Apenas inconscientemente você pode estar atraindo pessoas que tenham lacunas emocionais, e que ainda carecem de tratamento e um olhar mais acolhedor sobre esses sintomas. Pode ser a “teoria da repetição” que Freud destacou como sendo a busca em relacionamentos futuros daquilo que vivemos no passado, que lembram, só que de uma forma inconsciente, sem querer. É uma tentativa de acreditar e dar sempre uma nova chance, não é mesmo!? No fundo esse coraçãozinho ainda quer acreditar nas pessoas. Você está atraindo o que precisa trabalhar dentro de você. É preciso se libertar e viver algo diferente do que viveu anteriormente. Se tudo isso ocorre inconscientemente é claro que você não tem culpa. Investigue, busque, tente encontrar a raiz dessa situação que hoje te incomoda. Pode ser algo de infância, necessidades emocionais que não foram totalmente atingidas e que fizeram falta, brigas que geraram uma visão distorcida do que é se relacionar com o outro. O que quer que tenha acontecido em seus relacionamentos do passado, não pode ser mudado. E não deve, de forma alguma, afetar seus próximos relacionamentos. Esses bloqueios internos que espelham a atração de pessoas com as mesmas características, que tem seus medos, inseguranças e sentem ciúmes inapropriados não precisam talhar a tua felicidade, porque você é muito bem resolvida, consciente e plena. Uma mulher empoderada. Forte, inteligente, bem-sucedida. Tudo isso é exclusivamente para o teu crescimento pessoal e tua maturidade amorosa, para o teu próprio bem. Afinal, o autoconhecimento te levará a fazer escolhas melhores e com mais consciência do que deve ser diferente. Esse é o ponto. Você precisa encontrar coisas diferentes que não viveu. Tem que haver cumplicidade e paixão, reciprocidade de atenção e dedicação nessa relação, literalmente uma via de mão dupla. Pois se vier somente da tua parte como sempre foi, você estará fadada a repetir velhos comportamentos, mesmo que tenha evoluído muito emocionalmente e ache que o universo está te dando sinais errados. Não é fácil, exige coragem. É muito delicado e particular. É como o autoperdão, que te livra de pesos desnecessários, alivia a carga emocional e permite você olhar com mais predileção para si mesma, encontrando pontos positivos de uma pessoa que é tão apaixonada pela vida e que pode aprender a identificar onde toda essa paixão deve ser despejada, nos momentos em que deve usar e para quais pessoas ela deve ser doada incondicionalmente. Frida Kahlo disse certa vez: “onde não puderes amar, não te demores”. Adapte isso para a tua vida, ou, adicione no teu dia mais essa: “onde não encontrar reciprocidade, não permaneça”. Mais que frases de efeitos, são “feelings” que você deve deixar ativos sempre que um relacionamento estiver te causando mais questionamentos do que bons sentimentos.