O Papel da Família no Processo de Aprendizagem Escolar Em Crianças com TDA
 
O Papel da Família no Processo de Aprendizagem Escolar Em Crianças com TDA
 

Abrange-se que toda aprendizagem começa em casa, em meio à família e de maneira informal, mas extraordinariamente marcante, para todo o processo de aquisição de conhecimento que se seguirá ao longo da vida. Observa-se que é uma matriz modeladora, uma base indispensável, que apesar de ser causal e empírica, prepara a criança, organiza seu mundo interno, inicia-se a sua socialização e inserção na cultura na qual nasceu.

Sabe-se que é consenso que a família imprimeas primeiras disposições mentais com as quais a criança vai perceber o mundo social, que mais tarde vão ser complementadas e formalizadas pela escola. Nota-se que para serem desenvolvidos e interiorizados, os comportamentos infantis não prescindem da atenção dos familiares, por meio de exemplos e repetições constantes, até se tornarem uma norma de conduta. O controle dos instintos humanos requer uma família disponível e consciente de sua responsabilidade para preparar a criança a assumir seu lugar na sociedade, o que personaliza a cultura de um povo ao longo das gerações.

Percebe-se entretanto que historicamente, esse papel não só cabe a família. A escola, os meios de comunicação, a igreja e o meio social também têm grande influência na educação das novas gerações.

De acordo com MATURANA,(1997,p.105):

[...] A escola e a família como fatores externos podem ser consideradas fontes de recurso ou de limites para a criança no seu processo de aprendizagem e desenvolvimento.

Estuda-se que na maioria das culturas, o ingresso da criançana escola corresponde a uma fase de desenvolvimento socialmente decisiva. Verifica-se que nesta etapa, a criança experimenta a necessidade de ser reconhecida pela realização das tarefas valorizadas pelo meio ambiente. O aprender na escola, torna-se especialmente marcante nas etapas iniciais de escolarização, cumpre papel no processo do desenvolvimento da criança.Sabe-se que no processo de aprender, variáveis afetivas e cognitivas são consideradas como importantes na compreensão e no envolvimento da criança, influenciando o desempenho escolar.

Avalia-se que a vida em família é onde inicia-se a aprendizagem emocional, nesse caldeirão íntimo aprendemos como nos sentir em relação a nós mesmos e como os outros vão reagir a eles; aprendemos como avaliar nossos sentimentos e como reagir a eles; aprendemos como interpretar e manifestar nossas expectativas e temores. Aprende-se tudo isso não somente através do que nossos pais fazem e do que dizem, mas também através do modelo que oferecem quando lidam, individualmente, com os seus próprios sentimentos e com aqueles sentimentos que se passam na vida conjugal.

Apreende-se que ter pais emocionalmente inteligentes é em si de enorme proveito para a criança. Observa-se que a maneira como um casal lida com os seus sentimentos além do trato direto com a criança, transmite sábias lições para seus filhos, que são aprendizes espertos, ligados com os mais leves sinais emocionais na família.

É sabido que o sucesso escolar depende, em grande maioria, de características emocionais que foram cultivadas nos anos que antecedem a entrada da criança na escola. A primeira oportunidade para moldar os ingredientes da inteligência emocional é nos primeiros anos, embora essas aptidões continuem a forma-se durante todo o período escolar, aprimora-se que crianças com transtorno de déficit de atenção são capazes de obterem ótimos resultados escolares desde que seus pais estimulem a sua inteligência emocional para aprendizagem escolar, na qual, confirma-se que "O conhecimento avança quando o aprendiz enfrenta questões sobre as quais ainda não havia parado para pensar" ( WEISZ, 2002, p.71). Percebe- se que quando o aluno com transtorno de déficit de atenção se depara com desafios e precisa pensar em como resolve-los, surge a possibilidade de construção de conhecimento através da desestabilização de hipóteses anteriores de novos conhecimentos, a criança que sofre com esse distúrbio precisa ser estimulada o tempo todo,desejam-se que os pais devam trabalhar em seus filhos o interesse e auto-confiança em aprender, sabe-se que todas as crianças são capazes de aprender em seu tempo, mas deve-se estimular para que sejam capazes de realizar tarefas escolares e expressarem suas necessidades em companhia de outras crianças.

[...]Não estamos educando a emoção nem estimulando o desenvolvimento das unções mais importantes da inteligência, tais como contemplar o belo, pensar antes de reagir, expor e não impor as idéias, gerenciar os pensamentos, ter espírito empreendedor. Estamos informando os jovens, e não formando sua personalidade. (CURY, 2003,p 15)

Compreende-se que a inteligência emocional começa nos primeiros anos de vida e continua durante toda a infância. Todos os pequenos sinais entre pais e filhos contêm um tema emocional, averigua-se que com a repetição das mensagens positivas de confiança através dos anos e o estímulo e interesse dos pais na aprendizagem escolar de seus filhos com transtorno de déficit de atenção, essas crianças formam o núcleo de sua perspectiva eaptidões emocionais. Levar as crianças com o transtorno de déficit de atenção a pensar é uma tarefa difícil para muitos pais, mas não impossível. Deve-se primeiramente trazer a criança para a sua realidade, mostrar-lhe as suas responsabilidades escolares e participar constantemente do processo ensino- aprendizagem de seus filhos. Lembre-se que os pais se tornam os espelhos de seus filhos, a família em geral deve-se estar atenta as mensagens enviadas a criança com esse transtorno, pois mesmo aparentemente estando desligadas assimilam a linguagemverbal de seus pais, estuda-se que quando o tipo de contato torna-se frio, desmotivado entre a criança e os pais, ele molda a expectativa que irão caracterizar o comportamento dela em todas as áreas da vida, para melhor ou para pior.

Segundo CURY (2003,P 47)

[...] Querem ser pais brilhantes? Não apenas tenha o hábito de dialogar, mas de contar histórias. Cativem seus filhos pela sua inteligência e afetividade, não pela sua autoridade, dinheiro ou poder. Tornem-se pessoas agradáveis. Influenciem o ambiente onde eles estão.

Na sociedade na qual vivemos, verifica-se que os problemas são maiores para as crianças cujos pais são grosseiramente ineptos, ou seja, imaturos, viciados em drogas, deprimidos, arrogantes, sem paciência ou simplesmente desnorteados pelo estresse e vivendo de forma desordenada, as famílias desestruturadas, pais vivos mais ausentes, nessa situação resume-se que os pais tendem a não cuidar adequadamente dos filhos e, muitos menos, a entrarem em sintonia com as necessidades emocionais deles. Investiga-se que crianças independente que sofram de distúrbios de aprendizagem ou não quando sofrem algum tipo de agressão seja ela física ou verbal constata-se que seu rendimento escolar tende a piorar, na qual o índice de repetência aumenta com o passar do tempo.

A educação dos filhos é uma tarefa complexa e difícil para alguns pais. Compreende-seque é no cotidiano da criança , hora de tomar banho, alimentar-se, decidir com que roupa vai sair, escolher o horário de retornar do passeio, hora de estudar para as avaliações bimestrais, enfim, entre tantas outras que ocorrem verdadeiras "guerras" entre pais e filhos, porém é quando ocorre essas situações que se deve surgir as intervenções dos pais e familiares que convivem com a criança com transtorno de déficit de atenção, intervenções adequadas que auxiliemos pequenos na construção de sua personalidade moral, na formação de seu caráter.

Aprofunda-se nesta pesquisa para facilitar a compreensão do tema, os estudos de Jean Piaget, biólogo, suíço, reconhecido mundialmente por seus estudos epistemológicos relatados pela Psicologia Genética. Segundo o estudioso, o sujeito é ativo na construção do seu conhecimento e, ao agir sobre o mundo, vai construindo estruturas de inteligências que lhe permitem cada vez mais interagir com objetos e pessoas que o rodeiam, de uma maneira inicialmente sensorial e motora nos dois primeiros anos de vida, até atingir, por um processo de estágios sucessivos e integrados, o pensamento abstrato. Sabe-se que este último é o que lhe permitirá um raciocínio sobre hipóteses, análogo ao raciocínio científico.

 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Barbara Nice Torres
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Contato: [email protected]
Membro desde dezembro de 2008
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: