A IMPORTÂNCIA DO APRENDER BRINCANDO
 
A IMPORTÂNCIA DO APRENDER BRINCANDO
 


A IMPORTÂNCIA DO APRENDER BRINCANDO1
Relevância das Atividades Lúdicas na Educação Infantil
Claudia Guerra Cardoso Santos
15 de outubro de 2008.

RESUMO

Trata-se de um artigo relacionado à importância das atividades lúdicas na Educação infantil. Ainda dá um parecer a cerca da ação educativa dos educadores bem como a participação das instituições para o desenvolvimento da identidade da criança no processo do conhecimento. Além de argumentam à acuidade de saber conduzir uma educação voltada às necessidades da criança no contexto escolar. Priorizar-se ? a uma prática pedagógica que visa ao desenvolvimento humano nos aspectos cognitivo, social, afetivo, cultural e econômico. O ato de cuidar e a relevância na vida da criança. A contribuição da brincadeira na construção do conhecimento na educação infantil.

PALAVRAS ? CHAVES
Educação Infantil; Atividades Lúdicas; Desenvolvimento Humano.


INTRODUÇÃO

As atividades lúdicas na educação infantil são importantes, pois proporcionam uma interação entre a criança e o educador na construção do conhecimento. Além da relação que a criança faz através da brincadeira em reviver situações para representar momentos observados no convívio em casa, a pessoas mais próximas como pais, irmãos e outros. Isto viabiliza a criança a expressar seus sentimentos mais profundos que estão sentindo no momento, bem como a concretização da imaginação por meio da manipulação de brinquedos num ambiente escolar. É importante ressaltar que é nas brincadeiras lúdicas constroem a sua identidade. Lembrando que o alicerce estar na fase infantil, e isto requer uma concepção bem elaborado, dentro de aspectos relevantes, como cognitivo, social, cultural e econômico. Isso significa ser o principal integrante desse processo educativo na interação social.
Num ambiente educativo que se pode explorar o máximo da criança buscando através de brincadeiras a transmissão de conhecimentos primordiais a vida da criança. O interessante é que as instituições estejam preparadas para servi as crianças, considerando a realidade social e contribuir na construção do conhecimento significativo, ainda o desenvolvimento da autonomia em diverso campo de "vida".
No contexto escolar é considerável observar como as crianças agem em diversas situações demonstradas durante a brincadeira. Através desta, o educador pode perceber em vários momentos, o que acontece com eles em casa e se existe algo de errado. O professor é o intermediário nesse processo educativo. O brincar requer uma socialização do educador com a criança, ainda tomar decisões importantes cabíveis necessários à vida da criança.
As formas educativas inseridas na educação infantil vêm sendo discutidas ao longo do tempo, pois há muitos anos atrás a educação infantil tinha uma visão diferente de hoje. Assim, as instituições devem direcionar sua visão "educativa" focada nas necessidades das crianças nos aspectos sociais, ambientais e culturais. No contexto educativo dentro da modalidade infantil são imprescindíveis às atuações voltadas às funções padronizadas e de qualidade. Isto considera as interações e práticas que fornecem elementos indispensáveis ao desenvolvimento da identidade das crianças por meio de atividade diversificadas e que atenda a realidade delas.
Sendo "assim, no contexto educacional infantil educar é mais que um ato de ensinar, envolve situações de cuidados", atividades lúdicas como brincadeiras direcionadas tendo como objetivo a aprendizagem. Além de estarem integrada as relações interpessoais e que certa maneira possa contribui com para o desenvolvimento das capacidades infantis necessárias a vida do individuo. Assim, Rocha (1999) define: "Educar significa, [...], brincadeiras e aprendizagens orientadas de forma integrada e que possam contribuir para o desenvolvimento das capacidades infantis de relação interpessoal, de estar com os outros em uma atitude básica de aceitação, respeito e confiança [...]".
A educação infantil atualmente implica na compreensão de ter a criança como parte integrante da educação, em que a criança participa integralmente de vários campos de conhecimentos. Assim, possibilitando uma interação relacionada aos cuidados dando importância a dimensão afetiva e atenção às questões biológicas do corpo. Quer dizer, um olhar voltado às qualidades da alimentação, a saúde, e de certa verificando os procedimentos e a forma que é oferecido esses serviços às crianças das entidades educacionais.
É importante ressaltar que a complexidade do cuidar nos aspectos como social, afetivo, cultural e econômico e as necessidades básicas se tornam primordial para construção sociocultural e é fundamental na formação infantil. O desenvolvimento dessa formação infantil deve considerar as pequenas atitudes fornecidas pela criança, pois a partir daí a mesma pode transmiti alguma informação de como estar sendo atendida no estabelecimento infantil, em relação aos cuidados, a alimentação, se estão sendo ouvidas e respeitadas por todos os integrantes da instituição educacional. É primordial que tanto a parte que "cuida e de quem é cuidado", pois a partir dessa interação possa haver uma reciprocidade e confiança de ambos os lados, há de convir que isso seja primordial para o desenvolvimento humano.
Assim, é viável que num estabelecimento de ensino, o ambiente escolar esteja adequado para receber as crianças. Ou seja, um ambiente bem organizado e com materiais e com tempo estipulado para cada atividade desenvolvida para explorar todos os aspectos motores necessários ao desenvolvimento humano. Além das atividades estarem incorporadas às diversas "atividades" do dia a dia. Sendo assim, os espaços internos e externos devem ser amplos para as crianças possam se movimentar e desenvolver atividades de forma que elas manifestar suas emoções e expressar os seus sentimentos e associados a comportamentos de pessoas adultas na formação das conjecturas mentais das crianças.
O professor é mediador importante nesse processo educacional. Pois, a partir das observações feitas às atividades lúdicas, pode detectar uma variação de comportamento por parte das crianças. Assim, dentro do contexto escolar as crianças podem vivenciar experiências que envolvem movimento, e com isso possam reconhecer e utilizar como "linguagem expressiva", de significativa contribuindo com desenvolvimento de habilidades e competências necessárias a criança para a vida adulta.

1. RELEVÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

1.1 Contribuições das Atividades Lúdicas no Desenvolvimento Humano

As experiências adquiridas a partir das diversidades lúdicas vivenciada pela criança são imprescindíveis para o desenvolvimento no aspecto da criatividade e isto deve ser oferecido pelas entidades infantis. É importante discorrer que em toda diversidade lúdica, "o brincar" favorece intervenções diretas que facilitam a interação e o desenvolvimento da linguagem infantil e despertar da imaginação da criança, ainda implica na autonomia da representação da linguagem. Sendo a brincadeira um meio de a criança despertar autonomia da linguagem e concedem também a simbolização, é necessária conscientização da possibilidade que a brincadeira poderá ocasionar para a realidade da criança, ou seja, diferenciação entre brincadeira e a realidade da criança no convívio social. Assim é recomendável apropriar-se de essenciais elementos e a novo significado. Para Rocha (1999): "Essa peculiaridade da brincadeira ocorre por meio da articulação entre imaginação da realidade. Toda brincadeira é uma imitação transformada, no plano das emoções e das idéias, de uma realidade [...]". Assim por meio da brincadeira a criança consegue transpor seus pensamentos de tal forma que em suas ações possa passar idéias de uma situação vivenciada em outro ambiente. A construção do pensamento e das ações repassada através de gestos, emoções pelas crianças têm grandes significados do mundo que vive. Esse processo é importante, pois permite a mesma desenvolver a auto ? estima necessária a vida e ao mesmo tempo a constituição de um "modelo de adultos" em relação à convivência em grupo social. A diversidade grupal social no processo infantil é uma base para uma concepção infantil, assim ela consegue relacionar o papel que desempenha na "brincadeira" numa situação conhecida anteriormente.
O ato de brincar não é simplesmente uma atividade que ajuda a criança a se divertir no mundo imaginário criado por ela. Trata-se de uma maneira favorável para que o educador possa observar ação da criança no contexto que se encontra, viabilizando uma apreciação do processo de desenvolvimento de um determinado "grupo" e individual da criança. A aproximação do educador no campo educacional ainda é de grande importância para avaliar e registrar as habilidades, competência e o uso das linguagens nos grupos sociais, além de fazer apreciação da criança nos aspectos emocionais e a forma como é feito a manuseio de materiais ao seu redor. Ou seja, observando o comportamento da criança em relação às situações criadas por elas nas diversas situações no cotidiano escolar. No contexto escolar, após analisarem o conjunto de atitudes expostas pelas crianças ao brincar, é de suma importância oportuniza-los interações com objetos, dentro de uma estrutura ampla que possibilite a movimentação e capacidade de criar novas situações de vidas.
O desenvolvimento humano implica no processo de cada individuo. Uns fatores determinantes são os característicos vigentes em cada fase da vida do individuo. Na fase infantil o que determina sua forma de pensar e o que sentem no mundo em que vivem, são as interações estabelecidas com grupos sociais internos e externos. Cria-se um elo de compreensão por parte das crianças, na medida em que tentam conhecer o mundo que o rodeiam, elas são vistas pelos adultos como integrante importante desse mundo. É uma estrutura caracterizada pelo processo de humanização, ou seja, é um individuo que faz parte do seu processo histórico social. Construtor do seu próprio "desenvolvimento e conhecimento".
A relação entre professor e criança está vinculada a uma relação de comunicação que de certa forma estar embutida as emoções e os sentimentos, e isto favorece a constituição da personalidade e construção da identidade. Neste sentido Rocha (1999) aponta as funções da escola e creches, nos aspectos pedagógicos. Nos aspectos pedagógicos são diferentes e cada uma dela abrange um conhecimento especifico. Ou seja, a escola tem a função de fornecer "conhecimentos básicos como "sujeito" o aluno, enquanto a educação infantil abrange uma relação educativa num espaço coletivo e restringe a criança de 0 a 6 anos de idade". Assim, a escola na construção de informações concretas, sistematizada deve buscar meios de forma integrada a proporcionar as crianças atividades lúdicas no dia a dia que desperte o desenvolvimento intelectual, social e psicomotora, afetiva e cultural. Ressignificando a cada momento vivido pela criança e auxiliando na elaboração de habilidades e competências socializadoras no processo educativo do "ser social" e participante na construção da sua própria história como parte integral e importante da sociedade.

2. A Contribuição da Brincadeira na Construção do Conhecimento na Educação Infantil

A brincadeira no contexto educativo além de favorecer o desenvolvimento intelectual, afetivo, social, cultural, físico e ao mesmo tempo constituição da identidade deve despertar o interesse e o querer brincar com certo tipo de brinquedo. Possibilitar o desenvolvimento intelectual através de situações desafiadoras. Obstante, não é qualquer brinquedo ou objeto que tem essa função. Pois segundo Rubem Alves (2004): "[...] muitos dos brinquedos que se vendem em lojas não são brinquedos precisamente por não oferecerem desafios algum [...]". Pois para ser brinquedo não precisa ser comprado na "loja de brinquedos", assim a criança no despertar da sua imaginação consegue manipular objetos e fazer dele um interessante brinquedo na medida em que cria situações vivenciadas no meio em que vive. Ainda Rubem Alves: "Há brinquedos que são desafios ao corpo, à sua força, habilidade, paciência... E há brinquedo que são desafios à inteligência. Mas se ela tem de fazer coisa que não são desafiados, ela fica preguiçosa e emburrecida". A partir de grandes desafios, a criança no processo do conhecimento decifra o que seus olhos conseguem ver e decodificar a informação, fazendo com que seu cérebro funcione e produz conhecimento. Assim, o brincar envolve observação, imaginação e manipulação de objetos que desperte interesse e criatividade da criança. A brincadeira é uma situação criada pela criança no meio em que vive trazendo para si uma complexidade de conhecimentos que são ressignificados a todo o momento.
Se tratando de brinquedo na contribuição do conhecimento nos aspectos essenciais ao desenvolvimento humano é necessário transforma-lo num objeto desafiador que provoque a inteligência da criança na produção do conhecimento. Para isso, é viável que o professor também saiba manipular e proporcionar situações desafiadoras e incorpore um lado criança para desenvolver atividades ao lado da criança. Segundo Rubem Alves, a criança tem seu singelo rosto uma curiosidade intensa do mundo que ainda não conhece,é o auge que o desperta em conhecer novas coisas. Pois o mesmo sente atraído pelas coisas que estão em sua volta. Rubem Alves (2004) afirma: "Para as crianças o mundo é um vasto parque de diversões. As coisas são fascinantes, provocações ao olhar. Cada coisa é um convite".
A forma que o educador coloca a questão da brincadeira é interessante, pois sabemos que aprendizagem pode ocorrer de diversas formas, e uma delas é através de brincadeira. É importante ressaltar que as brincadeiras têm como principal função desafiar o educando aprender de maneira divertida. Todo processo educativo com o envolvimento de brincadeira torna-se atrativa. Mas consiste numa brincadeira séria. A educação não é um mero "aprender". E sim significa desenvolver conhecimento indispensável à vida do aluno. Independente de idade, arranjar meios para atender as necessidades dos alunos. A "arte" de ensinar é provocar no individuo o desejo de aprender. O conhecimento como produto dessa aprendizagem ocorre quando o aluno é impulsionado a pensar. Esse processo se dá também, quando o individuo gosta de uma determinada pessoa. O interesse e o desejo de ser igual os fazem agir de tal forma com que mude de comportamento e começa aprender com quem ama. Ou seja, aprende a gostar de tal coisa devido a quem ensina. A brincadeira que se aprende é aquela que desafia o individuo a pensar. Assim as maiorias dos brinquedos não favorecem o individuo a desenvolver habilidades necessárias para seu conhecimento.

3. Valores essenciais ao Desenvolvimento da Socialização na Educação Infantil

As crianças desde seu nascimento iniciam um processo de socialização que constitui aquisição de valores, normas, costumes, conhecimento e condutas comportamentais que a qual a sociedade se encarrega de transmite-lhe. Assim essa aquisição começa antes de dois anos de idade, como ainda não compreende as normas sociais, ela nesta idade sente necessidade de reconhecimento de um adulto. Isso quer dizer que desde pequena tem necessidade responder a estímulos sociais. Essa necessidade está relacionada a modelos que estabelecem figuras de apego de determinados grupos que vivem no dia a dia. Assim, os grupos transmitem as crianças "sensações de serem queridas", baseados em valores positivos. A partir de interação afetiva entre o meio social e a criança, o seu lado "socializador" vai sendo desenvolvido.
O comportamento social desenvolvido pela interação entre o meio e a criança são definidas por M.M.González e M.L.Padilha (1990, p.202),

O conjunto de ações que as pessoas realizam procurando, voluntariamente, beneficiar outros (...) faz com que, a partir dos dois anos, as crianças possam discriminar as atitudes positivas e as negativas, apresentado assim condutas sociais. Na prática diária, vemos as crianças de dois anos ajudando um outro colega que caiu, ou consolando-o quando chora.


A escola e a família é um grande contribuidor no desenvolvimento social da criança. Pois podem através da socialização ocorrer uma aprendizagem de condutas sociais pertinentes a sua vida. Percebe que as condutas podem ser desenvolvidas desde cedo no âmbito familiar e escolar. Ainda a relação de afetividade com ambiente é estabelecida a partir do nascimento e ao decorrer de seu desenvolvimento assimila as vivências do dia a dia e transporta mais tarde a vida adulta. Isso é primordial para que a criança possa formar seus pensamentos e interiorizar as normas estabelecidas desde pequenos. A questão do afeto nessa fase prioriza a relação entre a criança e o adulto, pois o apego é um meio de interação dessa relação. Para Lopez (1990, p.107): "O apego é um vinculo afetivo que a criança estabelece com as pessoas que interagem de forma privilegiada com ela, estando caracterizado por determinadas condutas, representações mentais e sentimentos".
O processo de socialização também é desenvolvido na escola, pois se cria um vínculo entre os professores, e estes atuam como integrante desse papel na construção da identidade e caracterização pela imitação, deste modo adequando como seus valores às informações transmitidas por parte dos adultos. A criança no processo de socialização adquire valores importantes que serão primordiais na vida adulta. Sendo assim, os valores são indispensáveis e serve como chave para a socialização e o desenvolvimento humano. Dessa forma, é importante que a escola que cuida de crianças, priorizando valores e normas que pretendem trabalhar na educação infantil.
Por isso, a prática do educador na educação infantil deve tomar cuidados na hora de ensinar ou desenvolver atividades lúdicas. Uma vez que as crianças já trazem valores adquiridos em casa, nesse caso, o processo educativo na educação infantil deve direcionar o trabalho pedagógico voltado em valores, atividades que despertam aptidões e aprendizagem para o desenvolvimento de atitudes e comportamento sociais. Baseando - se numa prática que visa a condutas positivas e transformação de hábitos. Contudo reforçando a "auto-estima e a confiança em si mesma". Portanto, é de suma importância viabilizar situações que dê condições as crianças desenvolverem atitudes e adquirir valores pertinentes a sua vida presente e ao mesmo tempo visando ao seu futuro.

CONCLUSÃO

Conclui - se que na fase infantil é primordial o desenvolvimento de atividades lúdicas para o desenvolvimento humano. Para isso é viável inserir práticas que visa a uma aprendizagem significante para a criança ao longo de sua vida. Assim, toda atividade lúdica no processo no educativo deve ter como objetivo a interação entre a criança e o meio para o desenvolvimento social. A socialização é um ponto primordial na vida da criança, pois a permite a interiorização do pensamento por meio de situações vivenciadas no convívio familiar. A experiência adquirida no anseio familiar ou com pessoa adulta condiciona a criança a criar situações e representar por meio de brincadeira o que é vivenciado em casa. Tais experiências no processo educativo são importantes, pois favorece ao de desenvolvimento de atitudes e comportamentos essenciais a vida adulta.
No desenvolvimento humano é imprescindível que as atividades lúdicas sejam direcionadas de forma que venha contribuir com aprendizagem significativa nos aspectos cognitivos, sociais, afetivas e culturais. Sabe-se que através de brincadeiras a criança consegue por meio de objetos manifestarem suas emoções, desejos, além de ajudar no desenvolvi No desenvolvimento humano é imprescindível que as atividades lúdicas sejam direcionadas de forma que venha contribuir com aprendizagem significativa nos aspectos cognitivos, sociais, afetivas e culturais. Sabe-se que através de brincadeiras a criança consegue por meio de objetos manifestarem suas emoções, desejos, além de ajudar no desenvolvimento da linguagem. Pode-se dizer que a linguagem é um fruto da interatividade entre meio e outras pessoas no convívio social. Toda atividade é importante na condução de atitudes e comportamento. Assim, no âmbito educativo infantil, as instituições devem promover um ambiente propício para o desenvolvimento das atividades. Isso requer espaço interno e externo bem amplo para brincadeiras que exijam espaço, assim auxiliando no aspecto psicomotor da criança.
Portanto, o desenvolvimento humano tem como base a infância. Pois a partir dela que a criança constrói sua estrutura cognitiva importante para vida adulta. Então, deve considerar todos os aspectos primordiais, como experiência, valores, o lado social, psicológico e estrutura familiar. Por isso que as escolas infantis têm uma função relevante na formação da criança e também promover uma variedade de atividades inerentes às necessidades da criança.


REFERENCIAS


ALVES, R. O Desejo de Aprender e a Arte de Aprender. Campinas: Fundação educar Dpaschal, 2004.
Batista, C. V. M.. Proposto Filosófico educacional. Dissertação (Mestrado em Educação) ? Universidade Estadual de Londrina. Londrina, 1999.
GIMENO, C.ABALAGUER, N. Educação em Valores na Educação Infantil.
PALACIOS, J. MARCHESIS, A. COLL, C.Desarrollo psicológico y educación, Madrid, alianza.

 
Avalie este artigo:
1 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Claudia Guerra Cardoso Santos
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Mestre em Ciencias da Educação e doutorando em Ciencias da Educação .Educadora e Pedagoga.
Membro desde outubro de 2010
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: