Exercitar a paciência no dia-a-dia, é um recurso que beneficia o próximo, mas principalmente a nós mesmos. Aquele que acende uma vela é o primeiro a ser iluminado.

 

Criamos pensamentos inúteis, que aumentam a nossa tensão mental. Imaginamos eventos que nunca irão ocorrer. Fazemos imagens de lutas e de discussões que jamais iremos enfrentar. Nossos monstros imaginários no devoram e nos engolem, tal com o dragão que alimentado pelo dono, devora-o quando cresce o suficiente.

 

Devemos criar em nossos quadros mentais imagens alegres, felizes e reluzentes, fugindo da aflição cotidiana, levando a cada parte do dia um sopro de esperança.

 

Uma técnica que aprendi, quando minha mente se escurece com maus pensamentos é sorrir. Sorrir de leve, discretamente, isso alivia minhas tensões e coloca minha mente em um nível superior.

 

Quando cercado por aflições, seja no lar, no trabalho, na rua, em momentos de dor, de angústia, de espera, sorria. A atmosfera vai brilhar ao seu redor. Faça o teste, experimente. Simplesmente: sorria.

A ansiedade é uma doença que começa na mente e termina por contaminar o corpo. É uma epidemia da modernidade. O combate começa na atitude positiva mental, que pode ser reforçada pela postura corporal ereta, pelas orações edificantes, pela meditação, pelo serviço valioso ao próximo, começando pelo sorriso estampado na face.

 

Todos passaremos por momentos de aflição, desliguemo-nos deles entregando-nos ao exercício da paciência. Na escola da vida, saber esperar é lição de sabedoria e prudência. Tudo na existência passa, com fé no futuro, mantendo atitude positiva no presente, superaremos com grande tranqüilidade os turbilhões existenciais que somos obrigados a atravessar em nosso próprio benefício.

 

Cumprir com o nosso dever é um escudo que armamos contra a insanidade. Nossas defesas mentais podem estender-se sobre nosso lar, beneficiando os que amamos. Uma mente sem vigília, um braço sem trabalho, são portas abertas para a doença mental e distúrbios que podem nos abater e contaminar a nossa casa. Exercita a mente a focar o bem, o justo e o que você pode fazer para auxiliar na harmonia do lar e da sociedade. Sendo uma pequena centelha de luz a trabalhar incessantemente, assim como a pequena formiga que se limita a cumprir o seu papel, mas cujo esforço somado na linha do tempo, constrói grande edificação.


Diante dos inevitáveis momentos de dor, não aumente a tensão do ambiente com aflições, gritos, desespero e revolta. Jogar gasolina no fogo aumenta as labaredas. Quem não segue o caminho do bem colabora para que o mal aconteça.


Devemos refletir sobre o tempo precioso que entregamos a viver aflições vazias e no prejuízo que elas causam a nós e ao próximo. Entrega-te ao trabalho edificador e ocupa a mente de algo útil, pois a oficina vazia e local de trabalho do mal.


O mundo visível interage incessantemente com o invisível, o pensamento é força que ao emissor retorna. Entrega as horas do dia ao esforço produtivo da jornada, reza por alguém, pede pelo outro, enfoca no bem que pode fazer e tira das costas o peso desnecessário da aflição sem sentido. A paz reina na mente daquele que persevera no caminho do bem.