Nikelly Mº Alves da Silva, João José Batista Filho.

Graduando(a) em Letras – Inglês / Faculdade do Belo Jardim – FBJ

[email protected], / [email protected]

Introdução       

O romantismo e a ascensão do romance.

 

           O final do século XVIII foi um período de mudanças revolucionárias na Europa. O iluminismo, ou a idade da razão, havia adotado os avanços científicos que propiciaram a revolução industrial, assim como as várias ideias filosóficas que levaram as revoluções políticas na América   do Norte e na França. Os efeitos da crescente industrialização e urbanismo da sociedade causaram fortes impactos no modo como muitas pessoas viviam e trabalhavam.

Durante o Renascimento e o Iluminismo, humanidade e razão tornaram-se focos de igual interesse cultural. Porém, no início do século XIX o indivíduo tomou o centro das atenções.  Em parte   como reação a fria racionalidade do Iluminismo, surgiu um movimento artístico voltado  para sentimentos subjetivos e qualidades como intuição, imaginação e emoção.  Esse movimento ficou conhecido como romantismo.

          O romantismo tem suas raízes no movimento alemão conhecido como Sturm und Drang (tempestades e ímpeto), do qual surgiram os escritores   Johann Wolfgang von Goethe e Friedrich Schiller. Nessa transição do estilo clássico do Iluminismo para o romantismo do século XIX, eles introduziram a ideia de um protagonista não convencional cujas ações são menos importantes que seus pensamentos e sentimentos. Esse ‘’ herói ’’ romântico’’ tornou se mais tarde, uma figura contrária a ordem estabelecida – uma síntese do espirito rebelde do período além de uma personalidade recorrente no crescente número de romances surgidos na época.

          No Brasil, o período histórico era marcado por um sentimento nacionalista, em especial pelo fato marcante que foi a Independência, em 1822. Encontramos, pois, elementos que caracterizam o período, presentes nas obras dos autores românticos. É o exemplo da exaltação da Pátria feita por Gonçalves Dias, e do clima nostálgico presente nas poesias de Álvares de Azevedo e Fagundes Varela, sem falar no engajamento nas causas sociais, presente fortemente na obra de Castro Alves, o qual abordou temas polêmicos como a escravidão. Esse clima de valorização da liberdade e renovação marcou muito a literatura romântica, afinal, principalmente baseados nessa liberdade, os poetas se sentiram livres para expressar seus sentimentos na poesia, além de não se sentirem mais presos à métrica dos versos que as escolas anteriores valorizavam. Nascia uma nova forma de escrever.

 

Desse modo, o Romantismo é a escola da expressão dos sentimentos, da liberdade de expressão. Por isso, alguns escritores passaram a falar da natureza e do amor num tom pessoal e melancólico, fazendo da literatura uma forma de expressar seus sentimentos. Além disso, voltaram-se para os tempos medievais, época da formação de suas nações, valorizando os heróis e as tradições populares, exaltando o nacionalismo. E essa liberdade também fica evidente na forma de escrever, já que os escritores românticos abandonaram o tom solene e adotaram um estilo simples e comunicativo na escrita.

 

          A parte que se pode chamar de prática e problematização é constituída pela análise do poema de José João Batista filho, escolhido como exemplo principal, não apenas pela alta qualidade de sua obra, mas porque ela é provavelmente única e permite a o estudante encontrar as modalidade de verso, Hexassílabo e Heptassílabo desde os rigorosamente fixos até os mais livremente experimentais. O estudo da poesia apresenta certas dificuldades especiais, porque no universo prosaico o meio de expressão nos parece mais próximo da linguagem quotidiana, e nós nos familiarizamos mais rapidamente com ele. A linguagem da poesia é mais convencional e impõe uma atenção maior, sobretudo porque ela se manifesta geralmente, nos nossos dias, em peças mais curtas e mais concentradas, que por isso mesmo são menos acessíveis ao primeiro contato.

          O presente trabalho tem o objetivo de analisar o poema O amar do autor José João batista filho, e essencialmente o que é tradução de sentido, e outro que é tradução do seu conteúdo humano, da mensagem através da qual o escritor se exprime, exprimindo uma visão do mundo e do homem. O estudo do poema importa em considerá-lo da maneira mais íntegra possível, como comunicação, mas ao mesmo tempo, e sobretudo, como expressão. O que o artista tem a comunicar, ele o faz na medida em que se exprime. A expressão é o aspecto fundamental da arte e portanto da literatura.

 

Metodologia          

          A presente pesquisa é de caráter analítico poético, pois se constrói através da revisão do poema que será trabalhado da obra O alvorecer das palavras, com o intuito de dar ênfase a representatividade que o autor quis expressar em seu poema. Farei a analise metrificada do poema O amar, e os fundamentos do poema evidenciando passo a passo o ritmo, os elementos sonoros propriamente ditos as unidades expressivas do poema, o destino das palavras do poema, a modalidade das palavras transfiguradas e a retorica tradicional.

 

Resultados e Discursões

João José Batista Filho Professor, escritor e poeta. Possui Graduação em Letras pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Caruaru (1986). Especialista em Língua Portuguesa pela (FAFICA) - 1995. Mestrado em Letras pela UFPB, 2009. Publicou sua primeira obra no ano de, 2005. A poesia de João José Batista Filho é uma poesia envolvida que apresenta seus mais profundos sentimentos e vivências, ele exterioriza sua alma expondo sua sensibilidade, e consegue passar para o leitor que os mínimos toques do universo não passam despercebidos. Ele alimenta sua alma com seus versos transcendentais no poema O amar, quando ele diz:   

 O amar

                                       ‘’O u/ni/ver/so/ de u/ni/ver/sos                     

                                         nos/ u/nem/ na/ mês/ma/ cal/ma

                                        em/ mo/vi/men/tos/ di/ver/sos.                                      

 

Quan/do/ su/pli/can/do em/ ver/sos

bus/co es/te a/mor/ que/ me a/cal/ma

é/ que/ tem/ho em/ mim/ o /trau/ma

do/ des/ti/no/ que/ per/ver/so

 

rou/bou/-me o/ so/nho/ pri/mei/ro

do/ mo/men/to/ sin/gu/lar/

dei/xan/do/-me/ por/ in/tei/ro

 

im/pe/din/do/ de/ mos/trar/

o/ mis/té/rio/ der/ra/dei/ro

do a/mor/ sem/ re/gras/, no a/mar.

O poema analisado trata-se de um heptassilábico em redondilha maior.

No primeiro verso o universo de universos, quer dizer que cada pessoa é um universo em si, e quando dois universos se unem com a mesma conexão de propósitos descobrem que tem um infinito dentro daquele espaço e tempo abrigando milhares de constelação fora de ordem, que essas constelações seria os movimentos diversos de que nada é mais importante a não ser o momento do encontro ou reencontro, das duas respirações que falava.

No segundo verso, no início o autor demostra sentir um calmo amor prestante, e a saudade que ele senti bem evidenciada no trecho ‘’ Quando suplico em versos busco este amor que me acalma, amor este que tem uma diversa realidade, quando ele fala que: é que tenho em mim o trauma do destino que perverso o autor se limita a um medo de uma experiência traumática  do destino como se, o destino  tenha dado o amor que tanto anseia, e tirado da mesma forma ou medo de um futuro inesperado, preferindo  se limitar a seus versos declarando-se nas folhas em branco.

No terceiro verso quando o autor diz que: roubou-me o sonho primeiro no momento singular deixando-me por inteiro, o momento singular na vida de um homem é quando algo extremante único acontece que é impossível de ser explicado em palavras, é como tentar explicar o inexplicável ou tentar decifrar o indecifrável, é o momento de sentir. E o sentimento evidenciado no verso do poema é de que ele queria amar da mesma forma que ele amou mas, tudo não passou de um sonho que antes mesmo fora interrompido, destruído de uma tal maneira, que o impediu de mostrar que até os sonhos podem ser destruídos mesmo sendo uma coisa só sua, única, dolorosa e verdadeira e abstrata.

No quarto verso ele finaliza o poema escrevendo: impedido de mostrar o mistério derradeiro do amor sem regras, de amar. A frustação do impedimento de mostrar o verdadeiro sentido do amar é bem evidente, o amar sem regras pré-estabelecidas, os mistérios infinitos que rodeiam este sinônimo de amor é um fato na escrita do verso, o autor nos sugere que ame sem tempo definido. Ame com paixão, como gostaria de ser amado, e que existe milhares de possibilidades infinitas no amar, e as razões de uma afirmação tão sentimental e expressiva são várias e podem ser encontradas nos dois últimos versos do poema, a relação amorosa com o não vivido, e com base em sonhos interrompidos nos deixa claro, que de fato foram escolhas livres do autor para criar uma reflexão que variasse de leito para leitor e sendo assim, cada um buscar refletir o seu verdadeiro estado de espirito.

 

Conclusão

       A presente pesquisa   buscou apontar a importância da literatura no período da ascensão do romance e a importância que esse movimento teve, dando ênfase ao estudo da poética do autor João José Batista Filho, fazendo uma análise do poema extraído da obra O alvorecer das palavras, observando o universo literário poético, tido como arte mostrando um pouco da riqueza das palavras do olhar poético do autor.

           Compreendo que o estudo da poesia apresenta certas dificuldades especiais, porque no universo prosaico o meio de expressão nos parece mais próximo da linguagem quotidiana, e nós nos familiarizamos mais rapidamente com ele. A linguagem da poesia é mais convencional e impõe uma atenção maior, sobretudo porque ela se manifesta geralmente, nos nossos dias, em peças mais curtas e mais concentradas, que por isso mesmo são menos acessíveis ao primeiro contato.

           O objetivo central é de analisar o poema O amar do autor José João batista filho, e essencialmente o que é tradução de sentido, através da qual o escritor se exprime, exprimindo uma visão do mundo e dos sentimentos. O estudo do poema busca apontar da maneira mais íntegra possível, o que o artista tem a comunicar, o que ele o faz na medida em que se exprime.

Portanto, com a elaboração dessa pesquisa, houve a conclusão de que o estudo da poesia é relevante em diferentes aspectos, que a poesia possibilita um novo olhar sob o universo das palavras e literário pois promove uma reflexão que é de extrema importância, já que se trata de comunicação em que prevalecem algumas intenções voltadas para a subjetividade, e para as múltiplas interpretações.

 

Referências

BATISTA FILHO, J. J. . O Alvorecer das Palavras. 1. ed. Olinda: Livro Rápido, 2005. v. 500. 60p .

https://www.escavador.com/sobre/2883549/joao-jose-batista-filho#profissional

https://www.todamateria.com.br/metrificacao/

O livro da literatura/ O romantismo

O livro o estudo analítico/ poema e poesia. Antônio cândido.