O Planejamento Educacional Numa Perspectiva Humana
 
O Planejamento Educacional Numa Perspectiva Humana
 

RESENHA CRÍTICA DO TEXTO: O PLANEJAMENTO EDUCACIONAL NUMA PERSPECTIVA HUMANA
Maximilliano Menegolla e Ilza Martins Sant'Anna

O homem está situado em um mundo cujas leis e princípios parecem imutáveis como se fossem sua própria destinação. Porém, ele não é um ser destinado a ter um viver determinado pelas forças que o circundam. Pois o seu destino não é algo pronto, acabado, mas um buscar contínuo, que nunca será definitivo. O viver do homem, o seu modo de ser e existir lhe são autônomos; não dependem, portanto, da pura determinação da natureza, na qual está inserido. É bem verdade que o homem tem um pensar autônomo, mas a cultura que está inserida num indivíduo, direciona e forma boa parte, ou até a maioria de seus pensamentos e idéias, não como algo definitivo, mas como um fator de forte influência, que deve ser levado em consideração no processo educativo.

Planejar o processo educativo é planejar o indefinido, porque a educação não é um processo cujos os resultados podem ser completamente pré-definidos. Deve-se planejar a ação educativa para o homem, sem impor diretrizes. O planejamento deve ser apenas norteador do processo, e não delimitador, deve adequar-se a cada realidade educativa. A grande finalidade da educação não estabelece o definitivo para um planejamento educativo. Certamente, a educação busca novos horizontes e novas situações de ensino.

Ela busca ser um instrumento de liberdade, conscientização e compromisso para com o mundo. O planejamento deve refletir sobre os princípios educacionais que são capazes de orientar o homem, sendo este entendido como ser que constitui e dá sentido ao universo. Um planejamento que tenha, como ponto de apoio, o homem e o seu viver, os valores e as necessidades humanas, os problemas e o desejo de vencer, enfim, o homem como um ser que vive sua vida. Essa afirmação, referente ao homem viver sua vida, nos remete a um questionamento. Até que ponto a vivência e a realidade do educando devem ser respeitadas, sem que isso interfira na ampliação de novos conhecimentos que favoreçam, positivamente, o processo educativo desse indivíduo? Essa reflexão encaminha uma grande responsabiliade ao docente, que deve buscar um ponto de equilíbrio pertinente ao processo educativo, pois a educação é também um processo transformador. Sendo a pessoa o fim último da educação, necessário se faz refletir sobre a essência da educação e sobre o próprio processo educativo, que tem como meta final a formação integral do homem.

O planejamento educacional torna-se necessário, tendo em vista as finalidades da educação; mesmo porque, é o instrumento básico para que todo o processo educativo desenvolva sua ação , num todo unificado, integrando todos os recursos e direcionando toda ação educativa. Somente com a elaboração do planejamento se pode estabelecer o que se deve realizar para que as finalidades possam ser atingidas. Sem o planejamento não é possível estipular metas e sem metas, os objetivos da educação não são alcançados. Planejar é tomar decisões, mas essas decisões não são infalíveis. O planejamento sempre está em processo, portanto, em evolução e readaptação. Não é um processo estático, mas dinâmico, onde podem ser redefinidos os objetivos. A escola pode e deve elaborar os seus planos curriculares, partindo da orientação dada pela lei ou pelos sistemas, com a finalidade de atender as características locais e as necesidades da comunidade. Cada escola precisa adequar os planejamentos a realiadade de sua região, fazendo isso, estará respeitando também a realidade de seus alunos. Planos curriculares bem feitos serão a base para todo o processo educativo da escola. O currículo deve atender as necessidades dos indivíduos de cada escola. Essa adequação tornará o processo educativo muito mais eficaz. Se os planejamentos tiverem como meta principal o indivíduo, o processo educativo terá mais condições de atender aos anceios do educando e assim tornar-se mais eficiente em seus objetivos educacionais. A jornada educativa não é fácil, é necessário amor e sensibilidade para continuar buscando os melhores resultados no processo educativo.

 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Adna Couto
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Adna Couto é formada em Letras com Espanhol(UEFS). Atualmente é professora de Português e Redação do Colégio da Faculdade Adventista da Bahia. É especialista em Metodologia do Ensino Superior. É mestranda em Literatura e Diversidade Cultural (UEFS). Contatos: (75) 8812-3953 ou [email protected]
Membro desde setembro de 2007
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: