RESUMO DO LIVRO: PESQUISA SOCIAL. TEORIA, MÉTODO E CRIATIVIDADE
 
RESUMO DO LIVRO: PESQUISA SOCIAL. TEORIA, MÉTODO E CRIATIVIDADE
 



ANIELLE KALINE DA SILVA ANDRADE
PESQUISA QUALITATIVA NO CURSO DE PSICOLOGIA





RESUMO DO LIVRO: PESQUISA SOCIAL.
TEORIA, MÉTODO E CRIATIVIDADE.







CARUARU/2009

CAPÍTULO I: CIÊNCIA, TÉCNICA E ARTE: O DESAFIO DA PESQUISA SOCIAL.
É inegável que desde os primórdios o Homem procura o conhecimento da realidade, buscando, muitas vezes, explicá-la através da filosofia, da religião, da ciência ou das artes.
A ciência é hoje considerada a verdade, a explicação para tudo, mas é necessário ressaltar que ainda há questionamentos e problemas globais sem respostas e que mesmo no campo científico há conflitos e controvérsias, a exemplo, podemos citar a discussão existente sobre a cientificidade das ciências sociais.
A cientificidade é mais que uma forma de conhecer e esse questionamento a respeito do caráter científico das ciências sociais se dão devido ao agente da pesquisa ser também um objeto dela, também pelo fato de ao se buscar a objetividade descaracteriza-se os fenômenos sociais que tem sentido através da subjetividade e pelo fato de haver a indagação sobre qual método utilizar para explorar dados específicos e subjetivos.
Nas ciências sociais o objeto de estudo, o homem, é histórico e possui consciência histórica. É preciso ressaltar que o nas ciências sociais há a identidade entre sujeito e objeto, e que as ciências sociais são intrínseca e extrinsecamente ideológicas e fundamentalmente qualitativa.
Este texto de Minayo vem tratar sobre o caráter qualitativo das ciências sociais e da metodologia que se deve aplicar para reconstruir, de forma teórica, o seu significado.
Sendo a metodologia a junção de conteúdos, pensamentos(do investigador) e existência, a teoria e o método andam de mãos dadas, mas a criatividade do pesquisador é fundamental na elaboração de uma pesquisa.
Pesquisa é uma junção entre teorias, pensamentos e ação, onde a teoria é a explicação parcial da realidade (proposições) e desempenha várias funções em relação ao estudo do objeto de investigação, dando um sentido a ele (conceitos).
Enquanto a proposição é uma espécie de hipótese comprovada, os conceitos são importantes para a ordem dos objetos e dos processos que devem ou não ser investigados.
A pesquisa qualitativa se dedica a investigar significados, motivos, valores e atitudes, impregnados de subjetividade, enquanto que a pesquisa quantitativa explora o lado estatístico e visível. Mesmo com tal distinção entre dados quantitativos e qualitativos eles se complementam.
As fases da pesquisa são: o ciclo da pesquisa (conjunto de conceitos, métodos e técnica), fase exploratória (fase onde se faz a construção do projeto de investigação), trabalho de campo (entrevistas, observações, levantamento de material) e tratamento do material ( ordenação, classificação e análise propriamente dita).
CAPÍTULO II: A CONSTRUÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA.
A fase exploratória da pesquisa é muito importante, compreende varias fases do trajeto de investigação e acaba quando o investigador definiu seu objeto de pesquisa, construiu o marco teórico, definiu instrumentos de coleta de dados, escolheu o espaço e o grupo de pesquisa, definiu a amostragem e estabeleceu estratégias para entrada no campo.
A construção do projeto se dá através das dimensões técnica (regras científicas), ideológica (escolhas do pesquisador) e cientifica.
O projeto de pesquisa é necessário para trilhar o caminho a ser percorrido na investigação e para esclarecer quais os rumos do estudo, bem como para conseguir financiamentos. No projeto de pesquisa é necessário que se explicite a definição do problema, a justificativa da escolha do problema, os objetivos do estudo, a metodologia, o cronograma de execução, orçamento e por quem foi pesquisado.
O tema da pesquisa é a área de interesse enquanto que a problematização e as indagações feitas ao tema e deve responder as seguintes questões: o problema é original? É relevante? É adequado para mim? Tenho possibilidades de executá-los? Existem recursos financeiros? Há tempo suficiente para a investigação?
Nos elementos que constituem um projeto de pesquisa estão: as definições teóricas e conceituais são a base da sustentação da investigação cientifica e as formulações das hipóteses surgem como uma forma de criar questionamentos a serem " comprovados" na investigação. A justificativa é o porquê que a pesquisa deve ser feita e os objetivos são o que é pretendido com a investigação. Na metodologia é preciso uma descrição formal dos métodos e técnicas utilizados e também as leituras realizadas. Os principais elementos da metodologia são: definição da amostragem, coleta de dados, organização e analise de dados. Nos custos ou orçamentos os gastos aparecem divididos em gastos com pessoal e gastos com materiais. No cronograma deve haver o tempo gasto para realização das etapas. Nos elementos do projeto de pesquisa ainda se encontram as referências bibliográficas e os anexos.
CAPÍTULO III: O TRABALHO DE CAMPO COMO DESCOBERTA E CRIAÇÃO.
Após a definição do projeto de pesquisa se faz necessário selecionar formas de investigar o objeto de estudo. Além do trabalho de campo é necessário o questionamento. Campo de pesquisa é, segundo Minayo, 1992, "o recorte que o pesquisador faz em termos de espaço". No campo encontram-se manifestações intersubjetivas e interações entre o investigador e os grupos estudados.
A entrada no trabalho de campo se dá através da aproximação com os participantes selecionados para o estudo, através da apresentação da proposta de estudo aos grupos envolvidos (situações de troca), da postura do pesquisador em relação a problemática a ser estudada e se faz presente também um cuidado teórico- metodológico com a temática a ser explorada.
O trabalho de campo é feito a partir de entrevistas e da observação participante. Na entrevista o investigador procura dados explícitos na fala dos entrevistados, a entrevista pode ser estruturada, não estruturada ou semi-estruturadas e pode ser realizada em discussão de grupo e história de vida.
A observação participante se dá através do contato direto do investigador com o que é pesquisado, seria a "convivência", que pode ser realizada através da participação plena ou do distanciamento total de participação da vida do grupo.
Para realizar uma pesquisa é necessário também associar as informações contidas em campo com a fundamentação teórica. Os dados devem ainda estar com material audiovisual gravado para uma melhor explanação das informações ou ainda redigir anotações em um diário de campo.
CAPÍTULO IV: A ANÁLISE DE DADOS EM PESQUISA QUALITATIVA.
Na analise de dados é remetida a todas as fases anteriores, de uma pesquisa e é nela que se dá a interpretação dos dados colhidos.
Minayo traz três obstáculos para uma analise eficiente: ilusão do pesquisador, esquecimento dos significados e dificuldade em articular as conclusões concretas dos conhecimentos mais abstratos, havendo assim o distanciamento entre fundamentação teórica e a pratica da pesquisa.
As finalidades da fase da análise são: estabelecimento de uma compreensão dos dados colhidos, confirmação ou não dos pressupostos da pesquisa e ampliação do conhecimento sobre o assunto pesquisado envolvendo-o ao contexto cultural.
Ao trabalhar com categorias iremos criar classificações através de idéias ou expressões acerca de um conceito. Trabalhando com categorias estaremos em uma representação social para expressar a realidade das pessoas.
A técnica de analise de conteúdo tem duas funções: verificações de hipóteses e/ou questões e a descoberta do que está por trás dos conteúdos manifestos.
Podemos analisar conteúdos através de unidades de registro ou de unidades de contexto, porém, estes recursos vêm sofrendo muitas críticas e Minayo nos oferece o método hermeneutico-dialético que se utiliza do interior da fala e do campo da especificidade histórica e totalizante que produz a fala e vai se dar através de níveis de interpretação e terá como operacionalização os seguintes passos: ordenação de dados, classificação dos dados e análise final.



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
MINAYO, M. C. DE S.; DESLANDES, S. F.; NETO, O. C.; GOMES, R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.
 
Avalie este artigo:
(2 de 5)
32 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Anielle Kaline Da Silva Andrade
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
tenho 20 anos,sou estudante de Psicologia, atualmente cursando o 7º período e atuo como monitora do programa de erradicação do trabalho infantil.
Membro desde outubro de 2010
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: