Primeiro você precisa se recordar da tua raiz, tua origem, tua essência e tua natureza. Essas são suas bases primordiais que regem tuas energias e que te conduzem por aí. É para o teu coração que você recorre quando precisa reagir diante da vida, das questões mais íntimas e profundas, quando o mundo está pesando a mão sobre tua condição atual. Você não é obrigada a nada, porque só você entende o preço que pagou para chegar até onde chegou. Ser você é um processo que não pode ser julgado pelo que os outros olham hoje. Toda beleza externa traz consigo uma encantadora natureza que pode ou não ser demonstrada. Não é uma regra. Por questões de consciência e ego, seja pelas experiências e histórias vivenciadas, algumas pessoas encontram maior dificuldade em deixar vir à tona sua centelha de vida. Mas essas pessoas certamente carregam na alma marcas amorosas, por mais difícil que possa parecer, por maior trabalho que possa dar, por mais preguiça que isso cause. Pessoas com uma vocação amorosa não precisam mostrar isso a todo instante e para todo mundo que chega até elas. Simplesmente acontece. É natural. É como respirar. Você não escolhe. Vive. É um risco? Sim, mas entre o sim e o não há risco nos dois. O problema é você negar a tua essência. Deixar de amar porque o outro não está preparado, se ele não entendeu nada sobre o que é amor genuíno, não é você quem carrega esse fardo. O sofrimento vai acontecer se você deixar teu ego tomar as rédeas da tua vida. Se você esquecer quem é, se achar que sempre vai ser traída, lesada ou feita de palhaça. Aí sim a vida não terá a menor graça. Estar vulnerável não é para ser engraçado, é para você aprender e crescer. Evoluir, conhecer a si mesma com mais profundidade e menos culpa pelo amor que deixaram de retribuir. Você precisa mesmo é se conectar com o teu melhor. Quando você pensa em alguém, ouve, sorri, abraça, pisca, aconselha, ajuda e até briga com aquela pessoa pelo bem dela, você não sabe, mas está praticando o amor. Porque você é luminosa. Afinal, tua Luz encanta não quando você brilha, mas quando você consegue iluminar o coração daqueles que estão ao teu redor. Ser Luz é sobre isso. Naturalmente você vai brilhar, compartilhar, transbordar até jorrar amor no teu caminho. Seja pelo tempo que for. Pode durar minutos ou vidas. Afinal, você tem capacidade para amar por um minuto ou por várias vidas. Amar assim é a maior declaração de amor próprio que você pode oferecer. Não tem nada a ver com se fechar para os outros, para o mundo e se tornar uma pessoa amargurada e egoísta. Se você compreender que tudo bem, não deve fugir do que é a tua natureza, e dentro desse entendimento conseguir encontrar outras formas para expressar teu amor das diversas formas que te deixem em estado de consciência, sem ter que sofrer por isso, você não sentirá culpa e nem estará negando tua natureza. Deus não te negou nada ao te dar o livre arbítrio da escolha. É importante trocar afeto, relacionar-se, conectar-se com alguém para tocar pontos da tua alma até então intactos e inacessíveis, mas se você fizer isso de maneira inconsciente e apenas para satisfazer um desejo do ego (teu ou dele), o sofrimento será maior e as consequências de dor mais profundas. Portanto, do amor que há em você, tão genuíno e tão elevado, e que não será nunca negado, apenas você vai trocar com pessoas dispostas a te reconduzirem pelos caminhos da tua mais amorosa essência. Não é ser vulnerável e deixar a porta aberta para o sofrimento, mas sim uma forma especial que você tem de se conectar com o melhor que há em você. E não se prenda ao tempo das coisas, o que elas levam para chegar, o tempo que duram quando acontecem, e o tempo que acabam... Fixe teu pensamento e canalize tua energia no instante-já, no momento em que tudo está rolando, afinal assim como a nuvem precisa chover, você também precisa compartilhar o amor, mas esses fenômenos ocorrem naturalmente...