O PAPEL DO CURRICULO NA CONSTRUÇÃO COLETIVA DE UMA ESCOLA DE QUALIODADE PARA TODOS
 
O PAPEL DO CURRICULO NA CONSTRUÇÃO COLETIVA DE UMA ESCOLA DE QUALIODADE PARA TODOS
 


INTRODUÇÃO:

Neste artigo será discutido um pouco sobre o que na verdade seja o currículo escolar, para que serve quais seus objetivos e a quem deve atender.
Podemos definir currículo escolar como conjunto de dados relativos à aprendizagem, organizados para orientar as atividades educativas, as formas de executá-las e a sua finalidade.
Ainda podemos dizer que o currículo, em sentido amplo, abrange todas as experiências escolares (Samuel Rocha Barros, op. CIT, p. 170-1). É a totalidade de experiências e aprendizagens planejadas e patrocinadas pela escola (Jameson-Hicks). São todas as atividades das qual o aluno aprende (Houston).
Em sentido restrito, currículo escolar é o conjunto de matérias a serem ministradas em determinado curso ou grau de ensino.





O CURRICULO ESCOLAR NA FORMAÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO EMANCIPATÓRIA.

O funcionamento da escola depende, alem de uma organização gestora qualificada e estruturada de acordo com a realidade social a qual se destina, de um currículo que tenha como base as necessidades educacionais da sociedade que forme esse grupo de destinação, ou seja, a comunidade escolar.
Vamos iniciar essa discussão definindo o que seria esse currículo e como ele é formado.
Currículo é construção de atividades que serão trabalhadas durante o ano em relação a um grupo de alunos. Isso através de seleção e reorganização estrutural que contenha metas e objetivos. Mas será que com essa definição poderemos colocar um ponto final em relação aos verdadeiros objetivos que esse processo pretende alcançar?
Na nossa sociedade percebemos grande carência quando se fala em cidadãos comprometidos com o bem estar social. Isso porque traços do capitalismo e de uma educação mercadológica ainda são utilizados na sua formação e a intencionalidade da educação se prende a formação do ser como alguém que simplesmente será lançado na sociedade para prestação de serviços mecanizados. Isso porque na maioria das vezes quem constrói o currículo não esta, de fato, vivendo a realidade a que o mesmo se destina, e por essa razão questiona a realização de atividades que, no seu ponto de vista supra a todas as necessidades sociais independente da comunidade em questão, comunidade essa que por vezes se deixa levar por esse planejamento que nem sempre passa por suas mãos antes de ser destrinchado. Mas nós sabemos que o currículo deve ser composto por atividades destinadas com precisão ao grupo que irá utilizá-lo, e só existe uma maneira disso acontecer, com a participação de todos os interessados no objeto em questão.
A escola precisa ser o lugar de encontro da sociedade (sociedade e escola caminhando sempre juntas) que de fato acontece. Ali vemos a união de várias culturas, costumes, crenças que se transformam em uma única instancia capaz de levar todos a conhecerem e respeitarem o outro sem nenhum tipo de preconceito. Isso nos leva a compreender qual deve ser o verdadeiro sentido do currículo, o de que ele não se limita aos conhecimentos relacionados às vivencias dos alunos, as realidades regionais ou com base no, assim chamado conhecimento do cotidiano. Um currículo para a formação humana introduz sempre novos conhecimentos. É importante alertar para a diferença entre um currículo que parte do cotidiano e ai se esgota, e um currículo que engloba em si mesmo a aplicabilidade do conhecimento a realidade cotidiana vivida por cada grupo social.
Através disso, podemos analisar currículo como construção obtida tendo em vista as diferentes discursividades. Irá discutir diferentes praticas, experiências do grupo, fazer seleção cultural, com isso estará de acordo com tudo aquilo que foi discutido pelo grupo, isso voltado a escola. E aos alunos que serão direcionados ao grupo. Aqui poderemos observar cada grupo fazendo valer seus interesses.
Os princípios e valores do currículo devem estar de acordo com os interesses daqueles que de alguma forma estão tomando decisões em relação ao mesmo.
Uma preocupação que nunca deve faltar à escola, enquanto estruturadora do currículo é a quem se destina esse currículo, só com essa visão é que a escola estará se questionando sobre os efeitos que o mesmo estará causando. A escola precisa articular seus objetivos com os interesses da sociedade.
Não podemos esquecer que o currículo é quem irá orientar o trabalho do professor, trabalho que afeta diretamente no processo de desenvolvimento do aluno, algumas vezes de forma positiva outras de forma negativa.
Emancipar a sociedade aparece como um dos vários objetivos do currículo é uma forma de contribuir para isso, tendo em vista que a escola é local de formação social, como já foi dito antes, e não se prende apenas a uma realidade, ele deve ser amplo expandido assim a área de conhecimento do aluno. Isso vai levar o aluno a um conhecimento de mundo, pois por mais que a sua realidade seja ponto de partida para que o currículo se espanda, ele deve levar o mesmo a um conhecimento mais globalizado.
CURRICULO será, portanto, um instrumento prescritivo, porem renovado através das necessidades.


O CURRICULO COMO PROCESSO NA MELHORIA DO ENSINO

A elaboração da proposta curricular deve ser contextualizada na discussão para a construção da identidade da escola através de um processo dinâmico de reflexão e elaboração continua. Trata-se de coordenar o processo organizacional das pessoas no interior da escola, buscando a convergência dos interesses dos seus vários segmentos e a superação dos conflitos decorrentes deles.
Decorrente da intensa mobilização dos educadores para buscar uma educação crítica a serviço das transformações sociais, econômicas e políticas, firma-se no meio educacional a pedagogia libertadora e a pedagogia critico-social dos conteúdos. Precisamente, é ai que esbarra a dimensão das funções do supervisor na educação contemporânea, onde tanto o especialista quanto os professores ainda estão em reflexão das teorias para colocá-las em pratica, e consequentemente devera haver um redimensionamento dessas praticas dentro da construção coletiva do projeto pedagógico da escola.
Quando o currículo é pensado e planejado ele deve ser constituído por propostas que atendam aos necessitados desse processo. Isso diz respeito principalmente aos alunos que usufruem desse sistema. Por esse fato, deve ser flexível e aberto a mudanças e adequação, até porque a escola é o lugar em que a autonomia e a diversidade cultural se chocam, e por isso a abrangência do currículo estabelece um acervo de complexibilidade estrutural.
Sabemos que o currículo esta ligado inteiramente com o sucesso ou o fracasso escolar, pois é nele que esta vinculada todos os objetivos do processo educativo em aspectos estruturais das disciplinas. É através do currículo que se pode distinguir o que o aluno ira obter como conhecimento estruturado durante todo o ano letivo. Imagina se não existisse o currículo escolar?
Talvez toda a estrutura educacional fosse comprometida e a qualidade de ensino baixa.
Quando falamos em MELHORIA DO ENSINO nos vêm à mente vários fatores q podem interferir nesse sentido. Seriam eles aspectos emocionais, psicológicos, neurológicos, entre outros um importantíssimo não pode ser esquecido que é o aspecto pedagógico.
A construção do currículo escolar esta vinculada com todas as propostas pedagógicas que são oferecidas a escola, por essa razão o currículo é um elemento de caráter pedagógico construído através da necessidade de quem ira te-lo como base, tanto para ensinar como para aprender, com elementos relacionados tanto a convivência social fora da escola (a realidade vivida por cada membro da comunidade escolar) quanto dentro da mesma.
Como já foi dito anteriormente, o currículo deve ser construído de acordo com as reais necessidades dos que formam a comunidade escolar em questão, e ele só será visto como elemento na melhoria do ensino quando ele conseguir suprir todas as necessidades desses, por isso ele precisa ser vinculado de forma mais aberta às instituições de ensino que os usa como base, ate porque cada escola conhece sua realidade e suas necessidades em relação à educação das crianças a que esta em serviço.


ESCOLA DE QUALIDADE PARA TODOS: UMA DAS FUNÇÕES DO CURRICULO.

Quanto mais a escola se preocupa com o que ensinar e como ensinar, maior a probabilidade que ela tem de se tornar eficaz. Por isso o currículo é um dos elementos centrais da escola, um indicador de sua eficiência. Constitui, então, um desafio para as equipes gestoras encaminhar o trabalho da escola para uma vivencia curricular que envolva a todos e que amplie as possibilidades dos alunos desenvolverem, no espaço da escola, as competências necessárias à integração na vida contemporânea e ao exercício da cidadania.
Assim, integra esse desafio a criação das condições para que a prática pedagógica dos professores corresponda a uma ação cuidadosamente planejada para o sucesso da aprendizagem dos alunos, e q não para simplesmente aprova-los ou reprova-los. É preciso desenvolver na escola, processos de construção coletiva e compartilhada de uma proposta pedagógica permanentemente atualizada, de um planejamento cuidadoso das aulas ou atividades, definindo-se as melhores estratégias e os melhores recursos de ensino-aprendizagem a serem utilizados.
Vamos pensar a definição de Projeto Pedagógico:


"O projeto pedagógico é a alma da escola. E só poderá ser motivador para todos os integrantes da comunidade escolar caso sua elaboração decorra de um processo realmente participativo. E sendo assim, a gestão do desenvolvimento desse projeto, para dar certo, só pode ser feita de forma coletiva, com repartição de responsabilidades e decisões do grupo. Não cabe mais a idéia de um gestor ou diretor onipotente, detentor exclusivo da autoridade pedagógica e administrativa na escola. Mas cuidado: isto não significa que não seja necessária a existência de um gestor executivo eficiente, líder de processos e estimulador das iniciativas."
(MARTINS, 2003, p. 62)



Assim, cabe um trabalho efetivo junto à coordenação pedagógica da escola junto aos professores, no sentido de atender para os resultados do processo ensino-aprendizagem, os procedimentos de avaliação da aprendizagem, as medidas necessárias para a melhoria constante desses resultados.
Está claro, então, que o currículo escolar e a pratica pedagógica da escola devem constituir o centro das preocupações da equipe gestora.
Porém, existe um equivoco enorme nessa afirmação. Existem equipes gestoras que não estão inteiramente preocupadas com os fatores curriculares e pedagógicos, às vezes deixam questões de menos importância tomar o lugar que essas deveriam ter como prioridade.
Porque as escolas são, por muitas vezes, tão diferentes? Conhecemos escolas com o mesmo orçamento, os mesmos recursos, que atendem o mesmo publico, ficam no mesmo bairro e mostram resultados bem diferentes. Isso tem muito haver com a forma como ela é administrada, e em relação ao bom funcionamento da educação, em termos de melhoria da qualidade do ensino. Esse fator influencia, e muito, ate porque tudo começa pela organização do espaço e um espaço mal organizado não leva o aluno a estimular-se para aprender.


"O que é essencial para ter uma escola diferenciada? Uma boa escola começa com um bom gestor. Muitos excelentes professores são maus gestores, administradores. O bom gestor é fundamental para dinamizar a escola, para buscar caminhos, para motivar todos os envolvidos no processo."
(MORAN, J.M)



Segundo Moreira e Silva (1995, p.7),


"O currículo há muito tempo deixou de ser apenas uma área meramente técnica, voltada para questões relativas a procedimentos, técnicas, métodos. Já se pode falar agora em uma tradição critica do currículo, guiada por questões sociológicas, políticas, epistemológicas."



O currículo, nessa perspectiva, passa a ser considerado artefato social e cultural, deixando de se preocupar, apenas, com a organização do conhecimento a ser transmitido aos alunos.
O termo currículo provem da palavra latina CURRERE, que se refere à carreira, a um percurso que deve ser realizado. Nesse contexto, a escolaridade, via conteúdos expressos no currículo, é o meio pelo qual o aluno se apropria dos conteúdos significativos, de forma progressiva, percorrendo degraus rumo à complexa escolarização.
Esses conteúdos programáticos, pertencentes ao currículo, podem ser expressos de forma explicita (currículo real) ou implícita. Os significados, os valores e as atitudes expressas de forma implícita comporiam o currículo oculto. A forma como o currículo se expressa em um complexo processo social dá significado real ao currículo explicito. Portanto, a experiência de aprendizagem dos alunos nem sempre se limita ao que é explicitamente abarcado pelo currículo.
Existem teses que podem vir a defender o principio de cada um segundo o seu mérito, isto é, de uma pratica baseada na idéia de que os alunos se tiverem capacidades e esforçarem-se, aprenderão o que a escola lhes quiser ensinar, não pondo, portanto, em causa o currículo e a seleção escolar, o que foge de nossos conceitos, pois se queremos uma educação de qualidade para os alunos não podemos simplesmente lançar conteúdos, mas antes de tudo, analisar o CURRICULO social em que a criança encontra-se para que assim o CURRICULO escolar possa ser formulado em vista das dificuldades e das necessidades dos quais foi destinado.



CONSIRERAÇÕES FINAIS

O objetivo desse estudo foi realizar uma pesquisa abrangente sobre o currículo escolar, para que serve, a qual publico atende quais seus objetivos e quais suas reais necessidades.
Discutiu-se um pouco sobre a participação de todos na formação do currículo, ate por que como foi discutido durante o trabalho todo, o currículo é formado para atender as necessidades da comunidade escolar a que serve.




REFERÊNCIAS

FREIRE, P. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. 1. ed. São Paulo: UNESP, 2000.
MOREIRA, A.F. B; SILVA, T.TDA (org). Currículo, cultura e sociedade. 2. ed. São Paulo. Cortez, 1995.
ARROYO Miguel Gonzáles. Conhecimento, ética, educação, pesquisa. Revista e Curriculum (PUCSP), V.2, p. 1-15, 2007; Meio de divulgação: Digital; Homepage: http; www.pucsp.br/ecurriculum.
 
Avalie este artigo:
(2 de 5)
7 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Érica Rafaela Pereira Lima
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Natural de São Paulo, residente hoje em Imaculada na Paraiba, 22 anos, Professora de Educação Infantil a 4 anos, Concluinte em graduação do curso de Licenciatura Plena em Pedagogia agora em 2011.1 pelas Faculdades Integradas de Patos - FIP, Patos PB.
Membro desde maio de 2011
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: