Há várias formas de demonstrar toda a indignação por uma situação. Demonstrar que se está insatisfeito com o jeito como estão conduzindo a vida. Nisso entram: família, amizades, namoro, trabalho... Demonstrar que se está infeliz com essa situação, que “deixar de lado”, “deixar para lá”, ou “deixar quieto” traz muita angústia e sofrimento. Há muitas formas. Uma delas é falando, gritando, sem se preocupar com o que pensarão a respeito, mas o coração pode ser vítima das palavras. Outra forma é fazendo coisas que 0,01% das pessoas ao teu redor notarão. Atitudes comedidas, que parecerão revolta pura, ou infantilidade. Mas um jeito diferente é o protesto velado. É o silêncio. É ficar quieto em um canto da vida. Esperando. Aguardando a melhor hora, o tempo certo, para em um momento oportuno (não sendo oportunista) colocar para fora toda essa tristeza. Pode-se demonstrar com os olhos cheios de lágrimas também. E é assim, nesse jeito velado, nesse protesto velado e silencioso que algo é tentado a mudar. Não quer dizer que mudará. De jeito nenhum. Poucos, talvez menos do que os 0,01% compreenderão. De qualquer forma, seja do jeito que for, não carregue dentro de si esses pesos das atitudes contrárias dos outros. Já tem tantas imperfeições na vida que ser um receptor da pobreza humana dos outros não dá certo. Não combina. Por isso, mesmo que nesse jeito velado, mostre que está infeliz sim, que está com medo de não dar conta da vida hoje, que esperança não é prato para todo dia, e que não tem vergonha de ser fraco quando é para “enganar-se na fortaleza” de pensamentos, de frases feitas, de olhar duro, de “não-carinho”, de “não-abraço”, de indiferença, de muita indiferença...