Para criar e desenvolver na empresa um ambiente de aprendizado cruzado é preciso antes de qualquer ponderação segregar desenvolvimento profissional de desenvolvimento empresarial.

            Uma empresa precisa necessariamente que as pessoas que fazem parte dela se desenvolvam para também se desenvolver, mas o contrário não se aplica.

            Uma empresa de qualquer ramo de atividade que tenha prospecção a novos mercados, para tanto, precisa estudar a respeito, fazer comparações, pesquisas, aprofundamento de casos e então lançar-se a novos desafios. Logo, para que isso ocorra, faz-se necessário que alguém inserido na empresa faça todo esse trabalho, o que demanda conhecimento e estudo, ou seja, desenvolvimento profissional.

            O aumento dos lucros, da carteira de clientes, dos colaboradores externos e a conquista de novos mercados condizem ao desenvolvimento empresarial.

            É notório e a história das grandes empresas mostra isso, que o desenvolvimento empresarial se fez através do desenvolvimento profissional, sendo que este, e o ponto crucial para toda essa evolução parte daí, ocorreu intrinsecamente, de dentro para fora, ou seja, a própria empresa oportunizou aos seus colaboradores internos que se desenvolvessem profissionalmente.

            Antes de buscarem soluções difíceis e conturbadas em um já conturbado mercado de trabalho, as empresas bem desenvolvidas, reconhecidamente, vislumbraram em seus próprios colaboradores um potencial que o mercado de trabalho não oferece. Por vários aspectos: conhecimento e adaptação à política da empresa; relacionamento entre os próprios profissionais; conhecimento da rotina de tarefas e necessidades primordiais.

            As empresas criaram no próprio trabalho um ambiente de aprendizado cruzado que oferece uma oportunidade de crescimento e capacitação a quem já faz parte do processo. E profissionais criados na própria empresa, sem “vícios rotineiros”, abertos às tarefas, trazem muito mais resultados.

            Incentivos a cursos de atualização, aos estudos na área e a continuidade dos estudos. Incentivar um profissional a estudar não é um gasto, pois o bem e o conhecimento que ele levará ao ambiente de trabalho serão úteis para a própria empresa.

            Aprendizado cruzado pode ser encarado como um plano alternativo de carreira dentro da própria empresa, com um diferencial: o profissional sentir-se-á parte do processo e não apenas mais um que tem sua mesma rotina de todos os dias, pois saberá que uma hora ou outra a empresa terá que abrir mão de um profissional e terá que preencher seu quadro de colaboradores. Logo, antes de iniciar um processo de seleção externa, desenvolverá um ambiente de aprendizado cruzado dando chance e oportunizando crescimento aos colaboradores internos.