Talvez a maior vitória que se possa ter na vida não seja apenas não falhar com os outros, mas sim não falhar consigo mesmo. Há como? Difícil... Ser humano é falhar, é viver entre o limite tênue dos erros e das imperfeições. Ser imperfeito é maravilhoso, pois te permite voltar, retomar o caminho e fazer tudo diferente. É garantia de acerto? Claro que não! Isso é o bonito da vida, saber que o próximo passo (seja para a frente ou para trás mesmo) pode mudar o mundo ou deixá-lo como está. E o essencial é que nem toda mudança é para melhor. Se tiver sorte, ótimo, mas se não der certo, bola pra frente. Eu penso que o amor seja essa separação desta linha tênue também. “É quando você passa e só de sorrir me leva ao céu. Faz desse inferno um paraíso. Joga um balde de felicidade sobre a minha vida. É quando você passa a mão no meu rosto, seca as lágrimas e me faz sorrir enfeitando meu coração de ternura, doçura, carinho e sentimento verdadeiro. O amor é assim mesmo. É o exato momento que nossos corpos se encontram no abraço de dois corpos que se tornam uma só alma, e vivem felizes em dois corações”. O amor tapa os buracos da tristeza e da solidão, apaga a chama da depressão e da melancolia, injeta ânimo nas veias e é o combustível da cabeça. Faz trabalhar melhor, viver com mais alegria. A quem o amor tocou, sabe-se amado, sente-se amada. O contrário disso é uma foto em preto e branco, daquelas já meio amareladas, que representa a vida sem amor... A vida que foi passando, passando, mas que por ela o amor não passou... Eu penso assim, “que o amor dá vida as cores inférteis, faz crescer, agrega valor, mostra caráter, cuida bem do próprio amor, reflete luz, brilho (próprios). Respeita a história de vida antes de querer entrar nela. Não quer entrar de qualquer jeito, tem que ser pela porta da frente, de cabeça erguida, com os propósitos claros e definidos. Para o amor não há nada artificial. A própria vida se enfeita de lindas flores, regadas com o desejo de um unido aos sonhos com a querida amada”. Como um sonho de uma garota que foi se deitar menina e acordou uma linda mulher... O amor é mesmo assim...

 

 

Texto escrito Johney Laudelino da Silva em 18/12/2012.

 

Com vídeo da música Quando Você Passa – Maria Gadú http://youtu.be/YafCuS1gJic