ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO: UMA REFLEXÃO TEÓRICA SOBRE AS AÇÕES PSICOPEDAGÓGICAS  NO DESENVOLVIMENTO FÍSICO E INTELECTUAL DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA

 

Antonio Adelblane dos Santos 1

Francisca Maria Pires Teixeira 2

Edmar Campelo de Araújo 3

 

 

 

RESUMO: 

A pesquisa surgiu com objetivo de refletir sobre a relevância do Atendimento Educacional Especializado, e sobre as vantagens do trabalho psicopedagógico para o desenvolvimento físico e intelectual do aluno com deficiência. O trabalho tem como objetivo geral: refletir sobre a contribuição do trabalho psicopedagógico para o desenvolvimento dos alunos do Atendimento Educacional Especializado; e os respectivos objetivos específicos: comentar a importância das práticas psicopedagógicas direcionadas a estimular os aspectos físicos e cognitivos dos alunos com deficiência; discutir sobre a relevância do psicopedagogo no Atendimento Educacional Especializado. Para realização desse estudo fez-se uso da pesquisa bibliográfica com intuito de aprofundar-se mais sobre a temática. A metodologia utilizada para dar andamento a pesquisa inquiriu-se em coleta de dados provenientes de livros, monografias, artigos e outros trabalhos de cunho científico já publicados que abordam o tema. Nesse contexto, o trabalho discute e aborda a indispensabilidade das práticas psicopedagógicas e do psicopedagogo não apenas no âmbito escolar mas no Atendimento Educacional Especializado, como forma de garantir a harmonia no processo de aprendizagem do aluno com deficiência. Portanto, o presente estudo tem por finalidade discutir e abordar uma temática proeminente e atual; no sentido de dar assistência ao aluno com deficiência e assegurar o seu desenvolvimento físico e intelectual. Nesse contexto, a pesquisa apresentou resultados relevantes como a indispensabilidade do psicopedagogo no ambiente escolar, bem como a importância de suas ações no que diz respeito ao desenvolvimento físico e cognitivo dos alunos com deficiência.

Palavras-chave: Atendimento educacional especializado. Práticas psicopedagógicas. Desenvolvimento. Aprendizagem.

ABSTRACT:

This research was aimed at reflecting on the relevance of Specialized Educational Services, and on the advantages of psycho - pedagogical work for the physical and intellectual development of students with disabilities. The main goal of this work is to reflect on the contribution of psycho-pedagogical work to the development of students in Specialized Educational Services; and their specific objectives: to comment on the importance of psychopedagogical practices aimed at stimulating the physical and cognitive aspects of students with disabilities; discuss the relevance of psychopedagogues in Specialized Educational Services. For the accomplishment of this study the bibliographical research was used in order to delve deeper into the subject. The methodology used to conduct the research was inquired in data collection from books, monographs, articles and other scientific papers already published that address the theme. In this context, the paper discusses and addresses the indispensability of psychopedagogical practices and psychopedagogues not only in the school context but also in the Specialized Educational Service, as a way to guarantee harmony in the learning process of the disabled student. Therefore, the purpose of this study is to discuss and address a preeminent and current; theme in order to assist the disabled student and ensure their physical and intellectual development. In this context, the research presented relevant results such as the indispensability of the psychopedagogue in the school, environment as well as the importance of its actions regarding the physical and cognitive development of students with disabilities.

 Keywords: Specialized educational assistance. Psychopedagogical practices. Development. Learning.

 

1.  INTRODUÇÃO

Esta pesquisa surgiu a partir da necessidade de se refletir sobre o trabalho psicopedagógico desenvolvido por profissionais da área numa sala de Atendimento Educacional Especializado (AEE). Dessa forma, buscou-se averiguar com base nas literaturas que abordam a temática, os tipos de metodologias que o psicopedagogo utiliza com intuito de promover o desenvolvimento físico e intelectual dos aprendentes.

O trabalho tem como objetivo geral: refletir sobre a contribuição do trabalho psicopedagógico para o desenvolvimento dos alunos do atendimento educacional especializado, e os respectivos objetivos específicos: comentar a importância das práticas psicopedagógicas direcionadas a estimular os aspectos físicos e cognitivos dos alunos com deficiência; discutir sobre a relevância do psicopedagogo no Atendimento Educacional Especializado.

O andamento da pesquisa tornou-se possível mediante uma inquietação que levou-nos a algumas indagações: Quais as contribuições do trabalho psicopedagógico no desenvolvimento dos alunos que recebem atendimento educacional especializado? Qual a importância das práticas psicopedagógicas para estimular o desenvolvimento físico e intelectual dos aprendentes? E qual a relevância do psicopedagogo para o Atendimento Educacional Especializado? A princípio, buscando sanar tais indagações, tentou-se realizar uma pesquisa de campo dentro de uma sala de Atendimento Educacional Especializado (AEE), porém não foi possível a realização da mesma devido uma resistência da profissional atuante na rede municipal de ensino, não restando outra opção, optou-se pela pesquisa bibliográfica com intuito de dar prosseguimento ao estudo.

Ao buscar dar fundamentação científica ao estudo iniciou-se a seleção das fontes bibliográficas; livros, artigos e monografias, esse processo foi feito com intuito de selecionar de maneira criteriosa os dados que fariam parte do estudo, nessa perspectiva, as informações foram copiadas em fichas resumo ou retirada diretamente dos artigos, livros ou monografias.

Este trabalho caracteriza-se por seu aspecto reflexivo, pois com base nas análises das informações retiradas das fontes bibliográficas, foi possível examinar de maneira metódica as formas de como é desenvolvido o trabalho psicopedagógico para auxiliar no crescimento seja ele físico ou intelectual dos alunos que recebem o Atendimento Educacional Especializado.

Este artigo distingue-se por ter uma abordagem bibliográfica e divide-se da seguinte maneira: a primeira parte comenta-se sobre a importância das práticas psicopedagógicas direcionadas a estimular os aspectos físicos e cognitivos dos alunos com deficiência, a segunda etapa faz uma breve discussão sobre a relevância do psicopedagogo no Atendimento Educacional Especializado.

Portanto, o presente estudo permite enxergar a importância do trabalho psicopedagógico no que concerne ao desenvolvimento físico e intelectual dos alunos que recebem o Atendimento Educacional Especializado, além de contribuir de modo a cogitar sobre a indispensabilidade do profissional de psicopedagogia na esfera escolar.

 

2. PRÁTICAS PSICOPEDAGÓGICAS DIRECIONADAS A ESTIMULAR OS ASPECTOS FÍSICOS E COGNITIVOS DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA

 

As práticas psicopedagógicas são técnicas ou métodos construídos e/ou prontos que visam melhorar ou até mesmo ampliar o desenvolvimento físico e cognitivo dos alunos com deficiência, podendo essas práticas ser uma brincadeira educativa com propósito de auxiliar o crescimento intelectual do aluno, ou até mesmo um jogo de equilíbrio com finalidade a desenvolver os aspectos motores. Nesse sentido, as práticas psicopedagógicas podem variar de acordo com os objetivos que se desejam alcançar, podendo estas, ainda induzir nos aspectos físicos ou intelectuais dos alunos.

O desenvolvimento humano pode ser entendido como a ampliação gradual ou integral de todas as aptidões necessárias  à vida do indivíduo, seja elas físicas, sociais, pessoais ou intelectuais, com o propósito garantir-lhe a autonomia necessária para sobreviver no meio de uma sociedade tão complexa a qual existe atualmente.

Desenvolvimento é compreendido como as transformações ordenadas na qual passa o ser humano desde sua concepção à sua morte. Apesar dessas mudanças se sucederem integradamente, o desenvolvimento humano pode ser categorizado em desenvolvimento físico, desenvolvimento pessoal, desenvolvimento social e desenvolvimento cognitivo. (FERRARI, 2014, p.10)

Conforme o autor, o desenvolvimento são transformações ordenadas as quais passam todos os seres humanos desde o seu nascimento, já que, sob sua ótica esses estágios do crescimento aconteçam de forma composta, ainda segundo o autor, o desenvolvimento humano é garantido quando se é assegurado o seu desenvolvimento físico, pessoal, social e cognitivo. 

Diante disso, as práticas psicopedagógicas contribuem de forma positiva no que concerne a incrementar melhorias no crescimento físico e intelectual dos alunos deficientes. A partir dos estímulos advindos das técnicas psicopedagógicas a saber; jogos educativos ou de equilíbrio, danças, brincadeiras, vídeos animados educativos, desenho e pintura, corte e recorte entre outros os alunos desenvolvem-se gradualmente. Portanto, os alunos do Atendimento Educacional Especializado (AEE), recebem o incentivo necessário a desenvolver os seus aspectos físicos, pessoais, sociais e cognitivos. Dessa forma, as salas de Atendimento Educacional Especializado (AEE), são de grande importância no seio escolar, pois no que condiz a formação ou ampliação da inteligência e/ou no desenvolvimento físico, o Atendimento Educacional Especializado (AEE), auxilia na moldagem desse ser que recebe este atendimento reforcivo.

Partindo desse princípio, entendemos que as implantações das salas de AEE são de grande valia dentro da escola, não só para diminuir o fracasso escolar, a evasão e a repetência, mas também para ajudar alunos incluídos e com dificuldades de aprendizagem a desenvolver suas habilidades e capacidades que, de alguma forma, em algum momento, foram reprimidas ou não estimuladas no decorrer de sua vida. (LUNARDI, 2017, p.3 e 4)

Na visão da autora, as salas de Atendimento Educacional Especializado (AEE), são indispensáveis dentro da escola não apenas como maneira de minimizar o fracasso escolar, a evasão e a repetência, mas como uma forma de auxiliar os alunos que recebem o Atendimento Educacional Especializado a desenvolverem suas habilidades e aptidões, já que de alguma forma, em algum momento de sua vida este desenvolvimento foi reprimido ou não recebeu os estímulos necessários ao seu crescimento. Perante a fala da autora, observa-se que o Atendimento Educacional Especializado é muito importante, com isso, reflete-se sobre a necessidade das práticas psicopedagógicas estarem inseridas no âmbito do Atendimento Educacional Especializado, uma vez que, as metodologias psicopedagógicas contribuem diretamente no crescimento físico e principalmente no cognitivo dos alunos com deficiência.

As práticas psicopedagógicas voltadas ao entendimento institucional dos alunos com deficiência, abrange uma gama de funções dentro do processo de desenvolvimento das crianças que recebem o Atendimento Educacional Especializado, dentre essas ações, a psicopedagogia visa compreender todos os estágios do desenvolvimento da criança, bem como o seu progresso intelectual e físico.

A psicopedagogia compreende que os marcos do desenvolvimento do aluno, e percebe que na coordenação, na percepção, atenção e memória, fundamentais no processo de aprendizagem, sofrem transformações profundas à medida em que a criança cresce [...]. (BORGES et al, 2015, p.07)

Para os autores, a psicopedagogia compreende que os marcos de desenvolvimento dos alunos abrangem vários aspectos, sejam vindos da parte física ou cognitiva. O correto afirmar é que, a psicopedagogia surgiu para maximizar o desenvolvimento dos alunos. Ainda segundo os autores, qualquer que seja o fator que venha interferir na parte de coordenação, percepção, atenção e memória, são prejudiciais à aprendizagem. O que se observa e torna-se relevante durante todo o processo de atendimento psicopedagógico, é que na medida que a criança cresce seja física ou intelectualmente, ela desenvolve-se cada vez mais durante os atendimentos.

O atendimento é feito em pequenos grupos, com a finalidade de desenvolver ao máximo as potencialidades dos alunos com vistas a uma melhor integração pessoal, social, valorizando seu conhecimento prévio, utilizando material pedagógico conforme as necessidades, o interesse e a idade do aluno, de modo a facilitar o acesso deste aluno ao currículo desenvolvido nos diferentes anos. (GARCIA et al, 2008, p.02)

Na ótica das autoras, os atendimentos dos alunos com deficiência devem ser feitos em pequenos grupos para desenvolver ao máximo as potencialidades e aptidões dos alunos, essa prática têm a finalidade de melhorar a questão da integração pessoal e social do aluno. Ainda segundo as autoras o atendimento na sala do Atendimento Educacional Especializado (AEE); deve trabalhar com materiais pedagógicos conforme as necessidades, interesse e idade do aluno, bem como respeitar o conhecimento que o aluno já possui de modo a garantir o acesso deste aluno ao saber imposto pelo currículo nos diferentes anos de estudo.

De acordo o artigo 3º da resolução nº 2, de 11 de setembro de 2001, que institui as Diretrizes Nacionais para Educação Especial na Educação Básica:

Por educação especial, modalidade da educação escolar, entende-se por ser um processo educacional definido por uma proposta pedagógica que assegure recursos e serviços educacionais especiais, organizados institucionalmente para apoiar, complementar, suplementar e, em alguns casos, substituir os serviços educacionais comuns, de modo a garantir a educação escolar e promover o desenvolvimento das potencialidades dos educandos que apresentam necessidades educacionais especiais, em todas as etapas e modalidades da educação básica. (BRASIL, 2001, p.01)

Conforme determina a resolução, a educação especial, deve ter uma proposta pedagógica que assegure os recursos e os serviços educacionais necessários para manter um ensino de qualidade, o ensino na educação especial tem que seguir uma rígida organização institucional com o propósito de apoiar, complementar, suplementar e/ou até substituir os serviços educacionais comuns. Nesse contexto, entra o Atendimento Educacional Especializado (AEE), como uma das ramificações da educação especial, como forma de garantir esse apoio ao aluno com deficiência, A educação especial promove o desenvolvimento das potencialidades do educando, visando assim, não apenas o seu crescimento cognitivo gradual, mas o seu desenvolvimento físico, de modo garantir-lhe o acesso a todas as etapas provenientes da modalidade da educação básica.

Nessa trajetória de acessibilidade ao ensino, as práticas psicopedagógicas estão diretamente ligadas ao desenvolvimento dos alunos com deficiência, nesse sentido, garantir o direito ao ensino não apenas é necessário e fundamental, mas é de suma importância que o psicopedagogo busque várias formas para assegurar o máximo de aprendizado possível e a internalização do saber repassado.  É interessante ressaltar, que dependendo do tipo de deficiência o processo de aprendizagem pode variar de aluno para aluno, o certo é proporcionar ao aluno com deficiência um aprendizado consistente de modo que este possa executar tarefas do dia-a-dia.

As atividades desenvolvidas no atendimento educacional especializado diferenciam-se daquelas realizadas na sala de aula comum, não sendo substitutivas a escolarização. Esse atendimento complementa e/ou suplementa a formação dos alunos com vistas a autonomia e independência na escola e fora dela (BRASIL, 2008, p.10).

Segundo a política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva, as atividades desenvolvidas no Atendimento Educacional Especializado (AEE), diferenciam-se das realizadas em salas de aulas comuns, não sendo substituídas o ensino realizado nas salas de aula padrão, mas o atendimento na sala de Atendimento Educacional Especializado (AEE), surge como uma forma de complementar ou suplementar o desenvolvimento dos alunos, seja nos aspectos físicos ou intelectuais, desse modo, a função do ensino psicopedagógico na sala do Atendimento Educacional Especializado (AEE), é garantir a autonomia do aluno com deficiência dentro e fora da escola.

Júnior (2012), contribui ao mencionar a relevância da ação psicopedagógica dentro da escola no que se refere a inclusão do aluno com deficiência ao ensino regular.

Ainda neste sentido:

A atuação psicopedagógica poderá ser concebida no ambiente escolar inclusivo, com alternativas metodológicas e procedimentos didáticos que viabilizará a inclusão e, sobretudo a educação de crianças com necessidades educacionais especiais, através de atendimentos multidisciplinares, incluindo o trabalho psicopedagógico. (JÚNIOR, 2012 p.06)

Para o autor, a prática psicopedagógica poderá conceber-se no ambiente escolar inclusivo, ou seja, é de suma importância que o aluno com deficiência sinta-se amparado pela escola e pelos colegas de sala. Nesse contexto, pode-se observar que o ensino na sala do Atendimento Educacional Especializado soma de forma suplementar o ensino visto na sala de aula comum. Isso implica dizer que a ação psicopedagógica; busca alternativas a partir de metodologias e técnicas didáticas-pedagógicas para através da multidisciplinaridade ampliar os aspectos físicos e cognitivos desses alunos com deficiência. 

Sob essa ótica, pode-se analisar que o fazer psicopedagógico assume uma responsabilidade muito grande no que concerne a assegurar o crescimento físico e cognitivo dos alunos com deficiência. É importante frisar que o Atendimento Educacional Especializado, assim como o processo de inclusão são necessários ao desenvolvimento pessoal, social, físico e cognitivo do aluno com deficiência, pois assim, ele recebe a atenção e os cuidados necessários a um desenvolvimento gradual.

[...] é comum a pessoa com deficiência, [...] frequentar uma instituição de atendimento especializado, que assume, então, o papel de ser um ambiente especialmente criado para oferecer condições que propiciem e estimulem um desenvolvimento integral e mais harmonioso. Essa inserção dependerá de procedimentos de avaliação e intervenção, tornando-os instrumentos valiosos para a inserção crítica e criativa do indivíduo na sociedade. (CUNHA et al, 2008, p.03)

As autoras colaboram ao enfatizar que o aluno com deficiência frequenta a instituição de atendimento especializado devido a mesma estar equipada com todo um aparato de equipamentos e/ou materiais didáticos-pedagógicos, que proporcionam ou estimulam o seu desenvolvimento integral de forma mais harmoniosa. Ainda segundo as autoras, essa inserção irá depender de procedimentos de avaliação e intervenção, para as mesmas, esses processos tornam-se fundamentais para a inserção crítica e criativa do aluno com deficiência na sociedade.

Nesse sentido, as práticas psicopedagógicas quando bem trabalhada, assume um papel fundamental para o desenvolvimento tanto físico quanto intelectual desse aluno com deficiência. Assim, os instrumentos e materiais existentes na sala de Atendimento Educacional Especializado (AEE), auxilia na integração social desse aluno, onde o mesmo, ganhará autonomia na medida em que ocorrem as seções direcionadas a ajudá-lo a se sobressair apesar de sua condição física/intelectual.

O AEE, então, se destina a garantir a permanência do aluno na escola regular, promovendo primeiro o acesso ao currículo, por meio de acessibilidade física como adaptações arquitetônicas, oferta de transporte, adequação de mobiliário e de equipamentos, acesso a sistemas de comunicação. Dado o acesso, como consequência, para o ensino em si, o AEE tem como finalidade também favorecer e a organização de materiais didáticos e pedagógicos, estratégias diferenciadas, instrumentos de avaliação adequados às necessidades do aluno para que, de fato, sua permanência na escola lhe proporcione desenvolvimento acadêmico e pessoal. (BRAUN; VIANNA, 2011, p.3-4)

As autoras deixam explícito em sua obra que o Atendimento Educacional Especializado (AEE), destina-se a garantir a permanência do aluno com deficiência na escola regular, promovendo assim, por meio das práticas psicopedagógicas o acesso destes ao currículo, por meio de acessibilidade física como adaptações arquitetônicas, acesso ao sistema de comunicação etc. Ainda segundo as autoras, o Atendimento Educacional Especializado (AEE), têm como finalidade favorecer e organizar materiais didáticos e pedagógicos, que de forma estratégica e diferenciada, sirvam como instrumentos que atendam às necessidades dos alunos deficientes para que, de maneira eficiente lhe proporcione um bom desenvolvimento acadêmico e pessoal.

Pode-se analisar a partir das ideias das autoras que independentemente da deficiência do aluno, o Atendimento Educacional Especializado deve buscar harmonizar a integração desse indivíduo no meio social, de modo a desenvolver suas habilidades e competências para que o mesmo cresça tanto no intelecto quanto fisicamente. Ou seja, o Atendimento Educacional Especializado (AEE), não é apenas uma sala separada que visa trabalhar a deficiência do aluno, mas o atendimento especializado, é o canal mais propício de prepará-lo para vida em sociedade. 

Diante dessa breve discussão, verifica-se a relevância das práticas psicopedagógicas estarem presentes na sala do Atendimento Educacional Especializado (AEE), pois tais práticas ou métodos estimulam bastante o desenvolvimento do aluno com deficiência. Desse modo, desempenhar um trabalho criativo e eficaz é indispensável para o profissional da sala de Atendimento Educacional Especializado, já que, o mesmo deve estar preparado para dar o melhor de si em todos os processos e estágios do desenvolvimento dos alunos com deficiência.

3. A RELEVÂNCIA DO PSICOPEDAGOGO NO ATENTIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO

O psicopedagogo é um profissional capacitado que têm como função trabalhar junto aos professores do ensino regular visando dar-lhes as orientações necessárias de como trabalhar a inclusão e o processo de aprendizagem do aluno com deficiência. É importante destacar, que o psicopedagogo deve sempre buscar uma parceria entre os professores das salas de aulas normais e da equipe do Atendimento Educacional Especializado. Essa busca da unificação dos planejamentos têm como objetivo facilitar ao máximo o processo de aprendizagem e o desenvolvimento desse indivíduo.

[...] o psicopedagogo institucional, profissional que atua com o objetivo de favorecer os processos de aquisição de conhecimento, trabalha com as questões de vínculo nas relações entre professor e aluno e orienta o educador na escolha de procedimentos que integrem o afetivo e o cognitivo nas atividades a serem desenvolvidas, preocupando-se com as questões referentes ao currículo e a formação docente, pode prestar suas contribuições ao processo de inclusão escolar. (MARTINS, 2011, p.02)

Conforme salienta a autora, o psicopedagogo institucional é um profissional que atua com o objetivo de colaborar nos processos de aquisição do conhecimento, o mesmo ainda trabalha com as questões de relacionamento entre professor-aluno e orienta o educador na escolha de procedimentos que integrem o afetivo e o cognitivo do aluno nas atividades desenvolvidas, ou seja, o profissional de psicopedagogia deve preocupar-se não apenas com as questões de adaptação do currículo, mas este, presta contribuições no processo de inclusão do aluno com deficiência.

Ao refletir a fala da autora percebe-se a indispensabilidade do psicopedagogo na escola principalmente no que se refere ao Atendimento Educacional Especializado, uma vez que o ensino realizado sala de AEE (Atendimento Educacional Especializado), complementa, apoia e suplementa o ensino que o aluno com deficiência recebe na sala de aula comum.

[...] o psicopedagogo busca o ensino adaptativo para que se ajuste às características dos alunos e promova seu desenvolvimento, o que demanda por meio de consenso, a definição de objetivos, planejamento e implantação de situações de ensino adequadas, envolvendo análise e reflexão constantes. (MARTINS, 2011, p.06)

Ainda segundo a autora, o psicopedagogo busca o ensino adaptativo para que se ajuste às características dos alunos e promova o seu desenvolvimento. Conforme menciona a autora o psicopedagogo atua com o objetivo de definir junto aos educadores e comunidade escolar, o planejamento e a implantação de situações e técnicas de ensino adequadas que promovam o crescimento desse aluno

Cabe ao psicopedagogo perceber eventuais perturbações no processo aprendizagem, participar da dinâmica da comunidade educativa, favorecendo a integração, promovendo orientações metodológicas de acordo com as características e particularidades dos indivíduos do grupo, realizando processos de orientação. Já que no caráter assistencial, o psicopedagogo participa de equipes responsáveis pela elaboração de planos e projetos no contexto teórico/prático das políticas educacionais, fazendo com que os professores, diretores e coordenadores possam repensar o papel da escola frente a sua docência e as necessidades individuais de aprendizagem da criança ou, da própria ensinagem. (BOSSA, 2000, p. 23)

A autora enfatiza que é papel do psicopedagogo perceber eventuais problemas no processo de ensino e aprendizagem, Bossa contribui, ao mencionar que é de suma importância o psicopedagogo acompanhar e participar das atividades desenvolvidas pela comunidade educativa com o propósito de facilitar o processo de integração, bem como orientar metodologias de acordo com as características e particularidade dos indivíduos do grupo.

Ainda para Bossa (2000), o psicopedagogo participa de equipes responsáveis pela elaboração de planos e projetos no contexto teórico/prático das políticas educacionais, contribuindo assim, para que professores, diretores e coordenadores repensem sobre o papel da escola frente a sua docência e as necessidades individuais de aprendizagem da criança.

Ao refletir-se sobre as colocações da autora, percebe-se a importância do psicopedagogo no âmbito escolar, o profissional de psicopedagogia têm um grande papel no que se refere a orientar e trabalhar com crianças com deficiência e/ou problemas de aprendizagem, já que o mesmo, com sua experiência e competência busca mobilizar a comunidade escolar na forma correta de como amparar, tratar e integrar essa criança com deficiência e/ou com dificuldade de aprendizagem.

Portanto, o trabalho do psicopedagogo é muito importante para garantir um melhor desenvolvimento das habilidades dos estudantes com necessidade educacionais especiais, que a escolas devem oferecer uma educação inclusiva, visto que a mesma é direito de todos, desse modo os professores devem procurar se qualificarem para melhor incluir o público especial, sendo que a unidade escolar ao realizar esse trabalho não vai está apenas beneficiando os educando que necessitam de uma educação inclusiva, mas a todos os alunos, pois eles vão aprender a lidarem com as diferenças e consequentemente tornando-se pessoas conscientes, diminuindo dessa forma o preconceito existente e enraizado na sociedade para com os sujeitos que sofrem com algum tipo e transtorno ou deficiência. (LIMA; CARNEIRO, 2016, p.05)

Segundo as autoras, o trabalho do psicopedagogo é muito importante para garantir o melhor desenvolvimento das habilidades dos alunos com necessidade educacionais especiais, para as mesmas a escola deve oferecer uma educação inclusiva, uma vez que a educação é um direito de todos. As autoras em sua obra frisa que a escola que trabalha o processo de inclusão não está apenas beneficiando o aluno com deficiência, mas sob sua ótica todos saem ganhando pois os demais alunos irão aprender a lidarem com as diferenças, de modo que os mesmos tornam-se pessoas mais conscientes e combatentes ao preconceito social contra a pessoa com deficiência.

Ao fazer-se uma análise sobre colocação das autoras, a importância do psicopedagogo na escola é indiscutível, pois esse profissional atua não apenas com o processo de mediação entre o professor e o aluno com deficiência; mas o psicopedagogo também atua diretamente na sala de recursos atendendo os alunos com deficiência e desenvolvendo um trabalho suplementar, esse ensino na sala de Atendimento Educacional Especializado (AEE), visa trabalhar as dificuldades enfrentadas pelo aluno na sala de aula comum.

O psicopedagogo [...] atua [...] na escola, no institucional, seu papel é analisar, ouvir e apresentar os fatores que favorecem, intervém ou prejudicam a aprendizagem na escola. Atendendo professores e alunos, intervindo de forma que as dificuldades de relação e de aprendizagem sejam superadas. (LUNARDI, 2017, p.08)

A autora em sua colocação reforça mais uma vez sobre a importância do profissional de psicopedagogia dentro da escola, a escritora em sua obra destaca algumas das funções atribuídas ao psicopedagogo e a relevância dessas ações para garantir o processo de ensino-aprendizagem no âmbito escolar. O psicopedagogo como profissional têm o papel de analisar, ouvir e apresentar os fatores que interferem na aprendizagem dos alunos, essa dificuldade de aprendizagem pode ser ocasionada por fatores físicos, mentais ou sócio-psicológicos, e cabe a psicopedagogia buscar os métodos que favoreçam a superação de tais dificuldades.

A psicopedagogia é necessária sempre que se puder, se quiser e se precisar considerar características psicológicas do sujeito que aprende, além de outras especificamente pedagógicas ou educacionais. (MACEDO, 1992, p.123)

O autor enfatiza que a psicopedagogia é necessária sempre que se puder, se quiser e se precisar, analisando sua fala, a psicopedagogia, assim como o profissional de psicopedagogia são necessários quando se deseja verificar as características psicológicas do sujeito que se aprende, ou seja, o autor deixa explícito que o psicopedagogo é indispensável na escola, seja trabalhando no processo de inclusão ou no Atendimento Educacional Especializado (AEE). Isso indica que as ações psicopedagógicas podem contribuir de forma positiva no processo educacional; bem como no desenvolvimento do aluno com deficiência e/ou com dificuldades de aprendizagem.

Assim, percebe-se que o psicopedagogo contribui metodicamente no desenrolar da educação institucional principalmente no que se refere ao trabalho com alunos com dificuldades de aprendizagem ou com deficiência. Em suma, a psicopedagogia escolar, auxilia de forma teórica e prática na superação dos problemas de aprendizagem sejam eles causados por deficiências físicas, cognitivas, ou de relações sociais.

4. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Por meio dessa pesquisa, pode-se enxergar a relevância do Atendimento Educacional Especializado na escola principalmente no que concerne a trabalhar as dificuldades enfrentadas pelos alunos com deficiência, o trabalho permite-nos refletir sobre a importância do trabalho psicopedagógico para o desenvolvimento físico e intelectual do aluno com deficiência. Este trabalho ainda leva-nos a perceber e reconhecer a importância e as contribuições do profissional de psicopedagogia para maximizar o processo de aprendizagem do aluno que recebe o atendimento especializado.

Durante a pesquisa observou-se que o trabalho psicopedagógico pode variar dependendo da criança que está sendo atendida, então as atividades podem ser diferenciadas tais como; jogos educativos, leitura e escrita, pintura, música e dança entre outros. O fato é que essas práticas psicopedagógicas são extremante importantes quando trabalhadas de modo a suplementar e ampliar o conhecimento passado na sala de aula comum, ou seja, o método didático-pedagógico desenvolvido pelo psicopedagogo têm como objetivo de preparar este aluno fisicamente e cognitivamente para o mesmo atuar na sociedade.

No estudo, é amplamente abordado e discutido que as práticas psicopedagógicas são de suma importância para estimular tanto o desenvolvimento físico quanto intelectual do aluno com deficiência. Sob essa linha de raciocínio os teóricos concordam que os métodos desenvolvidos pelo psicopedagogo fornecem os subsídios necessários ao crescimento físico/intelectual dos alunos que recebem o Atendimento Educacional Especializado.

Analisando de forma reflexiva, a pesquisa incita-nos a ver a indispensabilidade da psicopedagogia está presente no Atendimento Educacional Especializado, já que tal área do conhecimento busca minimizar os problemas existentes que bloqueiam o aprendizado dos alunos. Ao certo, as práticas psicopedagógicas estimulam o aluno a raciocinar e prestar atenção ao que está sendo trabalhado, desse modo, o psicopedagogo consegue prender a atenção do aluno nas atividades favorecendo a máxima fixação de conhecimento possível.

É essencial a permanência do profissional de psicopedagogia no âmbito escolar para o desenvolvimento dos alunos, os teóricos concordam que o psicopedagogo institucional é muito importante para certificar que o processo de aprendizagem ocorra eficientemente sem barreiras ou bloqueios. Isso quer dizer, que a psicopedagogia institucional é uma área do conhecimento que traz inúmeros benefícios para os alunos em geral, seja os que necessitam de atendimento por deficiência ou por bloqueios de aprendizagem gerados por meios externos.

Por fim, esta pesquisa tornou-se relevante no sentido de levar-nos a perceber a importância do Atendimento Educacional Especializado para a escola, bem como, permite-nos refletir sobre as contribuições do trabalho psicopedagógico no âmbito escolar. Assim, o estudo em sua abordagem teórica busca elucidar que o psicopedagogo é essencial para o Atendimento Educacional Especializado e para o desenvolvimento harmônico do processo de ensino-aprendizagem. 

REFERÊNCIAS

 

BORGES, N. F. V. et al. Olhares da Psicopedagogia sobre o Desenvolvimento da Aprendizagem na Educação Especial. Curitiba, EDUCARE, 2015.

 

BOSSA, N. A, A Psicopedagogia no Brasil: contribuições a partir da prática. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

 

BRASIL, Diretrizes Nacionais para Educação Especial na Educação Básica. Brasília, MEC/SEESP, 2001.

 

BRASIL, Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação InclusivaBrasília, MEC/SEESP, 2008.

 

BRAUN, P; VIANNA, M. M, Atendimento Educacional Especializado, Sala de Recursos Multifuncional e Plano de Ensino Individualizado: Desenvolvimento de um Fazer Pedagógico. Seropédica, 2011. Disponível em: http://www.eduinclusivapesq-uerj.pro.br/images/pdf/Braun&Marin.AEE.2011.pdf. Acesso em: Novembro de 2017.

 

CUNHA, A. C. B. et al, Uma Proposta de Análise do Sistema de Atenção e Atendimento Especializado a Pessoas com Necessidades Especiais do Rio de Janeiro com Base no Paradigma da Inclusão. Rio de Janeiro, 2008. Disponível em: http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/view/24042. Acesso em Novembro de 2017.

 

FERRARI, D. F. M, Desenvolvimento Cognitivo: As Implementações das Teorias de Vygotsky e Piaget no Processo de Ensino Aprendizagem. Paraná, 2014. Disponível em: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/4808/1/MD_EDUMTE_VII_2014_34.pdf. Acesso em: Novembro de 2017.

 

GARCIA, A. D. et al, Atendimento Educacional Especializado (AEE). São João de Meriti, 2008. Disponível em: http://www.ufrrj.br/graduacao/prodocencia/publicacoes/tecnologia-assistiva/Curso%20de%20Extens%C3%A3o%20em%20Educa%C3%A7%C3%A3o%20Especial%20na%20perspectiva%20da%20Educa%C3%A7%C3%A3o%20Inclusiva%20estrat%C3%A9gias%20pedag%C3%B3gicas%20para%20favorecer%20a%20inclus%C3%A3o%20escolar/GARCIA_FRANCISCO_E_DAGUIEL_OK.pdf. Acesso em: Novembro de 2017.

 

JÚNIOR, C. B. A, O Psicopedagogo na Educação Especial. Macapá, UNIFAP, 2012.

 

LIMA, A. V; CARNEIRO, A. P. L, A Importância da Sala de Atendimento Educacional Especializado-AEE. Natal, 2016. Disponível em: https://editorarealize.com.br/revistas/cintedi/trabalhos/TRABALHO_EV060_MD1_SA6_ID4216_23102016232252.pdf.  Acesso em Novembro de 2017.

 

LUNARDI, R. O, Olhar Psicopedagógico no Atendimento Educacional Especializado. Ijuí, 2017. Disponível em: https://publicacoeseventos.unijui.edu.br/index.php/salaoconhecimento/article/viewFile/7741/6478. Acesso em: Novembro de 2017.

 

MACEDO, L. Para uma psicopedagogia construtivistaIn ALENCAR, E. S. (org.) Novas contribuições da psicologia aos processos de ensino e aprendizagemSão Paulo: Cortez, p.121-140, 1992.

 

MARTINS, B. A, A Contribuição da Psicopedagogia Institucional à Inclusão da Criança com Deficiência na Escola. Londrina, ABPEE, 2011.

 

 

[1]   Antonio Adelblane dos Santos, formado em Pedagogia pelo Instituto Superior de Educação Programus-ISEPRO. E-mail: [email protected].

2  Francisca Maria Pires Teixeira, formada em Teologia pela Faculdade da Fé-DF. E-mail: [email protected].

3  Edmar Campelo de Araújo, Historiador, Pedagogo, Educador Físico, Mestre em Educação e Doutorando em Educação, professor do Ensino Básico e Superior na rede pública e privada. E-mail: [email protected]