UM DISCIPULO DO SENHOR Qual é o verdadeiro discípulo do Senhor Jesus. Como é que vamos reconhecer este discípulo em meio a bilhões de seres humanos. A história a seguir nos dá uma linha geral daquele que é o verdadeiro discípulo do mestre. Calixto nasceu na roça. Sempre ajudou a seu pai em tudo o que fosse possível. No pequeno sítio aprendeu tudo o que foi possível para dar continuidade as atividades da família. A única profissão que aprendeu foi mesmo a de roceiro. Nisto ele aprendeu tudo: roçar, queimar, separar as sementes, plantar, cuidar da plantação, colher, secar, preparar os alimentos e vendê-los um pouco para comprar alguns víveres alimentícios, bem como o vestuário. Quando encontramos Calixto ele tinha 47 anos. O salário do seu trabalho era razoável. Só que ele trabalhava muito: das seis da manhã às seis da tarde, mas Calixto se considerava um homem feliz. Estudos ele tinha muito pouco, apenas o 4º. ano primário como quase todos os roceiros que conhecemos, mas era o suficiente para ele levar a vida. Calixto casou-se cedo, aos 20 anos de idade e agora tinha 5 filhos. Todos eles estavam bem tratados, todos estudavam, alguns fazendo o segundo grau. Sim, ele não teve estudos, mas precisava dar estudos aos filhos. Ninguém sabe o dia de amanhã, pois o mundo só anda de mal a pior, portanto era melhor se prevenir. Fazia de tudo para que os filhos recebessem uma boa educação, bem como uma profissão. Aos domingos de manhã todos tinham um compromisso: ir a missa pela manhã. Este era um dever sagrado da família, portanto todos iam bem arrumados receber as orientações do padre e também rever alguns amigos. Não, Calixto não era religioso, mas, segundo ele, sua religião era bem cuidar da família, dos amigos quando precisassem, ajudar a todos que lhe procuravam, não fazer mal a ninguém. Todos os dias a hora do almoço, toda a família deveria estar reunida para fazer uma oração de agradecimento a Deus pelo alimento do dia. Todos tinham que estar reunidos e todos ditavam uma frase de agradecimento ao mestre Jesus. Calixto não tem nenhuma ambição. Está satisfeito com tudo o que tem e com tudo o que faz. Segundo ele, não precisava mais que aquilo para sobreviver. Considerava-se um homem feliz. Não falava mal de ninguém, não mentia, era uma pessoa extremamente honesta e cumpridora do seu dever para com o homem e para com Deus. Na rua cumprimenta a todos bondosamente, não tem luxo, nem vaidade. Está sempre de bom humor. Sua família não reclama de nada. Calixto não tem grande coisa, apenas um sitinho onde faz suas plantações, possui algumas cabeças de vaca para o leitinho das crianças, alguns porcos. Peixe tem de sobra no rio e quando precisa é só ir lá buscá-los. Assim vai vivendo o nosso homem. É o verdadeiro discípulo do Senhor. Na verdade Deus não quer nenhum religioso, pois religião não salva ninguém. Quer que todos cumpram o seu dever aqui na terra, pois se cada um cumprir tudo o que for necessário, já está levando uma religião a sério.