Hoje em dia ainda existe uma dificuldade no aprendizado efetivo de idiomas. O problema não está relacionado à capacidade de aquisição, interesse ou disciplina do aluno, mas sim a maneira como foram ensinados a aprender, desde sua primeira infância. Se você pode falar o seu idioma materno, você poderá aprender qualquer outro idioma do mundo. Descobrir o tipo de aprendizado tornará simples o processo para dominar outros idiomas.

Um dos fatores importantes entre a memória e o aprendizado de um idioma, é a maneira como estão conectados a processos importantes de aprendizagem, tais como habilidade de áudio, compreensão e atenção. Em termos gerais, o processamento da memória tende a envolver armazenamento e recuperação de informações. Isso significa que é preciso considerar primeiramente a melhor forma de se apresentar uma nova informação ao cérebro para que então ele possa maximizar o aprendizado. Estas considerações devem ser planejadas em sala de aula, adaptando-se técnicas de memorização a metodologia e criando hábitos de estudo fora da sala de aula.

Para um aprendizado efetivo de línguas estrangeiras é imprescindível a utilização de técnicas de memorização. Aprender vocabulário é muitas vezes uma questão de associar um conjunto de sílabas com uma palavra em sua língua materna. Tradicionalmente, as pessoas associam essas palavras pela repetição - pronunciando a palavra em sua própria língua e traduzindo para o idioma estudado. Uma técnica eficaz é identificar pontos principais, fazer associações claras e  estabelecer palavras-chave. Dr. Michael Gruneberg, especialista em Linguagem, apresenta diversas técnicas de aquisição de vocabulário em seus estudos. Uma delas envolve o uso de imagens vinculadas à palavra em sua própria língua com a respectiva tradução na língua estrangeira. O segredo é passar pelo menos 10 segundos observando cada imagem. Dessa maneira elas se alojarão em sua memória. Ele afirma que a utilização desta técnica permite aos alunos compreender a língua três vezes mais rápido do que outros estudantes. Um estudo com aprendizes de um novo idioma revelou que, após 12 horas utilizando essa técnica, os alunos alcançaram um padrão que normalmente levaria uma prática de 40 horas para memorizar o novo vocabulário. Segundo Gruneberg, as habilidades de ver, ouvir, repetir e escrever ajudam a fornecer a uma criança, por exemplo, uma base concreta necessária para se fazer associações claras e ligações entre os fatos, antigos e novos. Isso pode ser realizado através de jogos com objetos ou imagens. A utilização de estratégias de aprendizagem ativa pode levar ao desenvolvimento de pensamento necessário e processos de planejamento de memória.


Outra técnica de estudo inteligente é a criação de mapas mentais. Técnica desenvolvida e iniciada por Tony Buzan. A ideia é que mapas mentais espelham a forma como o nosso cérebro naturalmente pensa - com cores, imagens e associações - o que torna as palavras mais fáceis de aprender do que de uma forma linear.

Cada um de nós tem uma preferência pela qual recebemos, processamos e transmitimos informações. Existem diferentes estratégias para determinar o seu tipo de aprendizagem, a partir do lado esquerdo ou direito do cérebro. A nossa capacidade de aprender novas palavras está diretamente relacionada com a frequência com que somos expostos aos sons. Só de ouvir outra língua ajuda a construir novas vias neurais no cérebro, o que é necessário para aprender a nova língua, afirma Dr. Paul Sulzberger, da Universidade de Victoria, na Nova Zelândia. Os bebês fazem isso, as crianças que se mudam de países fazem isso, mas os adultos tendem a evitar. Em 2010, o Conselho de Ciências e Pesquisas Médicas da Universidade de Cambridge descobriu que o cérebro aprende uma nova palavra em menos de 15 minutos. O cérebro forma uma nova rede de neurônios especificamente encarregados de lembrar dessa palavra, fazendo automaticamente conexões para utilizá-la corretamente no futuro. Seguindo esse pensamento, Tony Buzan, criou um desafio de aprender o idioma espanhol em 40 horas. Descobriu, então, que a pessoa de nível intermediário de um idioma fala, pelo menos, 1.000 a 2.000 palavras diferentes, mas haverá pelo menos 100 palavras que se repetirão regularmente. Portanto, aprendendo essas palavras-chave - que incluem palavras como ''eu'', ''você'', ''obrigado'', ''por que'', ''quem'' - você já estará dando um grande passo.