Nietzsche E O Conceito De Verdade E Mentira
 
Nietzsche E O Conceito De Verdade E Mentira
 


 

Noção de homem  animal inteligente. Noção de tempo e espaço, finitude do homem e relativa insignificância em relação ao universo (homem finito = micro / Universo infinito, = macro)

Compreensão Explicativa:

Intelecto finito e dependente da natureza biológica.

Analogia da mosca = O raciocínio é o seguinte: A mosca gira em círculos, mas ela não se vê assim: Ela se vê comoo centro e observa as coisas ao seu redor.

Se alguém observa a mosca de fora, verá que ela se engana, e vê que ela não é o centro do conhecer, mas gira em círculos(crítica aos racionalistas).

Transportador de carga = burro

Intelecto =Suporte dos fracos = infelizes porque sabem.

Nuvem de cegueira = analogia à mosca.

Mentiroso = Intelecto nos engana

Intelecto = arte do disfarce

Compreensão Explicativa:

Intelecto orgulhoso dos homens fracos e finitos, que têm como objetivo a vaidade Portanto não pode achar a verdade.

Cabe dizer que o discurso e encadeado, articulado.

Primeiro a crítica e após sua explicitação

O homem contenta se com a aparência e ao aperfeiçoamento da técnica (analogia do piano) contentá-se com o enxergar só a frente (asno) e julga olhar por todos os lados e ainda assim não se apercebe dessa maneira por causa da vaidade ( a cegueira da verdade)

O sentimento moral é vaidoso.

Deixar o hábito de roncar - se dar conta primeiro que está dormindo, dar um passo adiante e procurar corrigir, ao menos se dar conta de alguma coisa para roncar menos ou não roncar (não dormir nas aparências).

Compreensão Explicativa:

A verdade nos escapa critica o em si do objeto e Hegel, com relação ao todo, absoluto. Sópodemos conhecer as partes, e ainda assim de formar aparente. A aparência é o reflexo daverdade que não podemos conhecer.

Cubículo da Consciência  percebe-se que a verdade não está na consciência, ela se esconde (Freud?).

Outra interpretação sair do cubículo da consciência é consciência fora de si( Hegel?)

Também é olhar de foca. Suponho que para caracterizar a última parte ele tenha feito isto, exposto nas 4 últimas linhas do 3º parágrafo. (página 46).

Percebe-se fora de si os 3 níveis de visão  o animal 1º (tigre) (assassino, insaciável) mais em 2º nível o homem, indiferente ao seu saber, em 3º a consciência fora de si (aquela que olha através da fruta, portanto, não vê o todo) que observa de fora e de cima para baixo.

Compreensão Explicativa:

Nitzsche demonstra que o 3º nível da visão (ou consciência) em que se observa o homem no seu não-saber indiferente apoiando em sua animalidade, em que a consciência humana sai de seu cubículo e observa, é deste mundo que vem o impulso à verdade (é o mundo que nos escapa).

FILÓSOFOInconsciente que vê homem (indiferente ao conhecer verdadeiro)

animal (tigre).

Rebanho- refere-se ao animal.

Seu mundo= Individual (sociedade época, aspecto sócio-histórico).

Compreensão explicativa:

Primeiro passo para alcançar o impulso à verdade= acordo de paz, e superar a parte animal do homem (um leva ao outro).

O homem se contenta com o engano , ele não gosta das conseqüências prejudiciais das mentiras, mas tolera a mentira enquanto tal.

Conceitos Verdade - designação válida e obrigatório das coisas. A linguagem dá as 1ª leis. Ex: O círculo é redondo.

Mentira  designação que não corresponde ao objeto. Ex: O círculo é quadrado.

Ilusão  mentira.

Compreensão explicativa:

O homem não quer a verdade. Ele quer as conseqüências da verdade, que são agradáveis e conservam a vida, diferentemente das conseqüências da mentira. Ou seja: tolera a verdade, mas, tolera sua conseqüência.

Até aqui ele deixa claro que a linguagem dá as primeiras leis da verdade.

A última frase é um questionamento sobre isso. Primeiro ele usa a linguagem e após reflete se esta ferramenta ou meio é a expressão adequada de todas as realidades. No fundo, questiona se o que ele escreve (ou quer dizer) se fundamento através da linguagem.

Tautologia  crítica a lógica. Estojos vazios significa a forma lógica desprovida de conteúdo que ele chama de mentira.

Compreensão Explicativa:

A linguagem é subjetiva.

Pode designar mais de uma coisa, portanto; inexata com relação à objetividade das coisas.

Coisa-em-si  verdade pura sem conseqüência ou verdade objetiva. A linguagem já é um intermediário para falar da coisa em si e portanto não pode objetivar a verdade pura (para ser pura não pode ter intermediários)

Linguagem (teoria do conhecimento) intermediário entre o sujeito e o objeto. Ex: Ele diz isto é uma cadeira. Ele impôs a designação ao objeto através da linguagem. (Ele designa; é cadeira)mas também vê uma arvore (imagem), pensa na palavra e articula. É árvore (primeira e segunda metáforas).A diferença está só no tempo de articulação.

Compreensão Explicativa:

Podemos falar da coisa em si através da linguagem, mas nunca captá-la por meio dela.

O surdo vê as notas musicais desenhadas, e julga vendo a vibração da corda de um violoncelo, por exemplo, que aquilo é música. Tem esse julgamento porque é surdo.

Assim se dá com a linguagem: Articulamos as palavras e achamos que as palavras designam a coisa, mesma, o objeto em si, e na verdade designamos apenas aparência, ou o falso. Por isso a linguagem é mentirosa: designa aparência e não a coisa em si que é incaptável por meio da linguagem.

Ou seja, a linguagem não pode conter a verdade da coisa em si, só aparências subjetivas do objeto.

Portanto, conhecemos através de metáforas (ou intermediários).

Não é logicamente porque tem conteúdo e é subjetivo.

O homem da verdade  sentido crônico, platônico (maiêutica).

Compreensão Explicativa:

Sobre o conceito, ex: A vela, o microondas. São conceitos menores jogadas em um maior, que é objeto, ou seja, igualação do não igual.

Conceitos: Partimos dos particulares ao geral, igualando os não-iguais, e pensamos que partimos do geral ao particular, ou seja, partimos da vela, microondas, cadeira, para designar, todos são objetos (igualo ou não igual). E pensamos assim: têm a cadeira em si que deriva todas as cadeiras particulares, o que considera o individual e nos coloca mais longe ainda da verdade.

A natureza desconhece conceitos. Ela conhece a coisa-em-si, para nós inacessível é indefinível.

Nas 4 últimas linhas ele problematiza a limitação da linguagem, logo, do conhecer.

Metáfora Lógica  tenta colocar a objetividade nas proposições para demonstrar que a objetividade delas não é possível.

Metáfora =} verdade da linguagem em

Em si =}sentido amplo.

Esquecimento  O homem se esquece que mente, ou se esquece que a aparência é aparência, e por isso chego ao sentimento da verdade, mente quando designa algo como verdade.

Compreensão Explicativa:

Isto é dialético:Ex: não de dando conta que mente diz como verdade.

Se dando conta que mente, se contrapõe a algo de verdadeiro. Ou seja, se a linguagem é mentirosa, pelo próprio fato de ser assim, tem-se a intuição de verdade que nos escapa, pois eu só posso dizer a linguagem é mentira, se eu saber ou pressupor uma verdade que escapa à linguagem. Essa intuição do sentimento de verdade se dá de modo contraposto à linguagem, de modo inconsciente (para Nietzsche a inconsciência). Ou seja, a verdade-em-si está além da consiência.

Divinização do conceito, crítica à igreja, às ciência exatas.

O homem é o sujeito do conhecimento e criador da linguagem e desse conhecer. Por isso se ilude, tomando mentiras por verdades, porque não percebe que a verdade em si escapa aos conceitos.

Em última análise, ele reduz o seu saber a si mesmo. E se reduziu, é porque existe mais amplo, que o escapa.

O homem se reduz porque se coloca Omo universal e o mundo como todas as multiplicidades particulares. Se coloca como o centro e o mundo em volta, sem se dar conta que é particular e também dá voltas (como a mosca).

A verdade aparece ao homem como intuição original expressada em metáforas ou conceitos

O homem confunde metáfora ou conceitos a própria linguagem, como a coisa em si. Por isso a linguagem é mentirosa. Porque não expressa a verdade-em-si, só a aparência.

Verdade = em-si (inconsciente)

Contrapostos

Mentira = aparência (linguagem)

O homem se coloca como o em si (absoluto), do qual deriva a multiplicidade dos conhecimentos particulares. Ele não se dá conta que (absoluto) do qual deriva todos os conhecimentos particulares.

Ele é particular e participa dos saberes particulares.

Ele também gira em círculos, como a mosca, sem ser o centro, daí seu engano.

Arte  Influência de schopenhauer. O caminho da transcendência se dá pela arte e o homem toma consciência de sua inconsciência se dá conta de que sonha e transcende através da arte, através do conceito.

Compreensão Explicativa:

Aqui ele coloca um lado artista, mostrando a arte grega que é de certa forma no mito, que os gregos viviam como arte, a forma de transcendência.

Porque aceitavam o mito, e a arte seria o caminho que conduziria à verdade.

Quando a razão demonstra a arte, que é a representação da vida(no teatro, por exemplo) ela se torna livre da indigência dos conceitos, pois se revela em sua verdade como enganadora, e aí os conceitos enganadores se mostram inúteis, e só resta para a razão contemplar o impulso à verdade na forma da aouto-representação(teatro). Livra-se da indigência e se torna senhora de si.

 
Avalie este artigo:
1 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Erinaldo Ferreira Da Silva
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Sou graduado em Filosofia pela Universidade Metodista de São Paulo , atualmente desenvolvo atividade ligada a area de cursos profissionalizantes no Estado São Paulo
Membro desde outubro de 2008
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: