Relatório do Estagio Supervisionado I
 
Relatório do Estagio Supervisionado I
 


INTRODUÇAO

O estagio supervisionado é a inclusão do aluno de Pedagogia na pratica educacional, onde visa proporcionar ao aluno uma visão da realidade das instituições educacionais, expandir seus conhecimentos através de observações, reflexões e práticas participativas. Tem por objetivo formar pedagogos preparados para a realidade escolar, através da inserção na instituição escolar, onde poderá refletir sobre a relação estabelecida entre teoria e pratica e apropriar-se de conhecimentos com a interação de profissionais experientes. O relatório apresenta tópicos importantes para que se possa ter uma percepção mais concreta do funcionamento da escola como: caracterização da escola onde a escola é apresentada, objetivo da instituição que é também a missão que a escola tem em relação ao ensino, relatos da observação e da prática docente feita na escola e sala de aula, passa a passo da execução do planejamento, fundamentação teórica que é parte essencial do relatório, pois baseia toda a pesquisa e por fim a conclusão onde se expõe o resultado do estágio, se seus objetivos foram alcançados o que se conseguiu aprender com essa prática.
Através da realização Estagio Supervisionado I, espera-se que o mesmo proporcione aprimoramentos na pratica educativa do acadêmico, visando uma melhor compreensão entre teoria e prática e uma melhor visão da instituição escolar.


1 CARACTERIZAÇAO DA ESCOLA

A origem do nome da Instituição foi escolhida pela comunidade escolar, esse nome foi atribuído em homenagem a historia infantil Chapezinho Vermelho, na qual foi criada com base na estória da literatura infantil com riquezas dentro de momentos históricos da época, trazendo informações fictícias e reais com propostas de despertar a curiosidade e o interesse das crianças pelo estudo e a literatura Infantil.
Escola Municipal de Educação Infantil e Ensino Fundamental Chapeuzinho Vermelho foi criada através do Decreto da Lei sob o nº 134/85 de 28/08/1985, Decreto de Denominação nº 3325/GP/02 de 03/01/2002 e Portaria de Convalidação nº 001/GAB/SEMED de 14/01/2009, que recebeu o nome de Jardim de Infância "Chapeuzinho Vermelho", está situada à Rua Vitória nº 2924, setor 03 (três) nesta cidade, telefone (069) 3535-5341. A área total do terreno da escola é de 5.821,28m , tendo uma área construída de 901.64m , sendo constituído de 09 salas de aulas em alvenaria cobertas por brasilite, 01 sala de direção, 01 secretaria, 01 sala de Orientação Educacional, 01 sala de coordenação pedagógica, 01 sala de professores, 01 sala de vídeo, 01 biblioteca bem pequena (provisória), 01 refeitório/cozinha, 01 área de serviço, 01 almoxarifado em madeira, 01 despensa de alimentos (em madeira, improvisada), 01 sala de recursos, 01 área coberta para 03 carros ou motos, 01 área para reforço, 01 pátio (coberto por estrutura metálica), 01 parque de recreação, 03 banheiros.
A escola atende a alunos da Educação Infantil: Pré I (04 anos) e Pré II (05 anos), Ensino Fundamental de 09 anos de 1º e 2º ano (o6 e 07 anos) e Ensino Fundamental Suplência seriado Semestral 1º segmento (14 anos acima) está localizada na área urbana, setor 03 desta cidade. O setor no qual esta inserida é considerada de classe média baixa.
A escola conta com 09 salas de aula num total de 22 turmas nos turnos matutino, vespertino e noturno, atendendo a uma clientela de 550 alunos, oriundos de vários setores da cidade tais como: setores 02, 03, 04, 05, 06 e 07(BNH), Jardim América, Jardim Paulista, Jardim Colonial, Bairro bom Jesus, 25 de dezembro e outros.
ü A escola participa do "Projeto Nota Dez" com vista a uma educação de qualidade,
ü A escola é provida de bons materiais didáticos e pedagógicos,
ü Ressaltamos ainda que a escola segundo pesquisas, possui excelente pontuação e é conhecida pela qualidade de ensino perante a comunidade ariquemense,
ü O corpo administrativo da escola é formado por 02 gestores, sendo: Diretora: Terezinha Aparecida Costa Sanches, licenciada em Pedagogia a pós-graduação em Gestão Escolar. Gestão essa que terá duração de 03 anos (2009/2011) eleita com 95% por cento dos votos validos da comunidade votante,
ü A Coordenação Pedagógica é formada por 02 profissionais habilitadas em Pedagogia, especializadas em alfabetização e letramento, língua portuguesa e literatura,
ü A Orientação educacional é formada por 02 profissional habilitadas em Pedagogia, sendo 01 pós-graduada em língua portuguesa e literatura,
ü A secretaria funciona com 02 funcionários, ambas estatutárias cursando nível superior (Letras/Pedagogia) contamos ainda com 01 prestadora de contas nível médio completo, contratada pela APP (Associação de Pais e Professores).

1.1 QUADRO DE ALUNOS

ANO QUANTIDADE IDADE SEXO
I PERÍODO 105 4-5 ANOS 58M / 50F
II PERÍODO 171 5-6 ANOS 81M / 93F
1º ANO 118 7-6 ANOS 52M / 64F
2º ANO 114 7-8 ANOS 56M / 56F
EJA 42
TOTAL 550

O corpo administrativo da escola é formado de 02 gestores, 02 coordenadores, 02 Orientadores Educacionais, a secretaria funciona com 02 funcionarias.

1.2 TIPOLOGIA
Cursos ministrados e respectivos números de turmas
Cursos Ministrados Quantidade de Turmas
Educação Infantil 10
Ensino Fundamenta 08
EJA 04

1.3 Turnos em funcionamento:
TURNO HORÁRIO
Matutino 07:30 às 11:30
Vespertino 13:30 às 17:30
Noturno 19:30 às 22:30


2 Objetivos da Instituição (Missão)

Missão é uma declaração sobre o que é escola, sua razão de ser e s serviços que presta, serve de critério geral para orientar a tomada de decisões, para definirem objetivos e auxiliar na escolha de decisões estratégicas devendo refletir sobre os valores compartilhados pela escola. A missão da escola M.E.I.E.F. Chapeuzinho Vermelho é assegurar aos alunos uma educação de qualidade através de ações efetivas, inovadoras e éticas, buscando o desenvolvimento de indivíduos críticos, cientes de sua cidadania.

2.1 A escola na sociedade atual
A educação no Brasil passa por um processo de transformação, enfrentando ainda varias dificuldades. A tarefa educacional de qualificar a população para o exercício da cidadania requer da escola, a discussão e a definição de seus (propios) pressupostos, rumos e finalidades, vistos na relação indivíduos/escola/sociedade e ancorados no conceito contemporâneo de cidadania.
Hoje entendemos que a escola deve estar voltada para a formação de um ser humano critico e autocrítico, pautado em princípios éticos, de valorização de dignidade e dos direitos humanos, bem como de respeito as diferenças individuais e socioculturais , capaz de mobilizar-se aspirações justas visando ao bem comum. Consciente de seus papel a escola tem uma contribuição decisiva no processo de construção da cidadania, acreditando que a atuação solidária de pessoas autônomas (saberes) pode levar a melhoria da sociedade .conscientes também de que não e? a única instancia para dar conta da problemática social, inclusive porque e? parte desse contexto, a comunidade/escola deve estar alerta para a complexidade do mundo contemporâneo.
Referente a globalização coloca-nos, diante de aspectos conflitantes como a revolução tecnológica, a preocupação com a utilização nacional dos recursos naturais em direção ao chamado desenvolvimento sustentável. Esse processo de globalização tem provocado uma maior imbricação entre o nacional e o internacional, o local e o global, o particular e o universal. A escola deve funcionar como mediadora, a nossa escola enfrenta esses desafios atuais, os nossos professores estão buscando conhecimentos na área tecnológica, participando de cursos, refletindo, criando e interferindo frente as vertiginosas transformações socioeconômicos e tecnológicas que afetam nosso cotidiano.
Sem poder prever os rumos dessas transformações a nossa escola oferece aos alunos os instrumentos básicos de uma formação geral para que possam ler, decodificar, inserir-se e atuar no mundo com novas realidades, tornando-se assim capazes de utilizar seu instrumento básico como alicerce de futuros conhecimentos.

2.2 Dimensão Pedagógica
A escola M.E.I.E.F. Chapeuzinho Vermelho realiza um processo analítico e reflexivo sobre a seqüência de seu trabalho pedagógico, por meio de diagnostico, monitoramento, observação da pratica em sala de aula, tematização da pratica, analise e debates sobre os resultados, que são integrados a metodologia de projetos de aprendizagem.
Essa metodologia visa um currículo flexível com temas transversais integrados com a atualidade (consciência ambiental, social, cultural e respeito ao próximo) e com a realidade (violência, indisciplina, conservação do pratrimonio, inclusão social e tecnológica) do aluno e da escola, melhorando o ensino aprendizagem e fortalecendo os resultados e laços entre os professores e alunos.
A escola M.E.I.E.F. Chapeuzinho Vermelho é centrada no principio de que a educação é direito de todos , nossa escola definiu um perfil de ações voltadas para a transformação da realidade da comunidade interna e externa, onde acreditamos em um modelo de educação dinâmica, cidadã e inclusiva, capaz de ransformar a realidade da comunidade. Para isso a gestão trabalha para implantar e equipar a sala de Recurso, sem perder de vista as noções de solidariedade humana.
Nesta perspectiva, ao cumprir a legislação educacional, a escola s volta aos processos inclusivos dos alunos e da comunidade local com necessidades especiais atendendo essa clientela com horários opostos (contra turno) dos alunos e a comunidade em horários agendados. Esse processo esta veiculado as ações pedagógicas de inclusão, estabelecidas como um dos eixos norteadores da pratica pedagógica e como principal atitude a serem praticados todos os dias no ambiente escolar.

2.3 Definição das Concepções

SOCIEDADE: Ao observarmos o processo de evolução da humanidade, constata-se a presença marcante de descoberta, inovações e os avanços estreitamente relacionados ao espírito aventureiro, a inquietude, ao inconformismo e a capacidade inquisitiva dos seres humanos. Assim, os anseios pela busca do desconhecido, pela descoberta de novos conhecimentos impulsionam e continuam a projetar a sociedade em direção ao desenvolvimento.
EDUCAÇÃO: A educação tem função social e socializadora, isto é deve proporcionar aos indivíduos acesso aos saberes e formas culturais inerentes ao contexto social a que pertencem, promovendo desenvolvimento a aprendizagem.
A educação deve organizar-se em torno de quatro aprendizagem fundamentais, que ao longo de toda a vida, serão de algum modo para cada individuo, os pilares do conhecimento: aprender a conhecer, isto é, adquirir os instrumentos da compreensão ; aprender a fazer para poder agir sobre o meio envolvente;ç aprender a viver juntos, a fim de participar e cooperar com os outros em todas as atividades humanas; finalmente aprender a ser, via essencial que integra as três precedentes.
ESCOLA: Neste mundo globalizado a escola tem procurado adequar-se a esta nova realidade, isto sempre em busca de novas mudanças, e adaptações, pois a equipe é ciente que a escola é o local onde a criança é o foco. Porem as atenções são voltadas para suas necessidades básicas. A fim de que ela como um futuro cidadão tenha um bom aproveitamento, tornando-se um sujeito critico e emancipado. E sendo assim cresça como um ser humano e cientes de seus deveres e direitos.

3 Relatórios das observações participativas do estagio

Foi realizado observação da prática educativa no período vespertino com uma turma de alunos do Pré I (4 anos). A turma é composta de 25 alunos, residentes dos bairros vizinhos.
Ao entrar em sala de aula fui apresentada como estagiaria e quais meus objetivos nessa observação, a professora foi receptiva e me explicou qual a rotina da sala, os alunos como todas as crianças dessa idade são bastante agitados e se cansam rapidamente das atividades, a professora apresenta um bom domínio de sala e também é bastante amável com eles, sabendo impor limites, e elogiá-los quando merecem. No primeiro momento a professora faz uma roda de conversa onde aborda vários assuntos e também os deixa conduzir a conversa, após inicia-se a conto de histórias trabalhando sempre o antes, durante e depois. Esses primeiro momento é mais descontraído e as crianças ficam dispersas. No segundo momento atividades que quase sempre abordam temas referentes à história, como: o desenho dos personagens, cenários, reconto da história, etc. Após essas atividades as crianças já sabem que o horário do recreio está chegando e elas ficam muito eufóricas, ficando muito difícil realizar algum trabalho com eles.
No recreio elas lancham, e podem brincar com os colegas, sempre com a supervisão dos profissionais da escola, que podem conduzir as brincadeiras ou apenas deixá-las brincar o que desejar. Esse momento também é crítico, pois ocorrem muitas brigas e pequenos acidentes.
No quarto momento as crianças retornam a sala de aula, para escovar os dentes e podem ir ao parquinho para realizar atividades dirigidas e livres, é um momento que exige uma grande atenção da professora, pelas crianças estarem em um lugar grande e com outras crianças, pois podem se machucar gravemente. Quinto momento retorno a sala de aula, onde poderá a professora aplica canções e brincadeiras, pois nesse momento as crianças não tem disposição para atividades de muita concentração, também se aproxima o horário de ir embora, entrega dos cadernos para atividades em casa e espera pelos pais.
O professor em aula deve ser quem proporciona oportunidades para o conhecimento e desenvolvimento das crianças, em sala a professora se mostrou assim e capaz para assumir esse compromisso tão importante, que é o de formar crianças com habilidades motoras desenvolvidas, capazes de assimilar e compreender o mundo em que vivem.

3.1 O desenvolvimento das atividades, na regência

A metodologia utilizada pelos professores da Educação Infantil para o planejamento das aulas é desenvolvida com base na proposta construtivista, onde é proporcionado aos alunos situações problemas de uso social e o desenvolvimento de projetos didáticos que possibilitem sua reflexão frente às situações apresentadas, momentos que gerem a aproximação a linguagem oral e escrita que aprimorem suas habilidades frente ao conhecimento de mundo, identidade e autonomia estimulando seu desenvolvimento cognitivo, motor e social, sempre seguindo o referencial curricular, que indica quais campos devem ser explorados: o movimento, música, artes visuais, linguagem oral e escrita, matemática e ciências.

3.2 Planejamento da aula
1ª Aula
Primeiro momento: A aula iniciará com a roda de conversa, onde os alunos falarão sobre assuntos que fazem parte do seu cotidiano. Após a conversa a professora contará a historia de "João e Maria" e pedirá que os alunos façam um desenho ilustrando os acontecimentos que mais gostaram e poderá questionar assuntos relacionados a historia.
Segundo Momento: Atividades com massa de modelar.
Terceiro Momento: Lanche e recreio monitorado.
Quarto Momento: Brincadeira com corda e brincadeiras livres no parque.
Quinto Momento: Retorno a sala de aula, atividades com jogos de montar, canção da musica "A Baratinha" e encerramento da aula.
2ª Aula
Primeiro Momento: Roda de conversa sobre o bairro em que moram, e após os alunos desenharão o que existe no seu bairro, por exemplo: escola, posto de saúde, mercados, farmácias, etc;
Segundo Momento: Conto da história "A festa no Céu" trabalhando o antes, durante e o depois.
Terceiro Momento: Atividades de recorte, onde os alunos terão que cortar papel crepom em pequenos pedaços fazer bolinhas e colá-las sobre o casco de uma tartaruga.
Quarto Momento: Lanche e recreio monitorado;
Quinto Momento: Brincadeira "Amarelinha" e brincadeiras livres no parque.
Sexto Momento: Retorno a sala de aula, atividades com jogos de memória, cantar a música "Loja do Mestre André", encerramento da aula.

3ª Aula

Primeiro Momento: Roda de conversa sobre as diferenças e semelhanças que eles vêem em seus colegas como: os cabelos, a cor dos olhos, a altura, as mãos, a boca e o nariz.
Segundo Momento: História "O patinho feio", trabalhando o antes, durante e o depois, os alunos desenharão seu auto-retrato e mostrarão aos seus colegas para que eles apreciem, o desenho será exposto na sala de aula.
Terceiro Momento: Entrega de crachás com o nome dos alunos e escrita do nome.
Quarto Momento: Lanche e recreio monitorado.
Quinto Momento: Retorno a sala de aula, pintura livre com tinta guaxe, cantigas de roda "Terezinha de Jesus" "Atirei o pau no gato, Não atire o pau no gato", encerramento da aula.

4ª Aula
Primeiro Momento: Roda de conversa onde as crianças iniciarão o assunto, conto da história "O soldadinho de chumbo" trabalhando o antes, durante e depois.
Segundo Momento: Atividades de recorte de mascaras de legumes, a professora explicará a importância dos legumes para a saúde, e os alunos com as mascaras vão dizer se gostam de comer legumes e quais mais gostam.
Terceiro Momento: Recontagem das historias expostas em sala de aula;
Quarto Momento: Lanche e recreio monitorado;
Quinto Momento: Brincadeira do "Lenço atrás", e livres no parque;
Sexto Momento: Retorno a sala de aula, os alunos farão desenho livre para exposição em sala de aula e apreciação dos colegas, após canto da musica "Meus dedinhos", encerramento da aula.

5ª Aula
Primeiro Momento: Roda de conversa sobre o final de semana, conto da história "Carmelo o Caramujo" trabalhando o antes, durante e depois;
Segundo Momento: Desenho dos personagens e cenários da história, atividades com massinha e palitos de picolé;
Terceiro Momento: Lanche e recreio monitorado;
Quarto Momento: Brincadeiras livres no parque, faz de conta com brinquedos que os alunos poderão levar para a aula;
Quinto Momento: Canto da musica "A formiguinha", encerramento da aula.

4 Fundamentação Teórica
4.1 O processo de alfabetização
Segundo Ferreiro (1996, p.24) "O desenvolvimento da alfabetização ocorre, sem duvida, em um ambiente social. Mas as praticas sociais assim como as informações sociais, não são recebidas passivamente pelas crianças."
Atualmente, muitos professores ainda definem erroneamente o processo de alfabetização como sinônimo de uma técnica. De acordo com suas experiências com crianças, Ferreiro (1999, p.44-7), esquematiza algumas propostas fundamentais sobre o processo de alfabetização inicial.

ü Restituir a língua escrita seu caráter de objeto social;
ü Desde o inicio (inclusive na pré-escola) se aceita que todos na escola podem produzir e interpretar escritas, cada qual em seu nível;
ü Permite-se e estimula-se que a criança tenham interação com a língua escrita, nos mais variados contextos;
ü Permite-se o acesso o quanto antes possível à escrita do nome próprio;
ü Não se supervaloriza a criança, supondo que de imediato compreendera a relação entre a escrita e a linguagem.
ü Não se pode imediatamente, ocorrer correção gráfica nem correção ortográfica.

Sabemos que nas escolas os professores nem sempre utilizam esses critérios, pois a maioria alfabetiza da maneira que foram alfabetizados, portanto não aceitam os erros de seus alunos. Segundo Ferreiro (1999) alfabetização é um processo, que se inicia anterior a vida escolar w não termina quando ela acaba, as crianças são muito mais fáceis de se alfabetizar, diferente dos adultos, que já possuem formas de ação e de conhecimento, sendo muito difíceis de mudar. Ficando claro a importância e a facilidade da alfabetização na infância, temos consciência de que quem dificulta o processo de aprendizagem da criança é o adulto.

4.2 Literatura Infantil para a Aquisição da Linguagem

O professor da educação infantil é aquele que proporciona a seus alunos oportunidades para a aquisição do conhecimento, o primeiro passo a seguir é o de incentivar a leitura pelas crianças. O incentivo pode vir através de gestos simples, como a criação do "cantinho da leitura" que deve ser um espaço onde as crianças tem fácil acesso aos livros, isso ajuda principalmente para crianças onde pais não possuem o hábito de ler e ter livros em casa. Outro recurso é o conto de histórias, que deve ser uma atividade diária nas classes de educação infantil Luzia Bomtempo (2002) esclarece que: "Saber ouvir é um dos aspectos fundamentais na aprendizagem, e a história é uma atividade que se presta muito bem para desenvolver no aluno a capacidade de ouvir, ao acompanhar a seqüência lógica dos fatos da narrativa, procurando compreender o enredo."Os murais também são valiosos meios de proporcionar a leitura, pois nele pode ser exposto vários tipos de textos como matérias de jornais, resumos de livros, opiniões, propagandas, etc.
Os pais devem se envolver com a literatura infantil, proporcionando meios para que seus filhos tenham maior convívio com os livros, mas os professores devem esclarecer para aqueles pais que não tem essa rotina de leitura, quais os objetivos e a importância da literatura na vida de seus filhos. (Bomtempo, 2002).

4.3 Linguagem oral

È fundamental que o professor crie situações para que o aluno fale, pois assim ele percebe a função social que a linguagem exerce, desenvolve habilidades de um bom ouvinte e falante, vence a timidez e constrói hábitos necessários para um bom desempenho social. De acordo com a orientação dos Referenciais Curriculares para a Educação Infantil a escola deve:
"- Usar a linguagem oral em conversas, a fim de se comunicar, de relatar suas vivencias e expressar desejos, vontades e necessidades e sentimentos, nas diversas situações de interação com outras crianças e com adultos, em seu cotidiano, com fluência, clareza, boa pronuncia e riqueza de vocabulário.
- Participar de situações de leitura oral de diferentes gêneros textuais em que o professor se coloca como modelo de leitor para seus alunos e lê contos, poemas, notícias, receitas, embalagens, propagandas, etc. com a devida preparação, para se obter a entonação adequada à tipologia textual".

5 Prática docente
Com a prática docente podemos perceber intimamente como é ser um professor e quais suas responsabilidades, que são muitas e complexas. Em sala de aula percebemos que as crianças nem sempre estão dispostas a fazer as atividades propostas pela discente e a mesma necessita ter estratégias para conduzir a aula, conforme as situações, também é preciso ter a clareza de que o planejamento feito no papel, nem sempre será seguido a risca conforme estiver delimitado, ele poderá sofrer mudanças espontaneamente, isso acontecerá mediante o clima da sala, dos alunos, isso poderá ser visto através de uma estratégia de ensino muito importante que é a roda de conversa, por ser a primeira atividade feita e ter um caráter de diagnostico, onde as crianças muitas vezes conduzem o assunto a ser discutido sendo a discente muitas vezes ouvinte de seus alunos.
As atividades não necessitam ser todas impressas, pois em algumas situações limita a imaginação das crianças, elas ficarão restringidas aquele papel e ao comando imposto pela professora. É importante que elas tenham momentos em que possam fazer desenhos livres, brincar com a massa de modelar, e expor realmente o que querem e sentem.
As brincadeiras podem ser dirigidas, aonde o professor conduz a brincadeira, delimitando as regras, o espaço, o tempo, claro tudo isso também pode ser feito pelas crianças com a supervisão do discente. Já as brincadeiras livres são importantes, pois exploram principalmente o "faz de conta", as crianças encenam personagens diferentes do seu dia-a-dia, desenhos animados, livros, profissões que admiram, como: policial, bombeiro, médico, etc., as meninas brincam de casinha, representando principalmente sua casa, mãe, pai, irmãos. Todas essas brincadeiras são importantes, pois é onde a criança expressa suas emoções, se movimenta, compreende melhor o mundo e desenvolve a sociabilidade.

Conclusão
Através do estagio supervisionado podemos concluir como a instituição educacional funciona, quais seus métodos educativos e pedagógicos. O objetivo proposto foi realizado, pois foi colocado em prática a teoria que foi adquirida em sala de aula e apreendido conhecimentos adquiridos através da prática escolar.
A escola como espaço educativo que cria condições necessárias para que a criança construa sua aprendizagem, nos mostrou que a criança precisa de condições e espaço para que a alfabetização aconteça de forma a alcançar os objetivos, a escola também prioriza a formação de valores humanos e sociais, pois acredita que contribui para melhorar a educação brasileira.






















Referencias
BOMTEMPO, Luzia. Alfabetização com sucesso, Belo Horizonte, Ed. da autora, 2002.
BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998.
FERREIRO, Emilia. Reflexões sobre alfabetização: Tradução Horácio Gonzales (et. al.), 24. Ed. atualizada-São Paulo: Cortez, 2001.
FERREIRO, Emilia. Alfabetização em Processo. São Paulo: Cortez, 1996.
FERREIRO, Emilia. Com Todas as Letras. São Paulo: Cortez, 1999.




























 
Avalie este artigo:
2 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Deise Santana Da Luz
Talvez você goste destes artigos também