Saudade serve para lembrar com carinho e respeito. Saudade serve para cultivar os ensinamentos que compartilhamos. Saudade serve para olhar-se no espelho e reconhecer-se como ser humano, reconhecer os defeitos, as mazelas, as vicissitudes, mas também reconhecer as marcas do caráter que deixaram em nós, reconhecer e valorizar a conduta correta nas diversas situações que a vida apresentou desde a chegada dessa tal saudade. Saudade não devia doer tanto, afinal, serve para dar luz e brilho ao cantinho especial em que nós a cultivamos. Os nossos espaços vazios não são derivados de saudade, mas são lacunas a serem preenchidas com sentimentos que nutrimos e ainda nascerão pelas pessoas. Muitas dessas nós ainda nem conhecemos. Saudade, saudade boa. Saudade ruim não existe, porque essas coisas nós jogamos fora com mais rapidez, pois preferimos deixar espaço para os dias melhores que virão. Lembra com respeito, lembra com amor, lembra e deixa o tempo pousar sobre a dor da separação e da distância física, porque logo, logo mesmo, chegará essa tal saudade que servirá para confortar nosso espírito e apaziguar nossa alma.

Texto escrito por Johney Laudelino da Silva em 29/11/2011.

 

Complementado pelo vídeo da música O Silêncio das Estrelas – Lenine http://youtu.be/bIxJNISqwmA