O SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO NO PLANO DE DEUS

Joacir Soares d'Abadia[1]

O Código de Direito Canônico conceitua o Sacramento do Matrimônio como "O pacto [Aliança] matrimonial, pela qual o homem e a mulher constituem entre si o consórcio de toda a vida, por sua índole natural ordenado ao bem dos cônjuges e à geração e educação da prole, entre batizados foi por Cristo Senhor elevado à dignidade de sacramento" (Cân. 1055 § 1). Revemos, pois, aqui tudo que este conceito nos possibilita refletir, a saber: "Sacramentos"; "Matrimônio"; "Pacto" (ou Aliança); os fins e as propriedades do Matrimônio.

Sacramentos

Segundo o Catecismo da Igreja Católica, "os sacramentos são sinais eficazes (visíveis) da graça, instituídos por Cristo e confiados à Igreja, por meio dos quais nos é dispensada a vida divina" (CEC, 1131).

Matrimônio

Matrimônio: "ato" (aliança ou contrato) e "estado"

Na análise do Cân. 1055 § 1 vê-se que "De acordo com o modo comum de falar, com a palavra "matrimônio" referimo-nos a duas realidades diversas, embora intimamente unidas: o "ato" mediante o qual um homem e uma mulher manifestam a intenção de constituírem, a partir desse momento, uma sociedade de vida conjugal; e o "estado" de vida ou relacionamento permanente que daí resulta para os dois parceiros".

Continua ressaltando que "O ato é qualificado neste cânon como ''aliança'' ("foedus") ou ''contrato'', e se afirma que, no caso do casamento entre batizados, ele se torna ''sacramento''". O contrato é, portanto, "o livre acordo entre as partes". Segue o Cân. 1055 § 2. dizendo que "entre batizados não pode haver contrato matrimonial válido que não seja por isso mesmo sacramento".

Deste modo, para Capparelli, "onde há contrato matrimonial entre batizados, o sacramento existe".

A instituição do Matrimônio: por quem e onde

Por ser instituído por Cristo, "o matrimônio participa da própria natureza da união de Cristo com a Igreja", como diz Capparelli. Quanto ao momento em que o Sacramento do matrimônio foi instituído podemos dizer que foi nas Bodas de Caná (Cf. Jo 2, 1-12).

Os ministros do Sacramento do Matrimônio: os noivos

No que se refere ao ministro do Sacramento do Matrimônio, na Igreja Católica, são os cônjuges. Porém, segundo Caparelli, na Igreja ortodoxa o sacerdote assistente é considerado o ministro, pois ele é quem os abençoa e por onde a graça se manifesta.

Assistente do Matrimônio: pároco, vigário, diácono e ministros leigos

O assistente ou ministro qualificado do Matrimônio, segundo o Direito, é o pároco, que conforme a própria provisão, tem a obrigação, a não ser que aja grave incómodo de assistir validamente aos matrimônios daqueles que lhe foram confiados. O Vigário e o Diácono podem assistir aos matrimônios em nome do pároco. Quando for assistido por ministros leigos, se faz necessário a delega do bispo diocesano em anuência da CNBB e da Sé Apostólica, como diz Reginaldo Lima.

Os fins do Matrimônio: amor dos cônjuges e geração e educação dos filhos

Tratando dos fins do Matrimônio diz-se que "são enumerados como algo que flui naturalmente do próprio ser do matrimônio. Excluir qualquer um deles seria atingir a instituição matrimonial no seu próprio íntimo"[2]. O cânon 1055, § , confirma que o matrimônio está "ordenado ao bem (amor) dos cônjuges e à geração e educação da prole".

Para Colombre "o amor verdadeiro tem de ser mostrado através de gestos, através de atitudes concretas. O amor é fruto de esforço, é algo que se deve ser conquistado". Deste modo, continua dizendo, "O amor verdadeiro é o esforço de toda a vida".

As propriedades do Matrimônio: unidade e indissolubilidade

As propriedades essenciais do matrimônio são a unidade e a indissolubilidade, como explica o cânon 1056.

Unidade

A "unidade" é um bem adquirido. Exclui o adultério, que constitui transgressão do dever de fidelidade entre os cônjuges.

Rupturas da unidade: poligamia e poliandria

Ela significa a impossibilidade de uma pessoa ficar ligada "simultaneamente" por dois vínculos conjugais. Por isso, a unidade se opõe à poligamia e a poliandria.

A poligamia supõe a existência de um homem com várias mulheres simultaneamente (Cf. Gn 4, 19; 16, 1-4; 25, 1; 26, 34-35; 28, 9; 29, 15-30; 30, 1-13; Jr 8, 30; 2Sm 3, 2-5; 1Rs 11, 1-3). Eram muitas as causas que se tinham para justificar a poligamia na cultura judaica, tais como: motivo político e compreensão equivocada do "crescei e multiplicai-vos" (Gn 1, 28), pois os judeus se preocupavam com a descendência. A poligamia é fruto do pecado. É perverter a realidade do Matrimônio. Qualquer perversão afeta o Matrimônio.

A poliandria é o caso oposto: supõe a existência de uma mulher com vários homens ao mesmo tempo.

Indissolubilidade

A "indissolubilidade" é a impossibilidade da dissolução do vínculo conjugal, a não ser por morte de um dos cônjuges (Cf. Rm 7, 1-6).

A indissolubilidade opõe-se o divórcio. Quem romper a sua união matrimonial e abraçar outra, comete adultério contra a sua primeira união.

Dimensões da indissolubilidade: intrínseca e extrínseca

Distingue-se entre indissolubilidade "intrínseca" (impossibilidade da ruptura do vínculo conjugal pelos próprios cônjuges) e indissolubilidade "extrínseca" (impossibilidade de ruptura pela autoridade pública).

A indissolubilidade intrínseca é definida pela teologia católica como um princípio absoluto, aplicável a qualquer matrimônio válido, mesmo entre não-batizados. A indissolubilidade extrínseca, porém, admite algumas raras exceções (cf. cânn. 1141-1150).

Os Privilégios sobre a indissolubilidade: Paulino e Petrino

O Privilégio Paulino (Cf. 1Cor 7, 12-16) é a possibilidade de se romper o Vínculo Natural de um Cristão com um não Cristão. Assim, se a parte não Cristã quiser romper o Vínculo, a parte Cristã fica livre do Vínculo (pode se casar novamente).

O Privilégio Petrino: "O matrimônio válido entre os batizados chama-se só ratificado, se não foi consumado" (Cân 1061 § 1)[3]. Deste modo, um Matrimônio ratificado, mas não consumado é passível de dissolução do Vínculo.

A realização do Sacramento do Matrimônio: consentimento e consumação

Ele se realiza em dois momentos: pelo consentimento do noivo e da noiva e, depois, com o primeiro ato conjugal (consumação (Cân 1061 § 2)).

Consentimento

Cân. 1057 – § 1. "É o consentimento das partes legitimamente manifestado entre pessoas juridicamente hábeis que faz o matrimônio; esse consentimento não pode ser suprido por nenhum poder humano".

§ 2. O consentimento matrimonial é o ato de vontade pelo qual um homem e uma mulher, por aliança irrevogável, se entregam e se recebem mutuamente para constituir matrimônio.

O objeto do consentimento é definido neste cânon como a "entrega mútua" de um homem e uma mulher para constituir o matrimônio. Com se vê, o objeto do consentimento não é uma série de ''atos'', mas a totalidade da pessoa e a sua disponibilidade para uma comunhão de toda a vida.

Ato conjugal

O primeiro ato conjugal é chamado pelo Direito de Consumação (Cãn. 1061).

"O ato conjugal simboliza a entrega total, isto é, a entrega recíproca de duas pessoas na sua totalidade. Os cônjuges se entregam espiritualmente, emocionalmente e corporalmente" (O'REILLY, 2004, p. 4.). A partir do ato conjugal se pode tirar duas conclusões, segundo Colombe:

"a) através do ato sexual (conjugal), o casal pode manifestar e aumentar o próprio amor, a própria união.

b) com sua atividade sexual (conjugal), o casal pode colaborar com Deus no plano da criação, isto é, ter filhos para, depois, educa-los". A vida é transmitida pelo ato conjugal. Ela deve ser respeitada, pois "Do respeito à vida decorre o respeito a todos os demais direitos" (Ives Gandra da Silva Martins).

BIBLIOGRAFIA

A BÍBLIA DE JERUSALÉM: Nova edição, revista. 9. ed. São Paulo: Paulus, 2000.

CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA: Edição típica vaticana. São Paulo: Loyola, 2000.

CAPPARELLI, Júlio César. Manual sobre o matrimônio no direito canônico. Tradução de: Armando Braio Ara. 2. ed. São Paulo: Paulinas, 2004.

CÓDIGO DE DIREITO CANÔNICO: Edição Revisada e ampliada com a Legislação Complementar da CNBB. Notas, comentários e índice analítico: Jesús Hortal. 5. ed. São Paulo: Loyola, 2005.

COLOMBE, Bernardo. Preparar o casamento. Revisão: José Joaquim Sobral. 12. ed. São Paulo: Paulus, 2002.

LIMA, REGINALDO. Habilitação Matrimonial. Aula introdutória ao curso de Direito Matrimonial [Seminário Maior Arquidiocesano de Brasília, primeiro semestre de 2010].

MARTINS, Ives Gandra da Silva. Por que a vida humana deve ser respeitada pelo Direito? In: ____ . Vida: o primeiro direito da cidadania. Goiás: Gráfica e Editora Bandeirante, 2005.

O'REILLY, Ailbe Michael. A aliança conjugal no plano de Deus: uma síntese da posição cristã a respeito da paternidade responsável. 3. ed. Goiás: Editora Mariana Eucarística, 2004.



[1] É Diácono (exerce seu ofício diaconal na Igreja Catedral de Formosa); cursou Filosofia e cursa Teologia no Seminário Maior Arquidiocesano de Brasília (SMAB); tem três participações no Concurso Internacional de Filosofia promovido pela "Revista Virtual Antorcha Cultural"; assina mensalmente a coluna "Filosofando" do Jornal "Alô Vicentinos" de Formosa-GO; tem vários artigos publicados em sites e blogs.

[2] Análise do Cân. 1055 § 1.

[3] "Matrimônio "ratificado" ("ratum") já não é qualquer matrimônio de batizados, mas apenas aquele que se realiza "entre" dois batizados. De fato, essa denominação se refere à ratificação do matrimônio pelo sacramento, e a maior parte dos autores se inclina por não considerar sacramento o matrimônio entre um batizado e um não-batizado" (Nota do Cân 1061).

 
Revisado por Editor do Webartigos.com
Leia outros artigos de Joacir Soares D'Abadia
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Pe. Joacir Soares d'Abadia, Pároco em Alto Paraíso-GO, Especialista em Docência do Ensino Superior pela Faculdade Mário Shenberg (FMS, 2011), Bacharel em Filosofia pela Faculdade de Ciências da Bahia (FACIBA, BA, 2010); Bacharel em Filosofia e Teologia pelo Seminário Maior Arquidiocesano de Brasília...
Membro desde abril de 2009