Aline Morgan de Queiroz Dias

De acordo com os PCN´S (Parâmetros Curriculares Nacionais) o estudo de História no primeiro ciclo deve:

  • Comparar acontecimentos no tempo, tendo como referência anterioridade, posterioridade e simultaneidade;
  • Reconhecer algumas semelhanças e diferenças sociais, econômicas e culturais, de dimensão cotidiana, existentes no seu grupo de convívio escolar e na sua localidade; reconhecer algumas permanências e transformações sociais, econômicas e culturais nas vivências cotidianas das famílias, da escola e da coletividade, no tempo, no mesmo espaço de convivência;
  • Caracterizar o modo de vida de uma coletividade indígena, que vive ou viveu na região, distinguindo suas dimensões econômicas, sociais, culturais, artísticas e religiosas;
  • Identificar diferenças culturais entre o modo de vida de sua localidade e o da comunidade indígena estudada;
  • Estabelecer relações entre o presente e o passado;
  • Identificar alguns documentos históricos e fontes de informações discernindo algumas de suas funções.

No Segundo Ciclo deve compreender:

  • Reconhecer algumas relações sociais, econômicas, políticas e culturais que a sua coletividade estabelece ou estabeleceu com outras localidades, no presente e no passado;
  • Identificar as ascendências e descendências das pessoas que pertencem à sua localidade, quanto à nacionalidade, etnia, língua, religião e costumes, contextualizando seus deslocamentos e confrontos culturais e étnicos, em diversos momentos históricos nacionais;
  • Identificar as relações de poder estabelecidas entre a sua localidade e os demais centros políticos, econômicos e culturais, em diferentes tempos;
  • Utilizar diferentes fontes de informação para leituras críticas;
  • Valorizar as ações coletivas que repercutem na melhoria das condições de vida das localidades.

O ensino de História possui objetivo específico, sendo um dos mais relevantes o que se relaciona à constituição da noção de identidade. Assim, é primordial que o ensino de História estabeleça relações entre identidades individuais, sociais e coletivas, entre as quais as que se constituem como nacionais.

Para a sociedade brasileira atual, a questão da identidade tem se tornado um tema de dimensões abrangentes, uma vez que se vive um extenso processo migratório que tem desarticulado formas tradicionais de relações sociais e culturais. Nesse processo migratório, a perda da identidade tem apresentado situações alarmantes, desestruturando relações historicamente estabelecidas, desagregando valores cujo alcance ainda não se pode avaliar. Dentro dessa perspectiva, o ensino de História tende a desempenhar um papel mais relevante na formação da cidadania, envolvendo a reflexão sobre a atuação do indivíduo em suas relações pessoais com o grupo de convívio, suas afetividades e sua participação no coletivo.

Surgem, a partir dessa dimensão, desafios para o trabalho histórico que visa à constituição de uma identidade social do estudante, fundada no passado comum do seu grupo de convívio, mas articulada à história da população brasileira.

De acordo com os PCN´S (Parâmetros Curriculares Nacionais) o estudo da Geografia  no  Primeiro Ciclo deve:

  • Conhecer o mundo atual em sua diversidade, favorecendo a compreensão, de como as paisagens, os lugares e os territórios se constroem;
  • Identificar e avaliar as ações dos homens em sociedade e suas conseqüências em diferentes espaços e tempos, de modo que construa referenciais que possibilitem uma participação propositiva e reativa nas questões socioambientais locais;
  • Conhecer o funcionamento da natureza em suas múltiplas relações, de modo que compreenda o papel das sociedades na construção do território, da paisagem e do lugar;
  • Compreender a espacialidade e temporalidade dos fenômenos geográficos estudados em suas dinâmicas e interações;

No Segundo Ciclo deve compreender:

  • Compreender que as melhorias nas condições de vida, os direitos políticos, os avanços tecnológicos e as transformações socioculturais são conquistas ainda não usufruídas por todos os seres humanos e, dentro de suas possibilidades, empenhar-se em democratizá-las;
  • Conhecer e saber utilizar procedimentos de pesquisa da Geografia para compreender a paisagem, o território e o lugar, seus processos de construção, identificando suas relações, problemas e contradições;
  • Orientá-los a compreender a importância das diferentes linguagens na leitura da paisagem, desde as imagens, música e literatura de dados e de documentos de diferentes fontes de informação, de modo que interprete, analise e relacione informações sobre o espaço;
  • Saber utilizar a linguagem gráfica para obter informações e representar a espacialidade dos fenômenos geográficos;
  • Valorizar o patrimônio sociocultural e respeitar a sociodiversidade, reconhecendo-os como direitos dos povos e indivíduos e elementos de fortalecimento da democracia.

Desde as primeiras etapas da escolaridade, o ensino da Geografia pode e deve ter como objetivo mostrar ao aluno que cidadania é também o sentimento de pertencer a uma realidade em que as relações entre: a sociedade e a natureza formam um todo integrado,

(constantemente em transformação) do qual ele faz parte e que, portanto, precisa conhecer e do qual se pinta membro participante, afetivamente ligado, responsável e comprometido historicamente com os valores humanísticos.

Adquirir conhecimentos básicos de Geografia é algo importante para a vida em sociedade em particular para o desempenho das funções de cidadania: cada cidadão, ao conhecer as características sociais, culturais e naturais do lugar onde vive, bem como as de outros lugares, pode comparar, explicar, compreender e espacializar as múltiplas relações que diferentes sociedades em épocas variadas estabelecem com a natureza  na construção de seu espaço geográfico.

A aquisição desses conhecimentos permite uma maior consciência dos limites e responsabilidades da ação individual e coletiva com relação ao seu lugar e a contextos mais amplos, de escala nacional e mundial. Para tanto, a seleção de conteúdos de Geografia para o ensino fundamental deve contemplar temáticas de relevância social, cuja, compreensão, por parte dos alunos, se mostra essencial para a sua formação como cidadão.

Baseados nesses procedimentos acreditamos, que a música na sala de aula seja um acontecimento e um trabalho que não pode ser fragmentado e que a música faz parte do ser humano. É física, intelectual, sentimental, sensitiva e organizacional. Pertence ao contexto social, humano, natural e não há como ser desvinculada da realidade.

Referências:

  • Revista Nova Escola on-line. Mensal. Girardi, Giovana Música para aprender e se divertir. São Paulo. Junho/ julho 2004. Acesso em: 27. Set. 2007  disponível em:       http: //novaescola.abril.uol.com.br/
  • Abud, Katia Maria. Registro e representação do cotidiano: a música popular na aula de história. Cad. CEDES, Dez 2005, vol.25, no.67, p.309-317. ISSN 0101-3262
  • CASCUDO Luiz Câmara Civilização e cultura (2 vol.) – MEC/Ed. José Olímpio, 1973.
  • BERNADINO Sandra Folclore no Brasil – Fundo de Cultura, Rio, 1967 – 2ª edição, FJA, Natal;, 1980
  • LYDIA Hortelio, Abra a Roda Tindo lê lê, vol I 2005
Revisado por Editor do Webartigos.com