UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS GERADOS NA AVICULTURA
 
UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS GERADOS NA AVICULTURA
 


Introdução
O consumo de carne de frango vem aumentando nos últimos anos devido a sua maior incorporação na dieta e também pela substituição de outras carnes (Beraquet, p.92-100). Neste contexto, a avicultura industrial é uma das atividades agrícolas mais desenvolvidas no mundo. No Brasil, a produção avícola também representa uma das mais importantes cadeias produtivas impulsionada, sobretudo, pela necessidade de utilização de proteína de origem animal na dieta humana (Figueiredo, 2001, citado por Nunes, 2005). A produção brasileira de carne de frango atingiu 7,5 milhões de toneladas em 2002 (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS EXPORTADORES DE FRANGOS, 2002). Contudo, com o aumento nas operações de corte e desossa das aves há um aumento dos subprodutos gerados com essa pratica.

Objetivo: O objetivo desta revisão foi avaliar o impacto dos resíduos da avicultura sobre o meio ambiente, bem como analisar a forma de manejo destes resíduos.

Métodos: Obtenção e análise de artigos que tratassem da temática abordada

Impacto dos resíduos da avicultura sobre o meio ambiente
A produção de frangos de corte gera um grande volume de resíduos na forma de esterco, efluentes, camas e aves mortas. Estes resíduos possuem concentrações importantes de nitrogênio, fósforo, potássio, minerais como cobre e zinco e uma alta carga de bactérias. A rápida decomposição destes resíduos dentro e fora dos lugares de produção avícola gera problemas ambientais(Rondon, E.O.O). Estes problemas ambientais são agravados quando os resíduos dos subprodutos são lançados aos rios levando a poluição dos mesmos. Deve-se lembrar também que, além de poluição, o descarte inadequado dos dejetos de animais acarreta a perda de seu apreciável potencial energético e fertilizante quando reciclados. A realidade é que o nível dos impactos negativos no meio ambiente é ampliado com o aumento do volume de dejetos eliminados na propriedade. Esses dejetos, se dispostos de forma inadequada na natureza, podem causar poluição (COELHO FILHO, 1999) e o seu poder de poluição é determinado pelo número de contaminantes que possuem, cuja ação individual ou combinada representa uma fonte potencial de contaminação do ar, dos recursos hídricos e do solo. Podem também levar à proliferação de microoganismos e macrovetores que estão associados à transmissão de inúmeras doenças aos homens e animais (STEIL, 2002).. Atualmente, além da produtividade, rentabilidade e competitividade mercadológica, qualquer sistema de produção deve primar pela proteção ambiental, não somente pela exigência legal, mas também por proporcionar maior qualidade de vida à população rural e urbana, e porque os consumidores já distinguem, em seu universo, aqueles produtos designados como "ecologicamente corretos Augusto, K.V.Z, 2005). Portanto é necessário reduzir a quantidade de resíduos gerados e oferecer a estes destinos alternativos que não o meio ambiente. O primeiro passo para a redução destes dejetos foi a implementação da lei número 8.171, de 17 de janeiro de 1991, referente á Política Agrícola, que dispõe que o Estado seja regulador das atividades economicas, promovendo o desenvolvimento equilibrado entre produção e conservação ambiental tendo inúmeros artigos que, quando postos em prática, irão obrigar os setores de produções agropecuárias a buscarem formas racionais de utilização dos recursos naturais sem agredi-los (Política Agrícola, 1991). As praticas para minimizar a produção resíduos são economicamente vantajosas por oferecem uma possibilidade de economizar produtos e processos para trata-los e por beneficiar o meio ambiente.

Manejo de dejetos da avicultura
Muitas são as formas indicadas de manejo, tratamento e utilização de dejetos em geral e a escolha deve levar em conta a espécie do animal gerador, o sistema de criação, localização da propriedade, assim como clima e relevo da região. O conhecimento das quantidades geradas e as principais características físicas e químicas dos resíduos agroindustriais é fundamental para a concepção e o dimensionamento dos sistemas de tratamento para disposição na natureza e, ou reaproveitamento desses resíduos (MATOS, 2005). As primeiras ações a serem tomadas são a quantificação e a caracterização dos dejetos. A quantificação é de extrema importância, pois implicará no direcionamento do manejo a ser adotado enquanto que com a caracterização do dejeto, pode-se tomar decisões mais racionais com relação à sua aplicação.
As formas mais utilizadas de descarte de aves mortas são: aterro, fossas anaeróbias, incineração, alimentação de outras espécies e até mesmo lançamento em córregos e matas. Todos esses métodos apresentam algum tipo de limitação, seja ela econômica, seja ambiental, ficando a critério do avicultor a escolha do método que melhor se ajuste a sua realidade. A escolha, na maioria das vezes, é pelo método que apresentar o menor custo, mas o que se deve ter em mente não é apenas a preocupação com o custo, mas também com os possíveis problemas ambientais causados pela escolha do método. Por isso, faz-se necessária a adoção de um sistema de tratamento de carcaças que seja economicamente viável e que não agrida o meio ambiente. Nesse contexto a compostagem vem destacando-se nas unidades produtoras como sendo um método eficiente e sem grandes custos para sua implantação e condução. A compostagem é uma prática muito utilizada como recurso para resolver o problema da poluição pelos resíduos agropecuários. Não é uma técnica nova e já vem sendo usada desde há muitos séculos por agricultores no Oriente. É um processo biotecnológico que visa estabilizar, aerobiamente, a porção fermentável, da matéria orgânica, dos resíduos vegetais ou animais através da ação de microrganismos específicos com o intuito de se conseguir um fertilizante orgânico. A compostagem demonstra ser um método eficiente para o tratamento de carcaças e cama de frangos no que diz respeito à redução de sólidos totais e na eliminação de microrganismos patogênicos (Júnior, et al, 2010). O composto é o produto final que pode ser divido em dois componentes, o húmus que irá beneficiar o solo, em suas propriedades físicas e biológicas, e os sais minerais, que serão aproveitados pelas plantas. A compostagem pode ser realizada a céu aberto com revolvimento mecânico ou em sistemas de galpões fechados .

Há diversas alternativas de utilização de resíduos gerados em frigoríficos de aves. Como pode ser verificado na figura 1 há vários subprodutos que são considerados como resíduos e que na maioria das vezes são usados para a fabricação de farinha. Porém, parte destes resíduos podem ser aproveitados para o desenvolvimento de um produto novo para alimentação humana ou como ingrediente alternativo para produtos já existentes.
Além das formas citadas acima, os resíduos gordurosos provenientes da indústria do processamento de frango podem ser reaproveitados por conter propriedades bioquímicas vantajosas nutricionalmente e também boas propriedades tecnológicas. Após tratamento adequado, estes resíduos podem ser aproveitados para o desenvolvimento de um novo produto, como o sabão; para alimentação como produção de rações, como ingrediente para alimentos já existentes, e também para produção de biocombustível. A sua utilização irá depender do produto final desejado, custo e tecnologia de fabricação (Centenaro et. al, 2008).




Conclusão

A recuperação e modificação dos resíduos da avicultura é de grande importância, uma vez que permitem não só diminuir o custo de insumos principais, minimizar os problemas de poluição ambiental, como também criar novas fontes de riquezas, e oferecer no mercado, subprodutos mais variados e de menor preço. O primeiro e mais importante passo para mitigar o impacto ambiental da avicultura é o adequado planejamento, zoneamento e capacitação de todo o pessoal envolvido na criação das aves e no manejo de seus resíduos.
 
Avalie este artigo:
2 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Eduardo Henrique Oliveira Lima
Talvez você goste destes artigos também