MOTIVAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TECNOLOGIA
 
MOTIVAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TECNOLOGIA
 


MOTIVAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TECNOLOGIA


Souza, Josefa Albaneide Gomes 1
Wataya, Roberto Sussumu 2
Abreu, Alexandre Chiesa 3


Resumo: Diante dos grandes avanços tecnológicos e científicos, as organizações estão cada vez mais investindo em Capital Humano, deixando assim para trás o mecanismo que imperava no início do século XX, em que o único meio de motivar as pessoas era por recompensas financeiras. Numa constante mudança em ambientes empresariais que até então eram ignorados como: liderança, motivação, colaboradores, hoje estão dando lugar ao tesouro mais importante de qualquer empresa: o CAPITAL HUMANO. Com a necessidade das empresas se tornarem mais competitivas e diferentes no mercado veio à busca pela motivação de seus colaboradores. Criando assim um ambiente motivador, onde as pessoas possam se sentir bem em todos os aspectos que são mais do que essencial e primordial em uma empresa. Assim, o objetivo do estudo é analisar os fatores que motivam os funcionários de tecnologia, e verificar se há relação de trabalho com o crescimento da empresa. A metodologia aplicada tem embasamento na pesquisa bibliográfica e no estudo de caso em uma empresa "A" e a análise dos dados foram feitos por métodos analíticos e descritivos.

Palavras chaves: Tecnologia, motivação, Capital Humano.








1 Licenciada em pedagogia ? Universidade Bandeirante de São Paulo.
Trabalho de Conclusão do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas do Centro Universitário Adventista de São Paulo (UNASP). E-mail: albaneideaguiar@gmail.com
2 Docente da UNASP. E-mail: roberto.sussumu@unasp.edu.br
3 Colaborador parcial do estudo.











I. INTRODUÇÃO

"Aqueles que não tentam criar o futuro que desejam precisa agüentar o futuro que conseguem.."
(D. Kauffman Jr., 2003.).

Motivação é um fator mais do que primordial na vida de qualquer ser humano, seja na vida pessoal ou profissional, são atitudes que são conquistados pelo colaborador e reconhecidos pela empresa é uma ferramenta essencial para qualquer área, estimular os colaboradores a terem êxito; melhorar o desempenho; minimizar o impacto dos fatores mais comuns de desmotivação; criar um sistema de recompensas imparcial e contínuo, e transformar experiências negativas em oportunidades positivas é o mínimo que a empresa deve e precisa proporcionar aos seus colaboradores.
A "peça chave" que constitui e move uma organização é o "Capital Humano", que até então os colaboradores eram visto e tratados como máquinas, puramente racional, o que com certeza prejudica o sucesso de qualquer organização, pois o ser humano precisa ser considerado o mais importante em qualquer lugar, ser considerado único, ser tratado com respeito, ser tratado como gente e não como mais um empregado que pode ser encontrado em qualquer lugar. Uma equipe é feita por pessoas, e não é só porque esses profissionais trabalham com tecnologia que podem ser visto como máquinas, como mais um que fará parte da folha de pagamento.
Mesmo com os grandes avanços as empresas buscam os melhores modelos que expliquem adequadamente o comportamento das pessoas, compreender a motivação e o seu aproveitamento na visão estratégica têm levado cada vez mais as organizações ao sucesso. Por isso toda e qualquer empresa busca o seu diferencial, investindo cada vez mais recursos que possam agregar no seu bem maior: seus colaboradores.
Os profissionais de tecnologia, por mais competentes e atualizados que seja também precisam de motivação, é importante que as organizações se preocupem e tragam cada vez mais a motivação para dentro do ambiente de trabalho, proporcionando condições e melhorias de sucesso, fazendo com que todos tenham uma maior capacidade e prazer em se trabalhar.
Stoner (1999, p. 322) conceitua motivação como: "Os fatores que provocam, canalizam e sustentam o comportamento do indivíduo".Assim ele define motivação como um conjunto de fatores, mas Vianna (1999, p. 9) já caracteriza a ação de motivar como "[...] colocar o combustível mais poderoso dentro do cérebro dos seres humanos que fazem parte de nossa equipe." Logo a motivação é um conjunto de fatores que dão suporte à ação de determinado indivíduo e é necessário despertar esses fatores nas pessoas que integram.
De acordo com o blog arte comportamental uma pesquisa inédita aponta características do perfil dos profissionais de tecnologia da informação.
Durante o período de agosto de 2008 a outubro de 2009, mais de mil profissionais participaram voluntariamente do estudo para levantar características dos profissionais do setor da Tecnologia da Informação (TI).
Com as informações obtidas no estudo foi possível verificar as condições econômicas e sociais, fatores motivacionais no ambiente de trabalho, preferência por idiomas, condições de atualização do conhecimento técnico e formação profissional, estímulo para estes profissionais atuarem na área, bem como os fatores comportamentais característicos. Pesquisas já foram realizadas para identificar questões econômicas e mercadológicas do setor de TI, mas até o momento da publicação da pesquisa pouco foi estudado para conhecer a realidade dos profissionais deste setor que cresce consideravelmente a cada ano.
O setor emprega mais de 500 mil profissionais especializados, mantendo uma média de geração de emprego acima dos 13% ao ano. Se mantido o crescimento estima-se, em 2013 um déficit de 200 mil profissionais, segundo estudo realizado em 2009 pelo SOFTEX. Além da preocupação da falta de profissionais às empresas necessitam criar programas motivacionais para atraírem e reterem seus talentos, sabendo também como investirem em programas de capacitação. Para criarem estes programas de forma mais eficaz é necessário conhecer o perfil atual dos profissionais atuantes no mercado e os dados do estudo ajudarão os profissionais de recursos humanos desenvolverem os programas.
Nunca podemos deixar evidenciar o mais importante dentro do ambiente empresarial: às pessoas, a qualidade de vida e a motivação não existem ferramentas, ou qualquer tecnologia por mais avançada que seja que corrija os erros se as pessoas envolvidas não fizerem acontecer.

II. QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO

"Não inventaram ainda a máquina que cria, imagina e sonha...".
(Roberto Adami Tranjan, 2003).

Qualidade de vida é composta por todos os fatores na vida de um indivíduo, sua vida familiar, afetiva, financeira, profissional, ou seja, qualidade de vida é ter relações saudáveis em todos os aspectos, em seu ambiente de trabalho, no lazer e em casa.
A sociedade no geral cada dia que passa percebe que a QV e a saúde são ativos importantes para a vida de qualquer indivíduo.
Os fatores motivacionais contribuem diretamente com QV das pessoas impulsionando a participação, o desenvolvendo, o compromisso duradouro entre empresa e funcionário, fazendo com que o colaborador vista a camisa da empresa e a empresa reconheça integralmente, e conseqüentemente a todos.
Percebem-se quando o trabalho está sendo prejudicial para a vida do indivíduo a partir do momento que nos sentimos sobrecarregados, entram as depressões e alteram seu humor, conseqüentemente atingindo o andamento das atividades empresariais.
Desenvolver a QV está sendo um grande desafio para as organizações, pois a qualidade não significa apenas proporcional do local para se trabalhar, e sim traz a satisfação e bem estar em todos os aspectos para executarem as suas atividades. É preciso ultrapassar o esperado, as barreiras do comum, trazer o diferencial, o máximo de inovação e qualidade, para que empresa e funcionários proporcionem o melhor de si e se sintam bem preparados para a realização e produtividade do seu trabalho.
A qualidade de vida no trabalho, conforme Chiavenato (2004, p. 448) "[...] representa o grau em que os membros da organização são capazes de satisfazer suas necessidades pessoais através do seu trabalho", é representada pelo grau em que os membros de uma organização são capazes de satisfazer suas necessidades, sendo assim a QVT é determinada pelo desempenho sistêmico das características individuais e das organizacionais.
Segundo Santos e Fialho apud Merino (2000, p. 13) "o trabalho é uma forma de atividade própria do homem, enquanto ser social". O trabalho se relaciona diretamente com algum tipo de retorno, preferencialmente de ordem material ou monetária. O trabalho constitui a aplicação de forças e faculdades para atingir um objetivo. O trabalho sempre ocupou um lugar muito importante na vida de todas as pessoas, pois grande parte dela se passa dentro das organizações, assim ele possui um grande valor em nossa sociedade, pois desperta o homem a busca de conduções para melhorar sua qualidade de vida, como disse Amador Aguiar: "Só o trabalho produz riqueza".
A qualidade de vida muitas vezes na área de TI é esquecida, pois a demanda é grande e suga muito do colaborador, o que futuramente irá prejudicar o profissional e conseqüentemente a empresa, trazendo problemas socias, físicos e psicológicos.


III. O PROFISSIONAL DE TECNOLOGIA

"É no interior das organizações que reside à força das inovações...".
(Ribeiro, 2008, p.41).

O profissional de TI deve e precisa estar atento e sempre atualizado ao mundo moderno e as novas tecnologias, lendo jornais, revistas, pois precisa trabalhar em cima do que se tem e se exige e principalmente analisar o que o mercado tende, desenvolvendo a cada instante novas alternativas, e sempre pensando em suprir as necessidades das empresas e pessoas que delas precisam, trazendo novidades, modernidades e transformar cada vez mais o mundo tecnológico, que hoje é muito concorrido.
São movidos e alimentados por descobertas a todo instante, e o mercado cada dia exige mais e mais desses profissionais, precisam analisar o que falta para o sucesso das empresas, implementar aquilo que já existe, porém com um algo a mais, algo que ainda não foi inventado, algo exclusivo e que garanta a evolução e o sucesso da organização. Precisa ser altamente comprometido e sério, pois vai trabalhar com muitas informações, muitos dados confidenciais, de grandes responsabilidades e que até mesmo pode colocar em risco a sua própria carreira.
Nos últimos anos, a evolução da Tecnologia da Informação, com a competitividade da economia, obrigou o profissional a se tornar especialista, mas não somente em TI, ele deve entender também do negócio do cliente para poder prestar um melhor atendimento.
Como parte importante no crescimento comercial da empresa, o profissional da área tem que entender as regras do negócio, que são tão importantes como entender as linhas de códigos de tecnologia.
Inovação, criatividade, trabalho em equipe e comunicação são habilidades fundamentais para quem quer ter sucesso nessa área.
"Não existe uma simples cadeia de casualidade. Realizamos as tecnologias e elas nos constroem e constroem a época histórica; fazemos as máquinas e as máquinas realizam a época histórica.
Tornamo-nos os objetos que realizamos, mas eles vêm a ser aquilo que nós fizermos deles".
(Sherry Turkle, Life on the Screen, 1996)


IV. MOTIVAÇÃO X SATISFAÇÃO

Motivação e satisfação são fatores mais do que importante na vida de qualquer indivíduo, pessoa motivada e satisfeita é mais do que primordial para que se tenha um bem estar em vida como um todo.
Se o indivíduo tem satisfação e prazer em trabalhar e faz o que gosta, conseqüentemente se sente motivado, e realiza o trabalho perfeitamente, entretanto a área de recursos humanos, deve e precisa constantemente aprimorar maneiras de focar a motivação e satisfação na vida do seu colaborador, pois passamos a maior parte do tempo no ambiente de trabalho.
Uma organização que trabalha a motivação e satisfação em seu funcionário é a maior recompensa/benefício que pode proporcionar.
Atualmente o papel do RH já está inovando, não está sendo apenas para selecionar e recrutar seus profissionais e sim, reconhecer o mérito e o talento humano desenvolvendo novos profissionais e cuidar do bem maior que consiste a empresa: os seres humanos.
Criar um ambiente aonde todas às áreas possam se sentir bem motivadas, satisfeitas e engajadas não é uma tarefa nada fácil, mas cabe a empresa oferecer o que há de melhor para o bem estar de todos que dela fazem parte, promovendo maneiras e ambientes para que todos se sintam em um ambiente organizacional verdadeiro, transparente e amigável.
Sabemos que o Ser Humano é eterno insatisfeito, pois somos seres evoluídos e sempre queremos e buscamos o melhor em todos os aspectos, crescendo e aprimorando a cada instante, cabe a empresa buscar adequar as melhores formas e procedimentos para se fazer o melhor sempre para seus colaboradores.


V. A MOTIVAÇÃO

Maslow nos oferece vários códigos no âmbito da motivação. Para motivar às pessoas que temos a nosso ao redor devemos buscar de acordo com as necessidades individual de cada um, e assim tentar facilitar a consecução do degrau superior imediatamente.
De um modo geral nem todas as pessoas se realizam conforme a pirâmide de Maslow, seguindo necessidades por necessidades, assim como alguns se preocupam com as necessidades fisiológicas, outras com a auto-estima, e assim por diante.
Herzberg, como ponto de partida, comparou à teoria clássica de Maslow, mas como Aldefer, também discordou de alguns pontos da teoria das necessidades, Herzberg se sustenta à motivação no ambiente externo e no trabalho do homem e não nas necessidades humanas. Ele defende que a motivação depende do trabalho no geral, e não do reconhecimento / incentivo proporcionado pela empresa, que não são todas os reconhecimentos e incentivos que a empresa proporciona que vai estar gerando a satisfação, mas sim evitam a não-satisfação.
A seguir na Fig.1, veremos um quadro sinótico onde é apresentada a diferença entre as teorias de Herzberg e Maslow.


Figura 1: As teorias de Herzberg e Maslow.
Fonte: http://pt.scribd.com/doc/50467650/11/A-Motivacao-para-FREDERICK-HERZBERG

VI. AS CONSULTORIAS

Diante dos grandes avanços e a grande demanda dos profissionais de tecnologia, as consultorias de tecnologia estão ganhando mais espaço, pois estão se tornando uma ótima parceria entre o profissional, empresa e para o cliente. Desde que seja feita de forma organizada, correta e dentro das leis.
O profissional precisa ser altamente organizado, pois a maioria das vezes será contratada como P.J, onde estes não possuem vínculos empregatícios, tendo que se manter e se organizar, entretanto não terá os direitos de um profissional CLT, o que muitas vezes gera uma instabilidade e insegurança muito grande em todos os envolvidos.
Já que não tem vínculo empregatício podem atender vários clientes, mas existem algumas empresas que trabalham em regime de exclusividade, impossibilitando o atendimento de vários clientes.
No caso das consultorias precisam ter um rigoroso e inovador processo de seleção e recrutamento, pois a área de T.I. necessita muitas vezes de profissionais específicos, dificultando e até mesmo atrasando a entrega dos profissionais conforme o combinado.
Diante das centenas de consultorias que existem no mercado, o que torna diferente uma da outra são o grau de comprometimento, responsabilidade, entendimento e atendimento nas demandas.
A seleção e o recrutamento dos profissionais, já se começam pelos analistas de RH que devem e precisa ser altamente qualificados, entender e compreender a demanda, para assim buscar o profissional na hora certa, e principalmente desenhar todos os processos: divulgando corretamente a descrição da vaga, fazer a triagem dos currículos, entrevistas e dinâmicas de acordo com o perfil de cada vaga, e posteriormente o retorno dos processos.
Lembrando-se do antes, o agora e o depois, pois muitas vezes esses profissionais por serem consultores P.J. são contratados e esquecidos pela consultoria já que a maioria irá trabalhar na empresa contratante.
A todo instante os profissionais respiram e se alimentam de informação, mas precisam lembrá-los que são seres humanos, que precisam de lazer, divertimento, alegria e descanso, não máquinas que ficam ligadas 24 horas por dia, até mesmo as máquinas precisam de manutenção e descanso.
A alta rotatividade hoje no mercado de TI cada dia que passa está aumentando, pois as empresas não investem em seu bem maior o seu colaborador, e os profissionais concerteza buscam uma empresa que proporcione a valorização, motivação e o reconhecimento como profissional reconhecimento não apenas financeiros e sim reconhecimento humano.


VII. ESTUDO DE CASO

A empresa doravante chamada de Empresa ?A? atua no ramo de Consultoria há mais de 10 anos, hoje conta com aproximadamente 75 colaboradores dentre as áreas administrativas, técnicas e gerenciais, sendo contratados com Pessoa Jurídica e CLT.
Os dados deste estudo foram obtidos através de questionários elaborados pelos gestores e pelo diretor da empresa. Envolvendo todas as áreas, o enfoque principal do estudo é na área técnica, os profissionais de TI.
Um estudo realizado pela gestora da área de Recursos Humanos pode verificar a relação da motivação com o sucesso da empresa, impactando seu cliente final.
O objetivo desse estudo é medir o grau de satisfação que os colaboradores sentem em trabalhar na empresa "A", medir as metas, rotatividade e motivação em se trabalhar na organização.
As primeiras coletas dos dados foram feitas no primeiro semestre de 2010, e conseqüentemente a cada semestre está sendo feito o estudo.
Evidenciar o gráfico abaixo do 1º e 2º semestre de 2010:


Evidenciar o gráfico abaixo do 1º semestre de 2011:

Evidenciar o gráfico abaixo desejado e esperado para o 2º semestre de 2011:


Porque os indicadores aumentaram?
Quais parâmetros foram usados para aumentar?
Como percebemos e evidenciamos os índices mostrados nos gráficos houve um aumento significativo nos percentuais de metas alcançadas da motivação e diminuindo gradativamente o índice de rotatividade. Sabemos o que move um ser humano é a motivação por aquilo que lhe é proposto e exigido, portanto o RH desta empresa analisou através de estudos o clima organizacional de seus colaboradores, nas quais foram vistos que seu colaborador não se sentia bem em trabalhar numa empresa que não o motiva, apenas o desgasta, não promove ações provenientes de incentivos para que o ??bom funcionário??permaneça, e cresça em conjunto.
O R.H de uma empresa é responsável por tomar ações efetivas no ambiente de trabalho, caracterizando-se como principal função buscar idéias de como motivar seus colaboradores durante o dia-a-dia de trabalho. No estudo vimos que o R.H desta empresa buscou ações efetivas e preventivas para que os índices prejudiciais diminuíssem, sendo necessário mostrar-lhes o porquê de continuar vestindo a camisa desta empresa, motivando-os através de prêmios, por metas alcançadas, gratificações por tempo casa, sessões interativas de discussões entre os colaboradores, promoções de caça-talentos dentro da própria empresa e a transparências entre empregador x empregado.
Focando nestas ações a empresa conseguiu atingir, ou chegar próximo dos índices desejados, motivar as pessoas, não é tarefa simples e fácil, diante dos estudos consideramos que a motivação é um processo intrínseco; íntimo para cada pessoa. No entanto a organização pode e deve criar um ambiente motivador, onde as pessoas devem buscar satisfazer suas necessidades próprias.
Segundo Archer (1989, p. 25), [...] "a motivação, portanto, nasce somente das necessidades humanas e não daquelas coisas que satisfazem estas necessidades".
Verificamos assim, que para ter e manter as pessoas motivadas é necessário ter um "faro", de investigador, detectar as diferentes necessidades no âmbito organizacional. O campo de estudo focando diretamente na motivação é vasto e complexo, que não é tarefa nada fácil, principalmente tratando-se de diferentes profissionais e qualificações do ramo de tecnologia, diante de todo o processo cabe a empresa elaborar planos e ações (motivacional, preventiva e efetiva) para se ter bons profissionais e motivados, para que não impacte posteriormente os resultados esperados pela empresa.


VIII. CONCLUSÃO

Levando em consideração todos os autores estudados, destacamos que existem infinitas formas de motivação, ela surge no interior das pessoas, e cada indivíduo reage de forma diferente, sabemos que não há uma teoria certa ou errada que garanta a motivação, mas sabemos que ainda é um grande desafio das organizações manter sempre todos os colaboradores motivados.
Cada dia surge novas teorias que indiquem a importância da motivação, constatamos de um modo geral que "algumas" empresas buscam dar o melhor, em busca da motivação diferenciada, pois o do dia-a-dia de trabalho assim como o fluxo demanda, pressão e a rotina do dia-a-dia deixam seus colaboradores desmotivados com as condições apresentadas, logo as empresas buscam sempre implantar o seu método, visão e política junto com as teorias apresentam acima, assim como os estudos realizados para que possam chegar a denominador comum: o bem estar de seu colaborador.
Ressalvo que é de importância unânime do RH, buscar através de estudos, ouvindo a realidade de seus colabores, aplicar ações de correções que retificam o que é mais difícil deixarem seu colaborador ??contente??.
Como vimos pelos estudos, não há teoria, concepções que possam deixar o ser humano satisfeito do que ouvi-lo, motivá-lo e mostrar-lhes ações efetivas que digam exatamente o porquê de sua permanência na empresa.
A motivação no geral precisa ser encarada como forma de valorizar o funcionário, que deve se sentir parte integrante da empresa e não simplesmente um seguidor de regras.
O Profissional de T.I que focamos geralmente trabalha em ambientes críticos, onde se preocupa com o perfil que o mercado pede para atender os fluxos de demanda e estes não estando motivados pela empresa da qual trabalha, certamente teremos um conjunto de fatores desmotivacionais sendo assim não terá nenhuma teoria que mudará a situação comportamental dele, gerando inclusive a contaminação e rotatividade destes.
Hoje, devemos estar sempre atentos com caráter de urgência nestes profissionais, sempre os motivando, cujo é de papel fundamental o R.H implantar sua semente de motivação para que este profissional seja o seu diferencial de mercado, mostre seu potencial, suas ações talentosas da qual é tão exigido assim, sendo necessário superar seu cansaço para obter seu louvor e tendo a motivação do seu lado, mudará as estrelas de lugar. ??A fé move mundos?? segundo um velho ditado, entretanto a motivação move o ser humano, então jamais devemos perdê-la devemos estar com ela sempre do nosso lado, a motivação a é irmã do profissional de T.I, porque é justamente dela que necessitamos para executar um ??bom trabalho??.
Diante da "Era da Informação" é necessário posicionar-se diante das mudanças para acompanhar as transformações de uma sociedade "mutante". Permanecer em estado de inércia não levará o indivíduo a acompanhar a avalanche de inovações, é necessário agir e ser um objeto transformador. As pessoas, quanto mais conhecem, mais produzem saberes, mais conhecem a si mesmas. Tornam-se ainda mais belas quando compartilham esse conhecimento, quando permitem também que o outro conheça um pouco daquilo que sabe. Não valorizar aqueles que se dedicam à atividade de ensinar e educar, é não valorizar o mundo onde está inserido.
Neste ponto, voltamos à importância da continuidade da aprendizagem para o desenvolvimento do ser humano, como pessoa, cidadão e profissional. O Mundo não para, e a inserção e permanência, do profissional no mercado de trabalho vão depender da maneira como ele vai enfrentar os desafios de uma sociedade que se movimenta na "velocidade da luz", principalmente no que se refere ao excesso de competitividade que estão presentes em todos os setores da vida.


IX. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


ARCHER, Earnest R. O mito da motivação. In BERGAMINI, Cecília W. e CODA, Roberto. Psicodinâmica da vida organizacional: Motivação e Liderança.2ª
ed. São Paulo: Atlas, 1997


BERGAMINI, Cecília W. e CODA, Roberto. Psicodinâmica da vida organizacional: Motivação e Liderança. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 1997.


BERGAMINI, Cecília Whitaker. Motivação nas organizações. São Paulo: Atlas, 1997.


CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de Pessoas: O novo papel dos recursos humanos nas organizações , 3ªed. ? Rio de Janeiro: Alsevier, Campus, 2008.


CHIAVENATO, Idalberto. Gerenciando com as pessoas: Transformando o executivo em um excelente gestor de pessoas . Rio de Janeiro: Elsevier - Ed. Campus, 2005.


CHIAVENATO, Idalberto. Recursos Humanos : Ed. Compacta, 6. ed. ? São Paulo:Atlas, 2000.

Felippe, Maria Inês. Revista Gestão Plus n. 18 - Ano Janeiro/fevereiro 2001- O desafios da Motivação, pág 18 e 19.


HERZBERG, Frederick. Novamente: Como se faz para motivar funcionários? In
MASLOW, A.H. Uma teoria da motivação humana, in O comportamento na empresa ? uma antologia. BALCÃO, Y.F.; CORDEIRO, L.L. Rio de Janeiro; FGV ? Instituto de Documentação, 1975.


MERINO, Eugênio. Qualidade de Vida no trabalho. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção. Universidade Federal de Santa Catarina, 2000.


RIBEIRO, Amélia Escotto do Amaral, Pedagogia Empresarial: a atuação do pedagogo na empresa. 5 ed. Rio de Janeiro: Wark, 2008.


STONER, James A. F. Administração. Rio de Janeiro: LTC ? Livros Técnicos e Científicos Editora, 1999.


TRANJAN, Adami Roberto. A Empresa de Corpo Mente e Alma, 5º ed. São Paulo: Gente. 2003.


TURKLE, Sherry (Ed). The inner history of devices. Massachusetts: The Mit Pres, 2008 a.



X. REFERÊNCIAS ELETRÔNICAS


BISPO, Patrícia. Motivação atrai e retém talentos humanos. Acesso em: 05/06/2011.


ENOCK, Godoy de Souza. Cultura e motivação dos Profissionais de Tecnologia da Informação no Brasil. Artigo (VII SemeAD ? Agosto de 2004 ? FEA/USP, São Paulo, SP) Acesso em: 12/05/2011.


IANNINI, Túlio Ornelas, Arte Comportamental, Blog. http://artecomportamental.wordpress.com/2010/02/01/pesquisa-inedita-aponta-caracteristicas-do-perfil-dos-profissionais-de-tecnologia-da-informacao. Acesso em: 10/06/2011.


MORAES, Renato de Oliveira e LAURINDO, Fernando José Barbin.Um Estudo de caso de gestão de portifólio de projetos de Tecnologia da Informação. Artigo (Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo,) Acesso em: 26/05/2011.


SILVA, Ana Lúcia da Rocha, Gestão de Pessoas. Artigo (Unisa Digital). Acesso em: 14/05/2011.





 
Avalie este artigo:
(3 de 5)
8 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Talvez você goste destes artigos também