1. Designação: Estudar a Poesia
  1. Instituição Pesquisadora: Universidade Pedagógica- Delegação de Maxixe
  2. Pesquisador: Tomás Anónio Gomes

         Endereço: 824263045 e tomasgomes2011@live.com

 Intervenientes: Professores e alunos da escola, ambos fontes de informação para análise de dados.

  1. Tema: O Ensino-Aprendizagem do Texto Poético nas aulas de Português: Problemas e Perspectivas.
  2. Problema e Pergunta de Partida

A seguir, arrolamos as principais constatações da nossa pesquisa:

 - O programa de ensino da disciplina de Língua Portuguesa da 9ª classe prescreve com maior enfoque, na unidade 10 - referente aos textos poéticos, aspectos referentes aos esquemas rimáticos, versificação, estroficação, em suma, analisar o texto quanto à apresentação e quanto ao tipo de linguagem, e não por exemplo a análise das classes gramaticais das palavras que compõem o texto, classificação da rima quanto ao acento, o que nos permite aferir o estado de espírito do sujeito poético, entre outros aspectos que tornam o texto uma entidade verdadeiramente comunicativa cujos ensinamentos residem na capacidade crítico- reflexiva que é feita sobre o mesmo.

Para além do pressuposto acima avançado, constitui questão de fundo o facto de no funcionamento da língua eleger-se apenas o estudo dos advérbios, quando na verdade os poetas recorrem a várias classes de palavras para exprimirem o seu estado de espírito. Ademais, constitui uma das sugestões metodológicas para o professor, a audição dos textos poéticos, mas a nossa realidade não oferece condições para que isto se materialize.

- Nota-se, no entanto, que por vezes, usa-se o texto literário como modelo de boa linguagem ou de correcção gramatical, o que na perspectiva de FONSECA (2000:39), "é uma atitude que o empobrece, pois, deixa totalmente na sombra aquilo em que realmente reside, do ponto de vista da língua, a mais valia da criação literária.” Este procedimento amputa a criatividade do aluno na medida em que se deixa de fora a utilidade do conteúdo desta tipologia textual para com o dia-a-dia do aluno ou mesmo para a sociedade no geral.

- FONSECA (op.cit: 43) diz que “no ensino do texto literário, deve-se ter em conta a aquisição de conhecimentos sobre um determinado fenómeno histórico-cultural[1], suas regras convencionais e as suas realizações, não só, como também alargar a competência discursiva do aluno.”

Neste âmbito, durante a assistência às aulas, o professor não fez a inscrição do texto na história, conjugando-o com a vida e obra do autor, o que a nosso modo de ver se resume na falta de criatividade e dinâmica por parte do professor, pois usa o programa de ensino como instrumento de limitação e não como instrumento de inspiração.

Outros problemas enfrentados pelos alunos na escola Secundária de Chambone-Maxixe consubstanciam-se com o que CONTENTE (1995) designa dificuldades de um leitor inexperiente, isto é:

- Os aluno, ao não compreenderem algumas palavras, tentavam encontrar o seu significado, o que fazia com que perdessem o sentido global do texto ou pura e simplesmente abandonavam a leitura.

 

- Na organização textual, tinham dificuldades de interpretação, em parte devido ao desconhecimento da sintaxe e da articulação das frases. Aliado a isso, os alunos não conseguiam constituir as macro-estruturas semânticas que lhe são enviadas pela memória a longo prazo.

 

- No domínio referencial (conteúdo, tema abordado, aspectos culturais), os alunos não conseguiam articular os seus próprios conhecimentos com as novas informações que lhes são fornecidas pelo texto.

A partir dessas questões expostas, percebemos que o E-A do texto poético é complexo e exige uma interacção mais profunda envolvendo o professor, os alunos e o texto. Mais ainda, mostra-nos a necessidade de fazer com que o aluno perceba a relação estreita que existe entre o conhecimento gramatical, a leitura e a produção escrita. A gramática, não como um fim, mas como um meio através do qual o aluno deve desenvolver a sua capacidade de expressão, assumindo uma postura critico-reflexiva do que lê.

Assim sendo, devido à complexidade que o texto poético insere e às características peculiares que o distinguem dos demais, pretendemos com o nosso trabalho responder a  seguinte questão:

 Que factores concorrem para o empobrecimento do ensino-aprendizagem do texto poético nas aulas de Português?

De forma hipotética, entendemos que o empobrecimento do ensino-aprendizagem do texto poético nas aulas de Português deve-se aos seguintes aspectos:

- A falta de competência textual por parte dos alunos;

- Os procedimentos pedagógico-didácticos inadequados do professor;

- O défice no conhecimento do papel da literatura como um instrumento de construção da identidade humana;

- O programa da disciplina de Português da 9ª classe não cria um campo para a criatividade do professor.

  1. Objectivo Geral

 - Contribuir com estratégias  de ensino-aprendizagem do texto poético aulas de Português.

  1. Objectivos Específicos

-Descrever os problemas observados no tratamento do texto poético;

- Analisar os factores que dificultam a abordagem desta tipologia textual nas aulas de Português;

-Propor estratégias pedagógico-didácticas para a melhoria do Ensino-Aprendizagem do texto poético nas aulas de Português

  1. Sumário/ Resumo do Projecto

O presente projecto, intitulado “ O ensino-aprendizagem do Texto Poético nas aulas de Portguês: Problemas e Perspectivas” surge no âmbito da necessidade de contribuir com estratégias de abordagem desta tipologia textual, e na necessidade de se publicitar a importância do texto poético como instrumento que espevitou a independência, em suma, mostrar que a literatura tem relevância para o quotidiano. Esta pesquisa terá como foco principal, algumas turmas da escola secundária de Chambone, localizada no distrito municipal de Maxixe, Província de Inhambane, compreendendo os seguintes momentos: Assistência às aulas dos professores-tutor, actividade que será realizada com o objectivo de aferir as estratégias metodológicas por ele adoptadas para a condução do processo de ensino-aprendizagem. No segundo momento, interagiremos com os alunos, fornecendo-os os nossos instrumentos de recolha de dados para procederem com o preenchimento das informações necessárias para a validação ou invalidação das hipóteses que sustentam a nossa pesquisa. Privilegiaremos também o inquérito aos professores que compõem o grupo de disciplina da Língua Portuguesa. Quanto à metodologia, recorremos aos métodos de observação directa, de pesquisa bibliográfica, documental. Associamos a estes, os métodos de análise como estatístico, comparativo, e à técnica do questionário. [...]