apoia-se nos recursos naturais destinados ao mercado extra regional e essa fragilidade favorece o êxodo da população particularmente os mais jovens, que, aliado a sua entrada na vida adulta e necessidade de “se libertar”, construir identidade e encarregar-se de si contribuem fortemente ao êxodo juvenil.

 

 

Possíveis ações

 

 

Como líder estudantil e tendo conhecimento de causa, acredito na importância do entendimento, por parte da força política, dos motivos que levaram alguns jovens a permanecer. Isto ajudará a identificar estratégias eficazes para evitar que tantos jovens migrem.

 

 

Entre os jovens, boa parte acredita não terem chances na região por não haver empregos suficientes e por considerarem sua situação econômica particular difícil. Acreditam que os responsáveis pelas decisões não agem com a rapidez necessária. No entanto, a percepção dos serviços educativos primários é bem vista, mas a oferta de serviços de lazer e de atividades culturais por sua vez é julgada negativamente.

 

 

Cito como referência uma pesquisa do World Vision que concluiu que as únicas diferenças verdadeiras entre os jovens que migravam e os que permaneciam em casa eram o apoio social recebido dos amigos que também não estavam migrando e a atitude e apoio dos pais. Constatou-se que os que decidem permanecer suas situações econômicas são as mesmas que as dos com as mesmas ocupações dos que migram, e tem o mesmo nível de instrução. Outro fator fundamental que vem à tona é que os que permanecem são mais ligados à família e são incentivados a permanecerem em casa.

 

 

A mesma pesquisa concluiu que os que deixaram seu lugar de origem, sobretudo aqueles cujo motivo foi o estudo, guardam o contato e frequentemente efetuam idas e vindas durante os recessos. Muitos deles mostram-se interessados em retornar para o seu lugar de origem se as circunstâncias se mostrassem favoráveis.

 

 

As universidades da região têm contribuído muito para a permanência de muitos jovens. O recente investimento federal na UFFS – Universidade Fronteira Sul, aliado aos financiamentos estudantis e bolsas de estudos em universidades particulares vem dar um fôlego a esperança a muitos pais que desejam que seus filhos permaneçam em suas casas e que esperam que índices melhorem.

 

 

A ação mais recomendável e óbvia é criar oportunidades de emprego e auxilio aos que decidem permanecer e políticas para conscientizar os jovens das oportunidades e as possibilidades de permanecerem. É interessante formar grupos de apoio, incentivar o orgulho entre os jovens em permanecer em sua comunidade e auxiliar, através de incentivos públicos a educação de ensino superior na região, visto que a tendência deste é permanecer depois de formados, este será um bom investimento.

 

Finalizando, aconselho o poder público municipal da região missioneira a pensar e colocar em prática políticas sérias e coerentes de médio e longo prazo. De fato o futuro a Deus pertence, mas um pouco de ação direcionada vem a calhar.

 

_______________________________________

*Eliseu S. Melo é acadêmico de Direito, Presidente da AUCA - Associação dos Universitários de Caibaté e Vice-Presidente do DCE – Diretório Central do Estudante da Universidade R. Integrada – URI/Santo Ângelo. Contato: [email protected]

 
Avalie este artigo:
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Eliseu Da Silva De Melo
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Eliseu S. Melo, Gaúcho, 22 anos, Assessor Legislativo Estagiário, Articulista, Colunista, Acadêmico de Direito URI/SAN. Contato: [email protected], blog: http://eliseusmelo.blogspot.com
Membro desde fevereiro de 2012
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: