Um Ato Amoroso

O objetivo deste texto é mostrar como a avaliação da aprendizagem escolar vem sendo realizada nas escolas, e abordar os aspectos positivos desta avaliação como um ato amoroso.

A pratica escolar denominada de avaliação da aprendizagem se constitui de provas e exames, que tem por finalidade verificar o nível de desempenho do aluno em determinado conteúdo, e classificá-lo em termos de aprovado e reprovado. Conteúdo aqui entendido como um conjunto de informações: habilidades motoras, cognitivas, convicções e criatividades. As provas/exames separam os aprovados dos não-aprovados. Essa pratica exclui uma parte dos alunos (os reprovados), e admite a outra parte (os aprovados).

Essa característica da prova/exame está comprometida com o modelo da pratica educativa e com o modelo de sociedade a qual serve. Essa pratica tem sua origem na escola moderna que se sistematizou a partia do século XVI e XVII, com a cristalização da sociedade burguesa. As pedagogias, jesuítica do século XVI, comeniana do século XVII e lassalista até o inicio do século XVIII, são expressões das experiências pedagógicas desses períodos e organizadoras do modo de agir com provas/exames. A pratica que vigora no sistema educacional de hoje é herdeira dessa época.

A sociedade burguesa é marcada pela exclusão e marginalização de grande parte de seus membros. A liberdade e a igualdade foram definidas no limite da lei burguesa. A denominada avaliação da aprendizagem é um termo inventado por TYLER, que o empregou na pratica educativa defendendo a idéia de que a avaliação poderia e deveria subsidiar um modo eficiente de fazer ensino. A pratica escolar de acompanhamento do processo de crescimento do educando persiste até hoje, de provas e exames.

Prova e exame implicam julgamento, com conseqüente exclusão. Avaliação pressupõe acolhimento, tendo em vista a transformação. As finalidades das provas/exames são compatíveis com a sociedade burguesa, a finalidade da avaliação a questiona, por isso, torna-se difícil realizar a avaliação na integridade do seu conceito.

O ato amoroso é um ato que acolhe atos, ações, alegrias e dores, como eles são, acolhe para permitir que cada coisa seja o que é. Por acolher a situação como ela é, o ato amoroso tem a característica de não julgar. Julgamentos aparecerão para dar curso á vida, á ação e não para excluí-la. O autor LUCKESI, define avaliação da aprendizagem como um ato amoroso por entendê-la como um ato acolhedor,integrativo e inclusivo. A avaliação tem por base acolher uma situação para ajuizar a sua qualidade, tendo em vista dar-lhe suporte de mudança. A avaliação como um ato diagnóstico tem por objetivo a inclusão e não a seleção.

A avaliação da aprendizagem na escola tem dois objetivos:

1- auxiliar o educando no seu desenvolvimento pessoal, a partir do processo de ensino-aprendizagem;

2-responder á sociedade pela qualidade do trabalho realizado.

No que se refere á função da avaliação da aprendizagem, é preciso estar atento á sua função ontológica constitutiva, que é de diagnostico. A avaliação cria a base para a tomada de decisão, que é o meio de encaminhar os atos subseqüentes, na esperança de uma maior satisfação nos resultados, e ligados a esta função básica estão:

a)A função de propiciar a autocompreensão do aluno e do professor;

b)A função de motiva o crescimento;

c)A função de aprofundamento da aprendizagem;

d)A função de auxiliar a aprendizagem.

Para cumprir tais funções é importante estar atento aos instrumentos utilizados na operação da avaliação:

1-Ter ciência de que se está solicitando ao aluno que manifeste sua intimidade, sua capacidade de raciocinar e de se expressar;

2-Construir os instrumentos de coleta de dados para avaliar com atenção aos seguintes pontos:

a)articular os instrumentos com os conteúdos planejados, ensinados e assimilado pelos alunos;

b) cobrir uma amostra significativa de todos os conteúdos ensinados e aprendidos de fato;

c) compatibilizar as habilidades do instrumento de avaliação com as habilidades desenvolvidas na pratica de ensino-aprendizagem;

d) compatibilizar os níveis de dificuldade do que esta sendo avaliado com os níveis de dificuldade do que foi ensinado e aprendido;

e) usar linguagem clara e compreensível para salientar o que se deseja solicitar;

f) construir instrumentos que auxiliem a aprendizagem dos educandos.

REGINA CELIA DE FREITAS SOBREIRA

Titulação: Pedagogia/UFV/MG

Tel.:31-3891-3408

E-mail: [email protected]

Bibliografia:

LUCKESI. C.C. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições.12 ed.

São Paulo: Cortez, 2002, p. 180.

"Todas as informações contidas neste artigo são de responsabilidade da autora."

 
Revisado por Editor do Webartigos.com
Leia outros artigos de Regina Sobreira
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Sou Licenciada em pedagogia pela UFV/MG/1987,tenho cinco anos de experiencia no ensino fundamental, de 5ª á 8ª série e ensino médio, e doze anos de experiencia na área de educação infantil, direção e coordenação de professores, e praticamente dois anos de experiencia em EJA. no momento, curso disci...
Membro desde março de 2008
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo: