Resenha ''Modelos de atenção à saúde no Brasil''
 
Resenha ''Modelos de atenção à saúde no Brasil''
 


RESENHA

 

ARTIGO: “Modelos de Atenção à Saúde no Brasil”.

Autor: Jairnilson Silva Paim

 Na primeira parte do texto o autor conceitua de forma ampla modelo como sendo um exemplo ou padrão. Na ciência o termo possui uma conotação polissêmica e em saúde, modelo será a representação esquemática e simplificada de um sistema (traços principais).

Em seguida o autor faz uma contextualização dos modelos de atenção à saúde a partir da concepção de unicausalidade das doenças e do modelo Hospitalocêntrico em paralelo ao conceito de multicausalidade das doenças surge a Medicina Preventivista cujo modelo se baseia nas ações de prevenção primária (história natural das doenças) e o modelo da medicina comunitária que agregou ações como: regionalização, hierarquização e participação da comunidade. Nesta parte do texto o autor ressalta a importância da realização da Conferência Internacional de Cuidados Primários de Saúde em 1978 (Declaração de Alma-Ata) e o surgimento da Atenção primária à saúde em oposição ao modelo hospitalocêntrico. Outro importante movimento citado pelo autor foi o de promoção da saúde que ganhou força a partir da Carta de Otawa em 1986 (conceito ampliado de saúde).

No Brasil, iniciativas isoladas na década de 1980 são experimentadas a partir de Programas de Atenção Integral como: saúde da mulher, materno-infantil, imunizações, tuberculose, etc. alinhavado com as Ações Integradas de Saúde (AIS) com vistas à integralidade da atenção. Um marco neste período foi a realização da 8ª Conferência Nacional de Saúde no Brasil para constituir as bases conceituais para a Reforma Sanitária brasileira e posterior inserção da integralidade na lei Orgânica da Saúde.

Em outro momento do texto o autor aborda os aspectos teórico-conceituais do que venha ser modelo de atenção propostos pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e a Organização Panamericana de Saúde (OPAS) em torno dos Sistemas Locais de Saúde (SILOS). No Brasil o termo distrito sanitário foi utilizado aliado à expressão modelos assistencial em função das diversidades e complexidades dos sistemas locais brasileiros. O autor apresenta 4 concepções de modelo da Atenção: 1- forma de organização das unidades de prestação de serviço de saúde; 2- forma de organização do processo de prestação de serviços; 3- forma de organização das práticas dirigidas ao atendimento (individual/coletivo); 4- modelo técnico assistencial em defesa da vida. O autor também diferencia modelo assistencial e modelo organizacional e as questões de modelos de atenção refletem as combinações tecnológicas dispostas nos meios de trabalho e utilizadas nas práticas de saúde (saberes e instrumentos).

Após esta contextualização o autor aborda o tema principal do artigo que é os modelos de atenção à saúde no Brasil. O autor identifica 2 modelos básicos que são: modelos predominantes (hegemônico e sanitarista) e as propostas alternativas. Organizados conforme a lógica da demanda ou das necessidades. O autor aponta que no Brasil existe uma relação ora de convivência ora de conflito entre os modelos hegemônico e sanitarista. As limitações dos modelos no Brasil estão relacionadas ao princípio da integralidade. As características do modelo hegemônico: individualismo, biologicismo, participação passiva, curativismo, medicalização. O modelo biomédico seria subdividido em: modelo médico assistencial privatista (Flexneriano) e modelo da atenção gerenciada (medicina baseada em evidências).  Já o modelo sanitarista seria baseado em campanhas e programas (imunização, vigilâncias, programas especiais como PSF e PACS).

O autor propõe uma reflexão sobre a tentativa de conciliar oferta/demanda às necessidades no sentido de atender ao princípio da integralidade da atenção aliado à efetividade, qualidade e humanização dos serviços. Os principais pontos seriam: 1) Oferta organizada com foco: indivíduo, família e comunidade; 2) Distritalização: rede estruturada, população definida, território, rede de serviços de saúde e equipamentos comunitários; 3) ações programáticas de saúde: programação como instrumento de redefinição do processo de trabalho em saúde; 4) vigilância da saúde: ações de controle (identificar risco, promoção da saúde ampliada); 5) Estratégia Saúde da Família: reformulação no modelo assistencial em um território definido; 6) Acolhimento: mudança na porta de entrada e fortalecimento do vínculo e centrado no usuário.

O autor conclui que ocorrem falhas nos modelos hegemônicos (biomédico e sanitarista) e que existem alternativas para a reconstrução da assistência à saúde. Não existe um modelo único de atenção para o SUS dada a diversidade político-social do país e das particularidades regionais. Além das complexas necessidades humanas, individuais e coletivas, de saúde.

 

 EMÍLIO PRADO DA FONSECA

 

 

 

 

 

 
Download do artigo
Avalie este artigo:
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Emilio Prado Da Fonseca
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Odontólogo,formado pela Universidade Vale do Rio Verde (1994). Especialista em Gestão Pública de Serviços de Saúde (2011). Atualmente ocupa o cargo de fiscal de saúde/ dentista do município de Divinópolis, MG. Preceptor e bolsista do Programa de Educação pelo Trabalho (PET) da Universidade Federal d...
Membro desde novembro de 2010
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: