365 Dias de Férias!

Após anos trabalhando sem tirar férias resolví passar um mês longe do trabalho, confesso que não foi cem por cento, vez por outra precisava corrigir alguns problemas que surgiam na empresa.

Neste período tinha um amigo que era vendedor de confecção, certo dia fui com ele para colocar a conversa em dia enquanto ele trabalhava, paramos em "Maraguape" (Cidade Metropolitana de Fortaleza Ce.) enquanto ele mostrava os produtos e cátalogos, fiquei observando a técnica de venda utilizada por ele, como já era uma cliente antiga não precisou de muito esforço para fechar a venda já que sabia o que a lojista precisava para o estoque, ultima moda foi a palavra que ele usou para provar que tinha o melhor produto para alavancar as vendas da loja, pronto, estava resolvido o problema da cliente, ela tinha o produto para almentar o faturamento. Partimos então para cidade Palmácia em cima de uma serra (nome dado a montanha no Ceará), durante a viagem observava a beleza da paisagem, enquanto falávamos de assuntos variados subimos a serra e paramos para tirar algumas fotos para recordar minhas férias, quando ele me relatou que constantemente fazia aquela viagem a trabalho.

TRABALHO! Como alguem podia chamar aquele explendoroso passeio de, trabalho? Foi quando percebí que existe trabalho que pode trazer felicidade quando aliado ao que gostamos de fazer. Apesar de gostar do que fazia não tinha valor agregado ao trabalho, percebí quanto isto era improdutivo. Por que estava de férias? O trabalho estava me cansando, não falava com os amigos algum tempo, nas folgas descansava para repor energias, estava sempre ocupado, e os dias de folga pareciam mais curtos.

Passei a pesquisar formas de trabalho que pudesse adaptar ao que gosto de fazer "VIAJAR". Agora eu procurava um trabalho adaptado para mim e não eu me adaptar ao trabalho, descobríra o verdadeiro sentido da palavra "LIBERDADE FINANCEIRA". Quando falei desta descoberta para alguns amigos eles me olhavam de forma esquisita , depois percebí que estavam preocupados que estivesse louco, ate mesmo meu amigo da viagem que me levou a tal descoberta não entendeu meus argumentos, é difícil convecer as pessoas sem mostrar os resultados. Não precisam de liberdade financeira, preferem ter um emprego onde ganham um bocado por mês pagam oitenta por cento das contas e tangem os outros vinte por cento para o mês seguinte.
Não gostam de férias, muitos vendem alguns dias das férias para pagar despesas e ajustar contas, muitas veses quando retornam sentem que perderam algo, digo que perderam oportunidade de desenvolver vínculos com familiares e amigos. Não gostam de ter um trabalho que possa realizar com família e amigos. Não tem tempo para ajudar parentes, amigos, desconhecidos. Não precisam fazer novas amizades pois os amigos do trablho são suficientes apesar de não ter tempo para falar com estes durante expediente. Amigos antigos não lembra mais onde moram com quem casaram. Professores que o ajudaram a desenvolver personalidades e caracteristicas. Comerciantes do bairro que costumava fazer compras para seus pais, e eles sabiam de quem você era filho, confiavam nos seus pais e confiavam em você.

Passei entender meus amigos quando percebí que estava na mesma situação, agora eu precisava mudasr meu comportamento e tomar novo rumo para não ficar prisioneiro do sistema ultrapassado de trabalhar. Para minha felicidade descobrí que não era único a pensar desta forma, em várias partes do mundo pessoas desenvolviam trabalho semelhante o que eu estava para desenvolver e todos com resultados positivos e eu só precisava copiar e desenvolver meu trabalho com ajuda deles. Se este artigo despertou sua curiosidade, clique aqui para receber informações deste sistema de trabalho, faça seus comentários e perguntas terei o maior prazer em responder.

Marcos Coutinho