Os Acidentes E Suas Causas
 
Os Acidentes E Suas Causas
 


Todo acidente tem uma causa e quase sempre poderia ser evitado. Em casa, no trabalho, no trânsito, no lazer, dois fatores determinam, isolada ou combinadamente, qualquer acidente: uma condição insegura e um ato inseguro. Por detrás de ambos estão os erros humanos que se sucedem em cadeia e são causadores de pequenos acidentes como de grandes catástrofes.

A análise do acidente nos levará à conclusão que ele poderia ser evitado. Há causas psicológicas sempre presentes em qualquer acidente: a pressa, a desatenção, a falta de treinamento, o desinteresse pelo que se realiza.

No caso das crianças, as suas mentes estão em formação e os adultos que delas cuidam têm que suprir as falhas mencionadas, muitas vezes existentes neles próprios. Neste sentido, o treinamento e o policiamento são sempre recomendáveis.

A desatenção é um estado de torpor psicológico, de ausência, que nos faz estar em muitos outros lugares distantes daquele em que nos encontramos, desviando o foco de nossa inteligência daquilo que estamos realizando. Essa ausência mental é causadora de muitos acidentes. É necessário cultivar o hábito da atenção no que se faz para evitar pequenos e grandes transtornos que se chamam acidentes.Um instante de desatenção poderá nos tirar a própria vida ao atravessar uma via pública ou dirigir falando em um celular.

E de onde provém a desatenção? Qual a sua causa?

São causas desta propensão a ociosidade mental, o hábito de perder-se em abstrações estéreis e a falta de uma idéia clara a respeito da responsabilidade que incumbe na condução da vida. (González Pecotche)

Todos vivem muito apressados, pressionados por compromissos e horários, numa louca e absurda carreira que chega a comprometer a saúde física e psicológica. Ao fazer tudo apressadamente, desesperadamente, a qualidade do que se realiza fica muito comprometida; a correria leva ao automatismo, à desatenção, ao desprezo pelos detalhes que mereceriam um olhar mais detido, mais cuidadoso. É como se as pessoas corressem, constantemente, atrás de um futuro que não chega nunca; como se almejassem um final sobre o qual se precipitassem sem saber, ao certo, qual seria esse fim.

A pressa é uma doença dos tempos modernos causadora de muitos erros, acidentes e desentendimentos; uma espécie de urticária psicológica que atormenta a todos, tornando as pessoas desatentas, esquecidas, ineficazes. Leva-nos a falar demais, correr demais e ser superficial demais.

A pressa é uma fuga, uma incomoda hóspede psicológica, uma incompreensão, uma falta de conhecimento. Por detrás dela há um defeito ou deficiência psicológica que se chama impaciência, uma doença moderna que danifica o sistema nervoso humano.

 O impaciente é um escravo do tempo; deste tempo fantasmagórico que nada tem a ver com o autêntico, que tão freqüentemente o homem dissipa em banalidades, justamente por desconhecer o seu real valor, escreveu o pensador González Pecotche. E sugere que quem padeça dessa doença se exercite no cultivo da paciência inteligente e ativa, a que além de infundir serenidade torna o homem compreensivo, permitindo-lhe pensar com utilidade e proveito, e estar atento às suas necessidades e deveres durante todo o tempo, curto ou largo, que abarque a espera.

Em síntese, saber esperar é o mesmo que saber viver, desde que a espera não seja a passiva que sempre nos faz sofrer.

Além disto, a pessoa desatenta é facilmente enganada por ser a ingenuidade fruto dessa esterilidade mental que é sinônimo de inconsciência. A desatenção leva ao descuido e à irresponsabilidade que prejudicam enormemente as pessoas em qualquer atividade que desenvolvam.

A atenção e o cuidado são predicados indispensáveis para se evitar acidentes de toda a índole cujas conseqüências podem ser males irreparáveis.

 
Nagib Anderáos Neto
www.nagibanderaos.com.br
 
Avalie este artigo:
(2 de 5)
6 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Nagib Anderáos Neto
Talvez você goste destes artigos também