Relatório de atividades de monitoria voluntária desenvolvida no 2º semestre de 2009, sob a orie...
 
Relatório de atividades de monitoria voluntária desenvolvida no 2º semestre de 2009, sob a orientação da professora Ms. Glória Maria Duarte Cavalcanti.
 




MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO
UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS















RELATÓRIO:
Atividades Desenvolvidas Durante a
Monitoria Voluntária 2009/2




MARIA APARECIDA VIEIRA MELO







Garanhuns-PE
2009


MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO
UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS






MARIA APARECIDA VIEIRA DE MELO




Relatório de atividades de monitoria voluntária desenvolvida no 2º semestre de 2009, sob a orientação da professora Ms. Glória Maria Duarte Cavalcanti.










Garanhuns-PE
2009

INTRODUÇÃO

A Monitoria é uma modalidade de atividade extracurricular que objetiva despertar o interesse pela docência e pela pesquisa, mediante o desempenho de atividades ligadas ao ensino, possibilitando a experiência da vida acadêmica, por meio da participação em diversas funções relativas ao planejamento, organização e acompanhamento das atividades didáticas desenvolvidas em sala de aula, bem como, nos trabalhos de extensão e pesquisa sob a orientação do professor responsável pela disciplina.
A Universidade Federal Rural de Pernambuco em sua Unidade Acadêmica de Garanhuns, disponibiliza aos seus discentes atividades de monitoria que podem ser realizada no horário inverso do seu curso. São oferecidas duas categorias de monitoria: monitoria voluntária e monitoria bolsista. A primeira é, geralmente, a categoria de iniciação na atividade acadêmica, portanto não é remunerada; enquanto que a segunda, os discentes recebem uma remuneração preestabelecida pela instituição. Ambas correspondem a mesma carga horária de trabalho, 12 horas semanais.
De forma mais detalhada, a monitoria possibilita ao discente aprender a realizar o planejamento, a ementa e a apresentação do programa da disciplina que irá acompanhar. Consequentemente é de rica importância as discussões sobre a disciplina com o docente, monitor e a turma, buscando assim, uma real democracia na relação docente-discente e uma construção coletiva do conhecimento.
A partir do desenvolvimento desta atividade extracurricular, se faz necessário que se elabore um relatório final, apresentando as atividades vivenciadas durante o semestre da monitoria, destacando a sua importância e contribuição na formação pedagógica do discente.
Ademais, concluirei este relatório apresentado alguns anexos como: Plano de trabalho da monitoria, feito pela professora, bem como a ficha de registro das atividades da monitoria, que corroboram para validar as atividades desenvolvidas durante o semestre letivo da monitoria.

1. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES

1.1 - ATIVIDADES DE MONITORIA
No decorrer do 2º semestre de 2009 houve muitas atividades importantes para a formação pedagógica dos discentes do curso de pedagogia. As atividades de ensino foram bastante relevantes para apreensão e compreensão dos estudantes para atuarem com eficiência na educação infantil e também nas séries iniciais do ensino fundamental.
Portanto a monitoria nos permite por em prática o que aprendemos, bem como auxiliar de forma significativa o professor no decorrer das atividades em lócus, e também na construção do conhecimento dos estudantes.
Assim, durante o desenvolvimento da disciplina Ciências na Prática Pedagógica II, as atividades da monitoria foram as seguintes:

1.1.1. Acompanhamento na definição da literatura a ser trabalhada no decorrer da disciplina:
Ao fazer o plano de aula, desenvolvemos atividades de leituras para selecionar as referencias bibliográficas necessárias para o Ensino das Ciências durante o semestre letivo.

1.1.2. Assistir e participar das aulas:
Esta atividade permite ao monitor uma postura avaliativa sobre o comportamento dos estudantes durante as aulas e contribui para que o mesmo tome iniciativa no sentido de favorecer o desenvolvimento das atividades planejadas pelo professor para melhoria de sua pratica pedagógica.

1.1.3. Acompanhamento do registro de freqüência:
Tarefa que configura ao monitor uma postura profissional e segura diante do que está a fazer, no qual o monitor registra as faltas e presenças dos estudantes durante o percurso da aula, bem como atualiza algumas informações na lista de chamada de acordo com o cronograma vivenciado.



1.1.4. Acompanhamento a discente:
Este tipo de atividade permite ao monitor auxiliar os estudantes individual ou coletivamente em lócus ou em sala de estudo como também nos corredores, no momento em que é procurado para tirarem possíveis duvidas, assim como auxiliar o professor em suas atividades.

1.1.5. Realização de Seminários:
Foram feitas apresentações de seminários pelos estudantes, com o objetivo de aprofundar o estudo a respeito de conceitos das Ciências Naturais, articulando-os com o seu cotidiano e com o mundo atual.
Os temas trabalhados foram: Astronomia, Geologia, Biodiversidade, Meio Ambiente, Ar, água, solo, Botânica, Zoologia, Anatomia, Alimentos, Sistema Digestório, Sistema Circulatório, Sistema Respiratório, Sistema Nervoso, Sistema Hormonal, Sistema Reprodutor, Genética e Orientação Sexual ? DST/AIDS, Higiene, saúde e parasitologia, Toxicologia, citologia, Histologia, Introdução a Física e Química.
O procedimento desta atividade desenvolveu-se da seguinte maneira: a professora formou duplas e trios, cada qual com o tema específico de ciências para apresentar, em forma de seminário, aos colegas de sala. Essas apresentações de seminários proporcionam aos estudantes, conhecimento, autonomia e postura profissional, pois o objetivo do mesmo é adquirir conhecimento sobre a temática trabalhada, bem como desenvolver um plano de aula para ser vivenciado na educação infantil e/ou no ensino fundamental.
Com as apresentações dos seminários, foi possível observar a postura dos estudantes enquanto futuros profissionais da área da educação, bem como a viabilização da práxis que se faz tão necessário para a pedagogia, uma vez que ambas, teoria e prática, estão entrelaçadas para o ensino-aprendizagem significativo.
Nesse sentido, foram estabelecidos, pelo professor, alguns critérios avaliativos para os seminários, como: domínio do tema, organização da aula, clareza na explicação, dinamismo do estudante, participação do grupo, aproveitamento e recursos didáticos. Estes elementos foram avaliados a partir do conceito de ótimo, bom, regular e fraco.
Ao terminar as apresentações dos temas, a turma discutia e fazia a sistematização dos conceitos trabalhados com a mediação da professora e em seguida a avaliação do grupo. No final do semestre houve a socialização dos resultados das apresentações, através de gráficos, em que a turma, assim como os componentes de cada seminário ficava sabendo os pontos positivos e negativos de suas apresentações.
Ademais, os seminários possibilitam maior interação e participação entre os sujeitos da turma, o que facilita o processo de ensino e aprendizagem.

2. CONCLUSÃO
No decorrer do 2º semestre de 2009 na disciplina Ciência na Pratica Pedagógica II, permitiu-me como monitora compreender os conceitos que envolvem as ciências, assim como reconstruir conhecimento e, sobretudo validar o meu perfil de universitária.
O mundo acadêmico nos configura um perfil de estudante pesquisador, inovador e extencionista, o que nos ajuda na formação acadêmica e profissional.
A monitoria permite que o estudante, assuma diante da comunidade acadêmica uma postura profissional, uma vez que para ser monitor se faz necessários dois elementos imprescindíveis: afinidade pela disciplina e empatia pelo professor.
As relações interpessoais entre professor-monitor e aluno se fortalecem com a monitoria, uma vez que professor e aluno têm mais momentos de estudo e discussão, favorecendo uma maior aproximação nas relações. Assim, as relações ficam mais consistentes o que permeia um ensino-aprendizagem significativo.
Concluo que foi de grande relevância e experiência esse período de monitoria na disciplina Ciências na Prática Pedagógica II, pois a mesma contribuiu de forma significativa para o aprimoramento e desempenho acadêmico no curso de Licenciatura em Pedagogia na minha vida profissional.
No mais só tenho a agradecer, primeiramente, a professora por ter me aceitado como monitora voluntária por um semestre, e também pela compreensão, paciência e atenção que me dedicou durante esse período e a todos da instituição que direta ou indiretamente fazem parte desse programa.
2. BIBLIOGRAFIA
BÁSICA:
ASTOLFI, J. P.; DEVELY, M. A didática das Ciências. Campinas, SP: Papirus, 1990.
BIZZO, N. Ciências: fácil ou difícil? São Paulo: Ática, 2002.
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais ? 1ª a 4ª séries, Brasília: MEC/SEF, 1997, vol 4, 136p.
CARVALHO, A. M. P. de. (Org.) Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004.
________. A. M. P. de; GIL-PÉREZ, D. Formação de Professores de Ciências. São Paulo: Cortez, 1993. (Coleção questões da nossa época, V. 26).
DELIZOICOV, D.; JOSÉ, A.; PERNAMBUCO, M. M. Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2003.
________. D. Metodologia do Ensino de Ciências. São Paulo: Cortez, 1990.
FRACALANZA, H.; AMARAL, I. A. do; GOUVEIA, M. S. F. O Ensino de Ciências: no primeiro grau. São Paulo: Atual, 1986. (Projeto Magistério).
FONTANA, Roseli A. C. Mediação pedagógica na sala de aula. Campinas: Autores Associados, 1996.
HENNING. G. J. Metodologia do ensino de ciências. 3ª Ed. Porto Alegre: Mercado Aberto. 1998.
IMBÉRNON, F. Formação docente profissional. São Paulo: Cortez, 2002.
LIMA, M. E. C. C. AGUIAR JR. O. G. BRAGA,.S.A. M. Aprender ciências: um mundo de materiais. Belo Horizonte: UFMG, 1999.
MALDANER, O. A. A formação inicial e continuada de professores de Química. Ijuí: Ed. UNIJUÍ, 2000, p. 419 (Coleção Educação em Química).
MENEZES, L. C. (Org.) Formação continuada de professores de ciências ? no âmbito ibero ? americano. Campinas, SP: Autores Associados; São Paulo, SP: NUPES, 1996. (Coleção formação de professores).
NARDI, R. Questões atuais no ensino de Ciências. São Paulo: Escritura, 2000.
________. (Org.) Educação em Ciências: da pesquisa à prática docente. São Paulo: Escritura, 1995.
PRETTO, N. L. A Ciências nos livros didáticos. Salvador: Ed. UNICAMP ? EDUFBA, 1985.
SELLES, S. E.; FERREIRA, M. S. (Org.) Formação docente em Ciências: memórias e práticas. Niterói: EdUFF, 2003, p. 176.
ZABALA, A. Como trabalhar os conteúdos procedimentais em sala de aula. Porto Alegre: Artmed, 1999.
ZÓBOLI, G. Práticas de ensino: subsídios para a atividade docente. 11ª Ed. São Paulo: Ática, 2004.
WEISSAMAM, H. Didática das ciências naturais. Porto Alegre: Artmed, (s.d.).
COMPLEMENTAR:
1. Revista Nova Escola ? Abril Cultural;
2. PCNs de Ciências Naturais ? 1ª a 4ª séries;
3. BCC de Ciências.
4. ANEXOS
? Plano de Trabalho da Monitoria Voluntária para o segundo semestre de 2009 (feito pela professora);
? Ficha de registro das atividades da monitoria (feito pela monitora)..




Profª. Orientadora: Glória Maria Duarte Cavalcanti.



Monitora: Maria Aparecida Vieira de Melo.



Garanhuns, 15 de dezembro de 2009.


 
Avalie este artigo:
3 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Maria Aparecida Vieira De Melo
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
a minha formação está voltada para a educação, sou pedagoga e colaboro com alguns projetos para o desenvolvimento intelectual de todos os benefiarios.
Membro desde agosto de 2010
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: