VALORES HUMANOS: O PRINCÍPIO DE UMA EDUCAÇÃO DE EXCELÊNCIA
 
VALORES HUMANOS: O PRINCÍPIO DE UMA EDUCAÇÃO DE EXCELÊNCIA
 


Ivanilda Mota Cardoso
[email protected]

RESUMO
Nossa sociedade vive uma agitada rotina, na qual se depara com atitudes que não correspondem aos princípios éticos e sociais considerados necessários à prática humana e cidadã. Com isso, desenvolveu-se uma pesquisa bibliográfica voltada para os valores humanos dentro do contexto educacional, proporcionando aos professores e alunos reflexão contextualizada sobre a importância desse acervo no cotidiano escolar, que servirão de referências teóricas e fonte de consulta não somente a professores, mas a comunidade, considerando que a prática de valores humanos dentro de sala de aula é uma força que conduz o comportamento e estimula o crescimento da inteligência, contribuindo assim, para uma formação de cidadania, do ser e da sociedade. Por fim, pretendeu-se diagnosticar e compreender a partir do confronto teórico de renomeados autores a importância da práxis dos valores humanos como fonte de inspiração para edificação de uma relação saudável não só nas escolas, mas também, nas famílias e na sociedade.

Palavras-chave: éticos, diagnosticar, valores humanos.

____________________________________________________
Pedagoga com Habilitação em Supervisão Escolar
Especializanda em Gestão de Recursos Humanos

INTRODUÇÃO

Sabe-se que o avanço tecnológico contribuiu de fato para o melhoramento de vários aspectos sociais, econômicos, políticos e culturais da nossa sociedade. Porém, cada situação de progresso, registra-se o aprisionamento doentio do ser humano em seu interior, causando-lhe mazelas do século como: stress, depressão e outras doenças que estão penetrando e invadindo o homem e, principalmente, as crianças, que já apresentam comportamentos e atitudes obscenos nos relacionamentos interpessoais, escolares e familiares.
Diante desses fatos, a importância de se trabalhar os valores humanos dentro do contexto educacional torna-se relevante, pois a humanidade precisa conhecer, transformar, estruturar e fortalecer os princípios e os benefícios da proeza humana dentro de um contexto holístico, em que, a emoção do indivíduo seja a prioridade de todos os aspectos curriculares.
A partir desse enfoque, conhecer os princípios e benefícios dos valores humanos para formação do cidadão crítico e participativo na sociedade, significa proporcionar à comunidade escolar a formação de um ser mais justo, igualitário e comprometido com o futuro da sociedade.
Nesta perspectiva, desenvolveu-se uma pesquisa bibliográfica, voltada para os valores humanos dentro do contexto educacional, subsidiada a partir de referências teóricas de nomeados autores e fontes de consulta, que investigaram a prática desses valores dentro da sala de aula, analisando seus princípios e benefícios na formação do ser.
Portanto, a elaboração deste acervo bibliográfico proporcionará aos professores uma abordagem reflexiva e contextualizada da prática dos valores humanos para formação do ser: cidadão e construtor de uma sociedade mais ética e social.

1. VALORES HUMANOS: PRINCÍPIOS E BENEFÍCIOS PARA FORMAÇÃO DO SER

A conjuntura social que vivemos nos transmite ações e comportamentos indecorosos sobre os princípios e os benefícios dos valores humanos nos relacionamentos, amizades e, em especial, nos âmbitos escolares. Diante dessa realidade, as mazelas humanas estão crescendo e o homem se refugia em seu ser, tornando-se prisioneiro de si mesmo. Desse modo, os aumentos das doenças do psíquico, dos sentimentos e das emoções retratam o cenário doentio do ser humano no século XXI.
Considerando os argumentos, a humanidade necessita conhecer, transformar, estruturar e fortalecer os princípios e os benefícios dos valores humanos dentro de uma abordagem holística, proporcionando o contato com a auto-estima, em que, a emoção do indivíduo seja o centro de experimentação em todos os aspectos curriculares. Nesse sentido, a autora Martinelli (1996, 56) ressalta que "a educação das emoções constitui também um processo fundamental para elevar o grau de sociabilidade, despertar o autodomínio e cultivar o discernimento, e essa tarefa cabe igualmente aos professores e aos pais e familiares" (...).
Esse caminho abordado pela autora, mostra a relevância de aulas transformadoras dentro do convívio escolar e familiar, porém, o primeiro passo para realização dessa lição deverá acontecer no âmbito educacional, pois, a estruturação das famílias está abordada pela dissossialização, pelo desamor, pela irresponsabilidade e outros valores negativos, que afetam a edificação do caráter do ser. Além disso, Martinelli (1996, 57) focaliza que "a personalidade e a atitude do professor são de suma importância para suscitar o interesse, a atenção e a concentração dos alunos" (...).
Diante desse pressuposto, o autor Libâneo confirma que:

Como docente, necessita de preparo profissional específico para ensinar conteúdos, dar acompanhamento individual aos alunos e proceder à avaliação da aprendizagem, gerir a sala de aula, ensinar valores, atitudes e normas de convivência social e coletiva. (2006, p. 310)

Percebe-se que os autores, priorizam como protagonista da formação do ser, o professor, que através de metodologia do programa de educação em valores humanos encontra subsídios de aplicação pedagógica para o desenvolvimento integral, trazendo a consciência ampla dos talentos naturais e da vida. Mas, vale enfatizar que para o profissional da educação desenvolver com eficácia o ensino dos valores, ele precisa estar bem motivado e, para alicerçar esse educador, surge o pedagogo (supervisor) "(...) que irá partilhar com o grupo de professores suas angústias, seus desafios, assumindo um papel de provocador, de questionador da ação docente, desinstalando certezas na busca de novas construções (...)" (FERREIRA, 2000, p. 236).
Sem dúvida, o papel do supervisor no contexto educacional, beneficia a todos, principalmente, o educador que necessita de princípios e concepções sólidas de conhecimento para atuar com perspicácia no trabalho educativo, em virtude dessa realidade, professores e alunos precisam vivenciar mais os valores humanos, considerando-os como princípio norteador da consciência humana, sendo que, seus benefícios dignificarão a prática do homem, dissolvendo preconceitos e discriminações, objetivando o fortalecimento do sentido coletivo da humanidade. Além disso, os educadores e os pais com suas tarefas árduas de educar, precisam ser os exemplos, pois como ressalta Cury (2003, p. 83) "todos erram: a maioria usa os erros para se destruir; a minoria, para se construir. Estes são os sábios".
Quando o autor enaltece sobre a questão do erro, analisa-se que a sociedade da era tecnológica, do conhecimento e da informação, exige um ser "perfeito" que seja multifuncional como as máquinas, esquecendo das limitações, da arte de aprender com os erros e de contar histórias e exemplos de vida, ou seja, a valorização do ser humano na sociedade vigente transformou-se em silêncio profundo, pois, quando quebrado torna-se humilhações e traumas complexos. Portanto, precisamos ser reeducados na vivência dos valores, em que, a valorização da experiência seja o suporte primordial para o direcionamento do pensamento em diversas questões que a vida nos apresente, internalizando assim, os valores como alimento do nosso caráter, guia da nossa conduta e estruturador de uma sociedade mais justa, igualitária e cidadã.

2. OS VALORES ÉTICOS E SOCIAIS COMO FONTE DE CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA E DE UMA NOVA SOCIEDADE
Atualmente, o mundo passa por profundas e constantes transformações, pautado por valores construídos sobre alicerces impróprios para sustentar as edificações da construção de uma grande cidadania. Sendo que, a sociedade parece perder seus valores, num tempo em que a aparência vale mais do que a essência e assim, prevalecendo à competição entre os seres humanos. Com isso, a aquisição dos valores se torna indispensável para a busca do equilíbrio necessário às realizações da vida.
De acordo com os argumentos mencionados, o autor Chalita retrata:

"(..) as dificuldades, os conflitos, as guerras e a intolerância que gradativamente se apoderam do mundo são resultado dessa total inversão de valores que predomina na sociedade ? configurando um tempo em que até mesmo a esperança parece estar mais escassa. Cabe a nós estar consciente da importância de nosso papel e amparar, reerguer, reavivar os sentimentos, valores e atitudes que poderão renovar a confiança em dias melhores". (2003, p. 11)

Então, não se torna possível encontrar o sentido da vida sem esses valores, no qual a causa dos conflitos que passam a afligir a humanidade está na própria negação dos mesmos, impedindo assim, um pleno desenvolvimento tanto do potencial individual quanto social do indivíduo.
É preciso transmitir às novas gerações os valores essenciais para a vida em sociedade. Valores esses desprezados e esquecidos dia-a-dia, presenciados por situações absurdas e constrangedoras. É o caso da educação em que muitos educadores não conseguem atravessar para o mundo dos seus alunos, principalmente daqueles mais complicados e isolados. E os professores não percebem que estes podem estar apenas gritando por um pouco de compreensão.
A autora Martinelli em seu livro "Aulas de transformações" comenta que todo o mal do sistema educativo vigente reside basicamente no fato de se guiar a criança pelo caminho teórico, sem o suporte do exemplo. Ou seja, exige-se que a criança haja corretamente, mas os educadores esquecem de se auto-observarem e se aprimorarem como seres humanos. "(...) o resgate dos valores humanos é o grande desafio em qualquer ação educativa". Remetendo-se ao grau de comprometimento com o verdadeiro sentido de educar, ou seja, educar com o coração é tornar-se um agente de transformação e crescimento de potencialidades e qualidade para a formação de uma verdadeira cidadania.
Então, procura-se a busca de uma educação que possa estar empenhada em construir a ponte entre o conhecimento e o desenvolvimento ético do caráter. Considerando que a prática dos valores humanos dentro da sala de aula torna-se uma força que irá conduzir o aluno para a construção de um novo modelo de educação.
Chalita também contribui nessa questão ressaltando em seu livro "Pedagogia do Amor" que a ausência desses valores passam a comprometer a vida interior das pessoas. No qual se escondem, se refugiam em lares semelhantes a uma prisão, erguendo grades que as separam dos vizinhos mais próximos, outras vivem amedrontadas pela violência, pela superficialidade das relações, pela ausência de ética e pelo excesso de egoísmo, de mentiras e de ambições que ainda configuram a sociedade. Tornando assim, essencial que esses valores não sejam esquecidos jamais e continuem sendo passado para a formação de gerações mais conscientes e críticas.
Visto que, a nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei Federal 9394/96) reforça no seu artigo 35 que "o aprimoramento do educando como pessoa humana, inclui a formação ética e o desenvolvimento da autonomia integral e do pensamento crítico". Todavia, as propostas educacionais que poderiam oferecer esta prática educativa integrada as disciplinas, ainda não são bem adotadas e utilizadas dentro da escola como sugestão para se trabalhar os valores humanos e as formação da cidadania.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
A realidade de nossa conjuntura social retrata uma sociedade dominada pelo sistema capitalista, uma tendência que considera os indivíduos mais importantes do que a coletividade, que torna o homem prisioneiro de si mesmo, ofuscando seus valores, sentimentos e emoções causando-lhes vários conflitos parecem ser necessários substituir as certezas, os saberes pré-fixados, isto é, os conceitos de saúde, qualidade de vida e cidadania nos quais muitas vezes apoiamos sem reflexão ou por acreditarmos ser a única alternativa ou ainda porque acreditamos que o único caminho possível é aquele escolhido com base na ética e no respeito à essência daquilo que realmente acreditamos. A bússola para trilhá-lo deve ter como novos orientadores os princípios da Educação.
Todavia, uma coisa é certa, possibilitar o novo é ousado e desafiador, pois lacunas existem e fazem parte de qualquer processo, principalmente quando nos referimos ao processo de ensinar e aprender que envolvem questões sociais, culturais, políticas, econômicas, afetivas e cognitivas. A educação clama por uma pedagogia de perguntas, de melhoramento das perguntas e do acesso a informações, isto é, discutir quais são realmente as noções de cultura corporal, qualidade de vida e cidadania concretas para nossa realidade, além de proporcionar um acesso e interação nas informações.
Deste modo, desenvolver trabalhos direcionados aos valores humanos, é de suma importância, pois, propicia conhecimento e treinamento sobre os princípios e benefícios de sinergia que envolve o relacionamento humano na construção da sociedade, além disso, o trabalho de formação do ser inicia-se na família e na escola, mas encontramos também fora desse ambiente, porém, a pesquisa abordada apresenta-nos um âmbito familiar desestruturado, neste sentido, aumentando a responsabilidade da comunidade escolar de exercitar continuamente os valores humanos em todos os aspectos curriculares, objetivando o crescimento humano, a integração das famílias e a construção de uma sociedade mais justa e igualitária.
Portanto, cabe agora à capacitação dos profissionais que abrangem essa área, priorizando o processo de construção da aprendizagem na vida do ser.

REFERÊNCIAS
CHALITA, Gabriel. Pedagogia do Amor: A contribuição das histórias universais para a formação de valores das novas gerações. São Paulo: Ed Gente, 2003.
CURY, Augusto Jorge. Pais brilhantes. Professores Fascinantes. Rio de Janeiro: Sextante, 2003
FERREIRA, Naura Syria Carrapeto (org). Supervisão Educacional para uma escola de qualidade: da formação a ação. 2 ed. São Paulo: Cortez. 2000. 260p, ISBN 85-249-0721-5.
LEI de Diretrizes e Bases da Educação 9394 de dezembro de 1996. Art 35
LIBÂNEO, José Carlos. Ed. Escolar: políticas, estrutura e organização ? 3 ed. São Paulo: Cortez 2006 - Coleção docência em formação. (Série saberes pedagógicos)
MARTINELI, Marilu. Aulas de transformação: o programa de educação em valores humanos - São Paulo: Petrópolis, 1996. (Série educação para a paz).
 
Avalie este artigo:
(1 de 5)
7 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Ivanilda Cardoso
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Sou pedagoga de formação e estou fazendo pós em Gestão de Recursos Humanos.
Membro desde julho de 2010
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: