Papel do Tutor nas Metodologias Ativas (Resumo).
 
Papel do Tutor nas Metodologias Ativas (Resumo).
 


Edson Arpini Miguel Sérgio Lopes Sérgio Buchewitz Francismar Prestes Leal Antônio Fiel Cruz Júnior Faculdade INGÁ-UNINGÁ. INTRODUÇÃO: O curso de medicina da Faculdade Ingá tem em sua estrutura um modelo curricular que comporta disciplinas centradas no aluno concomitantemente com disciplinas estruturadas nos moldes de um curso tradicional. Em nossa matriz curricular estão descritas atividades centradas no estudante, uma delas é o Seminário Integrador (modelo tutorial em pequenos grupos e com problemas de papel). OBJETIVO: Analisar o papel do tutor nestas atividades de metodologias ativas. METODOLOGIA: Descrição de experiências nas disciplinas de atuação. RESULTADOS: Trabalharmos com grupos de no máximo doze alunos para cada docente, que ao assumir a disciplina de Seminário Integrador recebe um treinamento básico sobre o estudo em pequenos grupos, além de atividades práticas como assistentes de tutoriais. Concomitantemente, são disponibilizados materiais correlatos quanto ao mecanismo de funcionamento da disciplina e dinâmica do estudo em grupo. Após 18 meses de funcionamento, as principais dificuldades encontradas são relacionadas à condução do processo, onde a tendência do tutor é de interferir demasiadamente nas discussões, tornando-se o centro da discussão, papel que deve ser reservado ao aluno, mudando o conceito do projeto inicialmente pactuado, onde a participação do mesmo deve ser estritamente de facilitador das discussões. Nossa experiência durante a primeira série do curso foi com cinco tutores não médicos. Embora pouco experientes nesta estratégia de ensino, a dinâmica proposta teve bom aproveitamento quanto à abrangência e profundidade dos conteúdos. Durante a segunda série do curso, nossos tutores são médicos, em número de quatro, que tem em sua vida profissional várias especialidades clínicas. Se por um lado o médico, muitas vezes, detém conhecimentos que podem acrescentar no aprendizado, o objetivo deste momento e neste modelo é a busca por informações de forma individual após a sessão inicial, onde são formuladas as questões pertinentes sobre as necessidades de saúde do caso em questão. LIÇÕES APRENDIDAS: Neste momento sentimos, entre as várias dificuldades para a aplicação do método, que o acompanhamento da interferência do tutor deve ser cuidadoso, evitando que o mesmo ultrapasse a condição de moderador do grupo. É bem provável, que interfira nesta dinâmica a própria formação destes médicos, sua experiência prévia na docência ou de atividades profissionais. Cabe a ressalva que os próprios alunos, se não estiverem engajados neste processo de ensino-aprendizagem, estimulam esta condição do tutor. Parece-nos que a grande dificuldade por parte dos docentes, ainda está na quebra do paradigma de permitir que o aluno seja o centro do processo de aprendizagem. RECOMENDAÇÕES: Acreditamos que o trabalho sistemático e continuado centrado sobre este tema tenha aprimorado a atuação destes docentes-tutores em nossa Instituição. Palavras-chave: Tutor. Metodologias ativas. REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA 33 (2 Supl. 2): 2009, p. 6. Francismar Prestes Leal
 
Avalie este artigo:
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Francismar Prestes Leal
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Médico, pela UFSM, Hematologista, pela UNIFESP, e professor, pela UNINGÁ e PUC/PR.
Membro desde março de 2010
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: