O Conceito de ''Abstração Reflexionante'' e o Desenvolvimento da Lógica de ...
 
O Conceito de ''Abstração Reflexionante'' e o Desenvolvimento da Lógica de Pensar e os Conteúdos de Física
 

O conceito de "abstração reflexionante" e o desenvolvimento da lógica de pensar e os conteúdos de Física.

Por: Maria José Lacerda Vasconcelos[1]

As preocupações dos teóricos que nortearam seus estudos para o desenvolvimento da pessoa, fizeram a mesma pergunta: Como se constrói o conhecimento?

E hoje, acredito que esta pergunta esteja presente na cabeça dos profissionais
de educação que trabalhar em sala de aula, em particular os professores da área de ciências que leciona física e convivem diariamente com os conflitos dos seus alunos.

Se a escola é o local onde acontece a socialização do conhecimento historicamente acumulado pela humanidade e a finalidade da ação docente se concretiza na tarefa de mediar e mediar com sucesso e sabedoria seus alunos, é preciso que tenhamos sensibilidade para poder selecionar no universo de tantos elementos culturais, aqueles que são fundamentais para a formação dos nossos alunos do ensino médio.

Conforme aponta Saviani (1992) [2] os educadores devem buscar nortear sua ação a partir de três objetivos fundamentais: a identificação das formas mais desenvolvidas em que se exprime o saber objetivo socialmente produzido, a transformação deste saber objetivo em saber escolar que possa ser assimilado pelo conjunto dos alunos e a garantia das condições necessárias para que estes não apenas se apropriem do conhecimento, mas ainda possa elevar seu nível de compreensão da realidade.

No entanto, o nosso trabalho em sala de aula vai muito mais além do que definir os conteúdos e a metodologia a ser utilizada, tem de dar conta a meu ver, a um dos maiores desafios da educação: enfrentar salas de aula com 40 alunos em média, que apresentam momentos e ritmos diferenciados para aprender.

Piaget, em suas pesquisas científicas procurou demonstrar a construção dos processos mentais. Considerou que se estudasse a maneira de como as crianças constroem as noções fundamentais do conhecimento poderia compreender a gênese e a evolução do conhecimento humano, por isso, partiu de uma concepção de desenvolvimento envolvendo um processo contínuo de trocas entre os organismos vivos e o meio ambiente.

Pode-se dizer que o "sujeito epistêmico" protagoniza o papel central do modelo piagetiano, pois a grande preocupação da teoria é desvendar os mecanismos processuais do pensamento do homem, desde o início da sua vida até a idade adulta. Nesse sentido,  a compreensão dos mecanismos de constituição do conhecimento, na concepção de Piaget, equivale à compreensão dos mecanismos envolvidos na formação do pensamento lógico, matemático.

No processo de abstração reflexionante proposto por Piaget e discutido por Becker (1993) [3], o conhecimento é concebido como uma construção. Esta construção acontece através de um processo de abstração reflexionante.

O processo de abstração reflexionante é a projeção num patamar superior daquilo que foi tirado de um patamar inferior. Neste processo a reflexão é o ato mental de construção e reorganização sobre o patamar superior daquilo que foi transferido pelo inferior.

Para o autor, abstração significa retirar, extrair ou arrancar algo de algo. As abstrações sempre incidem sobre um material reflexionante. No estudo da Física, os modelos
formam este material, pois a Física é a ciência dos modelos.O material gera abstração empírica quando for observável, isto é, originários de objetos ou ações. Se o material estiver na classe dos não-observáveis gera abstração reflexionante que é o resultado de coordenações endógenas.

A dificuldade de compreender o conceito físico pela grande maioria dos estudantes do ensino médio e em graduações superiores, advém muitas vezes da falta de correspondência das representações reflexionante com as formas de abstração empírica derivadas da percepção direta da realidade. Como exemplo a idéia carga elétrica, campo elétrico e potencial elétrico no ensino do eletromagnetismo.

A abstração reflexionante é simbólica. Os conteúdos estudados no ensino médio e a maneira como esses conteúdos são ministrados com aulas experimentais ou demonstrativas (quando estas existem nas escolas), não são capazes de promoverem a passagem da abstração empírica para a abstração reflexionante. Estamos apenas considerando os conteúdos relacionados à física clássica

A mudança cognitiva que vai do empírico ao abstrato não ocorre de forma direta e imediata e muitas vezes não ocorrem, por outras implicações decorrentes das interpretações epistemológicas, como acontece com a física quântica. Este é um tema que até o momento não existe um consenso entre os educadores, da melhor maneira de se introduzir no ensino básico os conteúdos desta ciência que criou um novo paradigma no século XX e tem contribuído grandemente com os avanços tecnológicos no muno atual.

Vale lembrar que a abstração será maior ou menor dependendo do contexto onde o indivíduo esteja inserido. O contexto serve para alimentar as experiências anteriores ou os esquemas. Portanto, a preocupação em apresentar os conteúdos de Física de tal forma que sejam associados ao cotidiano do aluno deve ser constante, o que certamente ajuda na mudança cognitiva do sujeito com a mediação do professor. Não é uma tarefa fácil! mas é possível.

A importância da pesquisa no ensino da física é fundamental na prática de um ensino construtivista. Através dela é possível manejar e produzir conhecimento, possibilitando abstração reflexionante, isto pode produzir independência em pensamentos e ações. Em decorrência disso, a educação escolar pode contribuir grandemente na formação de pessoas com senso crítico da realidade. Este pode ser um caminho para o ensino da Ciência da Natureza no ensino médio.

Salvador, Maio de 2009

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AGUIAR, Orlando. As três formas de eqüilibração: análise do material didático de um curso de eletricidade básica. Caderno Catarinense de Ensino de Física. Volume 16 nº. 1 de Abril de 1999. p. 72-82

BECKER, Fernando. Epistemologia do Professor: O cotidiano da escola. Petrópolis Editora Vozes, 9º Edição, 2001.

FERRACIOLI, Laércio. Aspectos da construção do conhecimento e da aprendizagem na obra de Piaget - Caderno Catarinense de Ensino de Física. Volume 16 – Nº. 2 de Agosto 1999. p. 180-194.

PIAGET, J. & GARCIA, R. Psicogênese e História da Ciência. Lisboa: D. Quixote, 1987.

PIAGET, J. Eqüilibração das Estruturas Cognitivas. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.



[1] Professora de Física do Colégio Estadual Anísio Teixeira – Salvador –BA ePsicopedagoga Clínica e Educacional.

[2] SALVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações 3. ed. S.Paulo Cortez ,1992.

[3] BECKER, Fernando –Epistemologia do Professor – O cotidiano da escola. Editora. Vozes

 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Maria Vasconcelos
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Graduada em Física pela UFBA, Psicopedagógia Educacional e Clínica ; especialista EM ENSINO DE Ciências, Matemática e suas Tecnologias ; Metodologia Ensino Superior e Informática Aplicada ao Ensino de Ciências . Durante 20 profª.Física do CEFETBa . Na atualidade Profª da SEC-Ba servindo no C....
Membro desde maio de 2009
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: