Desde que você soube da gravidez já nutria um amor incondicional por ela. Esse mistério de Deus, esse amor de quem cuidou, gerou e zelou pela vida dessa “serumaninha” que é a dádiva do céu na tua vida. Passados os meses iniciais de intensa troca de calor humano e cuidados especiais, você precisou voltar à rotina de mulher batalhadora. Profissional admirável que sai de casa com o coração dividido todo dia, mas carrega na retina da memória aquele olhar e sorriso inocentes e impressionantemente apaixonantes. Certamente você se derrete a cada forma de olhar e em todas as novidades que ela faz. Por isso, a pressa, ou, o desejo de voltar mais cedo para casa, de retornar para o ninho e cuidar mais da sua “pequena”. E vocês, juntas, transbordam nessa troca de amor puro, transparente e imensurável entre mãe e filha. Ela ali, não fala, mas sente... Sente que naquele colo de cheiro conhecido encontrou o mais seguro abrigo do mundo. O mais forte afeto de uma maneira que você mesma imaginava, mas não sabia que poderia te modificar tanto assim... Como sei disso? Basta ver teus olhos ao lembrar dela. O brilho é de orgulho e saudade. A voz dá outro tom para a expressão “minha filha”. Teu coração bate em outra cadência por ela. Você está trocando desimportâncias por preciosidades. E quando você tem a sua filha no colo tem a certeza de que ali estão fagulhas de luz divina derramadas na mais perfeita criação de Deus. Ela te mudou e vai te mudando. Você não vai perder teu jeito, tua essência e tua forma de ser, mas vai sendo acrescida gradativamente pelo carinho recebido e conhecido, porque foi gerada na tua essência mais linda e verdadeira de mãe.