REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS - UCG

Larianne Menezes, Marília Amorim & Valdênya Souza1

                                                                                           

 

Resumo: Este trabalho tem por objetivo realizar reflexões sobre a importância do Estágio Supervisionado na formação inicial do profissional de Educação Física. Serão levantados problemas relacionados à atual situação do Estágio Curricular Obrigatório dos acadêmicos do 6º período de Educação Física da UCG e sugestões para melhorar a qualidade do mesmo. A metodologia utilizada para a demonstração da realidade e da problemática do estágio supervisionado desta instituição é um relato de caso vivenciado por um grupo de acadêmicos do 6º período de Educação Física desta instituição.

 

Palavras Chave: Educação Física Escolar. Formação profissional. Estágio supervisionado.

 

 

INTRODUÇÃO

 

 

O Estágio Supervisionado é a exteriorização do aprendizado acadêmico fora dos limites da universidade. É o espaço onde o discente desenvolverá seus conhecimentos junto às empresas públicas e privadas, correlacionando a teoria e a prática, contribuindo para uma análise de pontos fortes e fracos das organizações e propondo melhorias para as instituições públicas e privadas.

O espaço destinado para o estágio permite ao acadêmico a disponibilidade de assimilar o seu conhecimento teórico com os entraves que somente a prática por meio do dia-a-dia pode oferecer. Nesta configuração, a troca de experiência fará com que o novo profissional torne-se mais preparado para atuar em diferentes áreas relacionadas a sua formação acadêmica.

Segundo o artigo 82 da LDB (Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional, 1998): “a finalidade do estágio supervisionado é proporcionar a complementação do ensino e da aprendizagem a serem planejados, executados, acompanhados e avaliados segundo os currículos, programas, calendários escolares, a fim de se constituírem em instrumentos de integração, em termos de treinamento prático, aperfeiçoamento técnico-cultural, científico e relacionamento humano”. A LDB preconiza que os trabalhos de estágio deverão ser desenvolvidos em função das exigências das organizações, direcionados às áreas de interesse dos alunos e das respectivas Instituições de Ensino Superior (IES) às quais pertencem. De acordo com Pimenta (1995) é relevante destacar os seguintes objetivos do estágio curricular supervisionado:

a) Oferecer, aos acadêmicos, situações de assumirem-se como sujeitos ativos do processo de ensino-aprendizagem;

b) Preparar os acadêmicos para o trabalho, utilizando métodos modernos de observação, reflexão e atuação;

c) Constituir-se ambiente propício para a aplicação dos conhecimentos e habilidades relacionados ao processo de ensino-aprendizagem.

d) Oferecer os meios necessários à realização das atividades;

e) Incentivar o desenvolvimento das potencialidades individuais, propiciando surgimento de profissionais empreendedores, capazes de implantar novas técnicas de gestão, métodos e processos inovadores;

f) Consolidar o processo ensino-aprendizagem, através da conscientização das deficiências individuais, e incentivar a busca do aprimoramento pessoal e profissional;

g) Promover a integração entre Universidade e Comunidade.

 

 

 

 

 

1 CARACTERIZANDO O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UCG

 

 

Um grupo de 13 acadêmicos do 6º período de Educação Física da UCG, ao realizar estágio curricular supervisionado, durante o segundo semestre do ano de 2008, na Escola Municipal Padre Zezinho, localizada no Setor Parque Atheneu, em Goiânia-GO, detectaram uma série de deficiências e problemas que serão descritos no decorrer do trabalho.

Inicialmente, entendemos que o processo de supervisão de estágio está relacionado à orientação, controle e acompanhamento das atividades de estágio, visando à consecução dos objetivos propostos, sendo esta supervisão realizada por docentes das disciplinas responsáveis pelos estágios. A supervisão geralmente é exercida pelo professor coordenador do estágio ou pelo professor supervisor da instituição onde se realizará o estágio ou ainda por professores de disciplinas afins.

De acordo com Bianchi (2002) são deveres dos docentes/supervisores do estágio curricular obrigatório:

1- Planejar com o estagiário as atividades específicas do Estágio Supervisionado;

2- Discutir com as autoridades competentes, nas instituições onde forem realizados os Estágios a possibilidade de recepção dos estagiários;

3- Apresentar os programas a serem desenvolvidos aos dirigentes e professores das instituições onde serão desenvolvidos os trabalhos;

4- Discutir com os professores regentes das instituições onde se realizam os Estágios e/ou professores das disciplinas afins que forem auxiliar na Supervisão e Orientação do estágio, as peculiaridades do Estágio, tais como: conteúdo, atividades específicas, ficha de observação, controle de freqüência, avaliação etc;

5- Acompanhar o estagiário às instituições onde o estagiário será realizado apresentando às autoridades e ao professor responsável por sua Orientação e Supervisão, quando for o caso;

6- Discutir com o estagiário, possíveis alternativas de solução das dificuldades e problemas, relacionados às suas atividades, antes, durante e após o desenvolvimento dos mesmos;

7- Colaborar com estagiário na revisão dos conhecimentos teóricos, a partir da realidade constatada;

8- Avaliar o estagiário conforme ficha de Avaliação;

9- Documentar todas as atividades de Orientação, freqüência, acompanhamento e avaliação, encaminhando os resultados ao Departamento nas épocas previstas no calendário;

10- Encaminhar ao Colegiado de Curso o relatório sobre o Estágio sob sua coordenação, abordando os aspectos positivos, negativos e outros que julgar necessário.

Quanto ao estagiário:

1- Planejar junto com o professor orientador-supervisor as atividades a serem desenvolvidas;

2- Realizar as atividades previstas no planejamento do estágio;

3- Comparecer às instituições para o estágio, no dia e hora marcados;

4- Observar o regulamento da instituição onde se realiza o estágio;

5- Discutir com o orientador-supervisor as dificuldades surgidas durante a realização das atividades;

6- Observar a ética profissional, especificamente no que concerne à divulgação de dados observados, ou informações fornecidas no estabelecimento de ensino.

 

 

 

 

 

 

2 QUANTO AOS PRINCIPAIS PROBLEMAS/DIFICULDADES ENFRENTADAS PELOS ACADÊMICOS DA UCG DURANTE O ESTÁGIO

 

 

Enfrentamos diversos problemas no estágio, sendo a maioria destes ligados a fatores externos à nossa ação pedagógica, fato este, coincidente com os encontrados por Giesta (1996) em seu estudo intitulado "Tomada de decisões pedagógicas no cotidiano escolar".

Abaixo seguem os principais problemas enfrentados durante o estágio curricular supervisionado desta turma da UCG:

ü Indisciplina dos alunos;

ü A dificuldade de domínio de algumas turmas pelos acadêmicos;

ü A dificuldade no planejamento de aulas compatíveis com a realidade da escola;

ü Pouca experiência dos acadêmicos para lidarem com os problemas;

ü Falta de interesse de alguns alunos pelas aulas;

ü Choque do acadêmico com a realidade escolar;

ü Falta de um ambiente adequado para o desenvolvimento das atividades esportivas e recreativas;

ü Pouca orientação do professor do estágio (supervisor);

ü Falta de material de Educação Física na escola; 

ü Falta de locais na escola, para a realização de atividades, nos dias de chuva.

Lorencetti e Silva (1996) em seu trabalho intitulado "A natureza didática dos dilemas profissionais dos professores" revelam que a indisciplina dos alunos é uma das dificuldades enfrentadas pelos professores em suas aulas.

O fato da dificuldade do domínio de turmas, durante o estágio, é compreensível porque, segundo Siedentop (1983), a atividade do professor é o objeto do desenvolvimento da competência pedagógica, portanto ela se desenvolve com o exercício da docência.

Segundo Piletti (1995), a dificuldade de planejar aulas é uma tarefa difícil, sendo considerada normal, pois são inúmeras as dificuldades em se elaborar um planejamento de ensino, podendo estas ser de quatro tipos: naturais, humanas, metodológicas e organizacionais. Destaca que com o exercício da docência elas vão sendo contornadas não facilmente pelo professor.

Malaco e Silva (1996) colocam que os professores possuem dificuldades de relacionarem os conhecimentos adquiridos durante o curso de graduação e as suas práticas pedagógicas nas escolas, fato este, que prejudica seus desempenhos nas aulas. Sendo este fato amenizado com o exercício da docência, no qual o professor consegue, ao longo do tempo, adequar a sua experiência com a realidade da turma.

 

 

3 QUANTO ÀS CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL

 

 

As principais contribuições positivas do Estágio para a formação profissional dos acadêmicos seguem abaixo:

Conhecimento do funcionamento da escola. Faria Júnior (1982) salienta que o estagiário, por ocasião do Estágio Curricular Supervisionado, deve conhecer a realidade das escolas da rede oficial de ensino.

Aquisição de experiência devido a atuação como professor. Segundo Siedentop (1983) a competência pedagógica é desenvolvida à medida que o professor vai exercendo a sua profissão, pois ela é o domínio da atividade do professor no processo pedagógico.

Detecção das dificuldades na docência e tentativa de resolução de problemas. Würdig et al. (1994) destacam que a contribuição do Estágio na formação de professores em Educação Física revela o entendimento de que a universidade ao ser responsável pela formação dos professores deve responder as questões do cotidiano da escola.

O aprendizado de como trabalhar os elementos da prática pedagógica. De acordo com Würdig et al. (1994) o Estágio é um momento rico para o estagiário, pois é uma oportunidade de ser mais estudioso, rever as suas teorias e ser pesquisador. Além disso, proporciona um aprendizado de associar teoria e prática, de refletir sobre a prática; do que não se pode fazer, com os professores mais experientes da escola.  

Segundo Piéron (1996) as pesquisas revelam que o estágio pedagógico no ensino tem sido considerado pelos acadêmicos como a experiência mais útil da preparação profissional.

Quanto às contribuições negativas do Estágio para a formação profissional:

Os principais aspectos considerados negativos pela turma de acadêmicos de Educação Física foram os seguintes:

ü O pouco tempo de estágio;

ü O susto com a realidade escolar;

ü A falta de integração do acadêmico com o professor da escola;

ü Ver que a forma que tratamos umas pessoas não serve para outras;

ü A desmotivação que trás para o acadêmico uma turma difícil;

ü As frustrações decorrentes das aulas que não deram certo;

ü A falta de interesse do professor da escola em observar as aulas do acadêmico;

ü Ver a precariedade da escola em relação a recursos materiais;

ü Os poucos encontros ou tempo para discussões sobre o estágio;

ü Ver a precariedade da estrutura física da escola;

ü Falta de orientação do professor supervisor quanto às dificuldades enfrentadas;

ü A desmotivação do acadêmico provocadas pelas dificuldades enfrentadas;

ü Ministrar aulas somente para uma faixa etária e em uma só escola.

 

 

 

4 REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UCG

 

 

Percebemos, no estágio que realizamos até o momento, que os objetivos/deveres, propostos pela LDB, e que deveriam ser cumpridos pelo Departamento de Educação Física da UCG, não vem acontecendo em sua totalidade. Normalmente os professores orientadores/supervisores responsáveis pela disciplina se limitam a:

1- Planejar, adequadamente, um plano de trabalho com o estagiário, demonstrando a realidade da instituição na qual o mesmo realizará o estágio.

2- Levantar possíveis alternativas de solução às dificuldades e problemas, relacionadas às suas atividades durante o desenvolvimento dos mesmos quando o aluno solicita ajuda;

3- Falta um instrumento para fazer uma auto-avaliação; determinar os aspectos negativos e positivos do estágio e sugestões.

4- Falta discutir o processo avaliativo do supervisor em relação ao estagiário.

5 – Necessita-se criar um Manual para a Normatização do Estágio Curricular Supervisionado do curso de Educação Física da UCG.

Assim identificamos que nossas experiências vividas até o momento não foram objetos de uma sistematização, acompanhamento e avaliação, ficando ausente o debate das problemáticas observadas nos estágios. 

Acreditamos que o mais importante, neste processo de ensino-aprendizagem, não é a nota ou o conceito obtido após a realização do estágio, nem a carga horária cumprida, mas sim saber que foi realizado um trabalho, em cuja aplicação, a universidade demonstrou haver cumprido seu dever de preparar o aluno para uma profissão. É necessário que acadêmicos e docentes coloquem a escola atual à frente das necessidades da comunidade e do mercado de trabalho. A parceria teoria/prática é capaz de formar cidadãos e profissionais competentes, aptos para um trabalho digno do papel que desempenharão na sociedade. 

Numa rápida revisão de literatura sobre o estágio supervisionado, identificamos que as considerações descritas anteriormente não são exclusivas da realidade da UCG, pois segundo Pimenta (2002) é comum encontramos algumas distorções do que se refere à prática do estágio nos curso de Licenciatura como:

1- dificuldade de acompanhamento por parte do professor-orientador do estágio devido ao grande número de alunos em uma mesma turma;

2- a diversidade de escolas onde os alunos estagiam;

3- a falta de coordenador de estágios em alguns cursos;

4- os estagiários, em sua maioria, não são bem recebidos pelos professores do local onde se realizam os estágios;

5- falta de comprometimento dos professores do curso com o estágio;

6- a responsabilidade pelo estágio é exclusiva do professor da disciplina;

7- estágio visto como “pólo prático” do curso;

8- dificuldade de garantir a relação teoria/prática;

9- divisão do estágio em etapas fixas e estanques: observação, participação, regência; restrições à etapa de observação, ficando o aluno apenas como visitante;

10- transformação do estágio em atividades burocráticas de preenchimento de fichas, relatórios e descrição das atividades;

11- falta de integração entre a Universidade e o local onde se realiza o estágio;

12 - ausência de um plano de estágio integrado e integrante nos diversos níveis de sua execução.

 

5 A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO NA FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA

 

 

Atribui-se tanto à Educação Física, quanto aos seus formadores e formandos, um caráter de portadores de uma disciplina de conteúdos especializados, os quais estão perdendo ou ainda estão buscando a sua dimensão integradora com os demais saberes do âmbito educacional. A Educação Física, na sua formação inicial, ainda está fragmentada e compartimentada. Sendo assim, o desafio presente parece estar representado pela religação dos saberes a fim de situar a condição humana no mundo, dos conhecimentos derivados das ciências humanas para colocar em evidência a multidimensionalidade e a complexidade humana, bem como integrar (na educação do futuro) a contribuição inestimável das humanidades.

Há professores que não conseguem estabelecer relações da prática pedagógica com o seu contexto social, poucos criam, provocando uma deformação da curiosidade ingênua natural do educando, formando um sujeito que pouco se interessa pela realidade social. A dificuldade, porém, é formar um professor que esteja preocupado com as várias dimensões da vida social, pois “o conhecimento das informações ou dos dados isolados é insuficiente. É preciso situar as informações e os dados em seu contexto para que adquiram sentidos” (MORIN, 2003, p.36).

Há necessidade de se realizar estudos sobre a formação de professores de Educação Física, pois consideramos que é preciso que as instituições responsáveis pela formação inicial desses professores desenvolvam disciplinas que assegurem a competência pedagógica dos futuros professores. Piletti (1995) também reforça que os futuros professores podem colaborar opinando sobre a sua formação. E, se pensarmos que o planejamento está presente em todos os setores da atividade humana, sendo uma necessidade premente, a Educação não foge dessa exigência. 

Em seu sentido mais amplo, precisamos compreender com profundidade as possibilidades de contextualizar e valorizar a cultura formativa dos futuros professores, bem como a Educação Física Escolar, pois, como foi detectado ao longo deste trabalho, outros estudos provavelmente já identificaram informações semelhantes ao que descrevemos. O primeiro passo parece estar sendo realizado, ou seja, o registro do que está acontecendo nos estágios. O ideal é que as instituições de ensino superior (IES) projetem ações conjuntas em forma de rede de interações e aprendizagens que transcendam este espaço, pois a simples descrição já está se tornando repetitiva.

 

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

 

Percebemos que a atual formação acadêmica, em Educação Física pela UCG, parece não estar contribuindo muito para melhorar a atuação pedagógica dos professores em suas aulas práticas, expressa uma formação profissional voltada, basicamente, para trabalhar com o desporto. Assim, o curso não está capacitando adequadamente profissionais para atuarem nas escolas, mas sim para serem técnicos desportivos.

O profissional de Educação Física não pode continuar se apresentando como um organizador de torneios e festas perante a sociedade. É necessário que ele se apresente como um gerador, um difusor, um crítico de idéias. Idéias sobre a corporalidade, a organização social e política da sociedade, sobre a cultura. A Educação Física tem um papel fundamental no quadro da organização da cultura, desde que se disponha a compreendê-la em toda a sua amplitude. A partir das práticas corporais, da sua organização, da sistematização e da decodificação, existe um espaço pouco e mal explorado dentro da instituição escolar. Esse é o espaço de uma nova maneira de compreender as manifestações corporais como expressão inequívoca da cultura.

Acreditamos que os problemas que se entrelaçam no cotidiano escolar precisam ser constantemente estudados. A abordagem dos problemas levantados neste campo de estágio demonstra a realidade do ensino superior atual em Educação Física. 

Os acadêmicos necessitam aprender a desenvolver um adequado planejamento de aulas, de forma crítica e reflexiva, a partir da observação ou do conhecimento da realidade do local de estágio, precisam construir e organizar ações de trabalho de maneira a possam intervir na realidade social. Necessitam de um melhor acompanhamento, orientação, supervisão e novos mecanismos de avaliação.

Partindo dessa realidade, este trabalho possui grande relevância pois estudos que permitem a avaliação e o conseqüente aperfeiçoamento dos cursos de formação de professores poderão contribuir para que a UCG desempenhe melhor a sua função social de ensino, pesquisa e extensão. Assim, podemos salientar que quanto melhor a formação do professor, mais adequada será a intervenção dos professores na realidade social.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

 

BIANCHI, A. C. M.; ALVARENGA, M.; BIANCHI, R. Manual de Orientação: Estágio Supervisionado. 2º edição. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

 

 

FARIA JÚNIOR, A. G. de. Prática de Ensino em Educação Física: Estágio Supervisionado. Rio de Janeiro: Interamericana, 1982.

 

 

GIESTA, N. C. Tomada de decisões pedagógicas no cotidiano escolar. In: VIII ENDIPE. Anais-Volume 1..., Florianópolis, 1996. p. 132-133.

 

 

LORENCETTI, G. do C.; SILVA, M. H. G. F. D. da . A natureza didática dos dilemas profissionais dos professores: alguns exemplos. In: VIII ENDIPE. Anais-Volume 1..., Florianópolis, 1996. p. 305-306.

 

 

MALACO, L. H.; SILVA, S. A. P. dos S . Prática de Ensino/Estágio Supervisionado: integração faculdade e comunidade. In: VIII ENDIPE. Anais-Volume 1..., Florianópolis, 1996. p. 337.

 

 

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 8º edição. São Paulo: Cortez, 2003.

PILETTI, C. Didática geral. 19º edição. São Paulo: Ática, 1995.

 

 

PIMENTA, S. G. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática. 2º edição. São Paulo: Cortez, 1995.

 

 

PIÉRON, M. Formação de professores: aquisição de técnicas de ensino e supervisão pedagógica. Lisboa: Universidade Técnica de Lisboa, 1996.

 

 

SIEDENTOP, D. Developing teaching skills in Physical Education. 2º edição. Ohio: Mayfield Publish Company, 1983.

 

 

WÜRDIG, R.C. et al. A contribuição da Prática de Ensino na formação de professores de Educação Física. In: VII ENDIPE. Anais – Volume 1..., Goiânia, 1994. p. 235. 

 
Revisado por Editor do Webartigos.com
Leia outros artigos de Marília Aguiar Jardim De Amorim
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Professora de Educação Física, formada na PUC-GO
Membro desde outubro de 2009