Falar da educação é algo que nos remete aos ensinamentos que nos foram dados por nossos pais, avós e tios, enfim nos faz pensar sobre a educação doméstica algo que todos os indivíduos que nascem no seio da família recebem como base para a construção dos seus conhecimentos e caráter.

Na leitura de "Comunidades tribais: a educação difusa" Maria Lúcia Aranha, mostra como as tribos transmitiam o conhecimento.

Tudo era através dos gestos e repetições, que as crianças aprendiam sobre todas as coisas.

De forma, que a simples repetição era à base utilizada para passar os conhecimentos que elas utilizariam à medida que fossem sendo necessário para sua sobrevivência e interação com os outros habitantes da tribo.

Os valores que a tribo praticava e a divisão de tarefas, desde quem ia caçar e pescar, plantar e colher, tudo de acordo com as regas daquele local eram dadas pelo chefe da tribo. E estas tarefas eram entendidas como de fundamental importância para a sobrevivência deles. Porém não era designada uma pessoa responsável para ensinar aquelas crianças a desenvolver as atividades de maneira didática, ensinando o passo a passo como caçar ou plantar entre outras coisas, todos eram uma espece de professor, mediador de tais conhecimentos. Desta forma devemos entender que educação vai muito mais além do que ler e escreve ou pregar uma filosofia de vida sem se preocupar em praticar a boa conduta. De nada valerá para o educador, orientador levar o conhecimento para o seu aprendiz se não houver uma conduta ética e moral sendo passada em conjunto com este conhecimento.

O texto de ARANHA relata como somos educados pela atitude, conduta e repetição desde os nossos ancestrais até os dias atuais.

Por base o educador deve-se aprofundar na "Consciência da educação em sua totalidade" e isso significa não transmitir apenas o conhecimento exaustivamente até ter certeza do seu papel enquanto educador cumprido, mas respeita a capacidade de aprender do outro, permitindo que através da dificuldade do aprendiz, o educador possa se inclina a ajudá-lo, de maneira que o possibilite por meio mais fácil absorver os ensinamentos.

Vale salientar que para ser um bom educador dever primeiro observar a quem se vai levar este conhecimento, sempre partindo do pressuposto que cabe ao educador mostrar os princípios básicos da educação como bom dia, boa tarde, boa noite, por favor, licença, obrigado entre outras formas básicas de tratamento, para que o aprendiz possa desde já identificar no educador os valores que lhes foram confiados.

E isso vale para todos os seguimentos da nossa vida, seja no trabalho, com a família, os amigos e até com nós mesmos como indivíduos capazes ter um raciocínio lógico sobre todos os princípios básico que devem ser considerados para a construção de uma boa educação. No qual permitirá inclusive que se tenha uma boa relação com o outro individuo a partir dos bons modos.

Muitas vezes a má da educação afasta o outro indivíduo que recebeu boas maneira de tratamento e que si recusar a compartilhar do mesmo espaço físico com pessoas que não tem uma boa educação básica de tratamento, portanto o indivíduo que tem como valores básicos, a educação para manter uma boa relação com os demais, normalmente vai buscar os seus semelhantes.

 

Revisado por Editor do Webartigos.com