O brinquedo pode ser representado como um manual que instrui a criança a buscar conhecimentos que sirvam de apoio no processo da construção de conhecimentos operantes no seu cotidiano. Observamos que o brincar quer seja com bonecas, quer seja com bolas ou outros brinquedos a criança exercita uma relação de busca para aquilo que possa satisfazer seu ego. Utiliza-se assim do brinquedo para representar por meio da ação, o que deseja e o que pensa, mesmo que não seja expresso de forma clara e coerente com a linguagem oral. Pois, na brincadeira a criança começa a sentir necessidade de integração com o meio observando o agir dos membros de sua família e demais pessoas convivem.

O brinquedo é uma fantasia para a criança sendo fundamental para sua expressão que permite vários processos de aprendizagem. “o brinquedo coloca a criança na presença de reproduções: tudo o que existe no cotidiano, natureza  e construções humanas (Kishimoto,2004). A representação da realidade imaginaria que a criança adquire na qual ela cria e recria “realidades” de transformações contida no mundo real. É o estimulante manipulativo para fazer fluir o imaginário infantil.

Reconhecer a importância de oferecer brinquedos para a criança é um procedimento de comunicação e interação entre ela e outras pessoas, é condição básica para o desenvolvimento saudável da oralidade. Visto que os brinquedos são elementos significativos para que a criança amplie suas possibilidades de inserção e de participação nas diversas praticas sociais. Tanto o brincar como o brinquedo e brincadeiras constituem eixos básicos no desenvolvimento infantil, dado a sua importância para a formação do sujeito, para interação com o meio, construção.

De muitos conhecimentos e no desenvolvimento do pensamento o  brinquedo é um elemento importante de comunicação e por meio deste ato  que a criança pode reproduzir o seu cotidiano. A manipulação do brinquedo possibilita o processo de aprendizagem da criança, pois facilita a construção da reflexão, da autonomia e da criatividade, estabelecendo uma relação significativa entre o mundo imaginário.

De acordo com Vygosty,1998 apud Martini 2010, ao discutirem o papel do brinquedo, refere especialmente a brincadeira de faz de conta, como brincar de casinha, brincar de escolinha, brincar com cabo de vassoura como se fosse cavalo. Fazem referência a outros tipos de brinquedos, mas a brincadeira faz de conta é indispensável a respeito do papel do brinquedo no desenvolvimento. Acrescentam ainda que o brinquedo para a criança sempre supõe além do comportamento habitual, o mesmo permeia todas as tendências do desenvolvimento sob forma, lúdica, sendo ele mesmo uma grande fonte de desenvolvimento.

A criança se torna autônoma e consegue conduzir seu comportamento através de diferentes situações criadas por Vygostky,1988 citado por Martini, acrescentam que no brinquedo a criança tem diferentes visões em relação daquilo que vê. No brincar considerado um verbo de ação possibilita a mesma separar pensamento ou seja, significado de uma palavra de objetos, sendo que ação  nasce do pensamento e não do próprio objeto.

Brincando a criança exercita suas potencialidades e se desenvolve, pois existe grandes desafios contido nas situações envolvendo o brinquedo e o brincar desse modo acaba provocando pensamentos e conduz alcançar níveis de desenvolvimento que só as ações motivadores chegam uma conclusão lógica entre a idade, o tempo, o espaço vivido pelas crianças.

Seguindo esse raciocínio Martini,2010, explica que a brincadeira não e somente uma atividade aleatória, porem ajuda a criança internalizar as regras sociais assumir comportamentos vivenciados no cotidiano, aprofundando o seu conhecimento em relação. Ou seja o brinquedo vai bem além da brincadeira, ajudando a criança para o  processo de ensino e aprendizagem na escola.

KISHIMOTO, Tisuko Morchida. Brinquedo e Brincadeira – usos e significações dentro de contextos culturais. In: SANTOS. Santa Marli Pires dos. Brinquedoteca: o lúdico em diferentes contextos. 7ª Edição. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002. ________. (org.) Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 7ª edição. São Paulo, SP: Cortez, 2003. ________. Jogos Infantis – O jogo, a criança e a educação. 12ª edição. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

VIGOTSKI, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 5. ed. São Paulo: Ícone,1988.  

ELÇA DOS SANTOS MACHADO - Graduada em: Pedagogia e Ciências Biológicas; Especialista em Educação Infantil e professora na Rede Municipal de Ensino Público na cidade de Rondonópolis.

GRACIELE CASTRO SILVA - Graduada em Administração pela UESP - FAIESP-UNIC- Campus de Rondonópolis.

LIDIANE DA SILVA XAVIER - Graduada em: Pedagogia; Especialista em Educação Infantil e professora na Rede Municipal de Ensino Público na cidade de Rondonópolis.

 RAQUEL SANTOS SILVA - Graduada em: Letras; Especialista em Educação Infantil e professora na Rede Municipal de Ensino Público na cidade de Rondonópolis.

RENATA RODRIGUES DE ARRUDA; Especialista em Educação Infantil.

ROSILENE NUNES DA SILVA - Graduada em: Pedagogia; Especialista em Educação Infantil e professora na Rede Municipal de Ensino Público na cidade de Rondonópolis.

SIMONE BATISTA CAMPOS (7)  Graduada em: Pedagogia; Especialista em Gestão Escolar e professora na Rede Municipal de Ensino Público na cidade de Rondonópolis.