ࡱ> DFC'`2bjbjLULU4L.?.? # BBB(j  8 DB j j j j j j j j $Eh4Fj j FF4j j IZZZFj j ZFZZZj ^ 0 Z_0Zz|ZZj " Z  j j j 44dj j j FFFF D  TEXTO CRTICO ANALTICO DOS PRINCPIOS E MECANISMOS DA GESTO DEMOCRTICA E SUAS IMPLICAES NAS AES E DECISES, TANTO NO MBITO DAS UNIDADES ESCOLARES QUANTO NA ORGANIZAO DOS SISTEMAS DE ENSINO. Prof. Me. Ciro Jos Toaldo Diretor E.M.E.I.E.F. Ver. Odrcio N. de Matos Navira - MS Primeiramente devemos dizer que o presente curso nos fez (re)pensar a respeito de como devemos efetivar uma gesto democrtica em nossa escola e como anda o Sistema Municipal de Ensino de Navira - MS. No temos dvidas que esse estudo ajudou, pois, estvamos com a idia fixa apenas no fato de que a eleio direta, tanto para o Conselho Municipal de Educao, bem como para o cargo de diretor das escolas municipais, estaramos efetivando a gesto democrtica junto rede educao municipal de educao (REME). Realmente estvamos enganados: apenas o processo eletivo, mesmo que pelo voto direto, envolvendo pais, professores, alunos e funcionrios, no garante uma gesto democrtica. de conhecimento pblico que a educao de nosso pas passa por profundas dificuldades e, a to sonhada qualidade de ensino, muitas vezes torna-se utpica e acaba ficando em segundo plano. Como diretor de escola pblica e membro do Conselho Municipal de Educao, percebo, por meio de nosso estudo na Escola de Gestores, que ainda no efetivamos uma gesto democrtica. Talvez, nos falta mais estudo ou, quem sabe, maior coragem para efetivarmos nas escolas municipais estabelecidas na periferia da cidade, bem como em nosso sistema municipal de educao, os princpios e mecanismos da gesto democrtica. A Escola de Gestores vem nos mostrando que a gesto democrtica deve ser um processo poltico, onde todos os membros da Escola Municipal Vereador Odrcio Nunes de Matos devem discutir, deliberar, planejar, solucionar problemas e, encaminhar, acompanhar, controlar e avaliar as aes voltadas ao desenvolvimento da escola. Esse processo deve ser sustentado no dilogo e na alteridade, tendo como base a participao efetiva de todos os segmentos da comunidade escolar, o respeito a normas coletivamente construdas para os processos de tomada de decises e a garantia de amplo acesso s informaes aos sujeitos da escola. Pelo que foi estudado nessa sala ambiente que estamos encerrando, a gama de problemas enfrentados, tanto em nossa escola, como na rede de ensino, permeiam fatores histricos relacionados com a escola pblica brasileira, que infelizmente foram pautados nos princpios autoritrios. As pessoas que trabalhavam nesse tipo de escola, viam-se proprietrias delas. Os professores eram instrudos para no estimular a participao comunitria, pois, ameaaria sua autoridade pedaggica. Os dirigentes das escolas no socializam o poder, pois, tinham medo de perd-lo. Contudo, a luta pelos princpios democrticos persistiu e a ditadura foi banida, sendo que em 1988, depois de muita mobilizao, o Brasil ganhou a Constituio de 1988. Essa carta Magna faz uma escolha por um regime normativo e poltico, plural e descentralizado, no qual se cruzam novos mecanismos de participao social com um modelo institucional cooperativo, que amplia o nmero de sujeitos polticos capazes de tomar decises. A educao ganha a incluso do princpio da gesto democrtica, pelo artigo 206. A educao escolar se torna pblica como funo do Estado e cada indivduo deve se auto-governar como ente dotado de liberdade e ser capaz de participar como cidado consciente e crtico de uma sociedade de pessoas livres e iguais. A gesto democrtica tambm aparece na Lei de Diretrizes e Bases da Educao Nacional, Lei n. 9.394/96, no art. 3o., VIII, reforando o que foi posto na Constituio. Referindo-se ao pacto federativo nos termos da autonomia dos entes federados, o art. 14 diz: Os sistemas de ensino definiro as normas da gesto democrtica do ensino pblico na educao bsica, de acordo com as peculiaridades e conforme os seguintes princpios: I participao dos profissionais da educao na elaborao do projeto pedaggico da escola; II participao da comunidade escolar e local em conselhos escolares ou equivalentes. Lembrando que o artigo 15, da LDB, estabelece que os sistemas de ensino devem assegurar s escolas progressivos graus de autonomia pedaggica, administrativa e de gesto financeira. Ainda tratando da Gesto Democrtica, tambm foi alvo de ateno na Lei nmero 10.127, de 9 de janeiro de 2001, mais conhecida como Plano Nacional de Educao (PNE). Mas, como salientamos no incio do texto, no basta que a Unio, Estados e Municpios faam sua parte, o importante em termos da educao, sobretudo no que se refere a gesto democrtica na base, ou seja nas comunidades educacionais. Sem sombras de dvidas, precisamos avanar e combater a resistncia que existe quanto socializao do poder e, fazer com que saiamos da viso paternalista. Urge que os dirigentes das escolas pblicas, junto com o conjunto dos docentes no exerccio do magistrio e s associaes docentes dos sistemas de ensino ampliem a conscincia da relevncia do princpio da gesto democrtica na educao. No basta efetivar os mecanismos da gesto democrtica como instaurao de conferencias municipais de educao, conselhos municipais de educao, conselhos do FUNDEB e termos as eleies para diretor de escola pblica se no avanamos na qualidade do ensino no Brasil. Para alavancar a gesto democrtica e avanar na educao em nossas escolas, como instituio representativa - precisamos de uma reestruturao democrtica na escola. Assim, nessa concepo de escola - a qual ainda uma luta para efetiv-la aqui em Navira - em primeiro lugar temos que compreender a educao como direito de todos; onde o Conselho Escolar seja uma instituio que cotidianamente coordena a gesto escolar e, torne-se o rgo responsvel pelo estudo e planejamento, debate e deliberao, acompanhamento, controle e avaliao das principais aes da escola, tanto no campo pedaggico, como administrativo e financeiro; onde a Associao de Pais e Mestres busque a integrao dos segmentos escolares, para discutirem as polticas educacionais e o Projeto Poltico-Pedaggico (PPP) da escola Pblica, contribuindo para a melhoria da qualidade do ensino; onde o Grmio Estudantil seja o rgo mximo de representao dos estudantes a servio da ampliao da democracia na escola, onde os alunos possam ser levados a ter uma educao emancipatria e transformadora; onde os Conselhos de Classe seja um rgo colegiado, presente na organizao da escola, em que os professores das diversas disciplinas, juntamente com a direo, equipe pedaggica e alunos representantes de turma, possam se reunir para refletir, avaliar e propor aes no acompanhamento do processo pedaggico da escola; onde exista a rotatividade no quadro de dirigentes; onde a democracia sustente as relaes humanas, tendo no dilogo, na autonomia e na liberdade a base para a sua edificao. Na gesto democrtica, o diretor de escola ocupa posio importante na estrutura do ensino pblico, uma vez que responde pela articulao da escola com a comunidade em que se insere e, tambm com a rede que compe o sistema de ensino. E, deve garantir o bom funcionamento da escola, visando o melhor atendimento pedaggico aos alunos. Nessa concepo de escola que prima pela gesto democrtica, o diretor tem papel primordial e, so significativas as palavras de Saviani: A escola uma instituio de natureza educativa. Ao diretor cabe, ento, o papel de garantir o cumprimento da funo educativa que a razo de ser da escola. Nesse sentido, preciso dizer que o diretor de escola antes de tudo, um educador; antes de ser administrador ele um educador. Ao finalizar o presente texto, ressaltamos que s h um caminho para avanar e obter uma educao de qualidade: aquela pautada na GESTO DEMOCRTICA. Em Navira temos todos os elementos elencados nesse texto, tudo dar certo, tanto em nossa escola municipal, da qual somos diretor, quanto em nosso sistema municipal de educao, pois, juntos encontraremos o caminho para atender s expectativas da sociedade a respeito da atuao da escola e do sistema de ensino. Quando pais, professores e os todos os envolvidos nas discusses educacionais, buscarem estabelecer situaes de aprendizagem de mo dupla: ora a escola estendendo sua funo pedaggica para fora, ora a comunidade influenciando os destinos da escola, com certeza estaremos efetivando a gesto democrtica e, as famlias vo comear perceber o verdadeiro papel da escola. A questo no gerenciar o educador. necessrio acord-lo. E, para acord-lo, uma experincia de amor necessria, O acordo mgico do educador tem, ento, que passar por um ato de regenerao do nosso discurso, o que sem dvida exige f e coragem: coragem para dizer em aberto os sonhos que nos fazem tremer. Rubens Alves.  O presente texto busca refletir os princpios e mecanismos da gesto democrtica e sua ao no mbito da Escola Municipal Vereador Odrcio Nunes de Matos e no Sistema de Ensino da Rede Municipal de Ensino de Navira MS (REME).  Conforme salienta Jamil Cury, gesto provm do verbo latino gero, gessi, gestum, gerere e significa: levar sobre si, carregar, chamar a si, executar, exercer, gerar. Trata-se de algo que implica o sujeito. Isto pode ser visto em um dos substantivos derivado deste verbo. Trata-se de gestatio, ou seja, gestao, isto , o ato pelo qual se traz em si e dentro de si algo novo, diferente: um novo ente. Ora, o termo gesto tem sua raiz etimolgica em ger que significa fazer brotar, germinar, fazer nascer. Da mesma raiz provm os termos genitora, genitor, grmen.  Atualmente nosso quadro composto de 860 alunos matriculados, tanto na Educao Infantil e Ensino Fundamental, quarenta professores e vinte e trs funcionrios administrativos.  Devemos ressaltar que mesmo com toda a luta histrica, ainda temos muitos membros da educao que continuam com essas caractersticas e no desejam mudar.  Foi promulgada no dia 5 de outubro de 1988 a nova Constituio Federal, com uma abordagem o tanto quanto democrtica em relao as demais constituies. Essa democracia evidenciada, pois teve a colaborao e participao do povo, por meio de abaixo-assinados, liderados pelos sindicatos de classe, entidades religiosas e demais segmentos da sociedade.  Para compreender a gesto democrtica, temos que ter em mente o que a democracia, como afirma a professora Chau: democracia a igualdade, soberania popular, preenchimento das exigncias constitucionais, reconhecimento da maioria e dos direitos da minoria e o pleno exerccio da liberdade.     qr% & F P W X _ c v       1 7 < C D N R S [ b   ' * hh4vh] {ha`h3h)_hji h whji h wh wh wh wB*phha`h wB*phjha`0JB*UphhB*phha`ha`B*ph ha`ha`; % & 978$dh`a$gdEu $^a$gdy $dh`a$gdy $dh`a$gdWS$dh`a$gda` $dha$gda` $dha$gda` +22* < F G a c m r } K U d }  N R l m w  89NS_`op"$,18;CEMPxy~jhov0JUjh w0JUhjihovh wh)_h4vh3Q . Ib1=PVqs !#26>?\`»ƷƳƻ淬 hhy h2hy hh<h<hjhI0JUhhWSjhWS0JU h;sh)_hh)_hov hovhov?~!8n  :@"k.;[#5HIJRS^hnpv&)ֽh hh2h5Zh2 hhhB hhy hhEu hEuhy h hhEuhEuhEuCJaJhy CJaJhy hy CJaJ@$ R#$/%X&u&)) ++++...$a$gdWS$a$gda`$a$gd2 $dha$gdZu$a$gdQU $^a$gd$dh`a$gdqO$dh`a$gd$dh`a$gdB$dh`a$gdBde= C l !!!+!-!2!\!!5"F""""" #####&#)#5#Q#R#k#=$A$$$$%.%/%2%T&V&W&X&s&v&ݪh;shQUB* \phf3hhQUCJaJhhCJ\aJhhQUCJ\aJ h;shhqO h;shqOh;shqO\ hqO\hQUh2 h;shQUh h2\ h\ hF\\h;shQU\4v&&&&&&&&' ''!'I'K'Z'''''''1(H(I(Q(U(W(c(h(o(|(((((((*)-)C)|)}))))))))))))))) + +¾h2h%7CJaJh2CJaJh2h2CJaJ hZuh2hEu h;shQU hZu\ hN\ h2\ hF\\ hqO\h;shQU\h2jhZu0JUhF\hqO9 + +++ ,,).+.,......///0000k1t1v111122222222222xsxsxslh`h`h`h`jh5Uh5 h;sh2 h2\h;sh2\h-Jh2CJaJh-Jh2B*CJaJph hWSh2jhWSh20JUh2CJaJhWSh2CJaJ!jhWSh20JCJUaJh wh2B*ph h wh2jh wh20JUh2jh20JU%.//00222222222222$a$gd2$a$gdZu$a$gdI$a$gdWS222h2h%7CJaJh521h:p2. A!"#$% @@@ NormalCJ_HaJmHsHtH>A@> Fonte parg. padroTiT  Tabela normal4 l4a ,k, Sem listaR@R jiTexto de nota de rodapCJaJH&@H jiRef. de nota de rodapH*o *t*L%&9 78$ R/Xu!! ###+&&&''((********** *000000000000000000000000000@0@0@0@0@0@0@0@0@0@000@000@000@000@000009 8/Xu ##+&''( *K00K00%~K00K00K00K00\&~@0@0@0@0@0 0K00K00K00\I00 @0 0 * v& +22!"#%.2 $2F$Ft$ ' * ' *C*urn:schemas-microsoft-com:office:smarttagsmetricconverter 1988 a206. A ProductID # #9$>$@$F$H$N$%%%%&&************* *: G  # #3$8$************* *!"" # #%*&************ * # #************* *'&Bjia%3<3%7=;/;qO1P5Z)_a`EuZuov4v w] {Y\{DF\y 25WSIE}QU~N<@88I588*P@UnknownGz Times New Roman5Symbol3& z Arial"1[[y?y?Yx4d""2QHX ?ji2TEXTO CRTICO ANALTICO DOS PRINCPIOS E MECANISMOS DA GESTO DEMOCRTICA E SUAS IMPLICAES NAS AES E DECISES TANTO NO MBITO DAS UNIDADES ESCOLARES QUANTO NA ORGANIZAO DOS SISTEMAS DE ENSINO ParticularUsuarioOh+'0Dp|     $,4<TEXTO CRTICO ANALTICO DOS PRINCPIOS E MECANISMOS DA GESTO DEMOCRTICA E SUAS IMPLICAES NAS AES E DECISES TANTO NO MBITO DAS UNIDADES ESCOLARES QUANTO NA ORGANIZAO DOS SISTEMAS DE ENSINO  ParticularNormalUsuario2Microsoft Office Word@F#@ ~7@Z@Zy՜.+,0 hp   Particular?"' TEXTO CRTICO ANALTICO DOS PRINCPIOS E MECANISMOS DA GESTO DEMOCRTICA E SUAS IMPLICAES NAS AES E DECISES TANTO NO MBITO DAS UNIDADES ESCOLARES QUANTO NA ORGANIZAO DOS SISTEMAS DE ENSINO Ttulo  !"#$%&()*+,-./012456789:<=>?@ABERoot Entry FG1Table'WordDocument4LSummaryInformation(3DocumentSummaryInformation8;CompObju  F#Documento do Microsoft Office Word MSWordDocWord.Document.89q