O Uso da Tecnologia Assistiva na Inclusão de Alunos com Diciência visual
 
O Uso da Tecnologia Assistiva na Inclusão de Alunos com Diciência visual
 


CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO HUMANO, EDUCAÇÃO E INCLUSÃO ESCOLAR ? UAB/UnB





A IMPORTÃNCIA DAS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL


MANOELA MARIA LIOMIZA PEREIRA DE LIMA


ORIENTADORA: RIANE NATÁLIA SOARES VASCONCELOS


BRASÍLIA/2011



Universidade de Brasília ? UnB
Instituto de Psicologia ? IP
Departamento de Psicologia Escolar e do Desenvolvimento ? PED
Programa de Pós-Graduação em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde PGPDS




MANOELA MARIA LIOMIZA PEREIRA DE LIMA



A IMPORTÂNCIA DAS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS PARA A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL











BRASÍLIA/2011
TERMO DE APROVAÇÃO

MANOELA MARIA LIOMIZA PEREIRA DE LIMA

A IMPORTÂNCIA DAS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS PARA A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL
Monografia aprovada como requisito parcial para obtenção do grau de Especialista do Curso de Especialização em Desenvolvimento Humano, Educação e Inclusão Escolar ? UAB/UnB. Apresentação ocorrida em 30/04/2011.
Aprovada pela banca formada pelos professores:

____________________________________________________
ORIENTADORA: RIANE NATÁLIA SOARES VASCONCELOS
___________________________________________________
NOME DO EXAMINADOR (Examinador)


--------------------------------------------------------------------------------
ALUNA: MANOELA MARIA LIOMIZA PEREIRA DE LIMA




BRASÍLIA/2011

DEDICATÓRIA




























Aos meus pais, grandes amigos e incentivadores.


AGRADECIMENTOS

Agradeço à minha orientadora, Profa. MSc. Riane Natália Soares Vasconcelos, por seu acompanhamento responsável e competente, sempre permeado de uma sensibilidade que confia, incentiva e transborda amizade.
Aos alunos e colegas da Instituição de Ensino objeto deste estudo, pelas partilhas, novas descobertas e momentos de amizade, vivenciados juntos ao longo dos últimos anos, assim como aos demais funcionários e equipe gestora da instituição que apoiaram o trabalho.
A todas as pessoas envolvidas na coleta de dados desta pesquisa, pela abertura, boa vontade e colaboração.
Aos professores, funcionários e colegas do curso de Especialização em Desenvolvimento Humano, Educação e Inclusão Escolar ? UAB/UnB, pelas ajudas, intercâmbios e reflexões partilhadas.












































"Para a maioria das pessoas, a tecnologia torna as coisas mais fáceis. Para as pessoas com deficiência, a tecnologia torna as coisas possíveis."

(Mary Pat Radabaugh)
RESUMO

Num mundo em profundas e aceleradas transformações, a Tecnologia Assistiva emerge como uma área do conhecimento e de pesquisa que tem se revelado como um importante horizonte de novas possibilidades para a autonomia e inclusão social dos alunos com deficiência. Na busca de entender e discutir como a "instituição Escola" tem percebido e vivenciado essas possibilidades em suas práticas e processos, principalmente os relacionados com a Educação Inclusiva, esta pesquisa observou, o processo de apropriação e uso da Tecnologia Assistiva por professores de uma escola pública especializa da cidade do Gama, Distrito Federal. O estudo foi operacionalizado por meio de questionários aplicados a professores da própria escola, que vivenciam mais diretamente essa realidade. Como resultados da pesquisa, destacam-se, além da constatação dos avanços e conquistas verificados no processo de apropriação da Tecnologia Assistiva pelas pessoas da comunidade escolar estudada, também, e majoritariamente, as dificuldades e obstáculos encontrados nesse processo pelos profissionais entrevistados, juntamente com as demandas desses mesmos profissionais por ações mais efetivas das gestões centrais da rede pública de ensino à qual pertencem, e por políticas públicas consistentes e sistemáticas que favoreçam uma maior agilidade e eficácia no processo de apropriação e uso da Tecnologia Assistiva necessária para a inclusão escolar de alunos com deficiência, favorecedora de práticas educacionais escolares mais inclusivas e compatíveis com as necessidades da sociedade contemporânea.

Palavras-chave: Educação Inclusiva, Tecnologia Assistiva, Alunos com deficiência.



SUMÁRIO
APRESENTAÇÃO 12
Explorando o tema 12
Considerações iniciais: Tecnologia Assistiva 14

I ? FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 16
1.1 - Tecnologia Assistiva ? Conceitos e história 16
1.2- Tecnologia Assistiva e Educação 22
1.3 ? Inclusão e o paradigma educacional vigente 23
1.4 ? Deficiência Visual 26
II? OBJETIVOS 33
2.1 - Geral 33
2.2 - Específicos 33
III ? METODOLOGIA 34
3.1 ? Fundamentação Teórica da Metodologia 34
3.2 ? Contexto da pesquisa 35
3.3 - Participantes 35
3.4 - Materiais 36
3.5 ? Instrumentos de Construção de Dados 36
3.6 ? Procedimentos de Construção de Dados 37
3.5 ? Procedimentos de Análise de Dados 37
IV ? RESULTADOS E DISCUSSÃO 38
V ? CONSIDERAÇÕES FINAIS 54
REFERÊNCIAS 56
APÊNDICES 58


LISTA DE TABELAS

TABELA 1 - Contato com o deficiente visual e sua preparação...................................... 40
TABELA 2- Preocupação com o contato com o aluno.................................................... 41
TABELA 3- Recurso pedagógico em sala de aula.......................................................... 42
TABELA 4 - Utilização de materiais que viabilizam melhor desempenho do aluno........ 43
TABELA 4a - Valor dos recursos.................................................................................... 44
TABELA 4b - Fornecimento dos recursos pela escola.................................................... 46
TABELA 4c - Adaptações dos recursos.......................................................................... 47
TABELA 5 - Utilização da TA pelo professor com o aluno.............................................. 49
TABELA 6 - Ambiente escolar acessível e inclusivo.......................................................
49
TABELA 7 - O uso da tecnologia assistiva e a melhoria da aprendizagem.................... 51
TABELA 8 - Momentos de discussão na escola.............................................................
52
TABELA 9 - Falta de TA e a inclusão..............................................................................
53









LISTA DE GRÁFICOS

GRÁFICO 1 - Contato com o deficiente visual e sua preparação.................................. 40
GRÁFICO 2 - Preocupação com o contato com o aluno................................................ 41
GRÁFICO 3 - Recurso pedagógico em sala de aula..................................................... 42
GRÁFICO 4 - Utilização de materiais que viabilizam melhor desempenho do aluno..... 43
GRÁFICO 4a - Valor dos recursos................................................................................. 45
GRÁFICO 4b - Fornecimento dos recursos pela escola................................................ 46
GRÁFICO 4c - Adaptações dos recursos...................................................................... 47
GRÁFICO 5 - Utilização da TA pelo professor com o aluno.......................................... 49
GRÁFICO 6 - Ambiente escolar acessível e inclusivo.................................................
50
GRÁFICO 7 - O uso da tecnologia assistiva e a melhoria da aprendizagem............... 51
GRÁFICO 8 - Momentos de discussão na escola.........................................................
58
GRÁFICO 9 - Falta de TA e a inclusão..........................................................................
53










LISTA DE FIGURAS

FIGURA 1 - Exemplos de Auxílios não ópticos..................................................... 29
FIGURA 2 - Lupas de mão................................................................................. 30
FIGURA 3 - lupa de apoio.................................................................................. 30
FIGURA 4 ?Telescópios..................................................................................... Telescópios...................................................................................... 31
FIGURA 5 ? CCTV.............................................................................................
................................................ 31


APRESENTAÇÃO

Explorando o Tema

A organização Mundial de Saúde (OMS) estima que existem no mundo mais de 600 milhões de pessoas com alguma deficiência, sendo este número 10% da população mundial. No Brasil, este número é de 24,6 milhões de pessoas de acordo com o censo de 2000 realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Uma grande parcela dessa população vive realidades de graves carências sociais, como baixa renda e baixo nível de escolarização, o que só potencializa as dificuldades dessas pessoas, em função das barreiras, preconceitos, desigualdades e desinformação, conforme vem sendo detectado e alertado por diferentes organizações de defesa dos direitos da pessoa com deficiência.
[...] a questão da deficiência atinge, indiretamente, 73,8 milhões de pessoas, o que representa 43,44% do total de brasileiros. São parentes e
amigos que se dedicam a ajudar os portadores de deficiência nas atividades do dia a dia. Esse percentual não engloba o número de os profissionais que atuam no atendimento dessa parcela da população. [...]
colocar a legislação em prática significa proporcionar melhor qualidade de
vida não somente para as pessoas portadoras de deficiência física, mas também para aquelas que prestam algum tipo de auxílio a elas. (REDE SACI, 2004).


Segundo Sassaki (2004, p.18):
No Brasil, a grande maioria dos 17 milhões (24,6 milhões, segundo o Censo 2000) de pessoas com deficiência tem sido excluída de todos os setores da sociedade, sendo-lhes negado o acesso aos principais benefícios, bens e oportunidades disponíveis às outras pessoas em vários tipos de atividades, tais como educação, saúde, mercado de trabalho, lazer, desporte, turismo, artes e cultura. Esta afirmação, que se apresenta como uma denúncia consta em vários documentos, moções, relatórios, palestras, etc.



A partir desta realidade, estes números levam-nos a pensar no desafio que envolve a construção de uma sociedade inclusiva, que tem como pressupostos o respeito à diferença, a valorização da diversidade e a garantia universal aos direitos sem barreiras ou limitações de natureza socioeconômica, cultural ou em razão de alguma deficiência.
Embora o Brasil disponha de uma legislação relativa aos direitos da pessoa com deficiência considerada avançada internacionalmente, e a sociedade atual venha se tornando mais permeável à diversidade, ao pluralismo de realidades, tudo isso ainda não tem se refletido em significativos avanços reais, em consideráveis iniciativas concretas, a ponto de diminuir de forma sensível as desigualdades nas oportunidades e no acesso aos benefícios sociais, para essas pessoas. Lamentavelmente, é de conhecimento público que as pessoas com alguma deficiência, são excluídas dos espaços públicos, das escolas, do mercado de trabalho, da convivência em sociedade etc. Além disso, uma verdadeira inclusão social da pessoa com deficiência e seu acesso a todos os recursos, possibilidades e oportunidades disponíveis em nossa sociedade para todos os cidadãos, depende de diferentes fatores e soluções que não estão sendo estudados e viabilizados com a amplitude, velocidade e profundidade necessárias (FILHO, 2003).
Durante muito tempo a deficiência foi vista como um problema individual. A partir de 1860, conforme afirma Montoan (apud RODRIGUES, 2008) essa visão começou a ser questionada e foi-se percebendo que a pessoa com necessidades especiais deveria interagir com o meio em que está inserida, sendo isso um pressuposto de uma sociedade inclusiva. Dessa maneira, uma sociedade para ser considerada inclusiva, deve acolher as diferenças e promover o acesso irrestrito de todos os seus cidadãos aos recursos disponíveis no meio social, tendo este indivíduo alguma deficiência ou não. Os indivíduos com alguma necessidade especial lutam antes de tudo por sua inclusão e por seus direitos, para isso foi necessário superar o modelo médico da inclusão, a forma assistencialista, passando para o modelo social que tem as políticas públicas de inserção de pessoas com alguma deficiência.
No Brasil, ainda caminhamos neste sentido, sendo um desafio a ser enfrentado. Desafio este que possibilite a população excluída o acesso a recursos para realizar o atendimento precoce, evitando-se assim a exclusão social, e ainda pela desvantagem que a deficiência provoca em algumas situações. No âmbito educacional, embora seja crescente uma tomada de consciência social que aponta para a irremediável necessidade da inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais no ensino regular, os números sugerem uma realidade bem diferente, evidenciando que a segregação, ou a exclusão, ainda são a tônica. Por exemplo, pesquisas mostram que 21,6% das pessoas com deficiência no Brasil nunca freqüentaram uma escola (FGV, 2003). Embora proliferem hoje documentos oficiais, orientações e dispositivos legais que determinam que nenhuma escola possa, diferentemente de alguns anos atrás, recusar a matrícula de um aluno com deficiência, são constantes as reclamações e críticas, encontradas também em literatura especializada e até na mídia, tanto de professores e dirigentes escolares que argumentam não estarem preparados para trabalhar com alunos com deficiência, quanto de pessoas com deficiência que reclamam por encontrarem com frequência escolas que ainda as excluem, de forma aberta ou implícita, por não disponibilizarem espaços acessíveis, recursos e metodologias que efetivamente respondam às especificidades de suas necessidades (SÁ, CAMPOS e SILVA, 2007).
Portanto, como lembra Sassaki (2004, p. 24):
a crescente consciência social e os dispositivos legais referentes à inclusão das pessoas com deficiência em nossa sociedade não têm sido acompanhados de soluções criativas e eficazes que dêem conta dos grandes problemas e obstáculos para a efetivação dessa inclusão, na imensa maioria dos casos. Ainda é percebida uma ampla carência de iniciativas e soluções que façam a ponte entre essa sociedade ainda excludente, mesmo com toda a nova consciência e suas leis, e as pessoas com deficiência, mesmo com sua maior visibilidade atual. Todas essas dificuldades, os preconceitos vivenciados e as exclusões sofridas, tornam urgente a construção de novas possibilidades e caminhos para a redução das desigualdades sociais. Os progressos da ciência, os novos estudos e descobertas, por outro lado, oferecem pistas e luzes para a busca de soluções.
Dessa maneira o presente trabalho tem o intuito de mostrar a realidade vivenciada pela comunidade escolar de uma escola pública especializada do Gama no Distrito Federal onde é desenvolvido um trabalho educacional junto a alunos com deficiências diversas desde 1995.
Considerações iniciais: Tecnologia Assistiva
Diante desse contexto e, conforme se pretende abordar e demonstrar no presente e em diferentes estudos, a Tecnologia Assistiva vem se tornando, crescentemente, um fundamental instrumento de nossa prática pedagógica e sua utilização um meio concreto de interação e inclusão social (LÉVY, 1999).


Nesse sentido, pode-se constatar que,
como destacou Vygotsky (1994), é sumamente relevante, para o desenvolvimento humano, o processo de apropriação, por parte do indivíduo, das experiências presentes em sua cultura. O autor enfatiza a importância da ação, da linguagem e dos processos interativos, na construção das estruturas mentais superiores. O acesso aos recursos oferecidos pela sociedade, pela cultura, escola, tecnologias, etc., influenciam determinantemente nos processos de aprendizagem e desenvolvimento da pessoa. Entretanto, as limitações do indivíduo com deficiência tendem a tornar-se uma barreira a estes processos. Desenvolver recursos de acessibilidade, a chamada Tecnologia Assistiva,
seria uma maneira concreta de neutralizar as barreiras causadas pela deficiência e inserir esse indivíduo nos ambientes ricos para a aprendizagem e desenvolvimento, proporcionados pela cultura. (FILHO e DAMASCENO, 2003, p. 31).

Dessa maneira, é de fundamental importância determinar exatamente o que é entendido neste estudo pela expressão "Tecnologia Assistiva". O seu conceito, e também sobre a sua classificação, disseminação e utilização no caso específico da referida escola. Contudo, na presente abordagem, fica evidenciada a opção por um foco na análise das respostas dos profissionais da instituição escolar dentre todos os atores que compõem a comunidade escolar, tanto por se tratarem, segundo os paradigmas educacionais atualmente vigentes e hegemônicos, dos protagonistas principais na determinação e gerenciamento das dinâmicas e práticas do cotidiano escolar, quanto pela ampliação excessiva do foco e das variáveis a serem consideradas, se fossem incluídos também os alunos como sujeitos principais na coleta de dados. O foco principal, portanto, esteve na percepção e palavras dos profissionais da instituição escolar investigada. Os dados obtidos revelam, portanto, suas experiências, anseios, percepções e preparo diante do uso de Tecnologias Assistivas por eles próprios e pelos alunos com deficiência visual. Neste sentido, o presente estudo foi estruturado em cinco capítulos, que constam a fundamentação teórica, que traz a temática da deficiência visual no contexto de educação inclusiva, assim como o conceito de tecnologia assistiva e sua importância para esse processo. No segundo capítulo constam os objetivos delineados, enquanto que no terceiro está estruturada a metodologia do presente estudo.
A apresentação e discussão dos resultados à luz da literatura compõem o capítulo quatro. Por fim, no capítulo cinco estão presentes as considerações finais.
I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

1.1 Tecnologias Assistivas - Conceitos e Histórico

Com muita frequência, pelo senso comum, a palavra tecnologia é associada imediatamente à idéia, quase que exclusiva, de equipamentos ou dispositivos materiais para a execução de atividades e tarefas, com a idéia de ferramentas ou produtos úteis. Por definição, o sentido da palavra tecnologia vai além disso. O dicionário Aurélio em sua versão online, por exemplo, define tecnologia como o "conjunto de conhecimentos, especialmente princípios científicos que se aplicam a um determinado ramo de atividade" (FERREIRA, 2010). Nesse mesmo sentido, o documento "Educação em Tecnologias de Apoio para Utilizadores Finais: Linhas de Orientação para Formadores" do Consórcio Europeu EUSTAT, detalha e exemplifica da seguinte forma em sua página na internet:
[...] o termo tecnologia não indica apenas objectos físicos, como dispositivos ou equipamento, mas antes se refere mais genericamente a produtos, contextos organizacionais ou "modos de agir" que encerram uma série de princípios e componentes técnicos. Uma "tecnologia de acesso a transportes públicos", por exemplo, não consiste apenas numa frota de veículos acessíveis (ex. autocarros com plataforma elevatória), mas engloba toda a organização dos transportes, incluindo controlo de tráfego, implantação das paragens, informações e procedimentos de emissão/validação de bilhetes, serviço de clientes, formação do pessoal, etc. Sem uma organização deste tipo, o simples veículo não ofereceria qualquer "transporte público". Em segundo lugar, o termo de apoio é aplicado a uma tecnologia, quando a mesma é utilizada para compensar uma limitação funcional, facilitar um modo de vida independente e ajudar os idosos e pessoas com deficiência a concretizarem todas as suas potencialidades. (EUSTAT, 1999).

Também com muita frequência a palavra tecnologia é percebida ou associada à idéia de algo frio, mecânico, sem emoção, distante de tudo o que é concebido como intrinsecamente humano, sensível, afastado do que está diretamente relacionado com os valores da humanidade, como a educação, por exemplo. Essa forma de perceber e recortar as realidades que nos cercam, que levou até a divisão do saber sistematizado em áreas opostas tais como as ciências humanas por um lado e as ciências exatas e tecnológicas por outro, nem sempre nos ajuda a entender o verdadeiro papel e lugar das tecnologias ao longo da história da humanidade, inclusive para a sua própria constituição, enquanto humanidade, enquanto raça humana.
Segundo assinala Lévy (1999), as tecnologias estão presentes em cada uma das pegadas que o ser humano deixou sobre a terra, ao longo de toda a sua história. Desde um simples pedaço de pau que tenha servido de apoio, de bengala, para um homem no tempo das cavernas, por exemplo, até as modernas próteses de fibra de carbono que permitem, hoje, que um atleta com amputação de ambas as pernas possa competir em uma Olimpíada, disputando corridas com outros atletas sem nenhuma deficiência. Passando por todos os outros tipos e modelos possíveis e imagináveis de bengalas, muletas e próteses, que surgiram ao longo de toda essa história. O fogo que cozinhou os primeiros animais caçados pelo homem e que o aqueceu, é o mesmo fogo que, ao longo da história, foi sendo utilizado para diversas outras tarefas, até chegar hoje a mover um motor de combustão interna ou uma usina de geração de energia. Tudo isso é tecnologia. E tudo isso esteve sempre muito próximo do ser humano e de suas necessidades (LÉVY, 1999).
A história da humanidade sempre foi fortemente permeada não somente pelas relações entre os seres humanos e pelas suas representações culturais, como também pelas técnicas, conhecimentos e recursos materiais que os viabilizaram, ou que foram produzidos por essas relações e representações. Percebendo a relação indissociável, nas atividades humanas, entre a técnica, cultura e sociedade, Lévy (1999, p. 22) considera que "é impossível separar o humano do seu ambiente material, assim como dos signos e das imagens por meio dos quais ele atribui sentido à vida e ao mundo". Para o mesmo autor:
"não somente as técnicas são imaginadas, fabricadas e reinterpretadas durante seu uso pelos homens, como também é o próprio uso intensivo de ferramentas que constitui a humanidade enquanto tal (junto com a linguagem e as instituições sociais complexas)" (LÉVY, 1999, p. 21).

Não seria a tecnologia como que um "ente independente" que atuaria, que agiria, como algo externo, sobre as culturas e as relações entre os seres humanos, as sociedades. Assim, o que existe são relações "entre um grande número de atores humanos que inventam, produzem, utilizam e interpretam de diferentes formas, as técnicas" (LÉVY, 1999, p. 23).
Neste contexto, ressalta-se a importância das tecnologias assistivas, que segundo o comitê de ajudas técnicas,Cordel/SEDH/PR,2007,p.11:
é uma área do conhecimento, de característica interdisciplinar, que engloba produtos, recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços ou objetivam promover a funcionalidade, relacionada à atividade e participação, de pessoas com deficiências, incapacidades ou mobilidade realizadas visando sua autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social.

O conceito de Tecnologia Assistiva (TA) vem sendo atualizado e reformulado nos últimos anos devido a sua grande abrangência e importância, pois isto vem ajudar a garantir à pessoa com deficiência sua inclusão. Neste caminho a Tecnologia Assistiva é uma nova expressão que se refere a um conceito ainda em pleno processo de construção e sistematização. O uso da TA como recurso, remonta aos primórdios da humanidade, ainda pré-histórica.
Os recursos de Tecnologia Assistiva estão muito próximos do nosso dia-a-dia. Ora eles nos causam impacto devido à tecnologia que apresentam, ora passam quase despercebidos. Para exemplificar, podemos chamar de Tecnologia Assistiva uma bengala, utilizada por nossos avós para proporcionar conforto e segurança no momento de caminhar, bem como um aparelho de amplificação utilizada por uma pessoa com surdez moderada ou mesmo um veículo adaptado para uma pessoa com deficiência (MANZINI, 2005, p. 82).

Ainda segundo Lévy (1999), o termo Assistive Tecnology no Brasil surge como Tecnologia Assistiva e foi criado em 1988 como elemento jurídico dentro da legislação norte americana conhecido como public Law 100-407, conjuntamente com outras leis. Este conjunto de leis regula os direitos dos cidadãos com deficiência nos Estados Unidos da América. No Brasil, o comitê de ajudas técnicas - CAT- instituído pela portaria número 142 de 16 de novembro de 2006, propõe o seguinte conceito para Tecnologia Assistiva:

?Tecnologia Assistiva é uma área de conhecimento, de característica interdisciplinar, que engloba produtos, recursos, metodologias, estratégias, práticas, e serviços que objetivam promover a funcionalidade, relacionada à atividade e participação de pessoas com deficiências, incapacidades ou mobilidades reduzidas, visando sua autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social (p.12).

Como sendo um termo muito novo, a TA é utilizada para identificar todo arsenal de recursos e serviços que contribuem para proporcionar ou ampliar habilidades funcionais de pessoas com deficiência e conseqüentemente promover vida independente. No Brasil, as expressões ??Tecnologia Assistiva", "Ajudas Técnicas" e ??Tecnologia de Apoio" são utilizadas como sinônimos (Lévy, 1999).
Segundo a Legislação Brasileira, é utilizada a expressão "Ajudas Técnicas" no decreto 3.298 de 1999 e no decreto 5.296 de 2004, os quais regulamentam as leis números 10.048 de 8 de novembro de 2000 e 10.098 de 19 de dezembro de 2000.
O Ministério da Educação do Brasil lançou o "Portal de Ajudas Técnicas" e nele são apresentados vários e interessantes materiais voltados à educação de alunos com deficiência, na área de material pedagógico adaptado I e II, DA, Comunicação Alternativa e Recursos de Acessibilidade ao computador.
Já em 2006, a Secretaria de Educação Especial do Ministério da Educação e Cultura publica o documento Sala de Recursos Multifuncionais: Espaço de Atendimento Educacional Especializado onde afirma que: ?Tecnologia Assistiva é um termo remanescente inserido na cultura educacional brasileira? (MANZINI, 2005, p. 35).
A Tecnologia Assistiva tem como objetivo proporcionar à pessoa com deficiência maior independência, qualidade de vida e inclusão social, por meio da ampliação de sua comunicação, mobilidade, controle de seu ambiente, habilidade de seu aprendizado, trabalho e integração com a família, amigos e sociedade.
Segundo Bersch e Tonolli (2010) a Tecnologia Assistiva se apresenta em categorias, sua classificação faz parte das diretrizes gerais da Americans With Disabilities Act (ADA), porém não é definitiva e pode variar segundo alguns autores. Destaca-se a importância que esta organização confere ao universo de recursos, que até ai, vinham sendo confundidos com equipamentos da área médica/hospitalar, bem como outros não reconhecidos como ajudas da vida diária.
A importância desta classificação está no fato de organizar a utilização, prescrição, estudo e pesquisa destes materiais e serviços, além de oferecer ao mercado focos específicos de trabalho e especialização. Esta encontra-se especificada a seguir de acordo com Bersch e Tonolli (2010, p.2).
Desta forma, têm-se:
1. Auxílios para a vida diária - Materiais e produtos para auxílio em tarefas rotineiras tais como comer, cozinhar, vestir-se, tomar banho e executar necessidades pessoais, manutenção da casa etc;
2. Comunicação Aumentativa (suplementar) e Alternativa (CAA/CSA) - Recursos, eletrônicos ou não, que permitem a comunicação expressiva e receptiva das pessoas sem a fala ou com limitações da mesma. São muito utilizadas as pranchas de comunicação além de vocalizadores e softwares dedicados para este fim;
3. Recursos de acessibilidade ao computador - Equipamentos de entrada e saída (síntese de voz, Braille), auxílios alternativos de acesso (ponteiras de cabeça, de luz), teclados modificados ou alternativos, acionadores, softwares especiais (de reconhecimento de voz, etc), que permitem às pessoas com deficiência a utilização do computador;
4. Sistemas de controle de ambiente - Sistemas eletrônicos que permitem as pessoas com limitações locomotoras, controlar aparelhos eletro-eletrônicos, sistemas de segurança, entre outros, localizados em seu quarto, sala, escritório, casa e arredores;
5. Projetos arquitetônicos para acessibilidade - Adaptações estruturais e reformas na casa e/ou ambiente de trabalho, por meio de rampas, elevadores, adaptações em banheiros entre outras, que retiram ou reduzem as barreiras físicas, facilitando a locomoção da pessoa com deficiência.
6. Órteses e próteses - Troca ou ajuste de partes do corpo, faltantes ou de funcionamento comprometido, por membros artificiais ou outros recursos ortopédicos (talas, apoios etc). Incluem-se os protéticos para auxiliar nos déficits ou limitações cognitivas, como os gravadores de fita magnética ou digital que funcionam como lembretes instantâneos;
7. Adequação Postural - Adaptações para cadeira de rodas ou outro sistema de sentar, visando o conforto e distribuição adequada da pressão na superfície da pele (almofadas especiais, assentos e encostos anatômicos), bem como posicionadores e contentores que propiciam maior estabilidade e postura adequada do corpo por meio do suporte e posicionamento de tronco/cabeça/membros;
8. Auxílios de mobilidade - Cadeiras de rodas manuais e motorizadas, bases móveis, andadores, scooters de 3 rodas e qualquer outro veículo utilizado na melhoria da mobilidade pessoal;
9. Auxílios para cegos ou com visão subnormal - Auxílios para grupos específicos que incluem lupas e lentes, Braille para equipamentos com síntese de voz, grandes telas de impressão, sistema de TV com aumento para leitura de documentos, publicações etc;
10. Auxílios para surdos ou pessoas com déficit auditivo - Auxílios que incluem vários equipamentos (infravermelho, FM, aparelhos para surdez, telefones com teclado - teletipo (TTY), sistemas com alerta táctil-visual, entre outros;
11. Adaptações em veículos - Acessórios e adaptações que possibilitam a condução do veículo, elevadores para cadeiras de rodas, camionetas modificadas e outros veículos automotores usados no transporte pessoal.
1.2 Tecnologia Assistiva e Educação
Os desafios dessa nova sociedade conhecida como Sociedade do Conhecimento e que está permeada por novas possibilidades e exigências referentes às realidades no mundo de hoje estão diretamente ligadas às implicações dessa nova realidade nas relações dos seres humanos entre si, e também nas suas relações com os conhecimentos, saberes e informações. Com isso, é imprescindível analisar estas novas relações da humanidade com seus próprios processos de aprendizagem, no interior desses recém surgidos contextos e ambientes. Dessa maneira, existem atualmente novos recursos e ambientes de interação e aprendizado, possibilitados pelas tecnologias assistivas, surgem como fatores estruturantes de diferentes alternativas e concepções pedagógicas.
De acordo com Filho (2010), no campo educacional, a Tecnologia Assistiva vem se tornando cada vez mais, uma ponte para abertura de um novo horizonte nos processos de aprendizagens e desenvolvimento de alunos com deficiências até bastantes severas.
A aplicação da Tecnologia Assistiva na educação vai além de simplesmente auxiliar o aluno a ?fazer? tarefas pretendidas. Nela, encontramos meios de o aluno ?ser? e atuar de forma construtiva no seu processo de desenvolvimento (BERSCH e TONOLLI, 2010, p. 92).

A importância da Tecnologia Assistiva na educação já é uma realidade em relação a qualquer tipo de aluno, muito mais ainda em se tratando de alunos com deficiência visual. Desse modo, a abrangência da TA não se restringe somente a recursos em sala de aula, mas estende-se a todos os ambientes da escola, propiciando acesso e a participação de todos os alunos e durante o tempo todo. O professor e toda equipe da escola têm responsabilidade com a construção de um ambiente acessível e inclusivo, eliminando as barreiras arquitetônicas e atitudinais.
Os alunos com deficiência que estão matriculados na rede pública de educação devem ter do Estado os recursos de TA favoráveis à sua participação no processo de aprendizado. A Tecnologia Assistiva está chegando à escola por meio de ações propostas pela Secretaria de Educação especial do MEC ou por projetos desenvolvidos diretamente nos municípios. As secretarias de educação nas cidades, realizando o levantamento das necessidades reais dos alunos, encaminham ao MEC ou a outras fontes de financiamento da Educação (municipais e estaduais) seus projetos, para obtenção de recursos necessários à implementação da TA nas escolas (FILHO, 2003).
Vivenciamos hoje várias ações do MEC o qual está concedendo materiais específicos para alunos com Necessidades Especiais, desde os livros adaptados para baixa visão ou em Braille, também computadores com leitores de tela, teclados, mouses especiais, entre outros.
Ainda de acordo com Filho (2003), outra importante iniciativa foi a implementação das Salas de Recursos multifuncionais que são hoje o espaço onde atua o professor especializado e ali se organiza o serviço de atendimento Educacional Especializado e de Tecnologia Assistiva. Este professor, entre outras funções, produz o material escolar específico e pedagógico adaptado às condições especiais do aluno com deficiência; pesquisa suas necessidades funcionais no contexto da escola e sala comum e encaminha aos gestores as necessidades de aquisição dos recursos.
A Tecnologia Assistiva é em seu conceito um recurso facilitador, mais precisamente um instrumento de promoção da inclusão, pois a sua falta pode comprometer o desempenho dos alunos com deficiência. Ainda, estes instrumentos podem contribuir substancialmente e ajudar na superação e realização de atividades dentro da rotina escolar dos alunos. Nesta perspectiva, a implementação de uma política de utilização de Tecnologia Assistiva é, para a escola, um desafio permanente, uma vez que assegurar oportunidades iguais para todos os alunos é um dever do estado e um desafio para a comunidade escolar e para toda a sociedade.

1.3 Inclusão e o paradigma educacional vigente

A percepção e a consciência acerca da necessidade da construção de uma educação e de uma escola inclusiva têm sua origem em um movimento internacional de caráter político, social, cultural e pedagógico (BRASIL, 2008), baseado em princípios de justiça social, de igualdade, de busca da equiparação de oportunidades e inclusão social de todas as pessoas. Conforme Pacheco (2007, p. 15) "o princípio no qual a educação inclusiva baseia-se foi considerado pela primeira vez como lei na Dinamarca, em 1969, e nos Estados Unidos, em 1975. [...] e obteve ímpeto na Europa nos anos de 1990".
Para Bonilla (2005, p. 62):
É necessário pensar a ?inclusão? como um conceito mais abrangente, que implique que o incluído é capaz de participar, questionar, produzir, decidir, transformar, é parte integrante da dinâmica social em todas as suas instâncias.

Segundo Filho (2003), essa concepção do conceito de inclusão, a partir da qual deveria ser entendido e trabalhado tudo o que se refere à educação inclusiva, caminha na mesma direção da nova dinâmica percebida na sociedade atual, na sociedade do conhecimento, acerca da relação do ser humano com as informações e os saberes, ou seja, a necessidade da valorização e potencialização da autonomia e do pensamento crítico, da diversidade de capacidades, das diferenças entendidas como uma riqueza e não como obstáculo para o crescimento coletivo, o desenvolvimento cooperativo e em rede conjugado com a formação de um indivíduo independente, singular, criador, e sujeito de seus próprios processos. Inclusão social e escolar, portanto, devem ser entendidas nesse mesmo sentido.

Para Rodrigues (2008, p. 34), a Educação Inclusiva deve ser entendida como:
[...] uma reforma educacional que promove a educação conjunta de todos os alunos, independentemente das suas características individuais ou estatuto sócio-econômico, removendo barreiras à aprendizagem e valorizando as suas diferenças para promover uma melhor aprendizagem de todos.

Essa concepção tradicional de educação gerou uma determinada forma de organização do atendimento educacional especializado, a conhecida Educação Especial segregada, como um atendimento "substitutivo ao ensino comum, evidenciando diferentes compreensões, terminologias e modalidades que levaram a criação de instituições especializadas, escolas especiais e classes especiais" (BRASIL, 2008).
Conforme Mantoan (2005, p. 192), "o direito à diferença nas escolas desconstrói, portanto o sistema atual de significação escolar excludente, normativo, elitista com suas medidas e mecanismos de produção da identidade e da diferença". Infelizmente, o ritmo dessa percepção progressiva ainda é lento, e o paradigma educacional tradicional, rígido e padronizante, ainda é o modelo hegemônico na sociedade brasileira.
Essa escola tradicional continua baseando suas práticas na uniformidade, a encarar as diferenças como algo "anormal" que deve ser "tratado separadamente", a iludir-se pela falsa crença de uma suposta homogeneidade dos seus alunos. "As escolas alimentam a falsa idéia de que podem organizar turmas homogêneas [...] Temos de entender que as turmas escolares são e sempre serão desiguais, queiramos ou não" (MANTOAN, 2005, p. 48).
Por isso, como faz notar Rodrigues (2008, p. 40),
O desenvolvimento da Educação Inclusiva depende, em grande parte, do desenvolvimento do sistema educativo no seu conjunto. É muito difícil desenvolver um sistema que, coerentemente, opte pela Educação Inclusiva sem fazer uma aposta decisiva no desenvolvimento da escola regular. [...] A Educação Inclusiva, enquanto reforma educacional, só poderá florescer em sistemas educativos capazes de aceitar uma mudança nos seus hábitos e paradigmas.

Ao longo da história brasileira, e de acordo com o pensamento de Filho (2003), a educação da pessoa com deficiência foi sendo organizada sempre em função das diferentes concepções sobre a problemática da deficiência que a sociedade ia assumindo através dos tempos. Além, também, da influência particular dos movimentos internacionais e das organizações de e para pessoas com deficiência. Segundo o mesmo autor:
a inclusão escolar em um país como o Brasil, marcado pelas desigualdades sociais, significa buscar parcerias, ações conjuntas e solidárias entre o público e o privado, entre o social e o individual, a escola e a família, a sociedade civil e o estado (p. 34).

Para que essa inclusão aconteça de fato é necessário rever a forma como a educação está sendo conduzida na escola, ou seja, é preciso abrir espaço para uma prática pedagógica realmente inclusiva, que considere todos os alunos como especiais, únicos, singulares.
Numa perspectiva de educação inclusiva, é totalmente modificada a antiga concepção de Educação Especial como um sistema paralelo ao ensino regular, e, a partir de novos parâmetros, passa-se a conceber a Educação Especial como:
Uma modalidade de ensino que perpassa todos os níveis, etapas e modalidades, realiza o atendimento educacional especializado, disponibiliza os recursos e serviços e orienta quanto a sua utilização no processo de ensino e aprendizagem nas turmas comuns do ensino regular [...] A educação especial direciona suas ações para o atendimento às especificidades desses alunos no processo educacional e, no âmbito de uma atuação mais ampla na escola, orienta a organização de redes de apoio, a formação continuada, a identificação de recursos, serviços e o desenvolvimento de práticas colaborativas (BRASIL, 2008).

Nesse sentido, a transformação da escola é, inegavelmente, uma exigência do nosso tempo, uma exigência das novas dinâmicas e relações sociais presentes nos dias de hoje, e a inclusão situa-se, nesse contexto, tanto como causa, quanto como conseqüência dessas mudanças.
Filho (2003, p. 30) assinala que:
a construção dessa nova escola, portanto, aberta e atenta ao aprendizado de todos os alunos e baseada numa dinâmica que privilegia a participação, a cooperação, a valorização das diferenças, o espírito crítico, a criatividade, a autoria, de todos os seus atores, responderá de forma efetiva às exigências de uma formação que prepare os alunos para a cidadania, segundo as necessidades e possibilidades encontradas no mundo de hoje.

Porém, para caminhar rumo a essa construção, a escola deve enfrentar também os desafios para a desconstrução das estruturas, práticas e convicções tradicionais cristalizadas.
Neste sentido, a escola, segundo Mantoan (2005, p. 51):
não terá condições de efetivamente proporcionar o aprendizado de todos os alunos, levando em consideração e valorizando as diferenças, enquanto persistir, em propor trabalhos coletivos, que nada mais são do que atividades individuais realizadas ao mesmo tempo pela turma; ensinar com ênfase nos conteúdos programáticos; adotar o livro didático como ferramenta exclusiva de orientação dos programas de ensino; servir-se da folha mimeografada ou xerocada para que todos os alunos as preencham ao mesmo tempo, respondendo às mesmas perguntas com as mesmas respostas.

Como se pode perceber, as transformações implicam em mudanças profundas na noção tradicional do currículo, que, diferentemente de antes, deve agora refletir o meio sócio-cultural em que está inserido o aluno, perpassando de forma interdisciplinar e transversal as diferentes realidades nas quais o aluno está inserido.
1.4 Deficiência visual
Uma das primeiras condições para que o aluno desenvolva suas habilidades é saber qual seu diagnóstico correto para tentar melhor fazer a adequação de seu atendimento. Nas escolas, podemos encontrar alunos com deficiência visual, classificados, de acordo com (SÁ, CAMPOS e SILVA, 2007) em dois aspectos:
- Cegueira total e baixa visão.
Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (2002), baixa visão é a alteração da capacidade funcional da visão, decorrente de inúmeros fatores isolados ou associados tais como: baixa acuidade visual significativa, redução importante do campo visual, alterações corticais e/ou de sensibilidade aos contrastes que interferem ou limitam o desempenho visual do indivíduo. Possui resíduo visual, percebe luzes, cores, vultos, consegue identificar e discriminar e apresenta dificuldades relacionadas com profundidade, movimentos detalhes distintos em formas e dentro de figuras, grafias e outros aspectos dentro de um vasto campo. A Perda da função visual pode ser em nível severo, moderado ou leve, podendo ser influenciada também por fatores ambientais inadequados.
Ainda segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (2002), a cegueira é a perda total da visão até a ausência de projeção de luz. Do ponto de vista educacional, deve-se evitar o conceito de cegueira legal (acuidade visual igual ou menor que 20/200 ou campo visual inferior a 20° no menor olho), utiliza apenas para fins sociais, pois não revelam o potencial visual útil para execução de tarefas. A cegueira é uma alteração grave ou total de uma ou mais funções elementares da visão que afetará de modo irremediável a capacidade de perceber cores, tamanhos, distância, forma, posição ou movimento em um campo mais ou menos abrangente.
A deficiência visual refere-se a uma situação irreversível de diminuição da resposta visual, em razão de causas congênitas ou hereditárias, mesmo após tratamento clínico e/ou cirúrgico e uso de óculos convencionais. A diminuição da resposta visual pode ser leve, moderada, severa, profunda (que compõem o grupo com baixa visão) e ausência total da resposta visual ? cegueira (BRASIL, 2008).

De acordo com Rodrigues (2008), do ponto de vista educacional são considerados os seguintes aspectos:
? O trabalho educacional com alunos que tenham baixa visão baseia-se no princípio de estimular a utilização plena do seu potencial de visão e dos sentidos remanescentes, bem como na superação de dificuldades e conflitos emocionais. Para que o aluno com baixa visão desenvolva a capacidade de enxergar, professor deve despertar o seu interesse em utilizar a visão potencial, desenvolver a deficiência visual, estabelecer o conceito de permanência do objeto, e facilitar a exploração dirigida e organizada;
? Pessoas com baixa visão ou visão subnormal desenvolverão seu processo educativo por meios residuais de visão, utilizando recursos específicos. A baixa visão ou visão subnormal não é fator limitante para seu desenvolvimento cognitivo;
? Pessoas cegas desenvolverão sua aprendizagem por meio dos sentidos remanescentes (tato, audição, olfato, paladar), utilizando o sistema Braille como principal meio de comunicação.
De acordo com Sá, Campos e Silva (2007), pedagogicamente, delimita-se como cego o aluno que necessita do método Braille para ler, e como portador de visão subnormal aquele que consegue ler tipos de impressos ampliados ou com auxílio de recursos ópticos. Sá, Campos e Silva (2007, p.14) ainda afirmam que "esses alunos devem ser tratados como qualquer outro educando no que se refere aos direitos, deveres, normas, regulamentos, combinados disciplina e demais aspectos da vida escolar".
Além do tratamento digno e adequado, os alunos com deficiência visual necessitam de recursos que viabilizem e otimizem sua aprendizagem. A escolha e a adaptação desses recursos dependem de cada caso e devem ser definidos de acordo com fatores, como: faixa etária, necessidades específicas e individuais, preferências, interesses e habilidades. Alguns desses recursos encontram-se especificados a seguir:
Auxílios não ópticos ? são instrumentos e aparelhos que ajudam o desempenho visual através do ajuste da imagem.








Figura 1: Exemplos de Auxílios não ópticos/Fonte:www.fcm.unicamp.br

Auxílios ópticos: são lentes ou combinações das mesmas. Exemplos:
- Lupas de mão: geralmente é o primeiro auxílio óptico que as pessoas adquirem independentemente da prescrição médica, pois é de fácil aquisição nas óticas e supermercados. Adequadamente selecionadas, podem ser bastante úteis.

Figura 2: Lupas de mão/.Fonte:WWW.optomed.com.br

- Lupas com apoio: são lupas que têm uma base que se apóia no texto, mantendo o foco permanentemente. Alguns modelos podem acoplar iluminação. Necessitam sempre de uma base de apoio para leitura, e algumas podem aumentar a imagem em até 12 vezes.









Figura 3: lupa de apoio./Fonte:www.optomed.com.br

- Telescópios: geralmente são utilizados para visão à distância, como leitura de placas, semáforos, letreiro de ônibus e principalmente cópia em lousa para crianças.

Figura 4: telescópios./Fonte:optomed.com.br

- Circuito Fechado de televisão (CCTV): aparelho acoplado a um monitor de TV monocromático ou colorido que amplia até 60 vezes as imagens e as transfere para o monitor.

Figura 5: CCTV/Fonte:WWW.optomed.com.br

Sobre o processo de aprendizagem do aluno com deficiência visual, Sá, Campos e Silva (2007,p.13) ressaltam que este chega à escola com uma restrita experiência de estímulos oferecidos dependendo do contexto social que vive, o que pode gerar atraso no seu desenvolvimento global. A visão tem sua importância identificada nos conhecimentos cotidianos levando em conta a aprendizagem dos estímulos que o mundo oferece necessitando do seu uso.
Suas descobertas e construções mentais irão depender da forma pela qual ele é estimulado, levando-o a conhecer o mundo que o cerca por meio dos outros sentidos. Assim, a capacidade de adaptação do indivíduo com deficiência visual ao meio está diretamente relacionada à qualidade das interações com o mundo, de forma concreta de transmitir informações, sentimentos e emoções a este indivíduo. Por meio de nossos sentidos construímos a idéia de mundo que temos, ajudando assim no desenvolvimento de nossa linguagem visual percebendo cores, formas, tamanhos, texturas e etc. Os indivíduos que enxergam incorporam hábitos muito cedo por meio de estímulos vindo do meio que está inserido, já o indivíduo não vidente ou cego, vai ter uma demora para entrar neste universo e a educação tem de fazer-se mais forte e cumprir com seu papel de abrir, quebrar barreiras facilitando o conhecimento e minimizando as dificuldades (SÁ, CAMPOS e SILVA (2007,p.15).
Sá, Campos e Silva (2007) ressaltam ainda que para que a pessoa com deficiência visual aprenda se faz necessária uma série de pré-requisitos, sendo essa aprendizagem um processo baseado na percepção do conhecimento por meio de estímulos que possibilitem seu desenvolvimento motor, cognitivo e afetivo e isto só pode ser feito com materiais de apoio adequado.
Dessa maneira, Kelman et al (2010, p.14) afirma que a utilização das chamadas tecnologias assistivas tem proporcionado maior independência e autonomia para pessoas cegas e com baixa visão. A variedade, a adequação e a qualidade dos recursos disponíveis possibilitam o acesso ao conhecimento, à aprendizagem significativa e à comunicação. Toda a variedade de materiais adaptados e recursos que se usa com o objetivo de melhorar a aprendizagem do aluno com deficiência visual, tanto no campo cognitivo como global em si podemos chamar de Tecnologia Assistiva, pois com esses recursos estaremos desenvolvendo habilidades que propiciarão a este aluno sua independência na realização de determinadas atividades em sala de aula e em todo ambiente escolar propiciando sua inclusão neste meio.
O espaço escolar representa concretamente um dos cenários de construção e de mudanças e deve ser compreendido em sua complexidade e em suas possibilidades relacionadas a cada sujeito e à sociedade (KELMAN et al, p.155).


Portanto, a estimulação visual baseia-se na escolha adequada do material, que deve ter cores fortes ou contrastantes que melhor se adaptem à limitação visual de cada aluno e significado tátil. Recursos tecnológicos, equipamentos e jogos pedagógicos contribuem para que as situações de aprendizagem sejam agradáveis e motivadoras em um ambiente de cooperação e reconhecimento das diferenças. Com bom senso e criatividade, é possível selecionar, confeccionar ou adaptar recursos abrangentes ou de uso específico.
corrigido

II ? OBJETIVOS

2.1 Geral
Investigar a importância das Tecnologias Assistivas para alunos com deficiência visual.
2.2 Específicos
Esse objetivo geral, portanto, remeteu a diferentes outros objetivos mais particulares, que configuraram os objetivos específicos do estudo, formulados da seguinte forma:
? Apresentar o conceito histórico da TA, contextualizando-as na área educacional;
? Apresentar os conceitos da educação inclusiva e seus principais pressupostos;
? Identificar o conceito e os tipos de deficiência visual, apontado alguns tipos de TA necessários para sua escolarização;
?Investigar se os profissionais utilizam a TA e tem conhecimento da mesma como recurso de suporte para inclusão de alunos com deficiência visual.










III- METODOLOGIA

3.1- Fundamentação Teórica da Metodologia

Para o desenvolvimento deste estudo, optou-se por uma abordagem quantitativa descritiva de pesquisa, no intuito de colher dados investigando os mais diferentes aspectos que envolvem e influenciam o processo de apropriação da Tecnologia Assistiva pela escola pública estudada. Em função dos objetivos desta pesquisa, deduz-se que a abordagem quantitativa é a mais adequada ao que este estudo se propôs, por ser, nas palavras de Serapione:
Se o objeto de estudo está bem definido, já que outras pesquisas têm acumulado um corpo suficiente de conhecimentos sobre o tema, trata-se então de verificar somente se este corpo de conhecimentos vale em outras situações, ainda não exploradas empiricamente. Neste caso podem-se utilizar métodos de pesquisa quantitativa como um questionário estruturado ou uma sondagem.( SERAPIONE, 2000,p.2).

Foi realizada uma pesquisa bibliográfica e pesquisa de campo no intuito de atingir os objetivos delimitados para o presente estudo.Utilizou-se o excel para fazer as tabulações dos dados.

O pesquisador procura revelar a multiplicidade de dimensões presentes numa determinada situação ou problema, focalizando-o como um todo. Esse tipo de abordagem enfatiza a complexidade natural das situações, evidenciando a inter-relação dos seus componentes. (LUDKE e ANDRÉ, 1986, p.19).

3.2- Contexto da Pesquisa

Caracterização da Escola
A escola em questão tem em seu corpo de professores 154 profissionais, divididos em professores de atividades e de área específica distribuídos nos vários atendimentos da escola. A maioria dos profissionais tem formação superior, possuindo, em sua grande maioria, o curso de pedagogia. Em sua estrutura física possui 56 salas de aulas distribuídas em duas alas. Possui um auditório, um parque, um refeitório, um parque, uma quadra de esporte, uma piscina e uma área verde onde funciona a horta.
A escola faz atendimentos em:
- Programa de educação precoce;
- Oficinas Pedagógicas (sócio-profissionalizante e serviço de orientação para o trabalho - SOT);
- Laboratório de Informática Educativa (LIED);
- Práticas de Educação Ambiental (PEA);
- Programa Atendimento Pedagógico Especializado, dividido em: deficiência intelectual (DI), deficiências múltiplas (DMU), transtorno geral do desenvolvimento (TGD), divididos em três etapas com a utilização do currículo funcional.
A escola atende alunos de idades cronológicas que vão desde 0 até 50 anos de idade, com síndromes e comprometimentos diferentes. Foram selecionados 30 professores num universo de 154 lotados na escola para entrevista. A escola possui 444 alunos divididos em dois turnos: matutino e vespertino. A escola ainda possui o atendimento a alunos de escolas inclusivas com o total de 300 alunos ? Atendimento Educacional Especializado Complementar (AEEC). A escola está localizada em um setor nobre da cidade, bem centralizado o que possibilita o acesso dos alunos e funcionários da escola, pois muitos deles são oriundos da periferia e de cidades do entorno sul do Distrito Federal.
A escola conta ainda com 5 monitores que auxiliam os professores na área das atividades da vida diária, uma equipe pedagógica formada por uma pedagoga, uma psicóloga e uma orientadora educacional. Neste sentido, a escola demonstra, por sua própria constituição pedagógica, um diferencial muito grande em relação à clientela que atende. Devido a essas especificidades é que o uso de material alternativo se faz necessário, pois em muitos casos fica inviável a aprendizagem do aluno sem um trabalho mais específico, individualizado e diferenciado pelo professor.
Com o aumento de alunos que apresentam deficiência visual e outra associada, foram formadas duas turmas específicas com alunos com deficiência visual.
Enfim, paralelamente a todos esses atendimentos e possibilidades oferecidos escola investigada, enormes desafios, obstáculos e demandas para a inclusão social de pessoas com necessidades educacionais especiais foram percebidos ao longo desse tempo.

3.3 - Participantes

Participaram desta pesquisa 30 professores da escola em questão, sendo que somente 17 participaram efetivamente da coleta de dados através da entrega dos questionários.


3.4 - Instrumentos de Construção de Dados
O instrumento principal de coleta de dados desta pesquisa foi o questionário. Como o objetivo principal da investigação foi estudar e discutir como a escola pública especializada em ensino especial está percebendo e vivenciando o processo de apropriação da Tecnologia Assistiva necessária para a inclusão de alunos com deficiência em suas salas de aula, dando relevância à percepção de alunos com deficiência visual. Os questionários foram aplicados para os principais responsáveis, na escola, por esse processo, foi utilizado um questionários contendo 8 perguntas, sendo todas fechadas, sendo 30 questionários entregues e 17 recebidos.
Os questionários aplicados aos participantes da escola, por esse processo, que são:
? Os responsáveis pelo Programa de Atendimento Especializado onde estudam os 4 alunos DV mencionados;
? Foram 17 profissionais da escola.
3.6- Procedimentos de Construção de Dados
Para a seleção do professor que seria entrevistado o critério utilizado foi, primeiramente, a condição de que fosse um professor que tivesse alunos com deficiência visual freqüentando as suas salas de aula. E, além destes, foi solicitado ao coordenador pedagógico da escola, que indicasse, a seu critério, professores que pudessem fornecer informações mais detalhadas sobre esse processo de apropriação da Tecnologia Assistiva vivenciado pela escola. Todos os professores entrevistados possuíam o Ensino Superior completo, e, no seu conjunto, tinham uma boa experiência com as séries iniciais do ensino fundamental e ensino especial.
Desse modo, optou-se pela realização de um questionário, partindo de um roteiro básico de questões a serem abordadas (ver Apêndice), que permitisse uma compreensão das necessidades e também dos desejos e motivações dos próprios profissionais entrevistados.

3.7- Procedimentos de Análise de Dados
A partir dos dados coletados, portanto, pode-se detectar e determinar os eixos ou categorias, que melhor conduzissem e contribuíssem para a análise e discussão dos mesmos. As características dos dados levantados levaram-me a apresentar essa análise e discussão a partir de dois eixos principais ou categorias:
a) Apropriação da Tecnologia Assistiva pelos professores da escola estudada;
b) Necessidade do uso da TA pelos alunos com deficiência visual no contexto educacional.




IV- RESULTADOS E DISCUSSÃO

De uma maneira geral, no estudo sobre as apropriações efetivas ocorridas em Tecnologias Assistivas, a realidade encontrada na escola investigada foi ainda de um processo incipiente e deficitário, se comparada com as reais necessidades dos alunos atendidos e com as possibilidades de recursos disponíveis no mercado, além daquelas passíveis de serem desenvolvidas pela própria escola.
Apesar do fato de que sete (7) dos dezessete professores entrevistados declarem-se preparados para o trabalho com alunos com deficiência visual, o desconhecimento sobre essas possibilidades concretas de recursos de TA, parece ser ainda bastante acentuado.
As dificuldades para a seleção, aquisição ou construção de recursos de TA, decorrentes da falta de formação e informação, do desconhecimento, desses profissionais em relação às possibilidades existentes e pesquisadas na atualidade, até certo ponto não são tão expressivas. Observou-se um desconhecimento básico com relação a valores, a materiais e onde podem ser adquiridos ou até mesmo adaptados.
Este desconhecimento parece ser maior do que as dificuldades decorrentes da falta de subsídio financeiro para aquisição ou construção de soluções tecnológicas. Diferentes materiais e programas oficiais de formação, subsídio e financiamento, relativos a esses recursos de TA são ainda totalmente desconhecidos por muito dos professores entrevistados.
Ainda que possibilidades estruturadas de políticas públicas sejam poucas e insuficientes em relação às necessidades dos alunos com deficiência visual atendidos no sistema público de ensino, mesmo essas existentes continuam pouco conhecidas na escola estudada.
Entretanto, ainda que, em muitos casos, tenham sido disponibilizados por meio de medidas isoladas e individuais de alguns profissionais ou familiares dos alunos, ou mesmo por iniciativas isoladas, diferentes recursos de TA já se encontram em uso efetivo nessa escola. Diante desta realidade, os seguintes resultados foram obtidos:
QUESTÃO 1- Quando você teve contato com um aluno deficiente visual, você se sentiu preparado para atendê-lo?

TABELA 1 - Contato com o deficiente visual e sua preparação.

Variável Quantidade Porcentagem
Sim 7 41%
Não 10 59%
Fonte: Pesquisa de Campo

GRÁFICO 1 - Contato com o deficiente visual e sua preparação


Fonte: Pesquisa de Campo
Observa-se que 10 respondentes afirmam não terem se sentido preparado para atenderem o aluno com deficiência visual, quando tiveram contato com o mesmo, correspondendo a 59% da mostra, enquanto 7 afirmaram que se sentem preparados, correspondendo a 41% da mostra. Segundo Raposo e Carvalho (apud MACIEL e BARBATO, 2010) em qualquer caso, o planejamento a organização dos apoios aos alunos com deficiência visual exigem avaliação multiprofissional, integrado as áreas da saúde educação. A citação afirma que a capacitação profissional é de grande importância para que o professor lide adequadamente com a diversidade existente na escola.
QUESTÃO 2 - O que mais o preocupou neste contato?



TABELA 2- Preocupação com o contato com o aluno

Variáveis
Quantidade
Porcentagem
Não me preocupei 1 9%
Dificuldade do aluno 2 10%
Falta de recursos
Pedagógicos 5 23%
Sua falta de experiência e conhecimento 7 58%
Fonte: Pesquisa de campo


GRÁFICO 2 - Preocupação com o contato com o aluno.

Fonte: Pesquisa de campo

Quando questionados sobre o que mais o preocupou esse contato com o aluno com deficiência visual, 1 professora afirmou que não se preocupou, correspondente a 9% da amostra; 2 afirmaram ter sido a dificuldade do aluno o fator que mais os preocupou, correspondendo a 10% da amostra; 5 respondentes afirmaram ser a falta de recursos pedagógicos, o que corresponde a 23% da amostra, enquanto 7 afirmaram ser o fator que mais os preocupou sua falta de experiência e conhecimento, totalizando 9% da amostra.
Segundo Sá, Campos e Silva (2007, p. 26):

[...] recursos tecnológicos, equipamentos e jogos pedagógicos contribuem para que as situações de aprendizagem sejam mais agradáveis e motivadoras em um ambiente de cooperação e reconhecimento as diferenças. Aliado às tecnologias assistivas, faz-se necessária uma flexibilização curricular, uma formação continuada em recursos humanos, comprometimento do estado, entre outros.

QUESTÃO 3 - Na sua concepção, o recurso pedagógico em sala de aula faz a diferença na aprendizagem do aluno com deficiência visual?

TABELA 3 - Recurso pedagógico em sala de aula.

Variáveis Quantidade Porcentagem
Sim 14 82%
Não 3 18%
Fonte: Pesquisa de Campo

GRÁFICO 3 - Recurso pedagógico em sala de aula.

Fonte-Pesquisa de Campo

Quando perguntados se o recurso pedagógico em sala de aula faz a diferença na aprendizagem do aluno com deficiência visual 14 respondentes afirmaram que sim, correspondendo a 82% da amostra, enquanto 3 afirmaram que não correspondendo a 18% da amostra.
Recursos sejam eles simples ou tecnológicos contribuem de forma positiva no processo aprendizagem de um aluno que apresenta deficiência visual.

A predominância de recursos didáticos eminentemente visuais ocasiona uma visão fragmentada da realidade e desvia o foco de interesse e de motivação dos alunos cegos e com baixa visão. Os recursos destinados ao Atendimento Educacional Especializado desses alunos devem ser inseridos em situações e vivências cotidianas que estimulem a exploração e desenvolvimento pleno dos sentidos. A variedade, a adequação e a qualidade dos recursos disponíveis possibilitam o acesso ao conhecimento, à comunicação e à aprendizagem significativa. (SÁ, CAMPOS e SILVA, 2007, p. 26)

QUESTÃO 4-Você utiliza materiais que viabilizam o melhor desempenho do seu aluno?
TABELA 4 - Utilização de materiais que viabilizam melhor desempenho do aluno.
Variáveis Quantidade Porcentagem
SIM 14 94%
NÃO 3 6%
Fonte: Pesquisa de Campo

GRÁFICO 4 - Utilização de materiais que viabilizam melhor desempenho do aluno.

Fonte: Pesquisa de Campo
Os resultados apontam que 14 respondentes (94%) da amostra utilizam materiais que viabilizam o melhor desempenho de seu aluno, enquanto 3 professores afirmam não utilizar, correspondendo a 6% do total.
A utilização de materiais simples e alternativos, por parte dos professores com os alunos, pode sim colaborar para um melhor desempenho do processo de ensino. Muitos profissionais às vezes constroem e procuram adaptá-los a necessidade do aluno, contribuindo para que o aluno torne-se sujeito da situação aprendizagem. Uma pequena quantidade de 6% acredita que o aluno não se desenvolvera melhor com a utilização de recursos adaptados a sua deficiência.
Segundo Bersch e Tonolli (2006,p.01), recursos podem variar de uma simples bengala a um complexo sistema computadorizado. Estão incluídos brinquedos e roupas adaptadas, computadores, softwares e hardwares especiais, que contemplem questões de acessibilidade, dispositivos para adequação de postura sentada, recursos para mobilidade manual e elétrica, equipamentos de comunicação alternativa, chaves e acionadores especiais, aparelhos de escuta assistida, auxílio visual, materiais protéticos e milhares de outros itens confeccionados ou disponíveis comercialmente.
QUESTÃO 4a - Eles são caros?

TABELA 4A- Valor dos recursos


Variáveis
Quantidade Porcentagem
Não são caros e podem ser confeccionados
4 25%
São caros e difíceis de encontrar
11 64%
São baratos
2 11%
Fonte: Pesquisa de campo


Fonte: Pesquisa de campo


Quando questionados se os mesmos são caros, 4 professores afirmaram que não e que podem ser confeccionados, correspondendo a 25% da amostra, enquanto 11 afirmaram que os recursos são caros e difíceis de encontrar, correspondendo a 64% dos respondentes.
Somente 2 professores afirmaram que os recursos são baratos, totalizando 11% da amostra.
Assim, o professor pode favorecer a aprendizagem deste aluno fazendo adaptações, buscando soluções simples, como um engrossamento de um lápis para a escrita ou aumento de letras para visualização de um aluno com baixa visão.
Diante dessa realidade, Raposo e Carvalho (apud MACIEL e BARBATO, 2010,p.162) assinalam que,

Os recursos devem ser adequados para atender às especificidades do funcionamento visual de cada pessoa. A heterogeneidade das características que integram o grupo com baixa visão exige avaliação e planejamento adequados que envolvam uma equipe multiprofissional. O trabalho diversificado dá respostas à gama de variações encontradas em alunos que, inclusive, apresentam a mesma patologia e igual nível de acuidade visual.


Questão 4B - Eles são fornecidos pela escola?


TABELA 4B - Fornecimento dos recursos pela escola.

Variável Quantidade Porcentagem
Muito pouco, uns sim outros não 6 47%
Na medida do possível 3 7%
Não 4 23%
Às vezes 4 23%
Fonte: Pesquisa de campo


GRÁFICO 4B - Fornecimento dos recursos pela escola.


Fonte: Pesquisa de campo


Os alunos que apresentam alguma deficiência têm necessidade de um suporte educacional, sendo este importante para que a aprendizagem ocorra. A escola ainda apresenta muita dificuldade em adaptar-se às necessidades de cada aluno. Fica constatado que 6 respondentes, correspondendo a 47% dos professores questionados colocam que o fornecimento dos recursos pela escola é insuficiente, enquanto que 3 respondentes (7% da amostra) afirmam que a escola fornece os recursos na medida do possível. Por outro lado, 4 professores (23% da amostra) afirmam que a escola não fornece recurso, enquanto outros 4 afirmam que fornece às vezes (23% da amostra). Segundo Cardoso e Raposo (apud MACIEL e BARBATO, 2010) é importante, considerar se estão disponíveis apoios ao estudante e a sua família, de modo que sua expectativa de excelência escolar alcance a todos os alunos, sem exclusão dos que demandam atenção às suas necessidades especiais. A práxis educativa, assim concebida, tende a promover a valorização e a organização de recursos, processos e ambientes diversificados, de modo a favorecer o ensino aprendizagem.

É necessário ao educador dispor de empenho, paciência e energia. Engenho para propiciar práticas ás crianças explorar o meio circundante e comunicar-se com as pessoas, utilizando para isso os sentidos e os recursos de que dispõe. (MAZINI, 2005, p.30).

Questão 4C - Você faz adaptações a estes recursos?
TABELA 4C - Adaptações dos recursos
Variáveis Quantidade Porcentagem
Com certeza 2 9%
Não 12 78%
Sempre que necessário 3 13%
Fonte: Pesquisa de Campo

GRÁFICO 4C - Adaptações dos recursos


Fonte: Pesquisa de campo

Os resultados apontam que 12 professores não fazem adaptações dos recursos aos alunos com deficiência visual, correspondente a 78% da amostra, enquanto que 2 (9% da amostra ) afirmam que fazem com certeza e 3 respondentes, afirmam adaptar os recursos, sempre que necessário, correspondendo a 13% da amostra.
Em relação a esta questão, Raposo e Carvalho (apud MACIEL e BARBATO, 2010,p.160) destacam:

[...] uma pessoa com deficiência visual pode se utilizar de recursos e estratégias que apóiam o desenvolvimento de atividades escolares, pessoais, profissionais e sociais. No percurso escolar, as adaptações de elementos curriculares (objetivos, conteúdos, estratégias de ensino, tempo) podem ser requeridas para garantir o desenvolvimento da competência curricular e o êxito do desempenho acadêmico [...].

QUESTÃO 5 - Segundo o comitê de ajuda técnicas, Tecnologia Assistiva (TA) é uma área do conhecimento, de característica interdisciplinar, que engloba produtos, recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços que objetivam promover a funcionalidade, relacionada à atividade e participação, de pessoas com deficiência, incapacidades ou mobilidade reduzida, visando autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social. Partindo desse conceito, você utiliza alguma TA com seu aluno?

TABELA 5 - Utilização da TA pelo professor com o aluno.

Variáveis
Quantidade
Porcentagem

Sim
15 88%

Não
0 0%
Fonte: Pesquisa de Campo






GRÁFICO 5 - Utilização da TA pelo professor com o aluno

Fonte: Pesquisa de campo

Os resultados apontam que 15 professores (88% da amostra) utilizam a TA como suporte pedagógico e auxílio no processo de construção da aprendizagem de seus alunos. Mesmo que este aluno apresente cegueira total ou baixa visão de alguma maneira, o profissional tem a percepção que com alguns recursos este pode aprender melhor. Dos profissionais questionados 12% não se manifestaram, em relação ao uso da TA pelo seu aluno, deixando de responder a questão, o que pode sinalizar o desconhecimento destes em relação ao que seja tecnologia assistiva. A este respeito Bersch (2006, p. 14) pondera que "sem nos apercebermos utilizamos constantemente ferramentas que foram especialmente desenvolvidas para favorecer e simplificar as atividades do cotidiano"
QUESTÃO 6- O ambiente da sua escola é um ambiente acessível e inclusivo?
TABELA 6 - Ambiente escolar acessível e inclusivo.


Variável
Quantidade
Porcentagem

Sim

7
41%

Não
10 59%
Fonte: Pesquisa de campo

GRÁFICO 6 - Ambiente escolar acessível e inclusivo.



Fonte: Pesquisa de campo


Os dados apontam que 7 respondentes (41% da amostra ) consideram sua escola acessível e inclusiva, enquanto 10 afirmam que não, correspondendo a 59% da amostra.
Uma escola para tornar-se inclusiva necessita de que toda comunidade escolar, sociedade e órgãos públicos estejam se organizando continuamente, oferecendo este suporte a esses alunos. Neste momento inclusivo precisamos de atitudes positivas e favoráveis diante de aceitar a diversidade que ocorre dentro de nossas escolas. Precisamos ainda de projetos educativos voltados a essas clientelas e de cooperação e recursos adequados.
Bersch eTonolli (2006,p.1) assinalam que "é um grande desafio para a missão da escola, que é de assegurar oportunidades iguais para cada um atendendo sua diferença, desenvolvendo o máximo seu potencial próprio e sua inclusão no grupo".


QUESTÃO 7- Você acredita que com o uso da tecnologia assistiva o aluno com deficiência tem melhorada sua condição de aprendizagem?
TABELA 7 - O uso da tecnologia assistiva e a melhoria da aprendizagem
Variáveis Quantidade
Porcentagem
Sim 17 100%
Não 0 0%
Fonte: Pesquisa de campo


GRÁFICO 7- O uso da tecnologia assistiva e melhoria da aprendizagem


Fonte: Pesquisa de campo


Observa-se que todos os respondentes (100% da amostra) consideram que o uso da tecnologia assistiva melhora a condição de aprendizagem do aluno com deficiência. Bersch e Tonolli (2006,p.1) assinalam que as tecnologias assistivas tentam minimizar as dificuldades de acesso de pessoas com deficiências, com o uso de recursos das tecnologias. No campo educacional temos que buscar novos conhecimentos que possa refletir em novos caminhos e oportunidades que viabilizem um melhor processo de ensino e dessa forma chegarmos a efetiva inclusão.
QUESTÃO 8 - A escola onde você trabalha promove momentos de discussão acerca das TA?
TABELA 8 - Momentos de discussão na escola.

Variável Quantidade
Porcentagem
Sim 11 65%
Não 6 35%


Gráfico 8 - Momentos de discussão na escola.


Fonte: Pesquisa de campo


Muitos dos profissionais ainda têm uma visão um pouco distorcida a respeito de momentos discursivos, muitos ainda se colocam resistentes a respeito da formação oferecida pela escola e até das informações que às vezes são subsídios para sua atuação em sala de aula. Isso fica constatado quando 11 dos respondentes (65% da amostra) afirmam que a escola não promove momentos de discussão. Já 6 dos respondentes, 35% da amostra, coloca que sim, que na escola há momentos de discussão e trocas de experiências.
A este respeito, Kelman (et al, 2008, p. 12) assinalam que,
A escola pública e democrática possibilita um diálogo com pais, alunos e educadores para que todos participem na busca de soluções para os seus problemas. A democracia implica um processo de negociação permanente dos conflitos de interesses e ideias, e, assim, a escola pluralista ensina a conviver com a heterogeneidade.

QUESTÃO 9 - A falta de TA pode inviabilizar o processo de inclusão do aluno com deficiência visual na rede regular de ensino?

TABELA 9 - Falta de TA e a inclusão

Variável Quantidade
Porcentagem
Sim 11 65%
Não 6 35%


Gráfico 9 - A falta de TA e a inclusão




















Fonte: Pesquisa de campo

É notório que vivemos um momento inclusivo e que o aluno tem a necessidade e direito de estar na escola e de ser atendido de acordo com suas especificidades.Pelos dados muitos profissionais ainda não se aperceberam de como pode ser a ponte de ligação entre o aluno e o processo inclusivo, do total 11 dos respondentes afirmaram que "SIM", ou seja, que a falta da TA pode inviabilizar o processo de alunos com DV, sendo 65% da amostra. 6 ( seis) dos respondentes afirmaram que não acreditam que a falta da TA possa inviabilizar o processo de inclusão de alunos com deficiência visual, sendo 35% da amostra.
As tecnologias assistivas, conforme descrição, podem ser entendidas como um instrumento de promoção de inclusão. A falta de tais recursos pode comprometer, por exemplo, o desempenho de alunos com deficiência, pois auxiliam na superação de dificuldades funcionais para realização e atividades dentro da rotina escolar. Santarosa (1997, p. 115) acrescenta que,

A importância que assumem essas tecnologias no âmbito da Educação Especial já vem sendo destacada como a parte da educação que mais está e estará sendo afetada pelos avanças e aplicações que vêm ocorrendo nessa área para atender necessidades específicas, face às limitações de pessoas no âmbito mental, físico-sensorial e motora com repercussão nas dimensões sócio-afetivas.


































V- CONSIDERAÇÕES FINAIS



A humanidade vivencia um período de profundas e aceleradas transformações sociais em diferentes áreas. As formas de construir e produzir conhecimento e dos seres humanos se comunicarem e interagirem entre si, foram profundamente modificadas com a presença das Novas Tecnologias. Ganham forças as correntes e visões humanistas que defendem a valorização das diferenças e o reconhecimento das riquezas da diversidade humana, apontando para a busca de uma verdadeira inclusão social de todos os homens.
Por outro lado, se torna cada vez mais flagrante a defasagem que existe entre essa realidade de transformações que ocorrem na sociedade e as práticas escolares tradicionais e hegemônicas, que não dialogam com o que está acontecendo a sua volta, tornando dramaticamente atual e pertinente o alerta de Perrenoud, quando este afirma que "a escola não pode ignorar o que se passa no mundo" (PERRENOUD, 2000, p. 125).
Se, por um lado, as realidades e transformações relacionadas às tecnologias e os princípios de Educação Inclusiva começam a "forçar as portas" da escola, os avanços ainda são muito difíceis e lentos, devido ao imobilismo e as contradições do paradigma tradicional de ensino.
No meio disso tudo se encontram os profissionais da educação, que percebem e vivenciam todas as mudanças ocorridas na sociedade, e sofrem, dentro da escola, as pressões muitas vezes contraditórias dessas diferentes realidades, diante das práticas e modelos educacionais defasados, pedagogicamente inócuos e excludentes.
Com as transformações e avanços ocorridos na sociedade, crescem as pesquisas relacionadas à Tecnologia Assistiva, percebida cada vez mais como um elemento fundamental para a autonomia e inclusão escolar e social da pessoa com deficiência.
Frente a essa realidade, este estudo buscou analisar e discutir como uma escola pública de Ensino Especializado, na cidade do Gama, Distrito Federal, estava percebendo e vivenciando o seu processo de apropriação da Tecnologia Assistiva necessária para a inclusão de alunos com deficiência visual em suas salas de aula. Assim, buscou-se ouvir a escola, sobre esse processo, por meio da palavra dos seus profissionais na vivência diária e direta dessa realidade. E essa escuta, análise e discussão foram feitas a partir dos dados obtidos por meio de entrevistas realizadas com esses profissionais.
Os resultados deste estudo revelaram, primeiramente, a complexidade dessa realidade, com os diferentes fatores e variáveis influenciando diretamente nesse processo de apropriação da Tecnologia Assistiva para a inclusão. De uma maneira geral, foi possível perceber que ainda se vivencia na escola estudada um estágio bastante inicial desse processo de apropriação e uso da Tecnologia Assistiva, podendo ser encontrados avanços e descobertas significativas, porém, ao mesmo tempo, um profundo desconhecimento sobre as possibilidades concretas relacionadas a essa tecnologia, sobre os princípios da Educação Inclusiva, ou mesmo, sobre as realidades, potencialidades e necessidades dos alunos com deficiência. Ou seja, ainda se paga um alto preço pelo longo e sombrio período da história da humanidade em que as pessoas com deficiência estiveram praticamente invisíveis e ausentes do convívio social.




























REFERÊNCIAS


BERSCH, Rita & TONOLLI, José Carlos. Introdução ao conceito de Tecnologia Assistiva. 2006. Disponível em: . Acesso em: 02 mar. 2011.
BRASIL, Ministério da Educação, Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. 2008. Disponível em Acesso em 10 mar. 2011.
CAT, Ata da Reunião III, Comitê de Ajudas Técnicas, Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República (CORDE/SEDH/PR). 2007. Acesso em: 05 mar. 2011.
EUSTAT, Empowering Users Through Assistive Technology, 1999. Disponível em: Acesso em: 04 mar. 2011.
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário online. http://www.dicionariodoaurelio.com/Tecnologia> Acesso em: 05 mar. 2011.
FGV, 2003. Sumário Executivo, Retratos da Deficiência no Brasil, Fundação Getúlio Vargas. em: Acesso em: 20 fev. 2011.
FILHO, T. A. G; DAMASCENO, L. L. Tecnologias Assistivas na Educação Especial. Revista Presença Pedagógica, Belo Horizonte: Dimensão, 2003.
IBGE, Censo 2000. Disponível em: Acesso em: 25 fev. 2011.
KELMAN, Celeste Azulay et al. Necessidades especiais no contexto escolar: a ação do professor. Brasília: editora UnB, 2008.
LÉVY, P. Entrevista. Revista Nova Escola, São Paulo, agosto/2003. Disponível em: Acesso em: 30 out. 2003.
_______. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.
LUDKE, M.; ANDRÉ, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: Pedagógica e Universitária, 1986.
MACIEL, Diva Albuquerque; BARBATO , Silviane. Desenvolvimento humano, educação e inclusão escolar. Brasília: editora Unb, 2010.
MANZINI, E. J. Tecnologia assistiva para educação: recursos pedagógicos adaptados. In: Ensaios pedagógicos: construindo escolas inclusivas. Brasília: SEESP/MEC, 2005.
MANTOAN, M. T. E. O direito de ser, sendo diferente na escola. In: RODRIGUES, D. (Org.). Inclusão e educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2005.
REDE SACI, 2004. Universidade de São Paulo, USP, Disponível em: http://www.saci.org.br/index.php?modulo=akemi¶metro=12909 Acesso em: 22 fev. 2011.
RODRIGUES, D. Questões preliminares sobre o desenvolvimento de políticas de educação inclusiva. Revista Inclusão, Brasília, SEESP/MEC, 2008.
SÁ, Elizabet Dias de; CAMPOS, Izilda Maria de; SILVA, Myriam Beatriz Campolina. Atendimento Educacional Especializado em Deficiência Visual. SEESP / SEED / MEC. Brasília / DF, 2007.
SANTAROSA, L. M. C. Escola virtual para a educação especial: ambientes de aprendizagem telemáticos cooperativos como alternativa de desenvolvimento. Revista de Informática Educativa, Bogotá: UNIANDES, 1997.
SASSAKI, R. K. Pessoas com deficiência e os desafios da inclusão, Revista Nacional de Reabilitação, ano VIII, n. 39, julho/agosto 2004.
SONZA, A. P. Ambientes virtuais acessíveis sob a perspectiva de usuários com limitação visual. Porto Alegre, 2008.
PACHECO, J. Caminhos para a inclusão: um guia para o aprimoramento da equipe escolar. Porto Alegre: Artmed, 2007.
PCN, Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Especial. Brasília: MEC/SEE, 2002.
PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.
VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1994.
.









APÊNDICES

A ? Questionário




UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UNB
DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO
CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO HUMANO, EDUCAÇÃO E INCLUSÃO ESCOLAR.

QUESTIONÁRIO
Prezado entrevistado (a),
O presente questionário tem a finalidade estritamente acadêmica. Solicito que após responder as questões abaixo, o mesmo seja devolvido. Desde já agradeço.
Você não deve se identificar.
1- Quando você teve contato com um aluno com deficiência visual você se sentiu preparado( a) para atendê-lo?
( ) sim ( ) não
2- O que mais o preocupou nesse contato:
( ) a falta de apoio pedagógico por parte da escola;
( ) a sua falta de experiência e conhecimento nesta área;
( ) a falta de recursos pedagógicos, estruturais e ambientais;
( ) a dificuldade apresentada pelo próprio aluno
( ) não me preocupei.
3-Na sua concepção o recursos didáticos pedagógicos em sala de aula faz a diferença na aprendizagem do aluno com deficiência visual?
( ) sim ( ) não
4- Você utiliza materiais que viabilizam o melhor desempenho do seu aluno em sala da aula?
( ) sim ( ) não
S e você marcou sim responda:
4A- Eles são caro?
( ) Não são caros e podem ser confeccionados.
( ) São caros e difíceis de encontrar.
( ) São baratos.
4B-São fornecidos pela escola?
( ) Muito pouco, uns sim outros não;
( ) As vezes;
( ) Não;
( ) Na medida do possível
4C-Você os produz fazendo adaptações?
( ) Com certeza
( ) Não
( ) Sempre que necessário

5 - Segundo o comitê de ajudas técnicas, Tecnologia Assistiva (TA) é uma área do conhecimento, de características interdisciplinar, que engloba produtos, recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços que objetivam promover a funcionalidade, relacionada à atividade e participação, de pessoas com deficiência, incapacidades ou mobilidade reduzida, visando autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social. Partindo desse conceito, você utiliza alguma TA com seu aluno?
( ) sim ( ) não
6 - É claro que a TA não se restringe somente a recursos em sala de aula, mas estende-se a todos os ambientes da escola, propiciando o acesso e a participação efetiva de todos os alunos. Nesse sentido, o ambiente da nossa escola é um ambiente acessível e inclusivo?
( ) sim ( ) não
7 - Existe um número grande de possibilidades de recursos simples e de baixo custo que podem e devem ser disponibilizá-los nas salas de aulas, conhecidos como TA, conforme a especificidade de cada aluno com necessidades especiais, tais como: fixação do papel ou caderno na mesa com fitas adesivas, engrossamento de lápis ou luneta, substituição da carteira por pranchas. Digo ainda que a comunicação alternativa também seja uma TA.
Você acredita que com o uso de tecnologia assistiva o aluno com deficiência tem melhorada sua condição de aprendizagem?
( ) sim ( ) não
8 - A escola onde você trabalha promove momentos de discussão acerca das TA?
( ) sim ( ) não
9 - Em sua opinião, a falta de TA pode inviabilizar o processo de inclusão do aluno com deficiência visual na rede regular de ensino?
( ) sim ( ) não
CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO HUMANO, EDUCAÇÃO E INCLUSÃO ESCOLAR ? UAB/UnB





A IMPORTÃNCIA DAS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL


MANOELA MARIA LIOMIZA PEREIRA DE LIMA


ORIENTADORA: RIANE NATÁLIA SOARES VASCONCELOS


BRASÍLIA/2011



Universidade de Brasília ? UnB
Instituto de Psicologia ? IP
Departamento de Psicologia Escolar e do Desenvolvimento ? PED
Programa de Pós-Graduação em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde PGPDS




MANOELA MARIA LIOMIZA PEREIRA DE LIMA



A IMPORTÂNCIA DAS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS PARA A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL











BRASÍLIA/2011
TERMO DE APROVAÇÃO

MANOELA MARIA LIOMIZA PEREIRA DE LIMA

A IMPORTÂNCIA DAS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS PARA A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL
Monografia aprovada como requisito parcial para obtenção do grau de Especialista do Curso de Especialização em Desenvolvimento Humano, Educação e Inclusão Escolar ? UAB/UnB. Apresentação ocorrida em 30/04/2011.
Aprovada pela banca formada pelos professores:

____________________________________________________
ORIENTADORA: RIANE NATÁLIA SOARES VASCONCELOS
___________________________________________________
NOME DO EXAMINADOR (Examinador)


--------------------------------------------------------------------------------
ALUNA: MANOELA MARIA LIOMIZA PEREIRA DE LIMA




BRASÍLIA/2011

DEDICATÓRIA




























Aos meus pais, grandes amigos e incentivadores.


AGRADECIMENTOS

Agradeço à minha orientadora, Profa. MSc. Riane Natália Soares Vasconcelos, por seu acompanhamento responsável e competente, sempre permeado de uma sensibilidade que confia, incentiva e transborda amizade.
Aos alunos e colegas da Instituição de Ensino objeto deste estudo, pelas partilhas, novas descobertas e momentos de amizade, vivenciados juntos ao longo dos últimos anos, assim como aos demais funcionários e equipe gestora da instituição que apoiaram o trabalho.
A todas as pessoas envolvidas na coleta de dados desta pesquisa, pela abertura, boa vontade e colaboração.
Aos professores, funcionários e colegas do curso de Especialização em Desenvolvimento Humano, Educação e Inclusão Escolar ? UAB/UnB, pelas ajudas, intercâmbios e reflexões partilhadas.












































"Para a maioria das pessoas, a tecnologia torna as coisas mais fáceis. Para as pessoas com deficiência, a tecnologia torna as coisas possíveis."

(Mary Pat Radabaugh)
RESUMO

Num mundo em profundas e aceleradas transformações, a Tecnologia Assistiva emerge como uma área do conhecimento e de pesquisa que tem se revelado como um importante horizonte de novas possibilidades para a autonomia e inclusão social dos alunos com deficiência. Na busca de entender e discutir como a "instituição Escola" tem percebido e vivenciado essas possibilidades em suas práticas e processos, principalmente os relacionados com a Educação Inclusiva, esta pesquisa observou, o processo de apropriação e uso da Tecnologia Assistiva por professores de uma escola pública especializa da cidade do Gama, Distrito Federal. O estudo foi operacionalizado por meio de questionários aplicados a professores da própria escola, que vivenciam mais diretamente essa realidade. Como resultados da pesquisa, destacam-se, além da constatação dos avanços e conquistas verificados no processo de apropriação da Tecnologia Assistiva pelas pessoas da comunidade escolar estudada, também, e majoritariamente, as dificuldades e obstáculos encontrados nesse processo pelos profissionais entrevistados, juntamente com as demandas desses mesmos profissionais por ações mais efetivas das gestões centrais da rede pública de ensino à qual pertencem, e por políticas públicas consistentes e sistemáticas que favoreçam uma maior agilidade e eficácia no processo de apropriação e uso da Tecnologia Assistiva necessária para a inclusão escolar de alunos com deficiência, favorecedora de práticas educacionais escolares mais inclusivas e compatíveis com as necessidades da sociedade contemporânea.

Palavras-chave: Educação Inclusiva, Tecnologia Assistiva, Alunos com deficiência.



SUMÁRIO
APRESENTAÇÃO 12
Explorando o tema 12
Considerações iniciais: Tecnologia Assistiva 14

I ? FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 16
1.1 - Tecnologia Assistiva ? Conceitos e história 16
1.2- Tecnologia Assistiva e Educação 22
1.3 ? Inclusão e o paradigma educacional vigente 23
1.4 ? Deficiência Visual 26
II? OBJETIVOS 33
2.1 - Geral 33
2.2 - Específicos 33
III ? METODOLOGIA 34
3.1 ? Fundamentação Teórica da Metodologia 34
3.2 ? Contexto da pesquisa 35
3.3 - Participantes 35
3.4 - Materiais 36
3.5 ? Instrumentos de Construção de Dados 36
3.6 ? Procedimentos de Construção de Dados 37
3.5 ? Procedimentos de Análise de Dados 37
IV ? RESULTADOS E DISCUSSÃO 38
V ? CONSIDERAÇÕES FINAIS 54
REFERÊNCIAS 56
APÊNDICES 58


LISTA DE TABELAS

TABELA 1 - Contato com o deficiente visual e sua preparação...................................... 40
TABELA 2- Preocupação com o contato com o aluno.................................................... 41
TABELA 3- Recurso pedagógico em sala de aula.......................................................... 42
TABELA 4 - Utilização de materiais que viabilizam melhor desempenho do aluno........ 43
TABELA 4a - Valor dos recursos.................................................................................... 44
TABELA 4b - Fornecimento dos recursos pela escola.................................................... 46
TABELA 4c - Adaptações dos recursos.......................................................................... 47
TABELA 5 - Utilização da TA pelo professor com o aluno.............................................. 49
TABELA 6 - Ambiente escolar acessível e inclusivo.......................................................
49
TABELA 7 - O uso da tecnologia assistiva e a melhoria da aprendizagem.................... 51
TABELA 8 - Momentos de discussão na escola.............................................................
52
TABELA 9 - Falta de TA e a inclusão..............................................................................
53









LISTA DE GRÁFICOS

GRÁFICO 1 - Contato com o deficiente visual e sua preparação.................................. 40
GRÁFICO 2 - Preocupação com o contato com o aluno................................................ 41
GRÁFICO 3 - Recurso pedagógico em sala de aula..................................................... 42
GRÁFICO 4 - Utilização de materiais que viabilizam melhor desempenho do aluno..... 43
GRÁFICO 4a - Valor dos recursos................................................................................. 45
GRÁFICO 4b - Fornecimento dos recursos pela escola................................................ 46
GRÁFICO 4c - Adaptações dos recursos...................................................................... 47
GRÁFICO 5 - Utilização da TA pelo professor com o aluno.......................................... 49
GRÁFICO 6 - Ambiente escolar acessível e inclusivo.................................................
50
GRÁFICO 7 - O uso da tecnologia assistiva e a melhoria da aprendizagem............... 51
GRÁFICO 8 - Momentos de discussão na escola.........................................................
58
GRÁFICO 9 - Falta de TA e a inclusão..........................................................................
53










LISTA DE FIGURAS

FIGURA 1 - Exemplos de Auxílios não ópticos..................................................... 29
FIGURA 2 - Lupas de mão................................................................................. 30
FIGURA 3 - lupa de apoio.................................................................................. 30
FIGURA 4 ?Telescópios..................................................................................... Telescópios...................................................................................... 31
FIGURA 5 ? CCTV.............................................................................................
................................................ 31


APRESENTAÇÃO

Explorando o Tema

A organização Mundial de Saúde (OMS) estima que existem no mundo mais de 600 milhões de pessoas com alguma deficiência, sendo este número 10% da população mundial. No Brasil, este número é de 24,6 milhões de pessoas de acordo com o censo de 2000 realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Uma grande parcela dessa população vive realidades de graves carências sociais, como baixa renda e baixo nível de escolarização, o que só potencializa as dificuldades dessas pessoas, em função das barreiras, preconceitos, desigualdades e desinformação, conforme vem sendo detectado e alertado por diferentes organizações de defesa dos direitos da pessoa com deficiência.
[...] a questão da deficiência atinge, indiretamente, 73,8 milhões de pessoas, o que representa 43,44% do total de brasileiros. São parentes e
amigos que se dedicam a ajudar os portadores de deficiência nas atividades do dia a dia. Esse percentual não engloba o número de os profissionais que atuam no atendimento dessa parcela da população. [...]
colocar a legislação em prática significa proporcionar melhor qualidade de
vida não somente para as pessoas portadoras de deficiência física, mas também para aquelas que prestam algum tipo de auxílio a elas. (REDE SACI, 2004).


Segundo Sassaki (2004, p.18):
No Brasil, a grande maioria dos 17 milhões (24,6 milhões, segundo o Censo 2000) de pessoas com deficiência tem sido excluída de todos os setores da sociedade, sendo-lhes negado o acesso aos principais benefícios, bens e oportunidades disponíveis às outras pessoas em vários tipos de atividades, tais como educação, saúde, mercado de trabalho, lazer, desporte, turismo, artes e cultura. Esta afirmação, que se apresenta como uma denúncia consta em vários documentos, moções, relatórios, palestras, etc.



A partir desta realidade, estes números levam-nos a pensar no desafio que envolve a construção de uma sociedade inclusiva, que tem como pressupostos o respeito à diferença, a valorização da diversidade e a garantia universal aos direitos sem barreiras ou limitações de natureza socioeconômica, cultural ou em razão de alguma deficiência.
Embora o Brasil disponha de uma legislação relativa aos direitos da pessoa com deficiência considerada avançada internacionalmente, e a sociedade atual venha se tornando mais permeável à diversidade, ao pluralismo de realidades, tudo isso ainda não tem se refletido em significativos avanços reais, em consideráveis iniciativas concretas, a ponto de diminuir de forma sensível as desigualdades nas oportunidades e no acesso aos benefícios sociais, para essas pessoas. Lamentavelmente, é de conhecimento público que as pessoas com alguma deficiência, são excluídas dos espaços públicos, das escolas, do mercado de trabalho, da convivência em sociedade etc. Além disso, uma verdadeira inclusão social da pessoa com deficiência e seu acesso a todos os recursos, possibilidades e oportunidades disponíveis em nossa sociedade para todos os cidadãos, depende de diferentes fatores e soluções que não estão sendo estudados e viabilizados com a amplitude, velocidade e profundidade necessárias (FILHO, 2003).
Durante muito tempo a deficiência foi vista como um problema individual. A partir de 1860, conforme afirma Montoan (apud RODRIGUES, 2008) essa visão começou a ser questionada e foi-se percebendo que a pessoa com necessidades especiais deveria interagir com o meio em que está inserida, sendo isso um pressuposto de uma sociedade inclusiva. Dessa maneira, uma sociedade para ser considerada inclusiva, deve acolher as diferenças e promover o acesso irrestrito de todos os seus cidadãos aos recursos disponíveis no meio social, tendo este indivíduo alguma deficiência ou não. Os indivíduos com alguma necessidade especial lutam antes de tudo por sua inclusão e por seus direitos, para isso foi necessário superar o modelo médico da inclusão, a forma assistencialista, passando para o modelo social que tem as políticas públicas de inserção de pessoas com alguma deficiência.
No Brasil, ainda caminhamos neste sentido, sendo um desafio a ser enfrentado. Desafio este que possibilite a população excluída o acesso a recursos para realizar o atendimento precoce, evitando-se assim a exclusão social, e ainda pela desvantagem que a deficiência provoca em algumas situações. No âmbito educacional, embora seja crescente uma tomada de consciência social que aponta para a irremediável necessidade da inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais no ensino regular, os números sugerem uma realidade bem diferente, evidenciando que a segregação, ou a exclusão, ainda são a tônica. Por exemplo, pesquisas mostram que 21,6% das pessoas com deficiência no Brasil nunca freqüentaram uma escola (FGV, 2003). Embora proliferem hoje documentos oficiais, orientações e dispositivos legais que determinam que nenhuma escola possa, diferentemente de alguns anos atrás, recusar a matrícula de um aluno com deficiência, são constantes as reclamações e críticas, encontradas também em literatura especializada e até na mídia, tanto de professores e dirigentes escolares que argumentam não estarem preparados para trabalhar com alunos com deficiência, quanto de pessoas com deficiência que reclamam por encontrarem com frequência escolas que ainda as excluem, de forma aberta ou implícita, por não disponibilizarem espaços acessíveis, recursos e metodologias que efetivamente respondam às especificidades de suas necessidades (SÁ, CAMPOS e SILVA, 2007).
Portanto, como lembra Sassaki (2004, p. 24):
a crescente consciência social e os dispositivos legais referentes à inclusão das pessoas com deficiência em nossa sociedade não têm sido acompanhados de soluções criativas e eficazes que dêem conta dos grandes problemas e obstáculos para a efetivação dessa inclusão, na imensa maioria dos casos. Ainda é percebida uma ampla carência de iniciativas e soluções que façam a ponte entre essa sociedade ainda excludente, mesmo com toda a nova consciência e suas leis, e as pessoas com deficiência, mesmo com sua maior visibilidade atual. Todas essas dificuldades, os preconceitos vivenciados e as exclusões sofridas, tornam urgente a construção de novas possibilidades e caminhos para a redução das desigualdades sociais. Os progressos da ciência, os novos estudos e descobertas, por outro lado, oferecem pistas e luzes para a busca de soluções.
Dessa maneira o presente trabalho tem o intuito de mostrar a realidade vivenciada pela comunidade escolar de uma escola pública especializada do Gama no Distrito Federal onde é desenvolvido um trabalho educacional junto a alunos com deficiências diversas desde 1995.
Considerações iniciais: Tecnologia Assistiva
Diante desse contexto e, conforme se pretende abordar e demonstrar no presente e em diferentes estudos, a Tecnologia Assistiva vem se tornando, crescentemente, um fundamental instrumento de nossa prática pedagógica e sua utilização um meio concreto de interação e inclusão social (LÉVY, 1999).


Nesse sentido, pode-se constatar que,
como destacou Vygotsky (1994), é sumamente relevante, para o desenvolvimento humano, o processo de apropriação, por parte do indivíduo, das experiências presentes em sua cultura. O autor enfatiza a importância da ação, da linguagem e dos processos interativos, na construção das estruturas mentais superiores. O acesso aos recursos oferecidos pela sociedade, pela cultura, escola, tecnologias, etc., influenciam determinantemente nos processos de aprendizagem e desenvolvimento da pessoa. Entretanto, as limitações do indivíduo com deficiência tendem a tornar-se uma barreira a estes processos. Desenvolver recursos de acessibilidade, a chamada Tecnologia Assistiva,
seria uma maneira concreta de neutralizar as barreiras causadas pela deficiência e inserir esse indivíduo nos ambientes ricos para a aprendizagem e desenvolvimento, proporcionados pela cultura. (FILHO e DAMASCENO, 2003, p. 31).

Dessa maneira, é de fundamental importância determinar exatamente o que é entendido neste estudo pela expressão "Tecnologia Assistiva". O seu conceito, e também sobre a sua classificação, disseminação e utilização no caso específico da referida escola. Contudo, na presente abordagem, fica evidenciada a opção por um foco na análise das respostas dos profissionais da instituição escolar dentre todos os atores que compõem a comunidade escolar, tanto por se tratarem, segundo os paradigmas educacionais atualmente vigentes e hegemônicos, dos protagonistas principais na determinação e gerenciamento das dinâmicas e práticas do cotidiano escolar, quanto pela ampliação excessiva do foco e das variáveis a serem consideradas, se fossem incluídos também os alunos como sujeitos principais na coleta de dados. O foco principal, portanto, esteve na percepção e palavras dos profissionais da instituição escolar investigada. Os dados obtidos revelam, portanto, suas experiências, anseios, percepções e preparo diante do uso de Tecnologias Assistivas por eles próprios e pelos alunos com deficiência visual. Neste sentido, o presente estudo foi estruturado em cinco capítulos, que constam a fundamentação teórica, que traz a temática da deficiência visual no contexto de educação inclusiva, assim como o conceito de tecnologia assistiva e sua importância para esse processo. No segundo capítulo constam os objetivos delineados, enquanto que no terceiro está estruturada a metodologia do presente estudo.
A apresentação e discussão dos resultados à luz da literatura compõem o capítulo quatro. Por fim, no capítulo cinco estão presentes as considerações finais.
I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

1.1 Tecnologias Assistivas - Conceitos e Histórico

Com muita frequência, pelo senso comum, a palavra tecnologia é associada imediatamente à idéia, quase que exclusiva, de equipamentos ou dispositivos materiais para a execução de atividades e tarefas, com a idéia de ferramentas ou produtos úteis. Por definição, o sentido da palavra tecnologia vai além disso. O dicionário Aurélio em sua versão online, por exemplo, define tecnologia como o "conjunto de conhecimentos, especialmente princípios científicos que se aplicam a um determinado ramo de atividade" (FERREIRA, 2010). Nesse mesmo sentido, o documento "Educação em Tecnologias de Apoio para Utilizadores Finais: Linhas de Orientação para Formadores" do Consórcio Europeu EUSTAT, detalha e exemplifica da seguinte forma em sua página na internet:
[...] o termo tecnologia não indica apenas objectos físicos, como dispositivos ou equipamento, mas antes se refere mais genericamente a produtos, contextos organizacionais ou "modos de agir" que encerram uma série de princípios e componentes técnicos. Uma "tecnologia de acesso a transportes públicos", por exemplo, não consiste apenas numa frota de veículos acessíveis (ex. autocarros com plataforma elevatória), mas engloba toda a organização dos transportes, incluindo controlo de tráfego, implantação das paragens, informações e procedimentos de emissão/validação de bilhetes, serviço de clientes, formação do pessoal, etc. Sem uma organização deste tipo, o simples veículo não ofereceria qualquer "transporte público". Em segundo lugar, o termo de apoio é aplicado a uma tecnologia, quando a mesma é utilizada para compensar uma limitação funcional, facilitar um modo de vida independente e ajudar os idosos e pessoas com deficiência a concretizarem todas as suas potencialidades. (EUSTAT, 1999).

Também com muita frequência a palavra tecnologia é percebida ou associada à idéia de algo frio, mecânico, sem emoção, distante de tudo o que é concebido como intrinsecamente humano, sensível, afastado do que está diretamente relacionado com os valores da humanidade, como a educação, por exemplo. Essa forma de perceber e recortar as realidades que nos cercam, que levou até a divisão do saber sistematizado em áreas opostas tais como as ciências humanas por um lado e as ciências exatas e tecnológicas por outro, nem sempre nos ajuda a entender o verdadeiro papel e lugar das tecnologias ao longo da história da humanidade, inclusive para a sua própria constituição, enquanto humanidade, enquanto raça humana.
Segundo assinala Lévy (1999), as tecnologias estão presentes em cada uma das pegadas que o ser humano deixou sobre a terra, ao longo de toda a sua história. Desde um simples pedaço de pau que tenha servido de apoio, de bengala, para um homem no tempo das cavernas, por exemplo, até as modernas próteses de fibra de carbono que permitem, hoje, que um atleta com amputação de ambas as pernas possa competir em uma Olimpíada, disputando corridas com outros atletas sem nenhuma deficiência. Passando por todos os outros tipos e modelos possíveis e imagináveis de bengalas, muletas e próteses, que surgiram ao longo de toda essa história. O fogo que cozinhou os primeiros animais caçados pelo homem e que o aqueceu, é o mesmo fogo que, ao longo da história, foi sendo utilizado para diversas outras tarefas, até chegar hoje a mover um motor de combustão interna ou uma usina de geração de energia. Tudo isso é tecnologia. E tudo isso esteve sempre muito próximo do ser humano e de suas necessidades (LÉVY, 1999).
A história da humanidade sempre foi fortemente permeada não somente pelas relações entre os seres humanos e pelas suas representações culturais, como também pelas técnicas, conhecimentos e recursos materiais que os viabilizaram, ou que foram produzidos por essas relações e representações. Percebendo a relação indissociável, nas atividades humanas, entre a técnica, cultura e sociedade, Lévy (1999, p. 22) considera que "é impossível separar o humano do seu ambiente material, assim como dos signos e das imagens por meio dos quais ele atribui sentido à vida e ao mundo". Para o mesmo autor:
"não somente as técnicas são imaginadas, fabricadas e reinterpretadas durante seu uso pelos homens, como também é o próprio uso intensivo de ferramentas que constitui a humanidade enquanto tal (junto com a linguagem e as instituições sociais complexas)" (LÉVY, 1999, p. 21).

Não seria a tecnologia como que um "ente independente" que atuaria, que agiria, como algo externo, sobre as culturas e as relações entre os seres humanos, as sociedades. Assim, o que existe são relações "entre um grande número de atores humanos que inventam, produzem, utilizam e interpretam de diferentes formas, as técnicas" (LÉVY, 1999, p. 23).
Neste contexto, ressalta-se a importância das tecnologias assistivas, que segundo o comitê de ajudas técnicas,Cordel/SEDH/PR,2007,p.11:
é uma área do conhecimento, de característica interdisciplinar, que engloba produtos, recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços ou objetivam promover a funcionalidade, relacionada à atividade e participação, de pessoas com deficiências, incapacidades ou mobilidade realizadas visando sua autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social.

O conceito de Tecnologia Assistiva (TA) vem sendo atualizado e reformulado nos últimos anos devido a sua grande abrangência e importância, pois isto vem ajudar a garantir à pessoa com deficiência sua inclusão. Neste caminho a Tecnologia Assistiva é uma nova expressão que se refere a um conceito ainda em pleno processo de construção e sistematização. O uso da TA como recurso, remonta aos primórdios da humanidade, ainda pré-histórica.
Os recursos de Tecnologia Assistiva estão muito próximos do nosso dia-a-dia. Ora eles nos causam impacto devido à tecnologia que apresentam, ora passam quase despercebidos. Para exemplificar, podemos chamar de Tecnologia Assistiva uma bengala, utilizada por nossos avós para proporcionar conforto e segurança no momento de caminhar, bem como um aparelho de amplificação utilizada por uma pessoa com surdez moderada ou mesmo um veículo adaptado para uma pessoa com deficiência (MANZINI, 2005, p. 82).

Ainda segundo Lévy (1999), o termo Assistive Tecnology no Brasil surge como Tecnologia Assistiva e foi criado em 1988 como elemento jurídico dentro da legislação norte americana conhecido como public Law 100-407, conjuntamente com outras leis. Este conjunto de leis regula os direitos dos cidadãos com deficiência nos Estados Unidos da América. No Brasil, o comitê de ajudas técnicas - CAT- instituído pela portaria número 142 de 16 de novembro de 2006, propõe o seguinte conceito para Tecnologia Assistiva:

?Tecnologia Assistiva é uma área de conhecimento, de característica interdisciplinar, que engloba produtos, recursos, metodologias, estratégias, práticas, e serviços que objetivam promover a funcionalidade, relacionada à atividade e participação de pessoas com deficiências, incapacidades ou mobilidades reduzidas, visando sua autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social (p.12).

Como sendo um termo muito novo, a TA é utilizada para identificar todo arsenal de recursos e serviços que contribuem para proporcionar ou ampliar habilidades funcionais de pessoas com deficiência e conseqüentemente promover vida independente. No Brasil, as expressões ??Tecnologia Assistiva", "Ajudas Técnicas" e ??Tecnologia de Apoio" são utilizadas como sinônimos (Lévy, 1999).
Segundo a Legislação Brasileira, é utilizada a expressão "Ajudas Técnicas" no decreto 3.298 de 1999 e no decreto 5.296 de 2004, os quais regulamentam as leis números 10.048 de 8 de novembro de 2000 e 10.098 de 19 de dezembro de 2000.
O Ministério da Educação do Brasil lançou o "Portal de Ajudas Técnicas" e nele são apresentados vários e interessantes materiais voltados à educação de alunos com deficiência, na área de material pedagógico adaptado I e II, DA, Comunicação Alternativa e Recursos de Acessibilidade ao computador.
Já em 2006, a Secretaria de Educação Especial do Ministério da Educação e Cultura publica o documento Sala de Recursos Multifuncionais: Espaço de Atendimento Educacional Especializado onde afirma que: ?Tecnologia Assistiva é um termo remanescente inserido na cultura educacional brasileira? (MANZINI, 2005, p. 35).
A Tecnologia Assistiva tem como objetivo proporcionar à pessoa com deficiência maior independência, qualidade de vida e inclusão social, por meio da ampliação de sua comunicação, mobilidade, controle de seu ambiente, habilidade de seu aprendizado, trabalho e integração com a família, amigos e sociedade.
Segundo Bersch e Tonolli (2010) a Tecnologia Assistiva se apresenta em categorias, sua classificação faz parte das diretrizes gerais da Americans With Disabilities Act (ADA), porém não é definitiva e pode variar segundo alguns autores. Destaca-se a importância que esta organização confere ao universo de recursos, que até ai, vinham sendo confundidos com equipamentos da área médica/hospitalar, bem como outros não reconhecidos como ajudas da vida diária.
A importância desta classificação está no fato de organizar a utilização, prescrição, estudo e pesquisa destes materiais e serviços, além de oferecer ao mercado focos específicos de trabalho e especialização. Esta encontra-se especificada a seguir de acordo com Bersch e Tonolli (2010, p.2).
Desta forma, têm-se:
1. Auxílios para a vida diária - Materiais e produtos para auxílio em tarefas rotineiras tais como comer, cozinhar, vestir-se, tomar banho e executar necessidades pessoais, manutenção da casa etc;
2. Comunicação Aumentativa (suplementar) e Alternativa (CAA/CSA) - Recursos, eletrônicos ou não, que permitem a comunicação expressiva e receptiva das pessoas sem a fala ou com limitações da mesma. São muito utilizadas as pranchas de comunicação além de vocalizadores e softwares dedicados para este fim;
3. Recursos de acessibilidade ao computador - Equipamentos de entrada e saída (síntese de voz, Braille), auxílios alternativos de acesso (ponteiras de cabeça, de luz), teclados modificados ou alternativos, acionadores, softwares especiais (de reconhecimento de voz, etc), que permitem às pessoas com deficiência a utilização do computador;
4. Sistemas de controle de ambiente - Sistemas eletrônicos que permitem as pessoas com limitações locomotoras, controlar aparelhos eletro-eletrônicos, sistemas de segurança, entre outros, localizados em seu quarto, sala, escritório, casa e arredores;
5. Projetos arquitetônicos para acessibilidade - Adaptações estruturais e reformas na casa e/ou ambiente de trabalho, por meio de rampas, elevadores, adaptações em banheiros entre outras, que retiram ou reduzem as barreiras físicas, facilitando a locomoção da pessoa com deficiência.
6. Órteses e próteses - Troca ou ajuste de partes do corpo, faltantes ou de funcionamento comprometido, por membros artificiais ou outros recursos ortopédicos (talas, apoios etc). Incluem-se os protéticos para auxiliar nos déficits ou limitações cognitivas, como os gravadores de fita magnética ou digital que funcionam como lembretes instantâneos;
7. Adequação Postural - Adaptações para cadeira de rodas ou outro sistema de sentar, visando o conforto e distribuição adequada da pressão na superfície da pele (almofadas especiais, assentos e encostos anatômicos), bem como posicionadores e contentores que propiciam maior estabilidade e postura adequada do corpo por meio do suporte e posicionamento de tronco/cabeça/membros;
8. Auxílios de mobilidade - Cadeiras de rodas manuais e motorizadas, bases móveis, andadores, scooters de 3 rodas e qualquer outro veículo utilizado na melhoria da mobilidade pessoal;
9. Auxílios para cegos ou com visão subnormal - Auxílios para grupos específicos que incluem lupas e lentes, Braille para equipamentos com síntese de voz, grandes telas de impressão, sistema de TV com aumento para leitura de documentos, publicações etc;
10. Auxílios para surdos ou pessoas com déficit auditivo - Auxílios que incluem vários equipamentos (infravermelho, FM, aparelhos para surdez, telefones com teclado - teletipo (TTY), sistemas com alerta táctil-visual, entre outros;
11. Adaptações em veículos - Acessórios e adaptações que possibilitam a condução do veículo, elevadores para cadeiras de rodas, camionetas modificadas e outros veículos automotores usados no transporte pessoal.
1.2 Tecnologia Assistiva e Educação
Os desafios dessa nova sociedade conhecida como Sociedade do Conhecimento e que está permeada por novas possibilidades e exigências referentes às realidades no mundo de hoje estão diretamente ligadas às implicações dessa nova realidade nas relações dos seres humanos entre si, e também nas suas relações com os conhecimentos, saberes e informações. Com isso, é imprescindível analisar estas novas relações da humanidade com seus próprios processos de aprendizagem, no interior desses recém surgidos contextos e ambientes. Dessa maneira, existem atualmente novos recursos e ambientes de interação e aprendizado, possibilitados pelas tecnologias assistivas, surgem como fatores estruturantes de diferentes alternativas e concepções pedagógicas.
De acordo com Filho (2010), no campo educacional, a Tecnologia Assistiva vem se tornando cada vez mais, uma ponte para abertura de um novo horizonte nos processos de aprendizagens e desenvolvimento de alunos com deficiências até bastantes severas.
A aplicação da Tecnologia Assistiva na educação vai além de simplesmente auxiliar o aluno a ?fazer? tarefas pretendidas. Nela, encontramos meios de o aluno ?ser? e atuar de forma construtiva no seu processo de desenvolvimento (BERSCH e TONOLLI, 2010, p. 92).

A importância da Tecnologia Assistiva na educação já é uma realidade em relação a qualquer tipo de aluno, muito mais ainda em se tratando de alunos com deficiência visual. Desse modo, a abrangência da TA não se restringe somente a recursos em sala de aula, mas estende-se a todos os ambientes da escola, propiciando acesso e a participação de todos os alunos e durante o tempo todo. O professor e toda equipe da escola têm responsabilidade com a construção de um ambiente acessível e inclusivo, eliminando as barreiras arquitetônicas e atitudinais.
Os alunos com deficiência que estão matriculados na rede pública de educação devem ter do Estado os recursos de TA favoráveis à sua participação no processo de aprendizado. A Tecnologia Assistiva está chegando à escola por meio de ações propostas pela Secretaria de Educação especial do MEC ou por projetos desenvolvidos diretamente nos municípios. As secretarias de educação nas cidades, realizando o levantamento das necessidades reais dos alunos, encaminham ao MEC ou a outras fontes de financiamento da Educação (municipais e estaduais) seus projetos, para obtenção de recursos necessários à implementação da TA nas escolas (FILHO, 2003).
Vivenciamos hoje várias ações do MEC o qual está concedendo materiais específicos para alunos com Necessidades Especiais, desde os livros adaptados para baixa visão ou em Braille, também computadores com leitores de tela, teclados, mouses especiais, entre outros.
Ainda de acordo com Filho (2003), outra importante iniciativa foi a implementação das Salas de Recursos multifuncionais que são hoje o espaço onde atua o professor especializado e ali se organiza o serviço de atendimento Educacional Especializado e de Tecnologia Assistiva. Este professor, entre outras funções, produz o material escolar específico e pedagógico adaptado às condições especiais do aluno com deficiência; pesquisa suas necessidades funcionais no contexto da escola e sala comum e encaminha aos gestores as necessidades de aquisição dos recursos.
A Tecnologia Assistiva é em seu conceito um recurso facilitador, mais precisamente um instrumento de promoção da inclusão, pois a sua falta pode comprometer o desempenho dos alunos com deficiência. Ainda, estes instrumentos podem contribuir substancialmente e ajudar na superação e realização de atividades dentro da rotina escolar dos alunos. Nesta perspectiva, a implementação de uma política de utilização de Tecnologia Assistiva é, para a escola, um desafio permanente, uma vez que assegurar oportunidades iguais para todos os alunos é um dever do estado e um desafio para a comunidade escolar e para toda a sociedade.

1.3 Inclusão e o paradigma educacional vigente

A percepção e a consciência acerca da necessidade da construção de uma educação e de uma escola inclusiva têm sua origem em um movimento internacional de caráter político, social, cultural e pedagógico (BRASIL, 2008), baseado em princípios de justiça social, de igualdade, de busca da equiparação de oportunidades e inclusão social de todas as pessoas. Conforme Pacheco (2007, p. 15) "o princípio no qual a educação inclusiva baseia-se foi considerado pela primeira vez como lei na Dinamarca, em 1969, e nos Estados Unidos, em 1975. [...] e obteve ímpeto na Europa nos anos de 1990".
Para Bonilla (2005, p. 62):
É necessário pensar a ?inclusão? como um conceito mais abrangente, que implique que o incluído é capaz de participar, questionar, produzir, decidir, transformar, é parte integrante da dinâmica social em todas as suas instâncias.

Segundo Filho (2003), essa concepção do conceito de inclusão, a partir da qual deveria ser entendido e trabalhado tudo o que se refere à educação inclusiva, caminha na mesma direção da nova dinâmica percebida na sociedade atual, na sociedade do conhecimento, acerca da relação do ser humano com as informações e os saberes, ou seja, a necessidade da valorização e potencialização da autonomia e do pensamento crítico, da diversidade de capacidades, das diferenças entendidas como uma riqueza e não como obstáculo para o crescimento coletivo, o desenvolvimento cooperativo e em rede conjugado com a formação de um indivíduo independente, singular, criador, e sujeito de seus próprios processos. Inclusão social e escolar, portanto, devem ser entendidas nesse mesmo sentido.

Para Rodrigues (2008, p. 34), a Educação Inclusiva deve ser entendida como:
[...] uma reforma educacional que promove a educação conjunta de todos os alunos, independentemente das suas características individuais ou estatuto sócio-econômico, removendo barreiras à aprendizagem e valorizando as suas diferenças para promover uma melhor aprendizagem de todos.

Essa concepção tradicional de educação gerou uma determinada forma de organização do atendimento educacional especializado, a conhecida Educação Especial segregada, como um atendimento "substitutivo ao ensino comum, evidenciando diferentes compreensões, terminologias e modalidades que levaram a criação de instituições especializadas, escolas especiais e classes especiais" (BRASIL, 2008).
Conforme Mantoan (2005, p. 192), "o direito à diferença nas escolas desconstrói, portanto o sistema atual de significação escolar excludente, normativo, elitista com suas medidas e mecanismos de produção da identidade e da diferença". Infelizmente, o ritmo dessa percepção progressiva ainda é lento, e o paradigma educacional tradicional, rígido e padronizante, ainda é o modelo hegemônico na sociedade brasileira.
Essa escola tradicional continua baseando suas práticas na uniformidade, a encarar as diferenças como algo "anormal" que deve ser "tratado separadamente", a iludir-se pela falsa crença de uma suposta homogeneidade dos seus alunos. "As escolas alimentam a falsa idéia de que podem organizar turmas homogêneas [...] Temos de entender que as turmas escolares são e sempre serão desiguais, queiramos ou não" (MANTOAN, 2005, p. 48).
Por isso, como faz notar Rodrigues (2008, p. 40),
O desenvolvimento da Educação Inclusiva depende, em grande parte, do desenvolvimento do sistema educativo no seu conjunto. É muito difícil desenvolver um sistema que, coerentemente, opte pela Educação Inclusiva sem fazer uma aposta decisiva no desenvolvimento da escola regular. [...] A Educação Inclusiva, enquanto reforma educacional, só poderá florescer em sistemas educativos capazes de aceitar uma mudança nos seus hábitos e paradigmas.

Ao longo da história brasileira, e de acordo com o pensamento de Filho (2003), a educação da pessoa com deficiência foi sendo organizada sempre em função das diferentes concepções sobre a problemática da deficiência que a sociedade ia assumindo através dos tempos. Além, também, da influência particular dos movimentos internacionais e das organizações de e para pessoas com deficiência. Segundo o mesmo autor:
a inclusão escolar em um país como o Brasil, marcado pelas desigualdades sociais, significa buscar parcerias, ações conjuntas e solidárias entre o público e o privado, entre o social e o individual, a escola e a família, a sociedade civil e o estado (p. 34).

Para que essa inclusão aconteça de fato é necessário rever a forma como a educação está sendo conduzida na escola, ou seja, é preciso abrir espaço para uma prática pedagógica realmente inclusiva, que considere todos os alunos como especiais, únicos, singulares.
Numa perspectiva de educação inclusiva, é totalmente modificada a antiga concepção de Educação Especial como um sistema paralelo ao ensino regular, e, a partir de novos parâmetros, passa-se a conceber a Educação Especial como:
Uma modalidade de ensino que perpassa todos os níveis, etapas e modalidades, realiza o atendimento educacional especializado, disponibiliza os recursos e serviços e orienta quanto a sua utilização no processo de ensino e aprendizagem nas turmas comuns do ensino regular [...] A educação especial direciona suas ações para o atendimento às especificidades desses alunos no processo educacional e, no âmbito de uma atuação mais ampla na escola, orienta a organização de redes de apoio, a formação continuada, a identificação de recursos, serviços e o desenvolvimento de práticas colaborativas (BRASIL, 2008).

Nesse sentido, a transformação da escola é, inegavelmente, uma exigência do nosso tempo, uma exigência das novas dinâmicas e relações sociais presentes nos dias de hoje, e a inclusão situa-se, nesse contexto, tanto como causa, quanto como conseqüência dessas mudanças.
Filho (2003, p. 30) assinala que:
a construção dessa nova escola, portanto, aberta e atenta ao aprendizado de todos os alunos e baseada numa dinâmica que privilegia a participação, a cooperação, a valorização das diferenças, o espírito crítico, a criatividade, a autoria, de todos os seus atores, responderá de forma efetiva às exigências de uma formação que prepare os alunos para a cidadania, segundo as necessidades e possibilidades encontradas no mundo de hoje.

Porém, para caminhar rumo a essa construção, a escola deve enfrentar também os desafios para a desconstrução das estruturas, práticas e convicções tradicionais cristalizadas.
Neste sentido, a escola, segundo Mantoan (2005, p. 51):
não terá condições de efetivamente proporcionar o aprendizado de todos os alunos, levando em consideração e valorizando as diferenças, enquanto persistir, em propor trabalhos coletivos, que nada mais são do que atividades individuais realizadas ao mesmo tempo pela turma; ensinar com ênfase nos conteúdos programáticos; adotar o livro didático como ferramenta exclusiva de orientação dos programas de ensino; servir-se da folha mimeografada ou xerocada para que todos os alunos as preencham ao mesmo tempo, respondendo às mesmas perguntas com as mesmas respostas.

Como se pode perceber, as transformações implicam em mudanças profundas na noção tradicional do currículo, que, diferentemente de antes, deve agora refletir o meio sócio-cultural em que está inserido o aluno, perpassando de forma interdisciplinar e transversal as diferentes realidades nas quais o aluno está inserido.
1.4 Deficiência visual
Uma das primeiras condições para que o aluno desenvolva suas habilidades é saber qual seu diagnóstico correto para tentar melhor fazer a adequação de seu atendimento. Nas escolas, podemos encontrar alunos com deficiência visual, classificados, de acordo com (SÁ, CAMPOS e SILVA, 2007) em dois aspectos:
- Cegueira total e baixa visão.
Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (2002), baixa visão é a alteração da capacidade funcional da visão, decorrente de inúmeros fatores isolados ou associados tais como: baixa acuidade visual significativa, redução importante do campo visual, alterações corticais e/ou de sensibilidade aos contrastes que interferem ou limitam o desempenho visual do indivíduo. Possui resíduo visual, percebe luzes, cores, vultos, consegue identificar e discriminar e apresenta dificuldades relacionadas com profundidade, movimentos detalhes distintos em formas e dentro de figuras, grafias e outros aspectos dentro de um vasto campo. A Perda da função visual pode ser em nível severo, moderado ou leve, podendo ser influenciada também por fatores ambientais inadequados.
Ainda segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (2002), a cegueira é a perda total da visão até a ausência de projeção de luz. Do ponto de vista educacional, deve-se evitar o conceito de cegueira legal (acuidade visual igual ou menor que 20/200 ou campo visual inferior a 20° no menor olho), utiliza apenas para fins sociais, pois não revelam o potencial visual útil para execução de tarefas. A cegueira é uma alteração grave ou total de uma ou mais funções elementares da visão que afetará de modo irremediável a capacidade de perceber cores, tamanhos, distância, forma, posição ou movimento em um campo mais ou menos abrangente.
A deficiência visual refere-se a uma situação irreversível de diminuição da resposta visual, em razão de causas congênitas ou hereditárias, mesmo após tratamento clínico e/ou cirúrgico e uso de óculos convencionais. A diminuição da resposta visual pode ser leve, moderada, severa, profunda (que compõem o grupo com baixa visão) e ausência total da resposta visual ? cegueira (BRASIL, 2008).

De acordo com Rodrigues (2008), do ponto de vista educacional são considerados os seguintes aspectos:
? O trabalho educacional com alunos que tenham baixa visão baseia-se no princípio de estimular a utilização plena do seu potencial de visão e dos sentidos remanescentes, bem como na superação de dificuldades e conflitos emocionais. Para que o aluno com baixa visão desenvolva a capacidade de enxergar, professor deve despertar o seu interesse em utilizar a visão potencial, desenvolver a deficiência visual, estabelecer o conceito de permanência do objeto, e facilitar a exploração dirigida e organizada;
? Pessoas com baixa visão ou visão subnormal desenvolverão seu processo educativo por meios residuais de visão, utilizando recursos específicos. A baixa visão ou visão subnormal não é fator limitante para seu desenvolvimento cognitivo;
? Pessoas cegas desenvolverão sua aprendizagem por meio dos sentidos remanescentes (tato, audição, olfato, paladar), utilizando o sistema Braille como principal meio de comunicação.
De acordo com Sá, Campos e Silva (2007), pedagogicamente, delimita-se como cego o aluno que necessita do método Braille para ler, e como portador de visão subnormal aquele que consegue ler tipos de impressos ampliados ou com auxílio de recursos ópticos. Sá, Campos e Silva (2007, p.14) ainda afirmam que "esses alunos devem ser tratados como qualquer outro educando no que se refere aos direitos, deveres, normas, regulamentos, combinados disciplina e demais aspectos da vida escolar".
Além do tratamento digno e adequado, os alunos com deficiência visual necessitam de recursos que viabilizem e otimizem sua aprendizagem. A escolha e a adaptação desses recursos dependem de cada caso e devem ser definidos de acordo com fatores, como: faixa etária, necessidades específicas e individuais, preferências, interesses e habilidades. Alguns desses recursos encontram-se especificados a seguir:
Auxílios não ópticos ? são instrumentos e aparelhos que ajudam o desempenho visual através do ajuste da imagem.








Figura 1: Exemplos de Auxílios não ópticos/Fonte:www.fcm.unicamp.br

Auxílios ópticos: são lentes ou combinações das mesmas. Exemplos:
- Lupas de mão: geralmente é o primeiro auxílio óptico que as pessoas adquirem independentemente da prescrição médica, pois é de fácil aquisição nas óticas e supermercados. Adequadamente selecionadas, podem ser bastante úteis.

Figura 2: Lupas de mão/.Fonte:WWW.optomed.com.br

- Lupas com apoio: são lupas que têm uma base que se apóia no texto, mantendo o foco permanentemente. Alguns modelos podem acoplar iluminação. Necessitam sempre de uma base de apoio para leitura, e algumas podem aumentar a imagem em até 12 vezes.









Figura 3: lupa de apoio./Fonte:www.optomed.com.br

- Telescópios: geralmente são utilizados para visão à distância, como leitura de placas, semáforos, letreiro de ônibus e principalmente cópia em lousa para crianças.

Figura 4: telescópios./Fonte:optomed.com.br

- Circuito Fechado de televisão (CCTV): aparelho acoplado a um monitor de TV monocromático ou colorido que amplia até 60 vezes as imagens e as transfere para o monitor.

Figura 5: CCTV/Fonte:WWW.optomed.com.br

Sobre o processo de aprendizagem do aluno com deficiência visual, Sá, Campos e Silva (2007,p.13) ressaltam que este chega à escola com uma restrita experiência de estímulos oferecidos dependendo do contexto social que vive, o que pode gerar atraso no seu desenvolvimento global. A visão tem sua importância identificada nos conhecimentos cotidianos levando em conta a aprendizagem dos estímulos que o mundo oferece necessitando do seu uso.
Suas descobertas e construções mentais irão depender da forma pela qual ele é estimulado, levando-o a conhecer o mundo que o cerca por meio dos outros sentidos. Assim, a capacidade de adaptação do indivíduo com deficiência visual ao meio está diretamente relacionada à qualidade das interações com o mundo, de forma concreta de transmitir informações, sentimentos e emoções a este indivíduo. Por meio de nossos sentidos construímos a idéia de mundo que temos, ajudando assim no desenvolvimento de nossa linguagem visual percebendo cores, formas, tamanhos, texturas e etc. Os indivíduos que enxergam incorporam hábitos muito cedo por meio de estímulos vindo do meio que está inserido, já o indivíduo não vidente ou cego, vai ter uma demora para entrar neste universo e a educação tem de fazer-se mais forte e cumprir com seu papel de abrir, quebrar barreiras facilitando o conhecimento e minimizando as dificuldades (SÁ, CAMPOS e SILVA (2007,p.15).
Sá, Campos e Silva (2007) ressaltam ainda que para que a pessoa com deficiência visual aprenda se faz necessária uma série de pré-requisitos, sendo essa aprendizagem um processo baseado na percepção do conhecimento por meio de estímulos que possibilitem seu desenvolvimento motor, cognitivo e afetivo e isto só pode ser feito com materiais de apoio adequado.
Dessa maneira, Kelman et al (2010, p.14) afirma que a utilização das chamadas tecnologias assistivas tem proporcionado maior independência e autonomia para pessoas cegas e com baixa visão. A variedade, a adequação e a qualidade dos recursos disponíveis possibilitam o acesso ao conhecimento, à aprendizagem significativa e à comunicação. Toda a variedade de materiais adaptados e recursos que se usa com o objetivo de melhorar a aprendizagem do aluno com deficiência visual, tanto no campo cognitivo como global em si podemos chamar de Tecnologia Assistiva, pois com esses recursos estaremos desenvolvendo habilidades que propiciarão a este aluno sua independência na realização de determinadas atividades em sala de aula e em todo ambiente escolar propiciando sua inclusão neste meio.
O espaço escolar representa concretamente um dos cenários de construção e de mudanças e deve ser compreendido em sua complexidade e em suas possibilidades relacionadas a cada sujeito e à sociedade (KELMAN et al, p.155).


Portanto, a estimulação visual baseia-se na escolha adequada do material, que deve ter cores fortes ou contrastantes que melhor se adaptem à limitação visual de cada aluno e significado tátil. Recursos tecnológicos, equipamentos e jogos pedagógicos contribuem para que as situações de aprendizagem sejam agradáveis e motivadoras em um ambiente de cooperação e reconhecimento das diferenças. Com bom senso e criatividade, é possível selecionar, confeccionar ou adaptar recursos abrangentes ou de uso específico.
corrigido

II ? OBJETIVOS

2.1 Geral
Investigar a importância das Tecnologias Assistivas para alunos com deficiência visual.
2.2 Específicos
Esse objetivo geral, portanto, remeteu a diferentes outros objetivos mais particulares, que configuraram os objetivos específicos do estudo, formulados da seguinte forma:
? Apresentar o conceito histórico da TA, contextualizando-as na área educacional;
? Apresentar os conceitos da educação inclusiva e seus principais pressupostos;
? Identificar o conceito e os tipos de deficiência visual, apontado alguns tipos de TA necessários para sua escolarização;
?Investigar se os profissionais utilizam a TA e tem conhecimento da mesma como recurso de suporte para inclusão de alunos com deficiência visual.










III- METODOLOGIA

3.1- Fundamentação Teórica da Metodologia

Para o desenvolvimento deste estudo, optou-se por uma abordagem quantitativa descritiva de pesquisa, no intuito de colher dados investigando os mais diferentes aspectos que envolvem e influenciam o processo de apropriação da Tecnologia Assistiva pela escola pública estudada. Em função dos objetivos desta pesquisa, deduz-se que a abordagem quantitativa é a mais adequada ao que este estudo se propôs, por ser, nas palavras de Serapione:
Se o objeto de estudo está bem definido, já que outras pesquisas têm acumulado um corpo suficiente de conhecimentos sobre o tema, trata-se então de verificar somente se este corpo de conhecimentos vale em outras situações, ainda não exploradas empiricamente. Neste caso podem-se utilizar métodos de pesquisa quantitativa como um questionário estruturado ou uma sondagem.( SERAPIONE, 2000,p.2).

Foi realizada uma pesquisa bibliográfica e pesquisa de campo no intuito de atingir os objetivos delimitados para o presente estudo.Utilizou-se o excel para fazer as tabulações dos dados.

O pesquisador procura revelar a multiplicidade de dimensões presentes numa determinada situação ou problema, focalizando-o como um todo. Esse tipo de abordagem enfatiza a complexidade natural das situações, evidenciando a inter-relação dos seus componentes. (LUDKE e ANDRÉ, 1986, p.19).

3.2- Contexto da Pesquisa

Caracterização da Escola
A escola em questão tem em seu corpo de professores 154 profissionais, divididos em professores de atividades e de área específica distribuídos nos vários atendimentos da escola. A maioria dos profissionais tem formação superior, possuindo, em sua grande maioria, o curso de pedagogia. Em sua estrutura física possui 56 salas de aulas distribuídas em duas alas. Possui um auditório, um parque, um refeitório, um parque, uma quadra de esporte, uma piscina e uma área verde onde funciona a horta.
A escola faz atendimentos em:
- Programa de educação precoce;
- Oficinas Pedagógicas (sócio-profissionalizante e serviço de orientação para o trabalho - SOT);
- Laboratório de Informática Educativa (LIED);
- Práticas de Educação Ambiental (PEA);
- Programa Atendimento Pedagógico Especializado, dividido em: deficiência intelectual (DI), deficiências múltiplas (DMU), transtorno geral do desenvolvimento (TGD), divididos em três etapas com a utilização do currículo funcional.
A escola atende alunos de idades cronológicas que vão desde 0 até 50 anos de idade, com síndromes e comprometimentos diferentes. Foram selecionados 30 professores num universo de 154 lotados na escola para entrevista. A escola possui 444 alunos divididos em dois turnos: matutino e vespertino. A escola ainda possui o atendimento a alunos de escolas inclusivas com o total de 300 alunos ? Atendimento Educacional Especializado Complementar (AEEC). A escola está localizada em um setor nobre da cidade, bem centralizado o que possibilita o acesso dos alunos e funcionários da escola, pois muitos deles são oriundos da periferia e de cidades do entorno sul do Distrito Federal.
A escola conta ainda com 5 monitores que auxiliam os professores na área das atividades da vida diária, uma equipe pedagógica formada por uma pedagoga, uma psicóloga e uma orientadora educacional. Neste sentido, a escola demonstra, por sua própria constituição pedagógica, um diferencial muito grande em relação à clientela que atende. Devido a essas especificidades é que o uso de material alternativo se faz necessário, pois em muitos casos fica inviável a aprendizagem do aluno sem um trabalho mais específico, individualizado e diferenciado pelo professor.
Com o aumento de alunos que apresentam deficiência visual e outra associada, foram formadas duas turmas específicas com alunos com deficiência visual.
Enfim, paralelamente a todos esses atendimentos e possibilidades oferecidos escola investigada, enormes desafios, obstáculos e demandas para a inclusão social de pessoas com necessidades educacionais especiais foram percebidos ao longo desse tempo.

3.3 - Participantes

Participaram desta pesquisa 30 professores da escola em questão, sendo que somente 17 participaram efetivamente da coleta de dados através da entrega dos questionários.


3.4 - Instrumentos de Construção de Dados
O instrumento principal de coleta de dados desta pesquisa foi o questionário. Como o objetivo principal da investigação foi estudar e discutir como a escola pública especializada em ensino especial está percebendo e vivenciando o processo de apropriação da Tecnologia Assistiva necessária para a inclusão de alunos com deficiência em suas salas de aula, dando relevância à percepção de alunos com deficiência visual. Os questionários foram aplicados para os principais responsáveis, na escola, por esse processo, foi utilizado um questionários contendo 8 perguntas, sendo todas fechadas, sendo 30 questionários entregues e 17 recebidos.
Os questionários aplicados aos participantes da escola, por esse processo, que são:
? Os responsáveis pelo Programa de Atendimento Especializado onde estudam os 4 alunos DV mencionados;
? Foram 17 profissionais da escola.
3.6- Procedimentos de Construção de Dados
Para a seleção do professor que seria entrevistado o critério utilizado foi, primeiramente, a condição de que fosse um professor que tivesse alunos com deficiência visual freqüentando as suas salas de aula. E, além destes, foi solicitado ao coordenador pedagógico da escola, que indicasse, a seu critério, professores que pudessem fornecer informações mais detalhadas sobre esse processo de apropriação da Tecnologia Assistiva vivenciado pela escola. Todos os professores entrevistados possuíam o Ensino Superior completo, e, no seu conjunto, tinham uma boa experiência com as séries iniciais do ensino fundamental e ensino especial.
Desse modo, optou-se pela realização de um questionário, partindo de um roteiro básico de questões a serem abordadas (ver Apêndice), que permitisse uma compreensão das necessidades e também dos desejos e motivações dos próprios profissionais entrevistados.

3.7- Procedimentos de Análise de Dados
A partir dos dados coletados, portanto, pode-se detectar e determinar os eixos ou categorias, que melhor conduzissem e contribuíssem para a análise e discussão dos mesmos. As características dos dados levantados levaram-me a apresentar essa análise e discussão a partir de dois eixos principais ou categorias:
a) Apropriação da Tecnologia Assistiva pelos professores da escola estudada;
b) Necessidade do uso da TA pelos alunos com deficiência visual no contexto educacional.




IV- RESULTADOS E DISCUSSÃO

De uma maneira geral, no estudo sobre as apropriações efetivas ocorridas em Tecnologias Assistivas, a realidade encontrada na escola investigada foi ainda de um processo incipiente e deficitário, se comparada com as reais necessidades dos alunos atendidos e com as possibilidades de recursos disponíveis no mercado, além daquelas passíveis de serem desenvolvidas pela própria escola.
Apesar do fato de que sete (7) dos dezessete professores entrevistados declarem-se preparados para o trabalho com alunos com deficiência visual, o desconhecimento sobre essas possibilidades concretas de recursos de TA, parece ser ainda bastante acentuado.
As dificuldades para a seleção, aquisição ou construção de recursos de TA, decorrentes da falta de formação e informação, do desconhecimento, desses profissionais em relação às possibilidades existentes e pesquisadas na atualidade, até certo ponto não são tão expressivas. Observou-se um desconhecimento básico com relação a valores, a materiais e onde podem ser adquiridos ou até mesmo adaptados.
Este desconhecimento parece ser maior do que as dificuldades decorrentes da falta de subsídio financeiro para aquisição ou construção de soluções tecnológicas. Diferentes materiais e programas oficiais de formação, subsídio e financiamento, relativos a esses recursos de TA são ainda totalmente desconhecidos por muito dos professores entrevistados.
Ainda que possibilidades estruturadas de políticas públicas sejam poucas e insuficientes em relação às necessidades dos alunos com deficiência visual atendidos no sistema público de ensino, mesmo essas existentes continuam pouco conhecidas na escola estudada.
Entretanto, ainda que, em muitos casos, tenham sido disponibilizados por meio de medidas isoladas e individuais de alguns profissionais ou familiares dos alunos, ou mesmo por iniciativas isoladas, diferentes recursos de TA já se encontram em uso efetivo nessa escola. Diante desta realidade, os seguintes resultados foram obtidos:
QUESTÃO 1- Quando você teve contato com um aluno deficiente visual, você se sentiu preparado para atendê-lo?

TABELA 1 - Contato com o deficiente visual e sua preparação.

Variável Quantidade Porcentagem
Sim 7 41%
Não 10 59%
Fonte: Pesquisa de Campo

GRÁFICO 1 - Contato com o deficiente visual e sua preparação


Fonte: Pesquisa de Campo
Observa-se que 10 respondentes afirmam não terem se sentido preparado para atenderem o aluno com deficiência visual, quando tiveram contato com o mesmo, correspondendo a 59% da mostra, enquanto 7 afirmaram que se sentem preparados, correspondendo a 41% da mostra. Segundo Raposo e Carvalho (apud MACIEL e BARBATO, 2010) em qualquer caso, o planejamento a organização dos apoios aos alunos com deficiência visual exigem avaliação multiprofissional, integrado as áreas da saúde educação. A citação afirma que a capacitação profissional é de grande importância para que o professor lide adequadamente com a diversidade existente na escola.
QUESTÃO 2 - O que mais o preocupou neste contato?



TABELA 2- Preocupação com o contato com o aluno

Variáveis
Quantidade
Porcentagem
Não me preocupei 1 9%
Dificuldade do aluno 2 10%
Falta de recursos
Pedagógicos 5 23%
Sua falta de experiência e conhecimento 7 58%
Fonte: Pesquisa de campo


GRÁFICO 2 - Preocupação com o contato com o aluno.

Fonte: Pesquisa de campo

Quando questionados sobre o que mais o preocupou esse contato com o aluno com deficiência visual, 1 professora afirmou que não se preocupou, correspondente a 9% da amostra; 2 afirmaram ter sido a dificuldade do aluno o fator que mais os preocupou, correspondendo a 10% da amostra; 5 respondentes afirmaram ser a falta de recursos pedagógicos, o que corresponde a 23% da amostra, enquanto 7 afirmaram ser o fator que mais os preocupou sua falta de experiência e conhecimento, totalizando 9% da amostra.
Segundo Sá, Campos e Silva (2007, p. 26):

[...] recursos tecnológicos, equipamentos e jogos pedagógicos contribuem para que as situações de aprendizagem sejam mais agradáveis e motivadoras em um ambiente de cooperação e reconhecimento as diferenças. Aliado às tecnologias assistivas, faz-se necessária uma flexibilização curricular, uma formação continuada em recursos humanos, comprometimento do estado, entre outros.

QUESTÃO 3 - Na sua concepção, o recurso pedagógico em sala de aula faz a diferença na aprendizagem do aluno com deficiência visual?

TABELA 3 - Recurso pedagógico em sala de aula.

Variáveis Quantidade Porcentagem
Sim 14 82%
Não 3 18%
Fonte: Pesquisa de Campo

GRÁFICO 3 - Recurso pedagógico em sala de aula.

Fonte-Pesquisa de Campo

Quando perguntados se o recurso pedagógico em sala de aula faz a diferença na aprendizagem do aluno com deficiência visual 14 respondentes afirmaram que sim, correspondendo a 82% da amostra, enquanto 3 afirmaram que não correspondendo a 18% da amostra.
Recursos sejam eles simples ou tecnológicos contribuem de forma positiva no processo aprendizagem de um aluno que apresenta deficiência visual.

A predominância de recursos didáticos eminentemente visuais ocasiona uma visão fragmentada da realidade e desvia o foco de interesse e de motivação dos alunos cegos e com baixa visão. Os recursos destinados ao Atendimento Educacional Especializado desses alunos devem ser inseridos em situações e vivências cotidianas que estimulem a exploração e desenvolvimento pleno dos sentidos. A variedade, a adequação e a qualidade dos recursos disponíveis possibilitam o acesso ao conhecimento, à comunicação e à aprendizagem significativa. (SÁ, CAMPOS e SILVA, 2007, p. 26)

QUESTÃO 4-Você utiliza materiais que viabilizam o melhor desempenho do seu aluno?
TABELA 4 - Utilização de materiais que viabilizam melhor desempenho do aluno.
Variáveis Quantidade Porcentagem
SIM 14 94%
NÃO 3 6%
Fonte: Pesquisa de Campo

GRÁFICO 4 - Utilização de materiais que viabilizam melhor desempenho do aluno.

Fonte: Pesquisa de Campo
Os resultados apontam que 14 respondentes (94%) da amostra utilizam materiais que viabilizam o melhor desempenho de seu aluno, enquanto 3 professores afirmam não utilizar, correspondendo a 6% do total.
A utilização de materiais simples e alternativos, por parte dos professores com os alunos, pode sim colaborar para um melhor desempenho do processo de ensino. Muitos profissionais às vezes constroem e procuram adaptá-los a necessidade do aluno, contribuindo para que o aluno torne-se sujeito da situação aprendizagem. Uma pequena quantidade de 6% acredita que o aluno não se desenvolvera melhor com a utilização de recursos adaptados a sua deficiência.
Segundo Bersch e Tonolli (2006,p.01), recursos podem variar de uma simples bengala a um complexo sistema computadorizado. Estão incluídos brinquedos e roupas adaptadas, computadores, softwares e hardwares especiais, que contemplem questões de acessibilidade, dispositivos para adequação de postura sentada, recursos para mobilidade manual e elétrica, equipamentos de comunicação alternativa, chaves e acionadores especiais, aparelhos de escuta assistida, auxílio visual, materiais protéticos e milhares de outros itens confeccionados ou disponíveis comercialmente.
QUESTÃO 4a - Eles são caros?

TABELA 4A- Valor dos recursos


Variáveis
Quantidade Porcentagem
Não são caros e podem ser confeccionados
4 25%
São caros e difíceis de encontrar
11 64%
São baratos
2 11%
Fonte: Pesquisa de campo


Fonte: Pesquisa de campo


Quando questionados se os mesmos são caros, 4 professores afirmaram que não e que podem ser confeccionados, correspondendo a 25% da amostra, enquanto 11 afirmaram que os recursos são caros e difíceis de encontrar, correspondendo a 64% dos respondentes.
Somente 2 professores afirmaram que os recursos são baratos, totalizando 11% da amostra.
Assim, o professor pode favorecer a aprendizagem deste aluno fazendo adaptações, buscando soluções simples, como um engrossamento de um lápis para a escrita ou aumento de letras para visualização de um aluno com baixa visão.
Diante dessa realidade, Raposo e Carvalho (apud MACIEL e BARBATO, 2010,p.162) assinalam que,

Os recursos devem ser adequados para atender às especificidades do funcionamento visual de cada pessoa. A heterogeneidade das características que integram o grupo com baixa visão exige avaliação e planejamento adequados que envolvam uma equipe multiprofissional. O trabalho diversificado dá respostas à gama de variações encontradas em alunos que, inclusive, apresentam a mesma patologia e igual nível de acuidade visual.


Questão 4B - Eles são fornecidos pela escola?


TABELA 4B - Fornecimento dos recursos pela escola.

Variável Quantidade Porcentagem
Muito pouco, uns sim outros não 6 47%
Na medida do possível 3 7%
Não 4 23%
Às vezes 4 23%
Fonte: Pesquisa de campo


GRÁFICO 4B - Fornecimento dos recursos pela escola.


Fonte: Pesquisa de campo


Os alunos que apresentam alguma deficiência têm necessidade de um suporte educacional, sendo este importante para que a aprendizagem ocorra. A escola ainda apresenta muita dificuldade em adaptar-se às necessidades de cada aluno. Fica constatado que 6 respondentes, correspondendo a 47% dos professores questionados colocam que o fornecimento dos recursos pela escola é insuficiente, enquanto que 3 respondentes (7% da amostra) afirmam que a escola fornece os recursos na medida do possível. Por outro lado, 4 professores (23% da amostra) afirmam que a escola não fornece recurso, enquanto outros 4 afirmam que fornece às vezes (23% da amostra). Segundo Cardoso e Raposo (apud MACIEL e BARBATO, 2010) é importante, considerar se estão disponíveis apoios ao estudante e a sua família, de modo que sua expectativa de excelência escolar alcance a todos os alunos, sem exclusão dos que demandam atenção às suas necessidades especiais. A práxis educativa, assim concebida, tende a promover a valorização e a organização de recursos, processos e ambientes diversificados, de modo a favorecer o ensino aprendizagem.

É necessário ao educador dispor de empenho, paciência e energia. Engenho para propiciar práticas ás crianças explorar o meio circundante e comunicar-se com as pessoas, utilizando para isso os sentidos e os recursos de que dispõe. (MAZINI, 2005, p.30).

Questão 4C - Você faz adaptações a estes recursos?
TABELA 4C - Adaptações dos recursos
Variáveis Quantidade Porcentagem
Com certeza 2 9%
Não 12 78%
Sempre que necessário 3 13%
Fonte: Pesquisa de Campo

GRÁFICO 4C - Adaptações dos recursos


Fonte: Pesquisa de campo

Os resultados apontam que 12 professores não fazem adaptações dos recursos aos alunos com deficiência visual, correspondente a 78% da amostra, enquanto que 2 (9% da amostra ) afirmam que fazem com certeza e 3 respondentes, afirmam adaptar os recursos, sempre que necessário, correspondendo a 13% da amostra.
Em relação a esta questão, Raposo e Carvalho (apud MACIEL e BARBATO, 2010,p.160) destacam:

[...] uma pessoa com deficiência visual pode se utilizar de recursos e estratégias que apóiam o desenvolvimento de atividades escolares, pessoais, profissionais e sociais. No percurso escolar, as adaptações de elementos curriculares (objetivos, conteúdos, estratégias de ensino, tempo) podem ser requeridas para garantir o desenvolvimento da competência curricular e o êxito do desempenho acadêmico [...].

QUESTÃO 5 - Segundo o comitê de ajuda técnicas, Tecnologia Assistiva (TA) é uma área do conhecimento, de característica interdisciplinar, que engloba produtos, recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços que objetivam promover a funcionalidade, relacionada à atividade e participação, de pessoas com deficiência, incapacidades ou mobilidade reduzida, visando autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social. Partindo desse conceito, você utiliza alguma TA com seu aluno?

TABELA 5 - Utilização da TA pelo professor com o aluno.

Variáveis
Quantidade
Porcentagem

Sim
15 88%

Não
0 0%
Fonte: Pesquisa de Campo






GRÁFICO 5 - Utilização da TA pelo professor com o aluno

Fonte: Pesquisa de campo

Os resultados apontam que 15 professores (88% da amostra) utilizam a TA como suporte pedagógico e auxílio no processo de construção da aprendizagem de seus alunos. Mesmo que este aluno apresente cegueira total ou baixa visão de alguma maneira, o profissional tem a percepção que com alguns recursos este pode aprender melhor. Dos profissionais questionados 12% não se manifestaram, em relação ao uso da TA pelo seu aluno, deixando de responder a questão, o que pode sinalizar o desconhecimento destes em relação ao que seja tecnologia assistiva. A este respeito Bersch (2006, p. 14) pondera que "sem nos apercebermos utilizamos constantemente ferramentas que foram especialmente desenvolvidas para favorecer e simplificar as atividades do cotidiano"
QUESTÃO 6- O ambiente da sua escola é um ambiente acessível e inclusivo?
TABELA 6 - Ambiente escolar acessível e inclusivo.


Variável
Quantidade
Porcentagem

Sim

7
41%

Não
10 59%
Fonte: Pesquisa de campo

GRÁFICO 6 - Ambiente escolar acessível e inclusivo.



Fonte: Pesquisa de campo


Os dados apontam que 7 respondentes (41% da amostra ) consideram sua escola acessível e inclusiva, enquanto 10 afirmam que não, correspondendo a 59% da amostra.
Uma escola para tornar-se inclusiva necessita de que toda comunidade escolar, sociedade e órgãos públicos estejam se organizando continuamente, oferecendo este suporte a esses alunos. Neste momento inclusivo precisamos de atitudes positivas e favoráveis diante de aceitar a diversidade que ocorre dentro de nossas escolas. Precisamos ainda de projetos educativos voltados a essas clientelas e de cooperação e recursos adequados.
Bersch eTonolli (2006,p.1) assinalam que "é um grande desafio para a missão da escola, que é de assegurar oportunidades iguais para cada um atendendo sua diferença, desenvolvendo o máximo seu potencial próprio e sua inclusão no grupo".


QUESTÃO 7- Você acredita que com o uso da tecnologia assistiva o aluno com deficiência tem melhorada sua condição de aprendizagem?
TABELA 7 - O uso da tecnologia assistiva e a melhoria da aprendizagem
Variáveis Quantidade
Porcentagem
Sim 17 100%
Não 0 0%
Fonte: Pesquisa de campo


GRÁFICO 7- O uso da tecnologia assistiva e melhoria da aprendizagem


Fonte: Pesquisa de campo


Observa-se que todos os respondentes (100% da amostra) consideram que o uso da tecnologia assistiva melhora a condição de aprendizagem do aluno com deficiência. Bersch e Tonolli (2006,p.1) assinalam que as tecnologias assistivas tentam minimizar as dificuldades de acesso de pessoas com deficiências, com o uso de recursos das tecnologias. No campo educacional temos que buscar novos conhecimentos que possa refletir em novos caminhos e oportunidades que viabilizem um melhor processo de ensino e dessa forma chegarmos a efetiva inclusão.
QUESTÃO 8 - A escola onde você trabalha promove momentos de discussão acerca das TA?
TABELA 8 - Momentos de discussão na escola.

Variável Quantidade
Porcentagem
Sim 11 65%
Não 6 35%


Gráfico 8 - Momentos de discussão na escola.


Fonte: Pesquisa de campo


Muitos dos profissionais ainda têm uma visão um pouco distorcida a respeito de momentos discursivos, muitos ainda se colocam resistentes a respeito da formação oferecida pela escola e até das informações que às vezes são subsídios para sua atuação em sala de aula. Isso fica constatado quando 11 dos respondentes (65% da amostra) afirmam que a escola não promove momentos de discussão. Já 6 dos respondentes, 35% da amostra, coloca que sim, que na escola há momentos de discussão e trocas de experiências.
A este respeito, Kelman (et al, 2008, p. 12) assinalam que,
A escola pública e democrática possibilita um diálogo com pais, alunos e educadores para que todos participem na busca de soluções para os seus problemas. A democracia implica um processo de negociação permanente dos conflitos de interesses e ideias, e, assim, a escola pluralista ensina a conviver com a heterogeneidade.

QUESTÃO 9 - A falta de TA pode inviabilizar o processo de inclusão do aluno com deficiência visual na rede regular de ensino?

TABELA 9 - Falta de TA e a inclusão

Variável Quantidade
Porcentagem
Sim 11 65%
Não 6 35%


Gráfico 9 - A falta de TA e a inclusão




















Fonte: Pesquisa de campo

É notório que vivemos um momento inclusivo e que o aluno tem a necessidade e direito de estar na escola e de ser atendido de acordo com suas especificidades.Pelos dados muitos profissionais ainda não se aperceberam de como pode ser a ponte de ligação entre o aluno e o processo inclusivo, do total 11 dos respondentes afirmaram que "SIM", ou seja, que a falta da TA pode inviabilizar o processo de alunos com DV, sendo 65% da amostra. 6 ( seis) dos respondentes afirmaram que não acreditam que a falta da TA possa inviabilizar o processo de inclusão de alunos com deficiência visual, sendo 35% da amostra.
As tecnologias assistivas, conforme descrição, podem ser entendidas como um instrumento de promoção de inclusão. A falta de tais recursos pode comprometer, por exemplo, o desempenho de alunos com deficiência, pois auxiliam na superação de dificuldades funcionais para realização e atividades dentro da rotina escolar. Santarosa (1997, p. 115) acrescenta que,

A importância que assumem essas tecnologias no âmbito da Educação Especial já vem sendo destacada como a parte da educação que mais está e estará sendo afetada pelos avanças e aplicações que vêm ocorrendo nessa área para atender necessidades específicas, face às limitações de pessoas no âmbito mental, físico-sensorial e motora com repercussão nas dimensões sócio-afetivas.


































V- CONSIDERAÇÕES FINAIS



A humanidade vivencia um período de profundas e aceleradas transformações sociais em diferentes áreas. As formas de construir e produzir conhecimento e dos seres humanos se comunicarem e interagirem entre si, foram profundamente modificadas com a presença das Novas Tecnologias. Ganham forças as correntes e visões humanistas que defendem a valorização das diferenças e o reconhecimento das riquezas da diversidade humana, apontando para a busca de uma verdadeira inclusão social de todos os homens.
Por outro lado, se torna cada vez mais flagrante a defasagem que existe entre essa realidade de transformações que ocorrem na sociedade e as práticas escolares tradicionais e hegemônicas, que não dialogam com o que está acontecendo a sua volta, tornando dramaticamente atual e pertinente o alerta de Perrenoud, quando este afirma que "a escola não pode ignorar o que se passa no mundo" (PERRENOUD, 2000, p. 125).
Se, por um lado, as realidades e transformações relacionadas às tecnologias e os princípios de Educação Inclusiva começam a "forçar as portas" da escola, os avanços ainda são muito difíceis e lentos, devido ao imobilismo e as contradições do paradigma tradicional de ensino.
No meio disso tudo se encontram os profissionais da educação, que percebem e vivenciam todas as mudanças ocorridas na sociedade, e sofrem, dentro da escola, as pressões muitas vezes contraditórias dessas diferentes realidades, diante das práticas e modelos educacionais defasados, pedagogicamente inócuos e excludentes.
Com as transformações e avanços ocorridos na sociedade, crescem as pesquisas relacionadas à Tecnologia Assistiva, percebida cada vez mais como um elemento fundamental para a autonomia e inclusão escolar e social da pessoa com deficiência.
Frente a essa realidade, este estudo buscou analisar e discutir como uma escola pública de Ensino Especializado, na cidade do Gama, Distrito Federal, estava percebendo e vivenciando o seu processo de apropriação da Tecnologia Assistiva necessária para a inclusão de alunos com deficiência visual em suas salas de aula. Assim, buscou-se ouvir a escola, sobre esse processo, por meio da palavra dos seus profissionais na vivência diária e direta dessa realidade. E essa escuta, análise e discussão foram feitas a partir dos dados obtidos por meio de entrevistas realizadas com esses profissionais.
Os resultados deste estudo revelaram, primeiramente, a complexidade dessa realidade, com os diferentes fatores e variáveis influenciando diretamente nesse processo de apropriação da Tecnologia Assistiva para a inclusão. De uma maneira geral, foi possível perceber que ainda se vivencia na escola estudada um estágio bastante inicial desse processo de apropriação e uso da Tecnologia Assistiva, podendo ser encontrados avanços e descobertas significativas, porém, ao mesmo tempo, um profundo desconhecimento sobre as possibilidades concretas relacionadas a essa tecnologia, sobre os princípios da Educação Inclusiva, ou mesmo, sobre as realidades, potencialidades e necessidades dos alunos com deficiência. Ou seja, ainda se paga um alto preço pelo longo e sombrio período da história da humanidade em que as pessoas com deficiência estiveram praticamente invisíveis e ausentes do convívio social.




























REFERÊNCIAS


BERSCH, Rita & TONOLLI, José Carlos. Introdução ao conceito de Tecnologia Assistiva. 2006. Disponível em: . Acesso em: 02 mar. 2011.
BRASIL, Ministério da Educação, Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. 2008. Disponível em Acesso em 10 mar. 2011.
CAT, Ata da Reunião III, Comitê de Ajudas Técnicas, Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República (CORDE/SEDH/PR). 2007. Acesso em: 05 mar. 2011.
EUSTAT, Empowering Users Through Assistive Technology, 1999. Disponível em: Acesso em: 04 mar. 2011.
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário online. http://www.dicionariodoaurelio.com/Tecnologia> Acesso em: 05 mar. 2011.
FGV, 2003. Sumário Executivo, Retratos da Deficiência no Brasil, Fundação Getúlio Vargas. em: Acesso em: 20 fev. 2011.
FILHO, T. A. G; DAMASCENO, L. L. Tecnologias Assistivas na Educação Especial. Revista Presença Pedagógica, Belo Horizonte: Dimensão, 2003.
IBGE, Censo 2000. Disponível em: Acesso em: 25 fev. 2011.
KELMAN, Celeste Azulay et al. Necessidades especiais no contexto escolar: a ação do professor. Brasília: editora UnB, 2008.
LÉVY, P. Entrevista. Revista Nova Escola, São Paulo, agosto/2003. Disponível em: Acesso em: 30 out. 2003.
_______. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.
LUDKE, M.; ANDRÉ, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: Pedagógica e Universitária, 1986.
MACIEL, Diva Albuquerque; BARBATO , Silviane. Desenvolvimento humano, educação e inclusão escolar. Brasília: editora Unb, 2010.
MANZINI, E. J. Tecnologia assistiva para educação: recursos pedagógicos adaptados. In: Ensaios pedagógicos: construindo escolas inclusivas. Brasília: SEESP/MEC, 2005.
MANTOAN, M. T. E. O direito de ser, sendo diferente na escola. In: RODRIGUES, D. (Org.). Inclusão e educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2005.
REDE SACI, 2004. Universidade de São Paulo, USP, Disponível em: http://www.saci.org.br/index.php?modulo=akemi¶metro=12909 Acesso em: 22 fev. 2011.
RODRIGUES, D. Questões preliminares sobre o desenvolvimento de políticas de educação inclusiva. Revista Inclusão, Brasília, SEESP/MEC, 2008.
SÁ, Elizabet Dias de; CAMPOS, Izilda Maria de; SILVA, Myriam Beatriz Campolina. Atendimento Educacional Especializado em Deficiência Visual. SEESP / SEED / MEC. Brasília / DF, 2007.
SANTAROSA, L. M. C. Escola virtual para a educação especial: ambientes de aprendizagem telemáticos cooperativos como alternativa de desenvolvimento. Revista de Informática Educativa, Bogotá: UNIANDES, 1997.
SASSAKI, R. K. Pessoas com deficiência e os desafios da inclusão, Revista Nacional de Reabilitação, ano VIII, n. 39, julho/agosto 2004.
SONZA, A. P. Ambientes virtuais acessíveis sob a perspectiva de usuários com limitação visual. Porto Alegre, 2008.
PACHECO, J. Caminhos para a inclusão: um guia para o aprimoramento da equipe escolar. Porto Alegre: Artmed, 2007.
PCN, Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Especial. Brasília: MEC/SEE, 2002.
PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.
VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1994.
.









APÊNDICES

A ? Questionário




UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UNB
DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO
CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO HUMANO, EDUCAÇÃO E INCLUSÃO ESCOLAR.

QUESTIONÁRIO
Prezado entrevistado (a),
O presente questionário tem a finalidade estritamente acadêmica. Solicito que após responder as questões abaixo, o mesmo seja devolvido. Desde já agradeço.
Você não deve se identificar.
1- Quando você teve contato com um aluno com deficiência visual você se sentiu preparado( a) para atendê-lo?
( ) sim ( ) não
2- O que mais o preocupou nesse contato:
( ) a falta de apoio pedagógico por parte da escola;
( ) a sua falta de experiência e conhecimento nesta área;
( ) a falta de recursos pedagógicos, estruturais e ambientais;
( ) a dificuldade apresentada pelo próprio aluno
( ) não me preocupei.
3-Na sua concepção o recursos didáticos pedagógicos em sala de aula faz a diferença na aprendizagem do aluno com deficiência visual?
( ) sim ( ) não
4- Você utiliza materiais que viabilizam o melhor desempenho do seu aluno em sala da aula?
( ) sim ( ) não
S e você marcou sim responda:
4A- Eles são caro?
( ) Não são caros e podem ser confeccionados.
( ) São caros e difíceis de encontrar.
( ) São baratos.
4B-São fornecidos pela escola?
( ) Muito pouco, uns sim outros não;
( ) As vezes;
( ) Não;
( ) Na medida do possível
4C-Você os produz fazendo adaptações?
( ) Com certeza
( ) Não
( ) Sempre que necessário

5 - Segundo o comitê de ajudas técnicas, Tecnologia Assistiva (TA) é uma área do conhecimento, de características interdisciplinar, que engloba produtos, recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços que objetivam promover a funcionalidade, relacionada à atividade e participação, de pessoas com deficiência, incapacidades ou mobilidade reduzida, visando autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social. Partindo desse conceito, você utiliza alguma TA com seu aluno?
( ) sim ( ) não
6 - É claro que a TA não se restringe somente a recursos em sala de aula, mas estende-se a todos os ambientes da escola, propiciando o acesso e a participação efetiva de todos os alunos. Nesse sentido, o ambiente da nossa escola é um ambiente acessível e inclusivo?
( ) sim ( ) não
7 - Existe um número grande de possibilidades de recursos simples e de baixo custo que podem e devem ser disponibilizá-los nas salas de aulas, conhecidos como TA, conforme a especificidade de cada aluno com necessidades especiais, tais como: fixação do papel ou caderno na mesa com fitas adesivas, engrossamento de lápis ou luneta, substituição da carteira por pranchas. Digo ainda que a comunicação alternativa também seja uma TA.
Você acredita que com o uso de tecnologia assistiva o aluno com deficiência tem melhorada sua condição de aprendizagem?
( ) sim ( ) não
8 - A escola onde você trabalha promove momentos de discussão acerca das TA?
( ) sim ( ) não
9 - Em sua opinião, a falta de TA pode inviabilizar o processo de inclusão do aluno com deficiência visual na rede regular de ensino?
( ) sim ( ) não
CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO HUMANO, EDUCAÇÃO E INCLUSÃO ESCOLAR ? UAB/UnB





A IMPORTÃNCIA DAS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL


MANOELA MARIA LIOMIZA PEREIRA DE LIMA


ORIENTADORA: RIANE NATÁLIA SOARES VASCONCELOS


BRASÍLIA/2011



Universidade de Brasília ? UnB
Instituto de Psicologia ? IP
Departamento de Psicologia Escolar e do Desenvolvimento ? PED
Programa de Pós-Graduação em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde PGPDS




MANOELA MARIA LIOMIZA PEREIRA DE LIMA



A IMPORTÂNCIA DAS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS PARA A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL











BRASÍLIA/2011
TERMO DE APROVAÇÃO

MANOELA MARIA LIOMIZA PEREIRA DE LIMA

A IMPORTÂNCIA DAS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS PARA A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL
Monografia aprovada como requisito parcial para obtenção do grau de Especialista do Curso de Especialização em Desenvolvimento Humano, Educação e Inclusão Escolar ? UAB/UnB. Apresentação ocorrida em 30/04/2011.
Aprovada pela banca formada pelos professores:

____________________________________________________
ORIENTADORA: RIANE NATÁLIA SOARES VASCONCELOS
___________________________________________________
NOME DO EXAMINADOR (Examinador)


--------------------------------------------------------------------------------
ALUNA: MANOELA MARIA LIOMIZA PEREIRA DE LIMA




BRASÍLIA/2011

DEDICATÓRIA




























Aos meus pais, grandes amigos e incentivadores.


AGRADECIMENTOS

Agradeço à minha orientadora, Profa. MSc. Riane Natália Soares Vasconcelos, por seu acompanhamento responsável e competente, sempre permeado de uma sensibilidade que confia, incentiva e transborda amizade.
Aos alunos e colegas da Instituição de Ensino objeto deste estudo, pelas partilhas, novas descobertas e momentos de amizade, vivenciados juntos ao longo dos últimos anos, assim como aos demais funcionários e equipe gestora da instituição que apoiaram o trabalho.
A todas as pessoas envolvidas na coleta de dados desta pesquisa, pela abertura, boa vontade e colaboração.
Aos professores, funcionários e colegas do curso de Especialização em Desenvolvimento Humano, Educação e Inclusão Escolar ? UAB/UnB, pelas ajudas, intercâmbios e reflexões partilhadas.












































"Para a maioria das pessoas, a tecnologia torna as coisas mais fáceis. Para as pessoas com deficiência, a tecnologia torna as coisas possíveis."

(Mary Pat Radabaugh)
RESUMO

Num mundo em profundas e aceleradas transformações, a Tecnologia Assistiva emerge como uma área do conhecimento e de pesquisa que tem se revelado como um importante horizonte de novas possibilidades para a autonomia e inclusão social dos alunos com deficiência. Na busca de entender e discutir como a "instituição Escola" tem percebido e vivenciado essas possibilidades em suas práticas e processos, principalmente os relacionados com a Educação Inclusiva, esta pesquisa observou, o processo de apropriação e uso da Tecnologia Assistiva por professores de uma escola pública especializa da cidade do Gama, Distrito Federal. O estudo foi operacionalizado por meio de questionários aplicados a professores da própria escola, que vivenciam mais diretamente essa realidade. Como resultados da pesquisa, destacam-se, além da constatação dos avanços e conquistas verificados no processo de apropriação da Tecnologia Assistiva pelas pessoas da comunidade escolar estudada, também, e majoritariamente, as dificuldades e obstáculos encontrados nesse processo pelos profissionais entrevistados, juntamente com as demandas desses mesmos profissionais por ações mais efetivas das gestões centrais da rede pública de ensino à qual pertencem, e por políticas públicas consistentes e sistemáticas que favoreçam uma maior agilidade e eficácia no processo de apropriação e uso da Tecnologia Assistiva necessária para a inclusão escolar de alunos com deficiência, favorecedora de práticas educacionais escolares mais inclusivas e compatíveis com as necessidades da sociedade contemporânea.

Palavras-chave: Educação Inclusiva, Tecnologia Assistiva, Alunos com deficiência.



SUMÁRIO
APRESENTAÇÃO 12
Explorando o tema 12
Considerações iniciais: Tecnologia Assistiva 14

I ? FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 16
1.1 - Tecnologia Assistiva ? Conceitos e história 16
1.2- Tecnologia Assistiva e Educação 22
1.3 ? Inclusão e o paradigma educacional vigente 23
1.4 ? Deficiência Visual 26
II? OBJETIVOS 33
2.1 - Geral 33
2.2 - Específicos 33
III ? METODOLOGIA 34
3.1 ? Fundamentação Teórica da Metodologia 34
3.2 ? Contexto da pesquisa 35
3.3 - Participantes 35
3.4 - Materiais 36
3.5 ? Instrumentos de Construção de Dados 36
3.6 ? Procedimentos de Construção de Dados 37
3.5 ? Procedimentos de Análise de Dados 37
IV ? RESULTADOS E DISCUSSÃO 38
V ? CONSIDERAÇÕES FINAIS 54
REFERÊNCIAS 56
APÊNDICES 58


LISTA DE TABELAS

TABELA 1 - Contato com o deficiente visual e sua preparação...................................... 40
TABELA 2- Preocupação com o contato com o aluno.................................................... 41
TABELA 3- Recurso pedagógico em sala de aula.......................................................... 42
TABELA 4 - Utilização de materiais que viabilizam melhor desempenho do aluno........ 43
TABELA 4a - Valor dos recursos.................................................................................... 44
TABELA 4b - Fornecimento dos recursos pela escola.................................................... 46
TABELA 4c - Adaptações dos recursos.......................................................................... 47
TABELA 5 - Utilização da TA pelo professor com o aluno.............................................. 49
TABELA 6 - Ambiente escolar acessível e inclusivo.......................................................
49
TABELA 7 - O uso da tecnologia assistiva e a melhoria da aprendizagem.................... 51
TABELA 8 - Momentos de discussão na escola.............................................................
52
TABELA 9 - Falta de TA e a inclusão..............................................................................
53









LISTA DE GRÁFICOS

GRÁFICO 1 - Contato com o deficiente visual e sua preparação.................................. 40
GRÁFICO 2 - Preocupação com o contato com o aluno................................................ 41
GRÁFICO 3 - Recurso pedagógico em sala de aula..................................................... 42
GRÁFICO 4 - Utilização de materiais que viabilizam melhor desempenho do aluno..... 43
GRÁFICO 4a - Valor dos recursos................................................................................. 45
GRÁFICO 4b - Fornecimento dos recursos pela escola................................................ 46
GRÁFICO 4c - Adaptações dos recursos...................................................................... 47
GRÁFICO 5 - Utilização da TA pelo professor com o aluno.......................................... 49
GRÁFICO 6 - Ambiente escolar acessível e inclusivo.................................................
50
GRÁFICO 7 - O uso da tecnologia assistiva e a melhoria da aprendizagem............... 51
GRÁFICO 8 - Momentos de discussão na escola.........................................................
58
GRÁFICO 9 - Falta de TA e a inclusão..........................................................................
53










LISTA DE FIGURAS

FIGURA 1 - Exemplos de Auxílios não ópticos..................................................... 29
FIGURA 2 - Lupas de mão................................................................................. 30
FIGURA 3 - lupa de apoio.................................................................................. 30
FIGURA 4 ?Telescópios..................................................................................... Telescópios...................................................................................... 31
FIGURA 5 ? CCTV.............................................................................................
................................................ 31


APRESENTAÇÃO

Explorando o Tema

A organização Mundial de Saúde (OMS) estima que existem no mundo mais de 600 milhões de pessoas com alguma deficiência, sendo este número 10% da população mundial. No Brasil, este número é de 24,6 milhões de pessoas de acordo com o censo de 2000 realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Uma grande parcela dessa população vive realidades de graves carências sociais, como baixa renda e baixo nível de escolarização, o que só potencializa as dificuldades dessas pessoas, em função das barreiras, preconceitos, desigualdades e desinformação, conforme vem sendo detectado e alertado por diferentes organizações de defesa dos direitos da pessoa com deficiência.
[...] a questão da deficiência atinge, indiretamente, 73,8 milhões de pessoas, o que representa 43,44% do total de brasileiros. São parentes e
amigos que se dedicam a ajudar os portadores de deficiência nas atividades do dia a dia. Esse percentual não engloba o número de os profissionais que atuam no atendimento dessa parcela da população. [...]
colocar a legislação em prática significa proporcionar melhor qualidade de
vida não somente para as pessoas portadoras de deficiência física, mas também para aquelas que prestam algum tipo de auxílio a elas. (REDE SACI, 2004).


Segundo Sassaki (2004, p.18):
No Brasil, a grande maioria dos 17 milhões (24,6 milhões, segundo o Censo 2000) de pessoas com deficiência tem sido excluída de todos os setores da sociedade, sendo-lhes negado o acesso aos principais benefícios, bens e oportunidades disponíveis às outras pessoas em vários tipos de atividades, tais como educação, saúde, mercado de trabalho, lazer, desporte, turismo, artes e cultura. Esta afirmação, que se apresenta como uma denúncia consta em vários documentos, moções, relatórios, palestras, etc.



A partir desta realidade, estes números levam-nos a pensar no desafio que envolve a construção de uma sociedade inclusiva, que tem como pressupostos o respeito à diferença, a valorização da diversidade e a garantia universal aos direitos sem barreiras ou limitações de natureza socioeconômica, cultural ou em razão de alguma deficiência.
Embora o Brasil disponha de uma legislação relativa aos direitos da pessoa com deficiência considerada avançada internacionalmente, e a sociedade atual venha se tornando mais permeável à diversidade, ao pluralismo de realidades, tudo isso ainda não tem se refletido em significativos avanços reais, em consideráveis iniciativas concretas, a ponto de diminuir de forma sensível as desigualdades nas oportunidades e no acesso aos benefícios sociais, para essas pessoas. Lamentavelmente, é de conhecimento público que as pessoas com alguma deficiência, são excluídas dos espaços públicos, das escolas, do mercado de trabalho, da convivência em sociedade etc. Além disso, uma verdadeira inclusão social da pessoa com deficiência e seu acesso a todos os recursos, possibilidades e oportunidades disponíveis em nossa sociedade para todos os cidadãos, depende de diferentes fatores e soluções que não estão sendo estudados e viabilizados com a amplitude, velocidade e profundidade necessárias (FILHO, 2003).
Durante muito tempo a deficiência foi vista como um problema individual. A partir de 1860, conforme afirma Montoan (apud RODRIGUES, 2008) essa visão começou a ser questionada e foi-se percebendo que a pessoa com necessidades especiais deveria interagir com o meio em que está inserida, sendo isso um pressuposto de uma sociedade inclusiva. Dessa maneira, uma sociedade para ser considerada inclusiva, deve acolher as diferenças e promover o acesso irrestrito de todos os seus cidadãos aos recursos disponíveis no meio social, tendo este indivíduo alguma deficiência ou não. Os indivíduos com alguma necessidade especial lutam antes de tudo por sua inclusão e por seus direitos, para isso foi necessário superar o modelo médico da inclusão, a forma assistencialista, passando para o modelo social que tem as políticas públicas de inserção de pessoas com alguma deficiência.
No Brasil, ainda caminhamos neste sentido, sendo um desafio a ser enfrentado. Desafio este que possibilite a população excluída o acesso a recursos para realizar o atendimento precoce, evitando-se assim a exclusão social, e ainda pela desvantagem que a deficiência provoca em algumas situações. No âmbito educacional, embora seja crescente uma tomada de consciência social que aponta para a irremediável necessidade da inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais no ensino regular, os números sugerem uma realidade bem diferente, evidenciando que a segregação, ou a exclusão, ainda são a tônica. Por exemplo, pesquisas mostram que 21,6% das pessoas com deficiência no Brasil nunca freqüentaram uma escola (FGV, 2003). Embora proliferem hoje documentos oficiais, orientações e dispositivos legais que determinam que nenhuma escola possa, diferentemente de alguns anos atrás, recusar a matrícula de um aluno com deficiência, são constantes as reclamações e críticas, encontradas também em literatura especializada e até na mídia, tanto de professores e dirigentes escolares que argumentam não estarem preparados para trabalhar com alunos com deficiência, quanto de pessoas com deficiência que reclamam por encontrarem com frequência escolas que ainda as excluem, de forma aberta ou implícita, por não disponibilizarem espaços acessíveis, recursos e metodologias que efetivamente respondam às especificidades de suas necessidades (SÁ, CAMPOS e SILVA, 2007).
Portanto, como lembra Sassaki (2004, p. 24):
a crescente consciência social e os dispositivos legais referentes à inclusão das pessoas com deficiência em nossa sociedade não têm sido acompanhados de soluções criativas e eficazes que dêem conta dos grandes problemas e obstáculos para a efetivação dessa inclusão, na imensa maioria dos casos. Ainda é percebida uma ampla carência de iniciativas e soluções que façam a ponte entre essa sociedade ainda excludente, mesmo com toda a nova consciência e suas leis, e as pessoas com deficiência, mesmo com sua maior visibilidade atual. Todas essas dificuldades, os preconceitos vivenciados e as exclusões sofridas, tornam urgente a construção de novas possibilidades e caminhos para a redução das desigualdades sociais. Os progressos da ciência, os novos estudos e descobertas, por outro lado, oferecem pistas e luzes para a busca de soluções.
Dessa maneira o presente trabalho tem o intuito de mostrar a realidade vivenciada pela comunidade escolar de uma escola pública especializada do Gama no Distrito Federal onde é desenvolvido um trabalho educacional junto a alunos com deficiências diversas desde 1995.
Considerações iniciais: Tecnologia Assistiva
Diante desse contexto e, conforme se pretende abordar e demonstrar no presente e em diferentes estudos, a Tecnologia Assistiva vem se tornando, crescentemente, um fundamental instrumento de nossa prática pedagógica e sua utilização um meio concreto de interação e inclusão social (LÉVY, 1999).


Nesse sentido, pode-se constatar que,
como destacou Vygotsky (1994), é sumamente relevante, para o desenvolvimento humano, o processo de apropriação, por parte do indivíduo, das experiências presentes em sua cultura. O autor enfatiza a importância da ação, da linguagem e dos processos interativos, na construção das estruturas mentais superiores. O acesso aos recursos oferecidos pela sociedade, pela cultura, escola, tecnologias, etc., influenciam determinantemente nos processos de aprendizagem e desenvolvimento da pessoa. Entretanto, as limitações do indivíduo com deficiência tendem a tornar-se uma barreira a estes processos. Desenvolver recursos de acessibilidade, a chamada Tecnologia Assistiva,
seria uma maneira concreta de neutralizar as barreiras causadas pela deficiência e inserir esse indivíduo nos ambientes ricos para a aprendizagem e desenvolvimento, proporcionados pela cultura. (FILHO e DAMASCENO, 2003, p. 31).

Dessa maneira, é de fundamental importância determinar exatamente o que é entendido neste estudo pela expressão "Tecnologia Assistiva". O seu conceito, e também sobre a sua classificação, disseminação e utilização no caso específico da referida escola. Contudo, na presente abordagem, fica evidenciada a opção por um foco na análise das respostas dos profissionais da instituição escolar dentre todos os atores que compõem a comunidade escolar, tanto por se tratarem, segundo os paradigmas educacionais atualmente vigentes e hegemônicos, dos protagonistas principais na determinação e gerenciamento das dinâmicas e práticas do cotidiano escolar, quanto pela ampliação excessiva do foco e das variáveis a serem consideradas, se fossem incluídos também os alunos como sujeitos principais na coleta de dados. O foco principal, portanto, esteve na percepção e palavras dos profissionais da instituição escolar investigada. Os dados obtidos revelam, portanto, suas experiências, anseios, percepções e preparo diante do uso de Tecnologias Assistivas por eles próprios e pelos alunos com deficiência visual. Neste sentido, o presente estudo foi estruturado em cinco capítulos, que constam a fundamentação teórica, que traz a temática da deficiência visual no contexto de educação inclusiva, assim como o conceito de tecnologia assistiva e sua importância para esse processo. No segundo capítulo constam os objetivos delineados, enquanto que no terceiro está estruturada a metodologia do presente estudo.
A apresentação e discussão dos resultados à luz da literatura compõem o capítulo quatro. Por fim, no capítulo cinco estão presentes as considerações finais.
I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

1.1 Tecnologias Assistivas - Conceitos e Histórico

Com muita frequência, pelo senso comum, a palavra tecnologia é associada imediatamente à idéia, quase que exclusiva, de equipamentos ou dispositivos materiais para a execução de atividades e tarefas, com a idéia de ferramentas ou produtos úteis. Por definição, o sentido da palavra tecnologia vai além disso. O dicionário Aurélio em sua versão online, por exemplo, define tecnologia como o "conjunto de conhecimentos, especialmente princípios científicos que se aplicam a um determinado ramo de atividade" (FERREIRA, 2010). Nesse mesmo sentido, o documento "Educação em Tecnologias de Apoio para Utilizadores Finais: Linhas de Orientação para Formadores" do Consórcio Europeu EUSTAT, detalha e exemplifica da seguinte forma em sua página na internet:
[...] o termo tecnologia não indica apenas objectos físicos, como dispositivos ou equipamento, mas antes se refere mais genericamente a produtos, contextos organizacionais ou "modos de agir" que encerram uma série de princípios e componentes técnicos. Uma "tecnologia de acesso a transportes públicos", por exemplo, não consiste apenas numa frota de veículos acessíveis (ex. autocarros com plataforma elevatória), mas engloba toda a organização dos transportes, incluindo controlo de tráfego, implantação das paragens, informações e procedimentos de emissão/validação de bilhetes, serviço de clientes, formação do pessoal, etc. Sem uma organização deste tipo, o simples veículo não ofereceria qualquer "transporte público". Em segundo lugar, o termo de apoio é aplicado a uma tecnologia, quando a mesma é utilizada para compensar uma limitação funcional, facilitar um modo de vida independente e ajudar os idosos e pessoas com deficiência a concretizarem todas as suas potencialidades. (EUSTAT, 1999).

Também com muita frequência a palavra tecnologia é percebida ou associada à idéia de algo frio, mecânico, sem emoção, distante de tudo o que é concebido como intrinsecamente humano, sensível, afastado do que está diretamente relacionado com os valores da humanidade, como a educação, por exemplo. Essa forma de perceber e recortar as realidades que nos cercam, que levou até a divisão do saber sistematizado em áreas opostas tais como as ciências humanas por um lado e as ciências exatas e tecnológicas por outro, nem sempre nos ajuda a entender o verdadeiro papel e lugar das tecnologias ao longo da história da humanidade, inclusive para a sua própria constituição, enquanto humanidade, enquanto raça humana.
Segundo assinala Lévy (1999), as tecnologias estão presentes em cada uma das pegadas que o ser humano deixou sobre a terra, ao longo de toda a sua história. Desde um simples pedaço de pau que tenha servido de apoio, de bengala, para um homem no tempo das cavernas, por exemplo, até as modernas próteses de fibra de carbono que permitem, hoje, que um atleta com amputação de ambas as pernas possa competir em uma Olimpíada, disputando corridas com outros atletas sem nenhuma deficiência. Passando por todos os outros tipos e modelos possíveis e imagináveis de bengalas, muletas e próteses, que surgiram ao longo de toda essa história. O fogo que cozinhou os primeiros animais caçados pelo homem e que o aqueceu, é o mesmo fogo que, ao longo da história, foi sendo utilizado para diversas outras tarefas, até chegar hoje a mover um motor de combustão interna ou uma usina de geração de energia. Tudo isso é tecnologia. E tudo isso esteve sempre muito próximo do ser humano e de suas necessidades (LÉVY, 1999).
A história da humanidade sempre foi fortemente permeada não somente pelas relações entre os seres humanos e pelas suas representações culturais, como também pelas técnicas, conhecimentos e recursos materiais que os viabilizaram, ou que foram produzidos por essas relações e representações. Percebendo a relação indissociável, nas atividades humanas, entre a técnica, cultura e sociedade, Lévy (1999, p. 22) considera que "é impossível separar o humano do seu ambiente material, assim como dos signos e das imagens por meio dos quais ele atribui sentido à vida e ao mundo". Para o mesmo autor:
"não somente as técnicas são imaginadas, fabricadas e reinterpretadas durante seu uso pelos homens, como também é o próprio uso intensivo de ferramentas que constitui a humanidade enquanto tal (junto com a linguagem e as instituições sociais complexas)" (LÉVY, 1999, p. 21).

Não seria a tecnologia como que um "ente independente" que atuaria, que agiria, como algo externo, sobre as culturas e as relações entre os seres humanos, as sociedades. Assim, o que existe são relações "entre um grande número de atores humanos que inventam, produzem, utilizam e interpretam de diferentes formas, as técnicas" (LÉVY, 1999, p. 23).
Neste contexto, ressalta-se a importância das tecnologias assistivas, que segundo o comitê de ajudas técnicas,Cordel/SEDH/PR,2007,p.11:
é uma área do conhecimento, de característica interdisciplinar, que engloba produtos, recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços ou objetivam promover a funcionalidade, relacionada à atividade e participação, de pessoas com deficiências, incapacidades ou mobilidade realizadas visando sua autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social.

O conceito de Tecnologia Assistiva (TA) vem sendo atualizado e reformulado nos últimos anos devido a sua grande abrangência e importância, pois isto vem ajudar a garantir à pessoa com deficiência sua inclusão. Neste caminho a Tecnologia Assistiva é uma nova expressão que se refere a um conceito ainda em pleno processo de construção e sistematização. O uso da TA como recurso, remonta aos primórdios da humanidade, ainda pré-histórica.
Os recursos de Tecnologia Assistiva estão muito próximos do nosso dia-a-dia. Ora eles nos causam impacto devido à tecnologia que apresentam, ora passam quase despercebidos. Para exemplificar, podemos chamar de Tecnologia Assistiva uma bengala, utilizada por nossos avós para proporcionar conforto e segurança no momento de caminhar, bem como um aparelho de amplificação utilizada por uma pessoa com surdez moderada ou mesmo um veículo adaptado para uma pessoa com deficiência (MANZINI, 2005, p. 82).

Ainda segundo Lévy (1999), o termo Assistive Tecnology no Brasil surge como Tecnologia Assistiva e foi criado em 1988 como elemento jurídico dentro da legislação norte americana conhecido como public Law 100-407, conjuntamente com outras leis. Este conjunto de leis regula os direitos dos cidadãos com deficiência nos Estados Unidos da América. No Brasil, o comitê de ajudas técnicas - CAT- instituído pela portaria número 142 de 16 de novembro de 2006, propõe o seguinte conceito para Tecnologia Assistiva:

?Tecnologia Assistiva é uma área de conhecimento, de característica interdisciplinar, que engloba produtos, recursos, metodologias, estratégias, práticas, e serviços que objetivam promover a funcionalidade, relacionada à atividade e participação de pessoas com deficiências, incapacidades ou mobilidades reduzidas, visando sua autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social (p.12).

Como sendo um termo muito novo, a TA é utilizada para identificar todo arsenal de recursos e serviços que contribuem para proporcionar ou ampliar habilidades funcionais de pessoas com deficiência e conseqüentemente promover vida independente. No Brasil, as expressões ??Tecnologia Assistiva", "Ajudas Técnicas" e ??Tecnologia de Apoio" são utilizadas como sinônimos (Lévy, 1999).
Segundo a Legislação Brasileira, é utilizada a expressão "Ajudas Técnicas" no decreto 3.298 de 1999 e no decreto 5.296 de 2004, os quais regulamentam as leis números 10.048 de 8 de novembro de 2000 e 10.098 de 19 de dezembro de 2000.
O Ministério da Educação do Brasil lançou o "Portal de Ajudas Técnicas" e nele são apresentados vários e interessantes materiais voltados à educação de alunos com deficiência, na área de material pedagógico adaptado I e II, DA, Comunicação Alternativa e Recursos de Acessibilidade ao computador.
Já em 2006, a Secretaria de Educação Especial do Ministério da Educação e Cultura publica o documento Sala de Recursos Multifuncionais: Espaço de Atendimento Educacional Especializado onde afirma que: ?Tecnologia Assistiva é um termo remanescente inserido na cultura educacional brasileira? (MANZINI, 2005, p. 35).
A Tecnologia Assistiva tem como objetivo proporcionar à pessoa com deficiência maior independência, qualidade de vida e inclusão social, por meio da ampliação de sua comunicação, mobilidade, controle de seu ambiente, habilidade de seu aprendizado, trabalho e integração com a família, amigos e sociedade.
Segundo Bersch e Tonolli (2010) a Tecnologia Assistiva se apresenta em categorias, sua classificação faz parte das diretrizes gerais da Americans With Disabilities Act (ADA), porém não é definitiva e pode variar segundo alguns autores. Destaca-se a importância que esta organização confere ao universo de recursos, que até ai, vinham sendo confundidos com equipamentos da área médica/hospitalar, bem como outros não reconhecidos como ajudas da vida diária.
A importância desta classificação está no fato de organizar a utilização, prescrição, estudo e pesquisa destes materiais e serviços, além de oferecer ao mercado focos específicos de trabalho e especialização. Esta encontra-se especificada a seguir de acordo com Bersch e Tonolli (2010, p.2).
Desta forma, têm-se:
1. Auxílios para a vida diária - Materiais e produtos para auxílio em tarefas rotineiras tais como comer, cozinhar, vestir-se, tomar banho e executar necessidades pessoais, manutenção da casa etc;
2. Comunicação Aumentativa (suplementar) e Alternativa (CAA/CSA) - Recursos, eletrônicos ou não, que permitem a comunicação expressiva e receptiva das pessoas sem a fala ou com limitações da mesma. São muito utilizadas as pranchas de comunicação além de vocalizadores e softwares dedicados para este fim;
3. Recursos de acessibilidade ao computador - Equipamentos de entrada e saída (síntese de voz, Braille), auxílios alternativos de acesso (ponteiras de cabeça, de luz), teclados modificados ou alternativos, acionadores, softwares especiais (de reconhecimento de voz, etc), que permitem às pessoas com deficiência a utilização do computador;
4. Sistemas de controle de ambiente - Sistemas eletrônicos que permitem as pessoas com limitações locomotoras, controlar aparelhos eletro-eletrônicos, sistemas de segurança, entre outros, localizados em seu quarto, sala, escritório, casa e arredores;
5. Projetos arquitetônicos para acessibilidade - Adaptações estruturais e reformas na casa e/ou ambiente de trabalho, por meio de rampas, elevadores, adaptações em banheiros entre outras, que retiram ou reduzem as barreiras físicas, facilitando a locomoção da pessoa com deficiência.
6. Órteses e próteses - Troca ou ajuste de partes do corpo, faltantes ou de funcionamento comprometido, por membros artificiais ou outros recursos ortopédicos (talas, apoios etc). Incluem-se os protéticos para auxiliar nos déficits ou limitações cognitivas, como os gravadores de fita magnética ou digital que funcionam como lembretes instantâneos;
7. Adequação Postural - Adaptações para cadeira de rodas ou outro sistema de sentar, visando o conforto e distribuição adequada da pressão na superfície da pele (almofadas especiais, assentos e encostos anatômicos), bem como posicionadores e contentores que propiciam maior estabilidade e postura adequada do corpo por meio do suporte e posicionamento de tronco/cabeça/membros;
8. Auxílios de mobilidade - Cadeiras de rodas manuais e motorizadas, bases móveis, andadores, scooters de 3 rodas e qualquer outro veículo utilizado na melhoria da mobilidade pessoal;
9. Auxílios para cegos ou com visão subnormal - Auxílios para grupos específicos que incluem lupas e lentes, Braille para equipamentos com síntese de voz, grandes telas de impressão, sistema de TV com aumento para leitura de documentos, publicações etc;
10. Auxílios para surdos ou pessoas com déficit auditivo - Auxílios que incluem vários equipamentos (infravermelho, FM, aparelhos para surdez, telefones com teclado - teletipo (TTY), sistemas com alerta táctil-visual, entre outros;
11. Adaptações em veículos - Acessórios e adaptações que possibilitam a condução do veículo, elevadores para cadeiras de rodas, camionetas modificadas e outros veículos automotores usados no transporte pessoal.
1.2 Tecnologia Assistiva e Educação
Os desafios dessa nova sociedade conhecida como Sociedade do Conhecimento e que está permeada por novas possibilidades e exigências referentes às realidades no mundo de hoje estão diretamente ligadas às implicações dessa nova realidade nas relações dos seres humanos entre si, e também nas suas relações com os conhecimentos, saberes e informações. Com isso, é imprescindível analisar estas novas relações da humanidade com seus próprios processos de aprendizagem, no interior desses recém surgidos contextos e ambientes. Dessa maneira, existem atualmente novos recursos e ambientes de interação e aprendizado, possibilitados pelas tecnologias assistivas, surgem como fatores estruturantes de diferentes alternativas e concepções pedagógicas.
De acordo com Filho (2010), no campo educacional, a Tecnologia Assistiva vem se tornando cada vez mais, uma ponte para abertura de um novo horizonte nos processos de aprendizagens e desenvolvimento de alunos com deficiências até bastantes severas.
A aplicação da Tecnologia Assistiva na educação vai além de simplesmente auxiliar o aluno a ?fazer? tarefas pretendidas. Nela, encontramos meios de o aluno ?ser? e atuar de forma construtiva no seu processo de desenvolvimento (BERSCH e TONOLLI, 2010, p. 92).

A importância da Tecnologia Assistiva na educação já é uma realidade em relação a qualquer tipo de aluno, muito mais ainda em se tratando de alunos com deficiência visual. Desse modo, a abrangência da TA não se restringe somente a recursos em sala de aula, mas estende-se a todos os ambientes da escola, propiciando acesso e a participação de todos os alunos e durante o tempo todo. O professor e toda equipe da escola têm responsabilidade com a construção de um ambiente acessível e inclusivo, eliminando as barreiras arquitetônicas e atitudinais.
Os alunos com deficiência que estão matriculados na rede pública de educação devem ter do Estado os recursos de TA favoráveis à sua participação no processo de aprendizado. A Tecnologia Assistiva está chegando à escola por meio de ações propostas pela Secretaria de Educação especial do MEC ou por projetos desenvolvidos diretamente nos municípios. As secretarias de educação nas cidades, realizando o levantamento das necessidades reais dos alunos, encaminham ao MEC ou a outras fontes de financiamento da Educação (municipais e estaduais) seus projetos, para obtenção de recursos necessários à implementação da TA nas escolas (FILHO, 2003).
Vivenciamos hoje várias ações do MEC o qual está concedendo materiais específicos para alunos com Necessidades Especiais, desde os livros adaptados para baixa visão ou em Braille, também computadores com leitores de tela, teclados, mouses especiais, entre outros.
Ainda de acordo com Filho (2003), outra importante iniciativa foi a implementação das Salas de Recursos multifuncionais que são hoje o espaço onde atua o professor especializado e ali se organiza o serviço de atendimento Educacional Especializado e de Tecnologia Assistiva. Este professor, entre outras funções, produz o material escolar específico e pedagógico adaptado às condições especiais do aluno com deficiência; pesquisa suas necessidades funcionais no contexto da escola e sala comum e encaminha aos gestores as necessidades de aquisição dos recursos.
A Tecnologia Assistiva é em seu conceito um recurso facilitador, mais precisamente um instrumento de promoção da inclusão, pois a sua falta pode comprometer o desempenho dos alunos com deficiência. Ainda, estes instrumentos podem contribuir substancialmente e ajudar na superação e realização de atividades dentro da rotina escolar dos alunos. Nesta perspectiva, a implementação de uma política de utilização de Tecnologia Assistiva é, para a escola, um desafio permanente, uma vez que assegurar oportunidades iguais para todos os alunos é um dever do estado e um desafio para a comunidade escolar e para toda a sociedade.

1.3 Inclusão e o paradigma educacional vigente

A percepção e a consciência acerca da necessidade da construção de uma educação e de uma escola inclusiva têm sua origem em um movimento internacional de caráter político, social, cultural e pedagógico (BRASIL, 2008), baseado em princípios de justiça social, de igualdade, de busca da equiparação de oportunidades e inclusão social de todas as pessoas. Conforme Pacheco (2007, p. 15) "o princípio no qual a educação inclusiva baseia-se foi considerado pela primeira vez como lei na Dinamarca, em 1969, e nos Estados Unidos, em 1975. [...] e obteve ímpeto na Europa nos anos de 1990".
Para Bonilla (2005, p. 62):
É necessário pensar a ?inclusão? como um conceito mais abrangente, que implique que o incluído é capaz de participar, questionar, produzir, decidir, transformar, é parte integrante da dinâmica social em todas as suas instâncias.

Segundo Filho (2003), essa concepção do conceito de inclusão, a partir da qual deveria ser entendido e trabalhado tudo o que se refere à educação inclusiva, caminha na mesma direção da nova dinâmica percebida na sociedade atual, na sociedade do conhecimento, acerca da relação do ser humano com as informações e os saberes, ou seja, a necessidade da valorização e potencialização da autonomia e do pensamento crítico, da diversidade de capacidades, das diferenças entendidas como uma riqueza e não como obstáculo para o crescimento coletivo, o desenvolvimento cooperativo e em rede conjugado com a formação de um indivíduo independente, singular, criador, e sujeito de seus próprios processos. Inclusão social e escolar, portanto, devem ser entendidas nesse mesmo sentido.

Para Rodrigues (2008, p. 34), a Educação Inclusiva deve ser entendida como:
[...] uma reforma educacional que promove a educação conjunta de todos os alunos, independentemente das suas características individuais ou estatuto sócio-econômico, removendo barreiras à aprendizagem e valorizando as suas diferenças para promover uma melhor aprendizagem de todos.

Essa concepção tradicional de educação gerou uma determinada forma de organização do atendimento educacional especializado, a conhecida Educação Especial segregada, como um atendimento "substitutivo ao ensino comum, evidenciando diferentes compreensões, terminologias e modalidades que levaram a criação de instituições especializadas, escolas especiais e classes especiais" (BRASIL, 2008).
Conforme Mantoan (2005, p. 192), "o direito à diferença nas escolas desconstrói, portanto o sistema atual de significação escolar excludente, normativo, elitista com suas medidas e mecanismos de produção da identidade e da diferença". Infelizmente, o ritmo dessa percepção progressiva ainda é lento, e o paradigma educacional tradicional, rígido e padronizante, ainda é o modelo hegemônico na sociedade brasileira.
Essa escola tradicional continua baseando suas práticas na uniformidade, a encarar as diferenças como algo "anormal" que deve ser "tratado separadamente", a iludir-se pela falsa crença de uma suposta homogeneidade dos seus alunos. "As escolas alimentam a falsa idéia de que podem organizar turmas homogêneas [...] Temos de entender que as turmas escolares são e sempre serão desiguais, queiramos ou não" (MANTOAN, 2005, p. 48).
Por isso, como faz notar Rodrigues (2008, p. 40),
O desenvolvimento da Educação Inclusiva depende, em grande parte, do desenvolvimento do sistema educativo no seu conjunto. É muito difícil desenvolver um sistema que, coerentemente, opte pela Educação Inclusiva sem fazer uma aposta decisiva no desenvolvimento da escola regular. [...] A Educação Inclusiva, enquanto reforma educacional, só poderá florescer em sistemas educativos capazes de aceitar uma mudança nos seus hábitos e paradigmas.

Ao longo da história brasileira, e de acordo com o pensamento de Filho (2003), a educação da pessoa com deficiência foi sendo organizada sempre em função das diferentes concepções sobre a problemática da deficiência que a sociedade ia assumindo através dos tempos. Além, também, da influência particular dos movimentos internacionais e das organizações de e para pessoas com deficiência. Segundo o mesmo autor:
a inclusão escolar em um país como o Brasil, marcado pelas desigualdades sociais, significa buscar parcerias, ações conjuntas e solidárias entre o público e o privado, entre o social e o individual, a escola e a família, a sociedade civil e o estado (p. 34).

Para que essa inclusão aconteça de fato é necessário rever a forma como a educação está sendo conduzida na escola, ou seja, é preciso abrir espaço para uma prática pedagógica realmente inclusiva, que considere todos os alunos como especiais, únicos, singulares.
Numa perspectiva de educação inclusiva, é totalmente modificada a antiga concepção de Educação Especial como um sistema paralelo ao ensino regular, e, a partir de novos parâmetros, passa-se a conceber a Educação Especial como:
Uma modalidade de ensino que perpassa todos os níveis, etapas e modalidades, realiza o atendimento educacional especializado, disponibiliza os recursos e serviços e orienta quanto a sua utilização no processo de ensino e aprendizagem nas turmas comuns do ensino regular [...] A educação especial direciona suas ações para o atendimento às especificidades desses alunos no processo educacional e, no âmbito de uma atuação mais ampla na escola, orienta a organização de redes de apoio, a formação continuada, a identificação de recursos, serviços e o desenvolvimento de práticas colaborativas (BRASIL, 2008).

Nesse sentido, a transformação da escola é, inegavelmente, uma exigência do nosso tempo, uma exigência das novas dinâmicas e relações sociais presentes nos dias de hoje, e a inclusão situa-se, nesse contexto, tanto como causa, quanto como conseqüência dessas mudanças.
Filho (2003, p. 30) assinala que:
a construção dessa nova escola, portanto, aberta e atenta ao aprendizado de todos os alunos e baseada numa dinâmica que privilegia a participação, a cooperação, a valorização das diferenças, o espírito crítico, a criatividade, a autoria, de todos os seus atores, responderá de forma efetiva às exigências de uma formação que prepare os alunos para a cidadania, segundo as necessidades e possibilidades encontradas no mundo de hoje.

Porém, para caminhar rumo a essa construção, a escola deve enfrentar também os desafios para a desconstrução das estruturas, práticas e convicções tradicionais cristalizadas.
Neste sentido, a escola, segundo Mantoan (2005, p. 51):
não terá condições de efetivamente proporcionar o aprendizado de todos os alunos, levando em consideração e valorizando as diferenças, enquanto persistir, em propor trabalhos coletivos, que nada mais são do que atividades individuais realizadas ao mesmo tempo pela turma; ensinar com ênfase nos conteúdos programáticos; adotar o livro didático como ferramenta exclusiva de orientação dos programas de ensino; servir-se da folha mimeografada ou xerocada para que todos os alunos as preencham ao mesmo tempo, respondendo às mesmas perguntas com as mesmas respostas.

Como se pode perceber, as transformações implicam em mudanças profundas na noção tradicional do currículo, que, diferentemente de antes, deve agora refletir o meio sócio-cultural em que está inserido o aluno, perpassando de forma interdisciplinar e transversal as diferentes realidades nas quais o aluno está inserido.
1.4 Deficiência visual
Uma das primeiras condições para que o aluno desenvolva suas habilidades é saber qual seu diagnóstico correto para tentar melhor fazer a adequação de seu atendimento. Nas escolas, podemos encontrar alunos com deficiência visual, classificados, de acordo com (SÁ, CAMPOS e SILVA, 2007) em dois aspectos:
- Cegueira total e baixa visão.
Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (2002), baixa visão é a alteração da capacidade funcional da visão, decorrente de inúmeros fatores isolados ou associados tais como: baixa acuidade visual significativa, redução importante do campo visual, alterações corticais e/ou de sensibilidade aos contrastes que interferem ou limitam o desempenho visual do indivíduo. Possui resíduo visual, percebe luzes, cores, vultos, consegue identificar e discriminar e apresenta dificuldades relacionadas com profundidade, movimentos detalhes distintos em formas e dentro de figuras, grafias e outros aspectos dentro de um vasto campo. A Perda da função visual pode ser em nível severo, moderado ou leve, podendo ser influenciada também por fatores ambientais inadequados.
Ainda segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (2002), a cegueira é a perda total da visão até a ausência de projeção de luz. Do ponto de vista educacional, deve-se evitar o conceito de cegueira legal (acuidade visual igual ou menor que 20/200 ou campo visual inferior a 20° no menor olho), utiliza apenas para fins sociais, pois não revelam o potencial visual útil para execução de tarefas. A cegueira é uma alteração grave ou total de uma ou mais funções elementares da visão que afetará de modo irremediável a capacidade de perceber cores, tamanhos, distância, forma, posição ou movimento em um campo mais ou menos abrangente.
A deficiência visual refere-se a uma situação irreversível de diminuição da resposta visual, em razão de causas congênitas ou hereditárias, mesmo após tratamento clínico e/ou cirúrgico e uso de óculos convencionais. A diminuição da resposta visual pode ser leve, moderada, severa, profunda (que compõem o grupo com baixa visão) e ausência total da resposta visual ? cegueira (BRASIL, 2008).

De acordo com Rodrigues (2008), do ponto de vista educacional são considerados os seguintes aspectos:
? O trabalho educacional com alunos que tenham baixa visão baseia-se no princípio de estimular a utilização plena do seu potencial de visão e dos sentidos remanescentes, bem como na superação de dificuldades e conflitos emocionais. Para que o aluno com baixa visão desenvolva a capacidade de enxergar, professor deve despertar o seu interesse em utilizar a visão potencial, desenvolver a deficiência visual, estabelecer o conceito de permanência do objeto, e facilitar a exploração dirigida e organizada;
? Pessoas com baixa visão ou visão subnormal desenvolverão seu processo educativo por meios residuais de visão, utilizando recursos específicos. A baixa visão ou visão subnormal não é fator limitante para seu desenvolvimento cognitivo;
? Pessoas cegas desenvolverão sua aprendizagem por meio dos sentidos remanescentes (tato, audição, olfato, paladar), utilizando o sistema Braille como principal meio de comunicação.
De acordo com Sá, Campos e Silva (2007), pedagogicamente, delimita-se como cego o aluno que necessita do método Braille para ler, e como portador de visão subnormal aquele que consegue ler tipos de impressos ampliados ou com auxílio de recursos ópticos. Sá, Campos e Silva (2007, p.14) ainda afirmam que "esses alunos devem ser tratados como qualquer outro educando no que se refere aos direitos, deveres, normas, regulamentos, combinados disciplina e demais aspectos da vida escolar".
Além do tratamento digno e adequado, os alunos com deficiência visual necessitam de recursos que viabilizem e otimizem sua aprendizagem. A escolha e a adaptação desses recursos dependem de cada caso e devem ser definidos de acordo com fatores, como: faixa etária, necessidades específicas e individuais, preferências, interesses e habilidades. Alguns desses recursos encontram-se especificados a seguir:
Auxílios não ópticos ? são instrumentos e aparelhos que ajudam o desempenho visual através do ajuste da imagem.








Figura 1: Exemplos de Auxílios não ópticos/Fonte:www.fcm.unicamp.br

Auxílios ópticos: são lentes ou combinações das mesmas. Exemplos:
- Lupas de mão: geralmente é o primeiro auxílio óptico que as pessoas adquirem independentemente da prescrição médica, pois é de fácil aquisição nas óticas e supermercados. Adequadamente selecionadas, podem ser bastante úteis.

Figura 2: Lupas de mão/.Fonte:WWW.optomed.com.br

- Lupas com apoio: são lupas que têm uma base que se apóia no texto, mantendo o foco permanentemente. Alguns modelos podem acoplar iluminação. Necessitam sempre de uma base de apoio para leitura, e algumas podem aumentar a imagem em até 12 vezes.









Figura 3: lupa de apoio./Fonte:www.optomed.com.br

- Telescópios: geralmente são utilizados para visão à distância, como leitura de placas, semáforos, letreiro de ônibus e principalmente cópia em lousa para crianças.

Figura 4: telescópios./Fonte:optomed.com.br

- Circuito Fechado de televisão (CCTV): aparelho acoplado a um monitor de TV monocromático ou colorido que amplia até 60 vezes as imagens e as transfere para o monitor.

Figura 5: CCTV/Fonte:WWW.optomed.com.br

Sobre o processo de aprendizagem do aluno com deficiência visual, Sá, Campos e Silva (2007,p.13) ressaltam que este chega à escola com uma restrita experiência de estímulos oferecidos dependendo do contexto social que vive, o que pode gerar atraso no seu desenvolvimento global. A visão tem sua importância identificada nos conhecimentos cotidianos levando em conta a aprendizagem dos estímulos que o mundo oferece necessitando do seu uso.
Suas descobertas e construções mentais irão depender da forma pela qual ele é estimulado, levando-o a conhecer o mundo que o cerca por meio dos outros sentidos. Assim, a capacidade de adaptação do indivíduo com deficiência visual ao meio está diretamente relacionada à qualidade das interações com o mundo, de forma concreta de transmitir informações, sentimentos e emoções a este indivíduo. Por meio de nossos sentidos construímos a idéia de mundo que temos, ajudando assim no desenvolvimento de nossa linguagem visual percebendo cores, formas, tamanhos, texturas e etc. Os indivíduos que enxergam incorporam hábitos muito cedo por meio de estímulos vindo do meio que está inserido, já o indivíduo não vidente ou cego, vai ter uma demora para entrar neste universo e a educação tem de fazer-se mais forte e cumprir com seu papel de abrir, quebrar barreiras facilitando o conhecimento e minimizando as dificuldades (SÁ, CAMPOS e SILVA (2007,p.15).
Sá, Campos e Silva (2007) ressaltam ainda que para que a pessoa com deficiência visual aprenda se faz necessária uma série de pré-requisitos, sendo essa aprendizagem um processo baseado na percepção do conhecimento por meio de estímulos que possibilitem seu desenvolvimento motor, cognitivo e afetivo e isto só pode ser feito com materiais de apoio adequado.
Dessa maneira, Kelman et al (2010, p.14) afirma que a utilização das chamadas tecnologias assistivas tem proporcionado maior independência e autonomia para pessoas cegas e com baixa visão. A variedade, a adequação e a qualidade dos recursos disponíveis possibilitam o acesso ao conhecimento, à aprendizagem significativa e à comunicação. Toda a variedade de materiais adaptados e recursos que se usa com o objetivo de melhorar a aprendizagem do aluno com deficiência visual, tanto no campo cognitivo como global em si podemos chamar de Tecnologia Assistiva, pois com esses recursos estaremos desenvolvendo habilidades que propiciarão a este aluno sua independência na realização de determinadas atividades em sala de aula e em todo ambiente escolar propiciando sua inclusão neste meio.
O espaço escolar representa concretamente um dos cenários de construção e de mudanças e deve ser compreendido em sua complexidade e em suas possibilidades relacionadas a cada sujeito e à sociedade (KELMAN et al, p.155).


Portanto, a estimulação visual baseia-se na escolha adequada do material, que deve ter cores fortes ou contrastantes que melhor se adaptem à limitação visual de cada aluno e significado tátil. Recursos tecnológicos, equipamentos e jogos pedagógicos contribuem para que as situações de aprendizagem sejam agradáveis e motivadoras em um ambiente de cooperação e reconhecimento das diferenças. Com bom senso e criatividade, é possível selecionar, confeccionar ou adaptar recursos abrangentes ou de uso específico.
corrigido

II ? OBJETIVOS

2.1 Geral
Investigar a importância das Tecnologias Assistivas para alunos com deficiência visual.
2.2 Específicos
Esse objetivo geral, portanto, remeteu a diferentes outros objetivos mais particulares, que configuraram os objetivos específicos do estudo, formulados da seguinte forma:
? Apresentar o conceito histórico da TA, contextualizando-as na área educacional;
? Apresentar os conceitos da educação inclusiva e seus principais pressupostos;
? Identificar o conceito e os tipos de deficiência visual, apontado alguns tipos de TA necessários para sua escolarização;
?Investigar se os profissionais utilizam a TA e tem conhecimento da mesma como recurso de suporte para inclusão de alunos com deficiência visual.










III- METODOLOGIA

3.1- Fundamentação Teórica da Metodologia

Para o desenvolvimento deste estudo, optou-se por uma abordagem quantitativa descritiva de pesquisa, no intuito de colher dados investigando os mais diferentes aspectos que envolvem e influenciam o processo de apropriação da Tecnologia Assistiva pela escola pública estudada. Em função dos objetivos desta pesquisa, deduz-se que a abordagem quantitativa é a mais adequada ao que este estudo se propôs, por ser, nas palavras de Serapione:
Se o objeto de estudo está bem definido, já que outras pesquisas têm acumulado um corpo suficiente de conhecimentos sobre o tema, trata-se então de verificar somente se este corpo de conhecimentos vale em outras situações, ainda não exploradas empiricamente. Neste caso podem-se utilizar métodos de pesquisa quantitativa como um questionário estruturado ou uma sondagem.( SERAPIONE, 2000,p.2).

Foi realizada uma pesquisa bibliográfica e pesquisa de campo no intuito de atingir os objetivos delimitados para o presente estudo.Utilizou-se o excel para fazer as tabulações dos dados.

O pesquisador procura revelar a multiplicidade de dimensões presentes numa determinada situação ou problema, focalizando-o como um todo. Esse tipo de abordagem enfatiza a complexidade natural das situações, evidenciando a inter-relação dos seus componentes. (LUDKE e ANDRÉ, 1986, p.19).

3.2- Contexto da Pesquisa

Caracterização da Escola
A escola em questão tem em seu corpo de professores 154 profissionais, divididos em professores de atividades e de área específica distribuídos nos vários atendimentos da escola. A maioria dos profissionais tem formação superior, possuindo, em sua grande maioria, o curso de pedagogia. Em sua estrutura física possui 56 salas de aulas distribuídas em duas alas. Possui um auditório, um parque, um refeitório, um parque, uma quadra de esporte, uma piscina e uma área verde onde funciona a horta.
A escola faz atendimentos em:
- Programa de educação precoce;
- Oficinas Pedagógicas (sócio-profissionalizante e serviço de orientação para o trabalho - SOT);
- Laboratório de Informática Educativa (LIED);
- Práticas de Educação Ambiental (PEA);
- Programa Atendimento Pedagógico Especializado, dividido em: deficiência intelectual (DI), deficiências múltiplas (DMU), transtorno geral do desenvolvimento (TGD), divididos em três etapas com a utilização do currículo funcional.
A escola atende alunos de idades cronológicas que vão desde 0 até 50 anos de idade, com síndromes e comprometimentos diferentes. Foram selecionados 30 professores num universo de 154 lotados na escola para entrevista. A escola possui 444 alunos divididos em dois turnos: matutino e vespertino. A escola ainda possui o atendimento a alunos de escolas inclusivas com o total de 300 alunos ? Atendimento Educacional Especializado Complementar (AEEC). A escola está localizada em um setor nobre da cidade, bem centralizado o que possibilita o acesso dos alunos e funcionários da escola, pois muitos deles são oriundos da periferia e de cidades do entorno sul do Distrito Federal.
A escola conta ainda com 5 monitores que auxiliam os professores na área das atividades da vida diária, uma equipe pedagógica formada por uma pedagoga, uma psicóloga e uma orientadora educacional. Neste sentido, a escola demonstra, por sua própria constituição pedagógica, um diferencial muito grande em relação à clientela que atende. Devido a essas especificidades é que o uso de material alternativo se faz necessário, pois em muitos casos fica inviável a aprendizagem do aluno sem um trabalho mais específico, individualizado e diferenciado pelo professor.
Com o aumento de alunos que apresentam deficiência visual e outra associada, foram formadas duas turmas específicas com alunos com deficiência visual.
Enfim, paralelamente a todos esses atendimentos e possibilidades oferecidos escola investigada, enormes desafios, obstáculos e demandas para a inclusão social de pessoas com necessidades educacionais especiais foram percebidos ao longo desse tempo.

3.3 - Participantes

Participaram desta pesquisa 30 professores da escola em questão, sendo que somente 17 participaram efetivamente da coleta de dados através da entrega dos questionários.


3.4 - Instrumentos de Construção de Dados
O instrumento principal de coleta de dados desta pesquisa foi o questionário. Como o objetivo principal da investigação foi estudar e discutir como a escola pública especializada em ensino especial está percebendo e vivenciando o processo de apropriação da Tecnologia Assistiva necessária para a inclusão de alunos com deficiência em suas salas de aula, dando relevância à percepção de alunos com deficiência visual. Os questionários foram aplicados para os principais responsáveis, na escola, por esse processo, foi utilizado um questionários contendo 8 perguntas, sendo todas fechadas, sendo 30 questionários entregues e 17 recebidos.
Os questionários aplicados aos participantes da escola, por esse processo, que são:
? Os responsáveis pelo Programa de Atendimento Especializado onde estudam os 4 alunos DV mencionados;
? Foram 17 profissionais da escola.
3.6- Procedimentos de Construção de Dados
Para a seleção do professor que seria entrevistado o critério utilizado foi, primeiramente, a condição de que fosse um professor que tivesse alunos com deficiência visual freqüentando as suas salas de aula. E, além destes, foi solicitado ao coordenador pedagógico da escola, que indicasse, a seu critério, professores que pudessem fornecer informações mais detalhadas sobre esse processo de apropriação da Tecnologia Assistiva vivenciado pela escola. Todos os professores entrevistados possuíam o Ensino Superior completo, e, no seu conjunto, tinham uma boa experiência com as séries iniciais do ensino fundamental e ensino especial.
Desse modo, optou-se pela realização de um questionário, partindo de um roteiro básico de questões a serem abordadas (ver Apêndice), que permitisse uma compreensão das necessidades e também dos desejos e motivações dos próprios profissionais entrevistados.

3.7- Procedimentos de Análise de Dados
A partir dos dados coletados, portanto, pode-se detectar e determinar os eixos ou categorias, que melhor conduzissem e contribuíssem para a análise e discussão dos mesmos. As características dos dados levantados levaram-me a apresentar essa análise e discussão a partir de dois eixos principais ou categorias:
a) Apropriação da Tecnologia Assistiva pelos professores da escola estudada;
b) Necessidade do uso da TA pelos alunos com deficiência visual no contexto educacional.




IV- RESULTADOS E DISCUSSÃO

De uma maneira geral, no estudo sobre as apropriações efetivas ocorridas em Tecnologias Assistivas, a realidade encontrada na escola investigada foi ainda de um processo incipiente e deficitário, se comparada com as reais necessidades dos alunos atendidos e com as possibilidades de recursos disponíveis no mercado, além daquelas passíveis de serem desenvolvidas pela própria escola.
Apesar do fato de que sete (7) dos dezessete professores entrevistados declarem-se preparados para o trabalho com alunos com deficiência visual, o desconhecimento sobre essas possibilidades concretas de recursos de TA, parece ser ainda bastante acentuado.
As dificuldades para a seleção, aquisição ou construção de recursos de TA, decorrentes da falta de formação e informação, do desconhecimento, desses profissionais em relação às possibilidades existentes e pesquisadas na atualidade, até certo ponto não são tão expressivas. Observou-se um desconhecimento básico com relação a valores, a materiais e onde podem ser adquiridos ou até mesmo adaptados.
Este desconhecimento parece ser maior do que as dificuldades decorrentes da falta de subsídio financeiro para aquisição ou construção de soluções tecnológicas. Diferentes materiais e programas oficiais de formação, subsídio e financiamento, relativos a esses recursos de TA são ainda totalmente desconhecidos por muito dos professores entrevistados.
Ainda que possibilidades estruturadas de políticas públicas sejam poucas e insuficientes em relação às necessidades dos alunos com deficiência visual atendidos no sistema público de ensino, mesmo essas existentes continuam pouco conhecidas na escola estudada.
Entretanto, ainda que, em muitos casos, tenham sido disponibilizados por meio de medidas isoladas e individuais de alguns profissionais ou familiares dos alunos, ou mesmo por iniciativas isoladas, diferentes recursos de TA já se encontram em uso efetivo nessa escola. Diante desta realidade, os seguintes resultados foram obtidos:
QUESTÃO 1- Quando você teve contato com um aluno deficiente visual, você se sentiu preparado para atendê-lo?

TABELA 1 - Contato com o deficiente visual e sua preparação.

Variável Quantidade Porcentagem
Sim 7 41%
Não 10 59%
Fonte: Pesquisa de Campo

GRÁFICO 1 - Contato com o deficiente visual e sua preparação


Fonte: Pesquisa de Campo
Observa-se que 10 respondentes afirmam não terem se sentido preparado para atenderem o aluno com deficiência visual, quando tiveram contato com o mesmo, correspondendo a 59% da mostra, enquanto 7 afirmaram que se sentem preparados, correspondendo a 41% da mostra. Segundo Raposo e Carvalho (apud MACIEL e BARBATO, 2010) em qualquer caso, o planejamento a organização dos apoios aos alunos com deficiência visual exigem avaliação multiprofissional, integrado as áreas da saúde educação. A citação afirma que a capacitação profissional é de grande importância para que o professor lide adequadamente com a diversidade existente na escola.
QUESTÃO 2 - O que mais o preocupou neste contato?



TABELA 2- Preocupação com o contato com o aluno

Variáveis
Quantidade
Porcentagem
Não me preocupei 1 9%
Dificuldade do aluno 2 10%
Falta de recursos
Pedagógicos 5 23%
Sua falta de experiência e conhecimento 7 58%
Fonte: Pesquisa de campo


GRÁFICO 2 - Preocupação com o contato com o aluno.

Fonte: Pesquisa de campo

Quando questionados sobre o que mais o preocupou esse contato com o aluno com deficiência visual, 1 professora afirmou que não se preocupou, correspondente a 9% da amostra; 2 afirmaram ter sido a dificuldade do aluno o fator que mais os preocupou, correspondendo a 10% da amostra; 5 respondentes afirmaram ser a falta de recursos pedagógicos, o que corresponde a 23% da amostra, enquanto 7 afirmaram ser o fator que mais os preocupou sua falta de experiência e conhecimento, totalizando 9% da amostra.
Segundo Sá, Campos e Silva (2007, p. 26):

[...] recursos tecnológicos, equipamentos e jogos pedagógicos contribuem para que as situações de aprendizagem sejam mais agradáveis e motivadoras em um ambiente de cooperação e reconhecimento as diferenças. Aliado às tecnologias assistivas, faz-se necessária uma flexibilização curricular, uma formação continuada em recursos humanos, comprometimento do estado, entre outros.

QUESTÃO 3 - Na sua concepção, o recurso pedagógico em sala de aula faz a diferença na aprendizagem do aluno com deficiência visual?

TABELA 3 - Recurso pedagógico em sala de aula.

Variáveis Quantidade Porcentagem
Sim 14 82%
Não 3 18%
Fonte: Pesquisa de Campo

GRÁFICO 3 - Recurso pedagógico em sala de aula.

Fonte-Pesquisa de Campo

Quando perguntados se o recurso pedagógico em sala de aula faz a diferença na aprendizagem do aluno com deficiência visual 14 respondentes afirmaram que sim, correspondendo a 82% da amostra, enquanto 3 afirmaram que não correspondendo a 18% da amostra.
Recursos sejam eles simples ou tecnológicos contribuem de forma positiva no processo aprendizagem de um aluno que apresenta deficiência visual.

A predominância de recursos didáticos eminentemente visuais ocasiona uma visão fragmentada da realidade e desvia o foco de interesse e de motivação dos alunos cegos e com baixa visão. Os recursos destinados ao Atendimento Educacional Especializado desses alunos devem ser inseridos em situações e vivências cotidianas que estimulem a exploração e desenvolvimento pleno dos sentidos. A variedade, a adequação e a qualidade dos recursos disponíveis possibilitam o acesso ao conhecimento, à comunicação e à aprendizagem significativa. (SÁ, CAMPOS e SILVA, 2007, p. 26)

QUESTÃO 4-Você utiliza materiais que viabilizam o melhor desempenho do seu aluno?
TABELA 4 - Utilização de materiais que viabilizam melhor desempenho do aluno.
Variáveis Quantidade Porcentagem
SIM 14 94%
NÃO 3 6%
Fonte: Pesquisa de Campo

GRÁFICO 4 - Utilização de materiais que viabilizam melhor desempenho do aluno.

Fonte: Pesquisa de Campo
Os resultados apontam que 14 respondentes (94%) da amostra utilizam materiais que viabilizam o melhor desempenho de seu aluno, enquanto 3 professores afirmam não utilizar, correspondendo a 6% do total.
A utilização de materiais simples e alternativos, por parte dos professores com os alunos, pode sim colaborar para um melhor desempenho do processo de ensino. Muitos profissionais às vezes constroem e procuram adaptá-los a necessidade do aluno, contribuindo para que o aluno torne-se sujeito da situação aprendizagem. Uma pequena quantidade de 6% acredita que o aluno não se desenvolvera melhor com a utilização de recursos adaptados a sua deficiência.
Segundo Bersch e Tonolli (2006,p.01), recursos podem variar de uma simples bengala a um complexo sistema computadorizado. Estão incluídos brinquedos e roupas adaptadas, computadores, softwares e hardwares especiais, que contemplem questões de acessibilidade, dispositivos para adequação de postura sentada, recursos para mobilidade manual e elétrica, equipamentos de comunicação alternativa, chaves e acionadores especiais, aparelhos de escuta assistida, auxílio visual, materiais protéticos e milhares de outros itens confeccionados ou disponíveis comercialmente.
QUESTÃO 4a - Eles são caros?

TABELA 4A- Valor dos recursos


Variáveis
Quantidade Porcentagem
Não são caros e podem ser confeccionados
4 25%
São caros e difíceis de encontrar
11 64%
São baratos
2 11%
Fonte: Pesquisa de campo


Fonte: Pesquisa de campo


Quando questionados se os mesmos são caros, 4 professores afirmaram que não e que podem ser confeccionados, correspondendo a 25% da amostra, enquanto 11 afirmaram que os recursos são caros e difíceis de encontrar, correspondendo a 64% dos respondentes.
Somente 2 professores afirmaram que os recursos são baratos, totalizando 11% da amostra.
Assim, o professor pode favorecer a aprendizagem deste aluno fazendo adaptações, buscando soluções simples, como um engrossamento de um lápis para a escrita ou aumento de letras para visualização de um aluno com baixa visão.
Diante dessa realidade, Raposo e Carvalho (apud MACIEL e BARBATO, 2010,p.162) assinalam que,

Os recursos devem ser adequados para atender às especificidades do funcionamento visual de cada pessoa. A heterogeneidade das características que integram o grupo com baixa visão exige avaliação e planejamento adequados que envolvam uma equipe multiprofissional. O trabalho diversificado dá respostas à gama de variações encontradas em alunos que, inclusive, apresentam a mesma patologia e igual nível de acuidade visual.


Questão 4B - Eles são fornecidos pela escola?


TABELA 4B - Fornecimento dos recursos pela escola.

Variável Quantidade Porcentagem
Muito pouco, uns sim outros não 6 47%
Na medida do possível 3 7%
Não 4 23%
Às vezes 4 23%
Fonte: Pesquisa de campo


GRÁFICO 4B - Fornecimento dos recursos pela escola.


Fonte: Pesquisa de campo


Os alunos que apresentam alguma deficiência têm necessidade de um suporte educacional, sendo este importante para que a aprendizagem ocorra. A escola ainda apresenta muita dificuldade em adaptar-se às necessidades de cada aluno. Fica constatado que 6 respondentes, correspondendo a 47% dos professores questionados colocam que o fornecimento dos recursos pela escola é insuficiente, enquanto que 3 respondentes (7% da amostra) afirmam que a escola fornece os recursos na medida do possível. Por outro lado, 4 professores (23% da amostra) afirmam que a escola não fornece recurso, enquanto outros 4 afirmam que fornece às vezes (23% da amostra). Segundo Cardoso e Raposo (apud MACIEL e BARBATO, 2010) é importante, considerar se estão disponíveis apoios ao estudante e a sua família, de modo que sua expectativa de excelência escolar alcance a todos os alunos, sem exclusão dos que demandam atenção às suas necessidades especiais. A práxis educativa, assim concebida, tende a promover a valorização e a organização de recursos, processos e ambientes diversificados, de modo a favorecer o ensino aprendizagem.

É necessário ao educador dispor de empenho, paciência e energia. Engenho para propiciar práticas ás crianças explorar o meio circundante e comunicar-se com as pessoas, utilizando para isso os sentidos e os recursos de que dispõe. (MAZINI, 2005, p.30).

Questão 4C - Você faz adaptações a estes recursos?
TABELA 4C - Adaptações dos recursos
Variáveis Quantidade Porcentagem
Com certeza 2 9%
Não 12 78%
Sempre que necessário 3 13%
Fonte: Pesquisa de Campo

GRÁFICO 4C - Adaptações dos recursos


Fonte: Pesquisa de campo

Os resultados apontam que 12 professores não fazem adaptações dos recursos aos alunos com deficiência visual, correspondente a 78% da amostra, enquanto que 2 (9% da amostra ) afirmam que fazem com certeza e 3 respondentes, afirmam adaptar os recursos, sempre que necessário, correspondendo a 13% da amostra.
Em relação a esta questão, Raposo e Carvalho (apud MACIEL e BARBATO, 2010,p.160) destacam:

[...] uma pessoa com deficiência visual pode se utilizar de recursos e estratégias que apóiam o desenvolvimento de atividades escolares, pessoais, profissionais e sociais. No percurso escolar, as adaptações de elementos curriculares (objetivos, conteúdos, estratégias de ensino, tempo) podem ser requeridas para garantir o desenvolvimento da competência curricular e o êxito do desempenho acadêmico [...].

QUESTÃO 5 - Segundo o comitê de ajuda técnicas, Tecnologia Assistiva (TA) é uma área do conhecimento, de característica interdisciplinar, que engloba produtos, recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços que objetivam promover a funcionalidade, relacionada à atividade e participação, de pessoas com deficiência, incapacidades ou mobilidade reduzida, visando autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social. Partindo desse conceito, você utiliza alguma TA com seu aluno?

TABELA 5 - Utilização da TA pelo professor com o aluno.

Variáveis
Quantidade
Porcentagem

Sim
15 88%

Não
0 0%
Fonte: Pesquisa de Campo






GRÁFICO 5 - Utilização da TA pelo professor com o aluno

Fonte: Pesquisa de campo

Os resultados apontam que 15 professores (88% da amostra) utilizam a TA como suporte pedagógico e auxílio no processo de construção da aprendizagem de seus alunos. Mesmo que este aluno apresente cegueira total ou baixa visão de alguma maneira, o profissional tem a percepção que com alguns recursos este pode aprender melhor. Dos profissionais questionados 12% não se manifestaram, em relação ao uso da TA pelo seu aluno, deixando de responder a questão, o que pode sinalizar o desconhecimento destes em relação ao que seja tecnologia assistiva. A este respeito Bersch (2006, p. 14) pondera que "sem nos apercebermos utilizamos constantemente ferramentas que foram especialmente desenvolvidas para favorecer e simplificar as atividades do cotidiano"
QUESTÃO 6- O ambiente da sua escola é um ambiente acessível e inclusivo?
TABELA 6 - Ambiente escolar acessível e inclusivo.


Variável
Quantidade
Porcentagem

Sim

7
41%

Não
10 59%
Fonte: Pesquisa de campo

GRÁFICO 6 - Ambiente escolar acessível e inclusivo.



Fonte: Pesquisa de campo


Os dados apontam que 7 respondentes (41% da amostra ) consideram sua escola acessível e inclusiva, enquanto 10 afirmam que não, correspondendo a 59% da amostra.
Uma escola para tornar-se inclusiva necessita de que toda comunidade escolar, sociedade e órgãos públicos estejam se organizando continuamente, oferecendo este suporte a esses alunos. Neste momento inclusivo precisamos de atitudes positivas e favoráveis diante de aceitar a diversidade que ocorre dentro de nossas escolas. Precisamos ainda de projetos educativos voltados a essas clientelas e de cooperação e recursos adequados.
Bersch eTonolli (2006,p.1) assinalam que "é um grande desafio para a missão da escola, que é de assegurar oportunidades iguais para cada um atendendo sua diferença, desenvolvendo o máximo seu potencial próprio e sua inclusão no grupo".


QUESTÃO 7- Você acredita que com o uso da tecnologia assistiva o aluno com deficiência tem melhorada sua condição de aprendizagem?
TABELA 7 - O uso da tecnologia assistiva e a melhoria da aprendizagem
Variáveis Quantidade
Porcentagem
Sim 17 100%
Não 0 0%
Fonte: Pesquisa de campo


GRÁFICO 7- O uso da tecnologia assistiva e melhoria da aprendizagem


Fonte: Pesquisa de campo


Observa-se que todos os respondentes (100% da amostra) consideram que o uso da tecnologia assistiva melhora a condição de aprendizagem do aluno com deficiência. Bersch e Tonolli (2006,p.1) assinalam que as tecnologias assistivas tentam minimizar as dificuldades de acesso de pessoas com deficiências, com o uso de recursos das tecnologias. No campo educacional temos que buscar novos conhecimentos que possa refletir em novos caminhos e oportunidades que viabilizem um melhor processo de ensino e dessa forma chegarmos a efetiva inclusão.
QUESTÃO 8 - A escola onde você trabalha promove momentos de discussão acerca das TA?
TABELA 8 - Momentos de discussão na escola.

Variável Quantidade
Porcentagem
Sim 11 65%
Não 6 35%


Gráfico 8 - Momentos de discussão na escola.


Fonte: Pesquisa de campo


Muitos dos profissionais ainda têm uma visão um pouco distorcida a respeito de momentos discursivos, muitos ainda se colocam resistentes a respeito da formação oferecida pela escola e até das informações que às vezes são subsídios para sua atuação em sala de aula. Isso fica constatado quando 11 dos respondentes (65% da amostra) afirmam que a escola não promove momentos de discussão. Já 6 dos respondentes, 35% da amostra, coloca que sim, que na escola há momentos de discussão e trocas de experiências.
A este respeito, Kelman (et al, 2008, p. 12) assinalam que,
A escola pública e democrática possibilita um diálogo com pais, alunos e educadores para que todos participem na busca de soluções para os seus problemas. A democracia implica um processo de negociação permanente dos conflitos de interesses e ideias, e, assim, a escola pluralista ensina a conviver com a heterogeneidade.

QUESTÃO 9 - A falta de TA pode inviabilizar o processo de inclusão do aluno com deficiência visual na rede regular de ensino?

TABELA 9 - Falta de TA e a inclusão

Variável Quantidade
Porcentagem
Sim 11 65%
Não 6 35%


Gráfico 9 - A falta de TA e a inclusão




















Fonte: Pesquisa de campo

É notório que vivemos um momento inclusivo e que o aluno tem a necessidade e direito de estar na escola e de ser atendido de acordo com suas especificidades.Pelos dados muitos profissionais ainda não se aperceberam de como pode ser a ponte de ligação entre o aluno e o processo inclusivo, do total 11 dos respondentes afirmaram que "SIM", ou seja, que a falta da TA pode inviabilizar o processo de alunos com DV, sendo 65% da amostra. 6 ( seis) dos respondentes afirmaram que não acreditam que a falta da TA possa inviabilizar o processo de inclusão de alunos com deficiência visual, sendo 35% da amostra.
As tecnologias assistivas, conforme descrição, podem ser entendidas como um instrumento de promoção de inclusão. A falta de tais recursos pode comprometer, por exemplo, o desempenho de alunos com deficiência, pois auxiliam na superação de dificuldades funcionais para realização e atividades dentro da rotina escolar. Santarosa (1997, p. 115) acrescenta que,

A importância que assumem essas tecnologias no âmbito da Educação Especial já vem sendo destacada como a parte da educação que mais está e estará sendo afetada pelos avanças e aplicações que vêm ocorrendo nessa área para atender necessidades específicas, face às limitações de pessoas no âmbito mental, físico-sensorial e motora com repercussão nas dimensões sócio-afetivas.


































V- CONSIDERAÇÕES FINAIS



A humanidade vivencia um período de profundas e aceleradas transformações sociais em diferentes áreas. As formas de construir e produzir conhecimento e dos seres humanos se comunicarem e interagirem entre si, foram profundamente modificadas com a presença das Novas Tecnologias. Ganham forças as correntes e visões humanistas que defendem a valorização das diferenças e o reconhecimento das riquezas da diversidade humana, apontando para a busca de uma verdadeira inclusão social de todos os homens.
Por outro lado, se torna cada vez mais flagrante a defasagem que existe entre essa realidade de transformações que ocorrem na sociedade e as práticas escolares tradicionais e hegemônicas, que não dialogam com o que está acontecendo a sua volta, tornando dramaticamente atual e pertinente o alerta de Perrenoud, quando este afirma que "a escola não pode ignorar o que se passa no mundo" (PERRENOUD, 2000, p. 125).
Se, por um lado, as realidades e transformações relacionadas às tecnologias e os princípios de Educação Inclusiva começam a "forçar as portas" da escola, os avanços ainda são muito difíceis e lentos, devido ao imobilismo e as contradições do paradigma tradicional de ensino.
No meio disso tudo se encontram os profissionais da educação, que percebem e vivenciam todas as mudanças ocorridas na sociedade, e sofrem, dentro da escola, as pressões muitas vezes contraditórias dessas diferentes realidades, diante das práticas e modelos educacionais defasados, pedagogicamente inócuos e excludentes.
Com as transformações e avanços ocorridos na sociedade, crescem as pesquisas relacionadas à Tecnologia Assistiva, percebida cada vez mais como um elemento fundamental para a autonomia e inclusão escolar e social da pessoa com deficiência.
Frente a essa realidade, este estudo buscou analisar e discutir como uma escola pública de Ensino Especializado, na cidade do Gama, Distrito Federal, estava percebendo e vivenciando o seu processo de apropriação da Tecnologia Assistiva necessária para a inclusão de alunos com deficiência visual em suas salas de aula. Assim, buscou-se ouvir a escola, sobre esse processo, por meio da palavra dos seus profissionais na vivência diária e direta dessa realidade. E essa escuta, análise e discussão foram feitas a partir dos dados obtidos por meio de entrevistas realizadas com esses profissionais.
Os resultados deste estudo revelaram, primeiramente, a complexidade dessa realidade, com os diferentes fatores e variáveis influenciando diretamente nesse processo de apropriação da Tecnologia Assistiva para a inclusão. De uma maneira geral, foi possível perceber que ainda se vivencia na escola estudada um estágio bastante inicial desse processo de apropriação e uso da Tecnologia Assistiva, podendo ser encontrados avanços e descobertas significativas, porém, ao mesmo tempo, um profundo desconhecimento sobre as possibilidades concretas relacionadas a essa tecnologia, sobre os princípios da Educação Inclusiva, ou mesmo, sobre as realidades, potencialidades e necessidades dos alunos com deficiência. Ou seja, ainda se paga um alto preço pelo longo e sombrio período da história da humanidade em que as pessoas com deficiência estiveram praticamente invisíveis e ausentes do convívio social.




























REFERÊNCIAS


BERSCH, Rita & TONOLLI, José Carlos. Introdução ao conceito de Tecnologia Assistiva. 2006. Disponível em: . Acesso em: 02 mar. 2011.
BRASIL, Ministério da Educação, Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. 2008. Disponível em Acesso em 10 mar. 2011.
CAT, Ata da Reunião III, Comitê de Ajudas Técnicas, Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República (CORDE/SEDH/PR). 2007. Acesso em: 05 mar. 2011.
EUSTAT, Empowering Users Through Assistive Technology, 1999. Disponível em: Acesso em: 04 mar. 2011.
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário online. http://www.dicionariodoaurelio.com/Tecnologia> Acesso em: 05 mar. 2011.
FGV, 2003. Sumário Executivo, Retratos da Deficiência no Brasil, Fundação Getúlio Vargas. em: Acesso em: 20 fev. 2011.
FILHO, T. A. G; DAMASCENO, L. L. Tecnologias Assistivas na Educação Especial. Revista Presença Pedagógica, Belo Horizonte: Dimensão, 2003.
IBGE, Censo 2000. Disponível em: Acesso em: 25 fev. 2011.
KELMAN, Celeste Azulay et al. Necessidades especiais no contexto escolar: a ação do professor. Brasília: editora UnB, 2008.
LÉVY, P. Entrevista. Revista Nova Escola, São Paulo, agosto/2003. Disponível em: Acesso em: 30 out. 2003.
_______. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.
LUDKE, M.; ANDRÉ, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: Pedagógica e Universitária, 1986.
MACIEL, Diva Albuquerque; BARBATO , Silviane. Desenvolvimento humano, educação e inclusão escolar. Brasília: editora Unb, 2010.
MANZINI, E. J. Tecnologia assistiva para educação: recursos pedagógicos adaptados. In: Ensaios pedagógicos: construindo escolas inclusivas. Brasília: SEESP/MEC, 2005.
MANTOAN, M. T. E. O direito de ser, sendo diferente na escola. In: RODRIGUES, D. (Org.). Inclusão e educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2005.
REDE SACI, 2004. Universidade de São Paulo, USP, Disponível em: http://www.saci.org.br/index.php?modulo=akemi¶metro=12909 Acesso em: 22 fev. 2011.
RODRIGUES, D. Questões preliminares sobre o desenvolvimento de políticas de educação inclusiva. Revista Inclusão, Brasília, SEESP/MEC, 2008.
SÁ, Elizabet Dias de; CAMPOS, Izilda Maria de; SILVA, Myriam Beatriz Campolina. Atendimento Educacional Especializado em Deficiência Visual. SEESP / SEED / MEC. Brasília / DF, 2007.
SANTAROSA, L. M. C. Escola virtual para a educação especial: ambientes de aprendizagem telemáticos cooperativos como alternativa de desenvolvimento. Revista de Informática Educativa, Bogotá: UNIANDES, 1997.
SASSAKI, R. K. Pessoas com deficiência e os desafios da inclusão, Revista Nacional de Reabilitação, ano VIII, n. 39, julho/agosto 2004.
SONZA, A. P. Ambientes virtuais acessíveis sob a perspectiva de usuários com limitação visual. Porto Alegre, 2008.
PACHECO, J. Caminhos para a inclusão: um guia para o aprimoramento da equipe escolar. Porto Alegre: Artmed, 2007.
PCN, Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Especial. Brasília: MEC/SEE, 2002.
PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.
VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1994.
.









APÊNDICES

A ? Questionário




UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UNB
DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO
CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO HUMANO, EDUCAÇÃO E INCLUSÃO ESCOLAR.

QUESTIONÁRIO
Prezado entrevistado (a),
O presente questionário tem a finalidade estritamente acadêmica. Solicito que após responder as questões abaixo, o mesmo seja devolvido. Desde já agradeço.
Você não deve se identificar.
1- Quando você teve contato com um aluno com deficiência visual você se sentiu preparado( a) para atendê-lo?
( ) sim ( ) não
2- O que mais o preocupou nesse contato:
( ) a falta de apoio pedagógico por parte da escola;
( ) a sua falta de experiência e conhecimento nesta área;
( ) a falta de recursos pedagógicos, estruturais e ambientais;
( ) a dificuldade apresentada pelo próprio aluno
( ) não me preocupei.
3-Na sua concepção o recursos didáticos pedagógicos em sala de aula faz a diferença na aprendizagem do aluno com deficiência visual?
( ) sim ( ) não
4- Você utiliza materiais que viabilizam o melhor desempenho do seu aluno em sala da aula?
( ) sim ( ) não
S e você marcou sim responda:
4A- Eles são caro?
( ) Não são caros e podem ser confeccionados.
( ) São caros e difíceis de encontrar.
( ) São baratos.
4B-São fornecidos pela escola?
( ) Muito pouco, uns sim outros não;
( ) As vezes;
( ) Não;
( ) Na medida do possível
4C-Você os produz fazendo adaptações?
( ) Com certeza
( ) Não
( ) Sempre que necessário

5 - Segundo o comitê de ajudas técnicas, Tecnologia Assistiva (TA) é uma área do conhecimento, de características interdisciplinar, que engloba produtos, recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços que objetivam promover a funcionalidade, relacionada à atividade e participação, de pessoas com deficiência, incapacidades ou mobilidade reduzida, visando autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social. Partindo desse conceito, você utiliza alguma TA com seu aluno?
( ) sim ( ) não
6 - É claro que a TA não se restringe somente a recursos em sala de aula, mas estende-se a todos os ambientes da escola, propiciando o acesso e a participação efetiva de todos os alunos. Nesse sentido, o ambiente da nossa escola é um ambiente acessível e inclusivo?
( ) sim ( ) não
7 - Existe um número grande de possibilidades de recursos simples e de baixo custo que podem e devem ser disponibilizá-los nas salas de aulas, conhecidos como TA, conforme a especificidade de cada aluno com necessidades especiais, tais como: fixação do papel ou caderno na mesa com fitas adesivas, engrossamento de lápis ou luneta, substituição da carteira por pranchas. Digo ainda que a comunicação alternativa também seja uma TA.
Você acredita que com o uso de tecnologia assistiva o aluno com deficiência tem melhorada sua condição de aprendizagem?
( ) sim ( ) não
8 - A escola onde você trabalha promove momentos de discussão acerca das TA?
( ) sim ( ) não
9 - Em sua opinião, a falta de TA pode inviabilizar o processo de inclusão do aluno com deficiência visual na rede regular de ensino?
( ) sim ( ) não
 
Avalie este artigo:
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Talvez você goste destes artigos também