A produção das dificuldades de aprendizagens e o fracasso escolar no interior de São Gonçalo e uma alternativa para educar, ensinar e interagir na sociedade
INTRODUÇÃO

Na década de 80, conheci um grupo de jovens numa capela da igreja católica próximo à minha casa. Era um grupo pequeno com mais ou menos seis integrantes que se reuniam todos os sábados para rezar e discutir textos bíblicos. Junto a eles existia um seminarista que tinha sido enviado pela congregação MSC (Missionários do Sagrado Coração) com a função de estruturar e organizar a comunidade. Ele fazia visitas semanalmente, com propostas de trazer a vizinhança para a igreja, e com a ajuda do grupo isso foi aos poucos se concretizando. Baseadas nos estudos e propostas da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), novas ideias foram surgindo. Encontros e estudos eram feitos nas famílias, sempre com a presença de convidados. Tinham roteiros sobre os mais variados temas sociais, o que me fez despertar para um pensamento crítico; vale lembrar que neste período a igreja incentivava um pensamento sobre a consciência política embasada nas propostas da Teologia da Libertação, e foi embalada por estes pensamentos que a igreja participou ativamente dos movimentos das Diretas já, 100 anos de abolição da escravatura, Movimento Jovem Estudantil, entre outros temas polêmicos. Como membro integrante e líder de alguns grupos na comunidade, pude acompanhar e participar de alguns desses movimentos. A liderança era despertada nos grupos. O novo líder participava de retiros e encontros promovidos por uma coordenação de jovens regional, onde eram estimulados a conhecer o grupo liderado a partir de observações e incentivar a participação, democratização, união e integração na comunidade ativa. Para estes objetivos eram utilizados procedimentos como: leituras bíblicas, notícias de jornal e textos variados, dinâmicas, oficinas, jogos, brincadeiras e músicas. "Sal da terra de Beto Guedes, Coração de estudante e Amor de Índio de Milton Nascimento, O que é, o que é de Gonzaguinha e outras eram como hinos nos encontros. Cristo era visto como um jovem, amigo, político, lutador, determinado e forte, aquele que acreditava e fazia acontecer. Com essa forte ideologia fui construída e me construí.
Hoje com olhar voltado para a educação como processo social historicamente construído, comecei a perceber o grande número de analfabetos e de evasão escolar no bairro onde moro, vejo crianças, adolescentes e jovens abandonarem a escola por motivos conhecidos, como: gravidez na adolescência, trabalho, falta de incentivo dos pais, muito deles analfabetos. Acreditando que as dificuldades de aprendizagem seja também motivo para este grande número de abandono escolar e que a falta de compatibilidade curricular, projetos político pedagógicos, estrutura física do espaço escolar, formação dos profissionais de educação, políticas públicas, causas estas geradoras de efeitos como: evasão escolar por motivos de reprovação e repetência, promotoras da exclusão educacional e social sejam reais motivos para esta justificativa, resolvi conhecer os projetos pedagógicos das escolas do 2º e 3º distrito de São Gonçalo, conhecidos popularmente como interiores ou área rural. Ao observar o breve levantamento histórico de leis e documentos sobre educação e inclusão feitas por Abnhaim (2005), comecei a perceber que com o processo de globalização, iniciou-se uma nova era não só na comunicação, mas também no que diz respeito à educação. Mudanças nas relações internacionais quanto a questões econômicas, científicas, culturais, políticas e ambientais, levaram a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação a Ciência e a Tecnologia) a eleger a educação "como eixo articulador do desenvolvimento", (Abnhaim, 2005) Para tentar amenizar as disparidades entre as regiões, neste mesmo período no Brasil, surgiram maiores cobranças da sociedade e abriram-se espaço à percepção da diversidade na escola com a nova constituição (1988) e a reformulação da LDB (Leis de Diretrizes e Bases - Lei nº 9.424/96) criando e regulamentando o FUNDEF (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério), mais tarde FUNDEB (Fundo de Manutenção e desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação Segundo Vieira (2009).
Como suporte para entendimento teórico metodológico das origens e produções das dificuldades de aprendizagem e o processo histórico de inclusão, utilizei como base teórica Maria Helena Souza Patto, que em A produção do fracasso escolar elabora um quadro de referências histórico e sociológico objetivando a compreensão do fracasso escolar enquanto processo psico-social. Evanir Abnhaim, que em Os caminhos da inclusão: Breve histórico faz um levantamento histórico de leis e documentos sobre educação e inclusão no Brasil e no mundo. Rosita Elder Carvalho, que com Temas em Educação Especial faz uma análise sobre a produção de deficiência relacionada a diversas questões culturais e educacionais. Para entendimento e alcance dos meus objetivos de conhecer e relatar projetos pedagógicos para alunos com dificuldades de aprendizagem de acordo com o lugar onde a escola está inserida como espaço histórico social cultural e apresentar este espaço como objeto de investigação direta como possibilidade de conhecimento, utilizei o texto de Cipriano Luckesi, "O conhecimento: elucidações conceituais e procedimentos metodológico" que faz uma
abordagem sobre o que é conhecimento, seu sentido e significado, mostrando a importância do seu entendimento para a utilidade no exercício das atividades docentes e o texto de Helena Copetti Callai, Aprendendo a ler o mundo: a geografia nos anos iniciais do ensino fundamental, que apresenta a importância e respeito na prática educativa progressista da leitura de mundo partindo da identidade cultural local. Para o alcance de resultados concretos, nestas presentes pesquisas procurei saber se existiam nas escolas do interior de São Gonçalo, projetos para alunos com dificuldade de aprendizagem percebendo algumas questões que dificultavam a permanência desses alunos na escola, conheci e apresentei alguns projetos pedagógicos das escolas da rede pública de ensino, observei como o educador trabalha a educação relacionada à realidade local, relatei a realidade educacional do 2º e 3º distrito de São Gonçalo e apresentei alguns pontos históricos sócios culturais do panorama local, pois embora não reconhecida formalmente, o Município de São Gonçalo possui uma área conhecida como interior ou rural, pela população e também pela divisão regional da Igreja Católica no Estado do Rio de Janeiro (2º e 3º distritos de acordo com a divisão política da cidade) correspondente a mais de 50% de sua extensão territorial. Fazenda fundada no século XVII, Igreja construída por escravos, um cemitério fundado em 1842, serras e reservas que fazem a divisa com o município de Maricá, considerada o ponto mais alto de São Gonçalo integram uma belíssima história cultural a um contexto social e histórico da cidade, possibilitando ótimo recurso para produção de conhecimento na escola. Após as diversas observações, percebi que as questões que dizem respeito às dificuldades de aprendizagem que elevam o grande número de analfabetos em todo País teriam ligações profundas com o processo de inclusão, então, após observar um trecho do principio da Carta de Salamanca para educação especial, direcionei-me com questionário para coordenadores pedagógicos sobre projetos e práticas educativas da escola relacionadas à localidade espacial e aos conceitos de inclusão e exclusão escolar e social. Tive como meta, saber na opinião deles, se a escola dispõe de projetos para alunos com dificuldades de aprendizagem e se o processo de inclusão resolve o problema da exclusão escolar e social. Fiz observações nas escolas quanto ao espaço físico, e se existem adaptações e recursos.
Considerando estes assuntos pertinentes e desafiadores não só para a escola, mas também para toda sociedade, acredito que com este estudo, escolas e sociedade possam refletir sobre seu papel formador de sujeitos na história e tentarem encontrar juntos, de maneira menos segregadora, numa sociedade elitista e ideologicamente seletista, melhores métodos de interação e trabalho, para formar cidadãos, evitando assim a "produção de deficiências", (CARVALHO, 1988, p.135) geradora da exclusão social.
 
Revisado por Editor do Webartigos.com
Leia outros artigos de Luciana Gaspar
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Estudante do curso de pedagogia na UERJ- FFP. Faculdade de Formação de Professores.
Membro desde março de 2011