É um país sem dúvida alguma de grande importância mundial!

Evidentemente, somos geograficamente um dos maiores em extensão territorial com boa parte aproveitável para produção de alimentos que poderiam matar a fome não só de milhões de brasileiros, mas também de outras dezenas de países, ou seja, somos o celeiro do mundo.

Fato notório somos detentores das maiores reservas naturais do planeta, vale dizer: ferro, potássio, urânio, manganês, nióbio, terras raras, etc, e quem sabe do ouro negro (petróleo).

Somos agraciados por ter a maior reserva de água doce e mata silvestre do mundo, e ainda, somos abençoados por não sofrer graves vicissitudes dos eventos naturais catastróficos.

A população deste país possui um "Q" miscigenatório em sua composição física e social, pelo que alguma supremacia de raça nunca encontrou guarida em nosso território, visto posto que somos um povo acolhedor, pacífico e solidário.

Estamos situados abaixo do Trópico de Câncer, nossas veias e moleiras são impulsionadas a vibrar com brio intenso de uma forma expressiva de existência de vida, ou seja, somos quentes, impávidos, agitados e alegres, sobretudo ao sombreiro canarinho.

É bem verdade que somos ainda um país com jeito de moleque travesso, eis que precisamos assumir responsabilidade com nosso lugar, em que devemos aprender a cuidar, proteger, valorizar e melhorar os recursos disponíveis.

Temos que ter consciência que somos um colosso frente ao mundo, ou seja, não precisamos de ninguém e no futuro está claro que haverá embate e desrespeito a soberania nacional em nome da sobrevivência mundial, no caso em tela, não deixemos contabilizar este escárnio mundial.

No entanto, interesses escusos das potências mundiais (EUA, China e Rússia) poderá no futuro redesenhar um novo Tratado de Tordesilhas (1494) em nosso país, desta feita os estadunidenses já começaram desassociar região Amazônica a do Brasil em seus livros de história mundial.

A marionete das potências mundiais chegará ao fim quando tomarmos consciência de nossa situação, pois já chegamos comprar briga por causa de terceiro alheio (Inglaterra) na guerra do Paraguai de 1864-1870 e assim, cada vez, sendo  desviado dos reais interesses da nação por causa de meros rábulas de plantão (grupos econômicos).

É mister que toda crise não se pode tornar imanente, ao vermos que a mexerufada dos políticos sempre alborotoaram a justiça e progresso social de nosso país, que  ao passar dos tempos tão longinquar similidade se vêem ao governo de Arthur Bernardes (1922-1926) com os dias atuais, que a pecha “intervenção e estado de sítio” ainda é moda em nosso país.

Agora chega! Já pagamos a nossa dívida externa, histórica e de Portugal (Vinda da família real).

Chegou a hora de acordamos e unirmos para um Brasil melhor, aproveitando o momento eleitoral para fazer a melhor escolha, para que não seja tarde para evitar os graves efeitos internos e externos que a séculos assolam este maravilhoso país.

Por fim, não tenho dúvidas que quando o Brasil se mover no rumo correto, nada mais poderá impedir que tornemos na maior potência mundial.

 
Wagner Seiji Toda
 
Tenho 44 anos, pai de dois filhos, Anderson (10 anos) e Lucas (17 anos);
Especialista em Gestão Pública pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná;
Especialista em Gestão Pública M. pela Universidade Federal São João Del Rei;
Especialista em Controle Social pelo Tribunal de Contas do Município/SP;
Bacharel em Direito pela Universidade São Francisco/SP;