Resumo: microfísica do poder
 
Resumo: microfísica do poder
 


Resumo: Microfísica do Poder

 

FOWCAUT, Michel. Microfísica do Poder. Org. e Tradução Roberto Machado. 26 edições, Rio de Janeiro, Edição Geral, 1979, cap. 5-9. O autor faz uma abordagem da medicina social e coletiva, questionando sobre a medicina ligada a uma economia capitalista. O mesmo faz comparações da medicina antiga e moderna, evidenciando conquistas, evoluções e modificações na sociedade. A partir do século XVIII, os hospitais, ao poucos, deixaram de serem depósitos de doentes á espera da morte e começaram a se transformar em centros médicos. Sob o controle médico, essas instituições foram agentes de forte avanço de conhecimento. A medicina moderna transforma essas antigas instituições de abrigo e acolhimento de pobres e enfermos, organizadas pela igreja ou filantropia, em máquinas de cura, centradas na autoridade, nos conhecimentos e na intensa utilização de tecnologia de ponta. Entre o final do século XVIII o inicio do século XX, ocorreu uma serie de movimentos importantes para a humanidade, para medicina e saúde coletiva. O surgimento da medicina social não tem com objetivo somente a cura do individuo, mas a manutenção da saúde das populações como forma de manter o poder dos Estados Nacionais. Devemos ressaltar os fatores essenciais para a vida humana buscando intervenções com verdades e provas para melhoria dos indivíduos. Busca compreender a saúde e a doença através do entendimento das condições econômicas e sociais nas quais as pessoas viviam e trabalhavam. A determinação social da doença, na qual o tempo histórico em que ocorrem as doenças tem uma explicação mais abrangente e coletiva. Esse novo modelo explica os processos de adoecimento de uma forma sistêmica, articulando todas as dimensões das pessoas, desde as biológicas (ligadas ao organismo humano e as funções), passando por aquelas voltadas para vida dos indivíduos e para a família, até os mais gerais, vinculados á estruturas da sociedade. Observando a critica do autor devemos ressaltar a objetividade da medicina antiga até os dias de hoje, neutralizando as relações entre o ambiente, hospedeiro e o agente, esquecendo que o ser humano produz socialmente a sua vida em um tempo histórico e que por isso, em certos períodos, podem ocorrer doenças diferentes com intensidades, manifestações e tempo diferentes.

PALAVRAS – CHAVES: Evolução, Medicina moderna, conhecimento.

JainaQuitéria Pereira Rodrigues

Bacharelanda do Curso de Enfermagem da Faculdade AGES

 

PARIPIRANGA - BA

Novembro de 2009.

 

 
Download do artigo
Avalie este artigo:
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Jaina Quitéria Pereira Rodrigues
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Bacharelanda do Curso de Enfermagem da Faculdade AGES
Membro desde abril de 2012
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: