A ATUAL SITUAÇÃO BRASILEIRA SEGUNDO A PROFECIA DE MIQUÉIAS

O Profeta Miquéias escreveu seu Livro, no qual trata sobre corrupção, por volta do ano 700 a.C., portanto há mais de 2.700 anos; e, devido à inocultável contextualização do mesmo, sobretudo no que se refere ao Brasil, parece-me que ele é nosso contemporâneo e que sua obra acaba de sair do prelo. É por isso que a Palavra de Deus se nos revela como “Viva e Eficaz” (Hb.4:12)

A corrupção brasileira não é hodierna, e tem feito as pessoas, mormente as mais indefensas, perderem seus sonhos, seus ideais, seus direitos ao bem-estar, como cidadãs que merecem todo o respeito e consideração por parte de seus governantes.

Informa-nos o Dicionário, que corrupção é o ato ou efeito de corromper; e corromper é contaminar, adulterar, perverter, viciar; tornar(-se) podre. Portanto corrupção é, num sentido mais lato, o apodrecimento das pessoas a ela inclinadas; consequentemente, o corrupto e o corruptor são podres.

Ora, de uma caixa de tomates sãos nós cuidamos, diligentemente, em tirar os que se vão apodrecendo, para não amargarmos perda total…

A minha versão das Escrituras Sagradas intitula o capítulo 7 do Livro de Miquéias como A CORRUPÇÃO MORAL DA NAÇÃO, e diz: “As suas mãos estão sobre o mal para o fazerem diligentemente; o príncipe e o juiz exigem a peita, e o grande manifesta o desejo mau da sua alma; e assim todos eles tecem o mal.” (v.3). O Profeta está dizendo o seguinte: “AS SUAS MÃOS (as mãos dos corruptos) ESTÃO SOBRE O MAL (tudo o que é oposto ao bem) PARA O FAZEREM (fazerem o mal) DILIGENTEMENTE (com aplicação, ligeireza); O PRÍNCIPE (chefe da Nação) E O JUIZ (julgador) EXIGEM (ordenam imperiosamente) A PEITA (dádiva para subornar), E O GRANDE (poderoso, influente) MANIFESTA (mostra, declara) O DESEJO MAU DA SUA ALMA; E ASSIM TODOS ELES (os dignitários corruptos) TECEM (armam, compõem) O MAL.”

Obviamente que o hagiógrafo em comento é hebreu, e que seu escrito foi dirigido, naquele ensejo, à nação israelita, mas ele se aplica a todas as nações corruptas de todos os tempos. Eu disse, acima, que “a Palavra de Deus é Viva e Eficaz” (Hb.4:12), ou seja, ela não é nenhum pouco morta, e realmente produz o efeito desejado por Deus, aqui e acolá; ontem, hoje e sempre.

Ah, Miquéias, tu és mesmo nosso contemporâneo! O teu Israel de antanho em nada difere da nossa Nação, no que diz respeito à corrupção moral!

A mente que raciocina erradamente é uma mente doente; destarte os corruptos, de certo, relutarão em sua pertinaz rapinagem, não obstante o Espirito Santo convencê-los do pecado, da justiça e do juízo (Jo.16:8).

Que Deus permita, porém, caírem-lhe as escamas dos olhos! E, enxergando a luminosa verdade da Palavra de Deus, essencializada na simplicidade de sua revelação, venham a aceitá-la incondicionalmente, tornando-se também eles libertos da escravidão do amor ao dinheiro, que, indefectivelmente, culmina na ruína e na perdição: Mas os que querem tornar-se ricos caem em tentação e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, as quais submergem os homens na ruína e na perdição. Porque o amor ao dinheiro é raiz de todos os males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores.” (1Tm.6:9,10). Palavra Viva e Eficaz do Senhor Deus para todos nós. Amém!

“O orçamento nacional deve ser equilibrado. Os pagamentos a governos estrangeiros devem ser reduzidos, se a nação não quiser ir à falência. As dívidas públicas devem ser reduzidas. A arrogância das autoridades deve ser moderada e controlada. As pessoas devem novamente aprender a trabalhar, em vez de viver por conta pública.” (Marcus Tullius Cícero, Roma, ano 55 a.C.)

Lázaro Justo Jacinto