Se a vida fosse doce e saborosa como um alfajor não precisaríamos ser ouvidos, vistos e sentidos, não é mesmo!? Mas quem disse que ela não é? Acontece que a gente tem provado do amargo dela, seja por falhas próprias, por fraqueza emocional e mental, ou por questões alheias que literalmente fogem à nossa vontade. O que queríamos mesmo era um café quente, um alfajor delicioso e um pouquinho mais de paz no coração. Sossego nos pensamentos para não precisarmos passar pelas decisões em fazer ou não. Independentemente se for certo ou errado, são nossas emoções falando mais alto, são desejos inconscientes que vêm à tona, saem das profundezas da nossa alma e rodeiam nossa cabeça. Estamos sempre no limite entre decidir e executar. Porque os pensamentos estão aí, orbitando nossos deslizes humanos. Por isso não podemos falar em “pensamentos errados”. É que há momentos na vida que – mesmo parecendo contraditório – precisamos experimentar determinadas situações para validarmos nosso presente. Seja para se livrar dele, seja para pavimentar nossa estrada para o futuro. Dá medo? Lógico. Mas nossos medos não podem tomar conta de tudo. Tem espaço e tempo para que você seja corajosa o bastante para dar vazão e deixar fluir naturalmente tudo que está aí apertando teu peito, embargando tua voz, marejando seus olhos... Então, experimentamos o alfajor que a vida nos ofereceu como recompensa por termos conseguido nos manter em pé. Não precisamos dobrar os joelhos, vergar as costas e nem ceder às opressões das obscuridades dos outros. O alfajor é o coração que nos ouve aberto, é a mão que segura nossas mãos e um pouco de quem somos. Com muito respeito, amor, carinho, desejo e segurança. O olhar de predileção, que olha o brilho nos teus olhos, que sente lá no fundo aquela vontade de ainda querer mais. Uma fagulha de amor e paixão por viver algo especialmente mágico e único. E só você pode dizer a si mesma pelo quê (?) ainda brilham teus olhos... Eles dizem muita coisa, inclusive o que você intimamente deseja e sonha. Se essa tarde não for a melhor da tua vida, não importa. O que vale é o café quente, o alfajor delicioso e a tranquilidade que vai se instalando no teu coração...