O Caminho Mais Excelente
 
O Caminho Mais Excelente
 


Pastor George Emanuel

1 Co 12:31 Entretanto, procurai, com zelo, os melhores dons. E eu passo a mostrar-vos ainda um caminho sobremodo excelente.

1 Co 13:1 Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o bronze que soa ou como o címbalo que retine.

2 Ainda que eu tenha o dom de profetizar e conheça todos os mistérios e toda a ciência; ainda que eu tenha tamanha fé, a ponto de transportar montes, se não tiver amor, nada serei.

3 E ainda que eu distribua todos os meus bens entre os pobres e ainda que entregue o meu próprio corpo para ser queimado, se não tiver amor, nada disso me aproveitará.

4 O amor é paciente, é benigno; o amor não arde em ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece.

5 não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal.

6 não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade;

7 tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

8 O amor jamais acaba; mas, havendo profecias, desaparecerão; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, passará.

9 porque, em parte, conhecemos e, em parte, profetizamos.

10 Quando, porém, vier o que é perfeito, então, o que é em parte será aniquilado.

11 Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, pensava como menino; quando cheguei a ser homem, desisti das coisas próprias de menino.

12 Porque, agora, vemos como em espelho, obscuramente; então, veremos face a face. Agora, conheço em parte; então, conhecerei como também sou conhecido.

13 Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três; porém o maior destes é o amor.

Introdução:

Nos versos anteriores, o apostolo Paulo falou dos dons extraordinários do Espírito Santo; tais como curar os doentes, profetizar, falar em línguas, bem como a interpretação miraculosa dessas línguas que são dadas por Deus, e que um orador secular nunca aprenderia sozinho sem o auxilio direto do Espírito Santo. Mas, havia um sério problema na Igreja, os coríntios (ou alguns deles) estavam se vangloriando de ser mais espirituais que Paulo, de terem avançado mais espiritualmente na vida cristã do que o apóstolo.

Então, a exposição de Paulo em 1Co 12 acerca da variedade, unidade e importância dos dons espirituais, seguida de seu ensino em 1Co 13 de um caminho mais excelente (o amor ágape) que é melhor do que todos os dons espirituais; bem como de seu ensino na seqüência de 1Co 14 acerca da superioridade da profecia nas reuniões da Igreja, através dos discursos inteligíveis (em formas de sermões) sobre os discursos não inteligíveis (as línguas), vem reforçar o ponto de vista supra citado.

Paulo estava tentando corrigir a importância excessiva dada pelos "espirituais" de Corinto às expressões ou elocuções extáticas nos cultos, bem como a vanglória dos que exerciam os dons relacionados com essas expressões, tais como línguas, palavra de conhecimento ou de sabedoria, e que se julgavam mais "espirituais" do que os outros.

O apóstolo Paulo admite que os dons tornam-se necessários e devem ser desejados por todo Igreja; sim, ele exorta aos Coríntios, pelo menos, aos mestres da Igreja para procurarem com zelo os melhores dons e almejá-los honestamente, para que, deste modo, eles pudessem qualificar-se, de maneira a serem mais úteis, tanto aos cristãos quantos os não cristãos.

"Mas ainda assim", ele diz, "eu lhes mostrarei um caminho mais excelente"; muito mais desejável do que todos esses colocados juntos.

·O amor é infalivelmente na condução dos cristãos a felicidade em ambos os mundos, ou seja, tanto nesta vida quanto na vindoura. Agora, se faltasse aos cristãos o verdadeiro amor, eles seriam considerados os mais miseráveis quer neste tempo ou na eternidade.

A palavra equivalente a "amor" usada no texto original é Ágape. A forma nominal encontra-se quase 120 vezes, e a verbal, mais de 130 vezes. Nós podemos almejar conhecimento, tanto da palavra quanto das obras de Deus, quer da providência ou graça sem o amor de Deus norteando todos os princípios da vida cristã.

I.Agora, pela graça de Deus, nós podemos escolher o "caminho mais excelente".Vamos agora comparar este com o caminho mais excelente com o caminho que a maioria dos cristãos está trilhando.

II.Certamente, existe "um caminho mais excelente" de ordenar nossas devoções pessoais. Hugo McCord diz que a expressão poderia ser traduzida por "um caminho de excelência" ou "uma estrada de superioridade". No contexto, Paulo está contrastando esse "caminho" com os dons miraculosos; ele mostrará um caminho que é melhor do que esses dons.

III.O amor por ser Superior aos dons miraculosos é a verdadeira ferramenta e o antídoto de Deus tanto para corrigir os problemas quanto para curar as enfermidades da alma que contaminavam Igreja.

·Sem o verdadeiro amor toda a eloqüência, todo o conhecimento, toda a fé, todas as obras, e todos os sofrimentos são de nenhum valor aos olhos de Deus. É comparado a um metal que soa ou o címbalo que retine, e não tem o menor proveito em direção à nossa salvação eterna.

1.Sem amor.

·Tudo que sabemos, tudo que cremos, tudo que fazemos, tudo que sofremos, será de nenhum proveito naquele grande dia de nossa prestação de contas diante de Deus.

J. W. McGarvey, um estudioso da Bíblia, diz o seguinte: "Esta passagem tem sido admirada por todas as gerações, mas, infelizmente, não tem sido observada por nenhuma delas".

O famoso comentarista William Barclay observa: "Este capítulo testa o homem bom mais severamente do que qualquer outro capítulo do Novo Testamento".

A razão é que este capítulo investiga o que está por trás do que fazemos; ele vai até os nossos motivos mais secretos no recôndito da alma.

2.Com Amor.

A finalidade de todo cristãos é fazer todo seu trabalho agradável a Deus; fazer, não sua própria vontade, mas a vontade Dele que o enviou ao mundo. Para este sublime propósito, fazer a vontade de Deus sobre a terra, como os anjos a fazem nos céus, o cristão trabalha sendo cheio, lapidado e impulsionado pelo amor para a eternidade.

1."Nossa comunicação torna-se excelente", ou seja, discurso ou conversa, "seja boa", que ela seja materialmente boa, sobre bons assuntos; não se agitando, com respeito ao que ocorre; porque, o que você tem a ver com cortes e reis? Não é da sua conta lutar as guerras, reformar o estado; exceto quando algum evento notável chama pelo reconhecimento da justiça ou misericórdia de Deus. Nós devemos, de fato, falar algumas vezes das coisas mundanas; do contrário, estaremos fora do mundo. Mas isto seria apenas até onde fosse necessário: Então, retornaríamos para um assunto melhor.

2."Nossas obras torna-se excelente": calculada para edificar tanto o orador, quanto os ouvintes, ou a ambos; as obras nos edificam em Cristo.

3."Nosso ministério" não fornecerá entretenimento, mas graça aos ouvintes.

- Vocês anseiam pelos melhores dons?

Eles, realmente, valem sua busca dedicada e piedosa, embora saibamos que poucos são aqueles que o alcançam. Mas existe um dom muito mais excelente do que todos esses; e um que todos podem conquistar. Exorto-vos a buscarem desesperadamente esse dom mais excelente, pois ninguém poderá adentrar pelas portas da eternidade sem estarem saturados por ele.

1.Não adiantará vocês serem grandes e eloqüentes pregadores.

2.Não adiantará para vocês terem ciência dos inescrutáveis mistérios de Deus.

3.Nem terem toda a gnosis (conhecimento) das coisas divinas ou humanas, que algum mortal jamais alcançou.

4.Muito menos prestarão de algum proveito vocês serem instrumentos de grandes milagres ou operação de fé.

5.Sem Amor: nada temos; nada somos; nada alcançaremos.

Ainda que sejamos os maiores filantropos do mundo e deliberadamente, parte por parte, der-mos todos os nossos bens para alimentar os pobres, órfãos e viúvas; e ainda que venhamos a ser uma Igreja de Mártires, se não tivermos o amor como parâmetro único de ações, sentimentos e motivações, somos os mais miseráveis de todos os homens.

·John Wesley, disse sem Amor:

1.O que quer que eu fale

2.O que quer que eu tenha

3.O que quer que eu saiba

4.O que quer que eu faça

5.O que quer que eu sofra, é absolutamente inócuo e sem valor.

Trabalhando diariamente num ambiente congregacional, devo fazer uma aplicação especial a igrejas.

1.O que levamos em conta, hoje em dia, quando convidamos um pregador?

·Queremos ótimos oradores?

·Ótimos teologos eruditos ?

·Ótimos reavivalistas motivacionais ?

·Ou procuramos homens e mulheres que amem profundamente?

2.E o que levamos em conta quando honramos nossos membros?

·Seu talento?

·Seu dom de profetizar?

·Sua sabedoria descomunal?

·Ou por que Ele sabe amar?

Wesley L. Duewell: O amor é o ingrediente essencial para todo o serviço cristão. O amor é a chave para todo sucesso cristão. O amor é a fragrância, a glória e o poder para toda a vida cristã. O amor transforma um líder num pastor. O amor transforma uma testemunha em um embaixador de Cristo. O amor faz do serviço a Deus um ministério.

I

Paulo começa dizendo: "Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o bronze que soa ou como o címbalo que retine" (v. 1).

·Ele começa com o dom mais valorizado pelos coríntios: falar em línguas, a capacidade miraculosa de falar numa língua ou idioma jamais estudado ou aprendido.

Falar em línguas era um dom impressionante e era visto com elevada apreciação. No capítulo 14, porém, Paulo salientou que falar em línguas era inferior a dons práticos como profetizar, ou seja, de pregar a palavra de Deus (observe vv. 18, 19, etc.).

·Quando Paulo se refere a "línguas dos homens e anjos", o que provavelmente temos é uma figura de exagero retórico: a capacidade de falar em línguas num grau superlativo.

·Mesmo que fosse possível se falar todas as línguas, da terra ou do céu, se não houvesse amor, o resultado seria apenas o barulho sem nexo, sem edificação, sem dinamica espiritual.

·Naqueles dias, a adoração pagã geralmente se caracterizava pelo retumbar de címbalos e pelos toques de trombetas. Talvez Paulo tivesse em mente esse cenário. De qualquer maneira, um barulho dissonante é a figura que ele usa  como os sons produzidos durante a afinação de uma orquestra.

A seguir, Paulo diz: "Ainda que eu tenha o dom de profetizar e conheça todos os mistérios e toda a ciência; ainda que eu tenha tamanha , a ponto de transportar montes, se não tiver amor, nada serei" (v. 2).

Em primeiro lugar, poucos dons são mais valorizados hoje na era da comunicação do que o dom da eloquência, da oratoria. Muitas personalidades na igreja conteporanea são reconhecidos como grandes pregadores e nos guetos seculares, os políticas são conhecidas como "grandes comunicadores".

As multidoes admiram os homens que os deixam fascinados com o seu discurso. Mas& Paulo diz que sem amor, o discurso mais primoroso é simplesmente como vento. Essa idéia, para mim que sou pregador e professor, me deixa estupevado.

·Mas, ainda que eu consiga fascinar uma platéia e ainda que eu convença centenas a aceitarem a Cristo, se não houver amor no meu coração, permanecerei culpado perante Deus, o qual é amor.

Sendo assim, o primeiro dom mencionado no versículo 2 é o dom da profecia, um dom muito importante, pois todos judeus almejavam que seus filhos fossem profetas. A palavra "profeta" referia-se a um porta-voz de Deus  aquele que falava como representante de Deus por inspiração.

I Coríntios 14, Paulo deixa claro que esse era dom valiosissimo (veja v. 3, etc.). Mas Paulo diz que, sem amor, esse mesmo dom não tem sentido.

·Lembremo-nos que Balaão disse palavras proféticas, mas lhe faltava o amor a Deus (Números 24:1ss.; 31:8).

·Caifás também disse palavras proféticas, mas isto não significa que ele seja um homem de Deus (João 11:51).

Em segundo lugar, Paulo também se refere a conhecer todos os mistérios. Talvez isto se refira ao dom da sabedoria (1 Coríntios 12:8), mas é mais provável que simplesmente faça parte do dom do conhecimento, mencionado a seguir no versículo. Dizia respeito a ter uma profunda percepção para coisas espirituais. Depois, Paulo fala de conhecer toda a ciência. Neste contexto, tratava-se de conhecimento sobrenatural  conhecer a vontade de Deus, sem estudo, por inspiração.

Em terceiro lugar, Paulo se refere a ter tamanha fé,a ponto de transportar montes. Novamente, neste contexto, fé sobrenatural é o que está sendo considerado (1 Coríntios 12:9)  não o tipo de fé que resulta de um estudo da Palavra de Deus (Romanos 10:17), não o tipo de fé sem o qual é impossível agradar a Deus (Hebreus 11:6). Este é um tipo especial de fé que provém diretamente de Deus e capacita o indivíduo a fazer coisas maravilhosas.

·A coisa maravilhosa específica citada no versículo é transportar montes. Os "montes" aqui poderiam estar no sentido literal; se transportar um monte era o que Deus queria, sem dúvida um homem revestido do poder de Deus poderia fazê-lo (observe Mateus 17:20). Mas, provavelmente, temos aqui outra hipérbole (figura de discurso que exprime exagero) para transmitir a idéia. "Transportar montes" era um coloquialismo naqueles dias, uma expressão idiomática usada pelos judeus para a solução de imensos problemas. Paulo parece estar falando da capacidade de realizar milagres que edificam e fortalecem, mesmo diante de grandes impossibilidades.

Paulo enumera os dons miraculosos mais valorizados na igreja primitiva, sem dúvida, com a intenção de que eles simplesmente representassem todos os dons. Portanto, ele estava dizendo: "Mas ainda que eu tenha esses dons, se não tiver amor, nada serei!"

II

O Amor é Aprendido; é Incondicional; é Indiscriminatório; Ele é baseado na vontade; na estima; na apreciação; no sentimento, mas, sobretudo na motivação correta.

O cristão que possui o Ágape diz: "Eu te amo", não "eu te amo se&" nem "eu te amor por que&", mas simplesmente "eu te amo". O Amor Ágape é o segredo de todas as relações humanas duradouras. O desafio desta série é aprendermos a amar como Deus quer que amemos. O grande exemplo de amor ágape é o próprio Jesus.

1.Amor é mais do que Ações e Sentimentos.

Veja, ICoríntios 13.3 como ponto de partida: "Ainda que eu distribua todos os meus bens entre os pobres e ainda que entregue o meu próprio corpo para ser queimado, se não tiver amor, nada disso me aproveitará".

Esse texto é muito incisivo. Foi Jesus mesmo quem disse: "Ninguém tem maior amor do que este: de dar alguém a própria vida em favor de seus amigos" (Jo 15.13).

Como, então, Paulo diz que dar a vida pode não ser uma ação de amor?

Não se pode dizer que o amor é o mesmo que ações sacrificiais?

Temos neste texto um forte antídoto para o ensino comum de que amor não é o que você sente, mas o que você faz. O que há de bom nesse ensino paulino é a intenção dupla de mostrar:

1.Que meros sentimentos calorosos jamais podem substituir atos reais de amor (Tg 2.16; 1Jo 3.18).

2.Que se devem fazer esforços de amor mesmo na ausência da alegria que se gostaria de ter. Mas é desatenção e inexatidão sustentar essas duas verdades dizendo que amor é simplesmente o que você faz e não o que você sente.

É evidente que uma ação não se qualifica como amor se não incluir a motivação correta. A capacidade de se sacrificar de nada vale se não estiver saturada de amor incondicional.

Amor não é aquilo que se destina aos melhores. Amor não cresce na medida em que cresce o objeto amado. Ao contrário, quanto maior é o amor, tanto menor é o objeto ao qual ele se dirige.Maior é o amor quanto mais destituídas de virtudes são as pessoas as quais ele se direciona.

O amor consegue ser amor para os parias da sociedade.

O amor consegue ser amor para as prostitutas.

O amor consegue ser amor para os não amados.

O amor consegue amar pessoas impossíveis de serem amadas.

C. S. Lewis, (Os Quatro Amores), discorrendo sobre o amor ágape, disse: Amar é ser vulnerável. Ame qualquer coisa e seu coração irá certamente ser espremido e possivelmente partido. Se quiser ter a certeza de mantê-lo intacto, não deve dá-lo a ninguém, nem mesmo a um animal. Envolva-o cuidadosamente em passatempos e pequenos confortos, evite todos os envolvimentos, feche-o com segurança no esquife ou no caixão do seu egoísmo. Mas mesmo nesse esquife seguro, sombrio, imóvel, sufocante, ele irá mudar. Não será quebrado, mas vai tornar-se inquebrável, impenetrável, irredimível. A alternativa para a tragédia, ou pelo menos para o risco da tragédia é a danação. O único lugar fora do céu onde você pode manter-se perfeitamente seguro contra todos os perigos e perturbações do amor é o inferno.

III

Aparentemente, os coríntios acreditavam que certos dons davam-lhes status espiritual. Alguns ainda acreditam nisto hoje. Certo líder e professor notável da atualidade proclama que os dons miraculosos poderiam resolver a maior parte dos problemas da igreja, senão todos, e que os dons miraculosos trazem fervor, vitalidade e espiritualidade à igreja  e põem fim à apatia, à letargia e ao ritualismo. Mas Paulo diz que há uma coisa imensamente superior aos dons miraculosos  o amor.

1.O amor não age temerariamente  Não condena apressadamente alguém; nunca passa uma sentença severa sobre uma visão não importante ou apressada das coisas. Nem ele alguma vez age ou se comporta de uma maneira violenta, obstinada ou precipitada. O amor é paciente não apenas com as circunstâncias, mas paciente com as pessoas.

2.Ele não se ensoberbece  Sim, ele humilha a alma ao pó.A preocupação do amor é dar-se, não afirmar-se. Quem se ensoberbece é alguém que se preocupa na afirmação, mas quem ama não se preocupa nisto, preocupa-se em dar-se.

3.Ele não se comporta indecentemente  Não é rude, ou propositadamente ofensivo, com alguém. Ele paga todas as suas dívidas  Adequadas ao tempo, pessoa, e todas as outras circunstâncias. O amor evita o que é vergonhoso. Evita o que é indecoroso, evita o que é desonroso, evita o que é indecente, evita toda a gama de comportamento inconveniente.

4.Não busca seus interesses  Comodidade, prazer e honra, ou vantagens temporais. O amor é a antítese do egoísmo. O amor não é melindroso, não se predispõe a ofender-se facilmente. Quem ama não é um "não me toque".

5.O amor não pensa mal  Na verdade, ele não pode fazer isto; a não ser ver e ouvir as coisas más, e saber que elas são assim; mas não propositadamente pensar mal de alguém; nem pressupor mal, onde ele não apareça. Ele arranca raiz e ramos, toda imaginação do que não temos prova. Ele lança fora todo ciúme, toda suposição má. Toda prontidão para pensar mal. Não se ressente do mal. No entanto, no grego a tradução é a palavra logisecai, que significa lógica do mal, não é maldoso, não é malicioso, não suspeita mal. A mente de quem ama é uma mente positiva. Sua lógica é a do bem.

6.Não se regozija na iniqüidade  Sim, lamenta o pecado ou tolice, até mesmo de um inimigo; não tem prazer em ouvir e repetir isto, mas deseja que possa ser esquecido para sempre. O amor não consegue criar espaço para alegria quando prevalece a injustiça.A alegria do amor é a vitória da verdade. Não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade.

7.Mas se regozija na verdade  Produzindo seus próprios frutos, santidade de coração e vida. Bem, em geral, é sua glória e alegria, onde quer que seja difundida em todo o mundo.

8.O amor sofre todas as coisas  7 tudo sofre. Qualquer que seja o mal que o amante da humanidade vê, ouve, ou conhece de alguém, ele não menciona a ninguém; isto nunca sai de sua boca, a menos, onde a obrigação absoluta o constrange a falar.Ele é bondoso para com aqueles que nos maltratam que nos magoam que nos fazem mal.

9.Acredita em todas as coisas - tudo Crer. Coloca a mais favorável construção em todas as coisas; e está sempre pronto a acreditar no que quer que possa tender ao proveito do caráter de alguém. O amor tudo crê porque vê o melhor nos outros, retém a fé nas pessoas. O amor não é pessimista para com o outro. Ele é capaz de imaginar o melhor a respeito das pessoas.

10.Neste meio tempo, ele suporta todas as coisas  O que quer que a injustiça, a malícia, e a crueldade dos homens possam infligir. Ele não apenas pode fazer, mas igualmente suportar, todas as coisas, através de Cristo que o fortalece. O amor não recua facilmente diante do sofrimento. Ele encara a dor esta é a idéia original.A palavra é interessantíssima, u`pome,nw, hupomeno: vem da rubrica militar (Hogde) que dá idéia de suportar todos os assédios do sofrimento e das perseguições, o soldado que torna-se um guerreiro na batalha, do escudeiro que se torna um valente na guerra continuando no combate, independente dos obstáculos, dando passos adiante das adversidades.

11.O amor nunca falha  Ele nos acompanha à eternidade, e nos adorna; ele nos prepara, e nos lapida e leva-nos para o céu. O amor não acaba nunca. O amor não entra em colapso. Não pára. Sua lua não mingua; seu sol não se eclipsa. O amor perdura. Tudo passa, mas o verdadeiro amor não passa.

John Wesley, enquanto exortava os pastores ao amor pelos perdidos, ele disse: "Vamos todos ter um só objetivo. Vivamos só para isto, para salvar as nossas almas e as almas daqueles que nos ouvem", Wesley clamou novamente: "Dê-me cem pregadores que nada temam senão o pecado e nada desejem senão Deus, e não me importo que sejam clérigos ou leigos, tais homens sozinhos abalarão as portas do inferno e estabelecer o reino de Deus na terra".

·Porque nós conhecemos em parte, e em parte, profetizamos  Os mais sábios dos homens têm aqui, a não ser concepções breves, estreitas e imperfeitas, até mesmo, das coisas em volta deles, e muito mais das coisas profundas de Deus.

E, até mesmo as profecias, que os homens distribuem de Deus, estão longe de abrangerem todos os eventos futuros, ou aquela sabedoria e conhecimento de Deus que estão guardados como tesouro, na revelação bíblica.

Agora faço duas observações:

a.Em nosso estado presente, nós somos meras crianças, no que se refere ao conhecimento, comparado com o que deveremos ser daqui por diante.

b.Eu coloco de lado as coisas infantis  Por iniciativa minha, prontamente, sem preocupação.

·Agora vemos  Até mesmos as coisas que nos rodeiam. Como que através de um vidro  Ou espelho, que reflete apenas as formas imperfeitas, de uma maneira ofuscada, fraca, obscura; de modo que nossos pensamentos a respeito delas são intricados, e tudo é uma espécie de enigma para nós.

·Mas, então  Deveremos ver não um reflexo fraco, mas os próprios objetos. Face a face  Distintamente.

·Agora eu sei, em parte  Até mesmo quando o próprio Deus revela as coisas a mim, grande parte delas é ainda mantida sob um véu.

·Mas, então, eu conhecerei, igualmente como sou conhecido  De uma maneira clara, completa, abrangente; em alguma medida, como Deus, que penetra no centro de todo objeto, e vê, de um relança, através de minha alma e todas as coisas.

·Fé, esperança e amor  São a soma da perfeição na terra; somente o amor é a soma da perfeição no céu.

Conclusão:

Quanto mais leio esses versículos, mais me convenço de três coisas:

1)O amor não é frágil, nem fraco. nem fácil de ser praticado. O amor é consistente e duradouro e difícil de ser praticado.

2)Todos nós temos um longo caminho a percorrer para se tornar uma pessoa amorosa. Se quisermos maturidade espiritual e uma igreja edificada em Cristo, presisamos urgentemente Amar ao proximo.

3)Jamais chegaremos nem ao menos perto da pessoa de Paulo como a apostolo de Cristo, sem aprendermos a amar como ele amou.

4)Jamais seremos instrumentos de edificação para a Igreja, nem iremos para o céu, sem não nos tornarmos seres mais amorosos.

Agostinho, em Confições, disse:Meu peso é meu amor; para onde quer que eu vá, é Ele quem me leva. Teu dom nos inflama e nos eleva.

O evangelista George Bailey resume estes versículos da seguinte maneira:

Num mundo de falta de compreensão, "o amor é paciente".

Num mundo de amargura, "o amor é benigno".

Num mundo de competição, "o amor não arde em ciúmes".

Num mundo de fama, honra e prestígio, "o amor não se ufana".

Num mundo de orgulho, o amor "não se ensoberbece".

Num mundo de indelicadezas, o amor "não se conduz inconvenientemente".

Num mundo de egoísmo, o amor "não procura os seus interesses".

Num mundo de raiva, mau-humor e violência, o amor "não se exaspera".

Num mundo de insinceridade, o amor "não se ressente do mal".

Num mundo de inveja, o amor "não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade".

Num mundo de covardia, o amor "tudo sofre".

Num mundo de desconfiança, o amor "tudo crê".

Num mundo de pessimismo, o amor "tudo espera".

Num mundo de perseguição, o amor "tudo suporta".

Visto que Deus é amor (1 João 4:8, 16), essas qualidades podem ser usadas para mostrar a natureza de Deus:

Deus é paciente, é benigno; Deus não arde em ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece, não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; Deus não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade; Deus tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. Deus jamais acaba.

Que Deus em Cristo te abençoe.

 
Avalie este artigo:
1 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de George Ferreira
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
George Emanuel Lira Ferreira nasceu em 8 de novembro de 1975 em Fortaleza, capital do Ceará. É Bacharel em Teologia pelo SeminárioTeológico Pentecostal do Ceará, Mestre em Bíblia pelo STF e Conferencista. Contato: georgeniado@gmail.com
Membro desde dezembro de 2008
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: