O jovem contemporâneo
 
O jovem contemporâneo
 


O comportamento do jovem contemporâneo é um reflexo do mundo moderno, que com suas características interfere diretamente no modo de agir, de pensar e falar dessa juventude. Do ponto de vista da globalização e consequentemente da expansão do capitalismo, independente da sua condição social, todos são afetados.

Os jovens de baixa condição financeira sofrem com as mazelas da globalização, vivendo nas periferias, sem acesso a boa educação, ao emprego, a saúde. Vulneráveis as drogas e a todas as formas de violência, são diretamente afetados por sua condição social. Geralmente são oriundos de uma estrutura familiar fragmentada, quando muitos são filhos de mãe solteira, que precisa sair para trabalhar, deixando o filho sozinho. Outros têm no pai a figura de um homem ausente ou violento.  Estes pais nada mais são do que vítimas que geram vítimas do sistema.

Este quadro social é refletido na vida escolar desses jovens, que muitas vezes não se interessam em estudar, não têm perspectiva de futuro ou de ascensão social. Quando frequentam a escola expõem ali o fruto da sua vivencia pessoal, apresentando perfis de violência, depressão e sentimento de revolta. Vistos de forma negativa e inferior pela sociedade, não encontram na escola o apoio que já é nulo na família, diante dessa realidade buscam no mundo do crime um refúgio e um modo de sobrevivência.

    Os poucos que idealizam um futuro promissor, melhores condições de vida e obtêm na família o apoio necessário para se tornar um cidadão ciente dos seus direitos e deveres, encontram no seu caminho inúmeras barreiras e poucas oportunidades. Diante das dificuldades alguns acabam desistindo e aceitando sua condição, outros com muito esforço seguem em busca do que almejam.

Analisando os jovens com boas condições financeiras, é perceptível que estes também são afetados pelo modo de vida do mundo moderno, onde tudo se encontra ao seu alcance: a boa vida, o carro importado, as viagens, as drogas, a violência, a AIDS, a depressão.

Esses jovens tem acesso a uma educação de qualidade, acesso à saúde privada, frequentam os lugares da alta sociedade, tem prestígio, podem conseguir ótimos empregos, fazem parte da elite. Sua estrutura familiar é planejada, com pai, mãe, babá... E é esta última quem geralmente acaba sendo o referencial familiar destes jovens, porque os pais estão ocupados demais aumentando suas riquezas e servindo ao capitalismo.

 É irônico como as coisas se misturam e se confundem, a babá que geralmente mora na favela, que não tem tempo para sua família e que deixa seu filho na creche, acaba sendo o referencial familiar do jovem de classe média que tem os pais ausentes. Sem o apoio familiar o jovem fica depressivo, perde o rendimento escolar, se afasta da sua vida em sociedade e torna-se vulnerável ao mundo das coisas ilícitas.

Fica clara a compreensão de que o jovem depressivo, desmotivado, vulnerável, rebelde, não é aquele jovem filho de mãe solteira, que mora na favela e estuda em escola pública. Nem o jovem filho do pai rico, que paga a escola particular e todos os seus caprichos. 

Esse é o perfil do jovem moderno, filho do capitalismo e da globalização, vítima de um sistema que desestrutura a família e afasta as pessoas, aumentando gradativamente o sentimento individualista.

 

 

Erika Regina B. dos Santos

email: [email protected]

twitter: @Erykkynha

 

 
Avalie este artigo:
(3 de 5)
11 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Erika Santos
Talvez você goste destes artigos também