INTOXICAÇÃO EXÓGENA O QUE FAZER?

Introdução

   Um tóxico é qualquer substância,  que, quando ingerida, inalada, absorvida, aplicada na pele ou produzida dentro do corpo em quantidade relativamente pequenas, lesa o corpo através de sua ação química. Os tóxicos podem penetrar por qualquer via, mas as mais comuns, pela ordem de freqüência, são a digestiva, a respiratória e a cutânea.

Livro relacionado:

  O veneno introduzido no organismo exerce a sua ação de acordo com o sistema atingido:

-    - Sangue,

-    - Aparelho cardiovascular,

-    - Aparelho respiratório,

-    - Aparelho gastrintestinal ,

-    - Aparelho urinário e

-    - Aparelho nervoso.

O tratamento de emergência para intoxicações tem como fundamental exigências:

-  Remover ou inativar o tóxico antes que ele seja absorvido;

-  Fornecer      cuidados     de       suporte    na manutenção    de   sistemas   orgânicos    e vitais;

-  Administrar   um   antídoto  específico para neutralizar um tóxico específico;

-  Implementar o  tratamento  que   acelere a eliminação do tóxico absorvido

TÓXICOS INGERIDOS

Os tóxicos ingeridos podem ser corrosivos. Os tóxicos corrosivos incluem agentes alcalinos e ácidos que podem provocar destruição tecidual após entrar em contato com mucosas.

Produtos alcalinos: Hidróxido de potássio, produtos de   limpeza a seco, desinfetantes, detergentes,  detergentes  não   fosfatados, limpadores de fornos,baterias,comprimidos de Clinitest.

Produtos ácidos: Detergentes, produtos de limpeza de piscina, polidores,  removedores de ferrugem, ácidos, bateria.

TRATAMENTO

Manter vias aéreas pérveas, ventilação e  oxigenação São instiuidas medidas  para estabilizar   a   função    cardiovascular   e   outras       funções    corporais. ECG,   os sinais  vitais e o estado neurológico   são monitorizados  de    perto.    É tratado o choque, é inserido   uma   sonda     urinária  de  demora para monitorizar a função renal. São   colhidos amostras sanguíneas        para    testar   a  concentração da substância ou tóxico.

...continuação

São iniciados esforços    para   determinar qual       substância       foi    tomada;    a quantidade;       o período       desde      a ingestão;  sinais e  sintomas, como   dor    ou  sensações   de  queimação, qualquer evidência de rubor  ou  queimaduras  na boca ou faringe,   dor   à   deglutição  ou uma incapacidade  de deglutir,   vomitar ou salivar; idade e peso do paciente; e a história de saúde pertinente.

...continuação

São instituidas medidas para    remover   a toxina ou diminuir sua absorção.

...continuação

O antagonista   químico   ou     fisiológico especifico    é administrado   o mais breve possível para reverter ou diminuir os   efeitos da toxina. Quando essas medidas são ineficazes,   são iniciados    procedimentos    para remover a substância ingerida.  Esses  procedimentos incluem a      administração    de     múltiplas doses de carvão ativado   ou    através da    diurese,    diálise  e hemoperfusão.

Quando o paciente se queixa de dor, os analgésicos   de vem ser administrados com cautela,    porque   a   dor intensa  provoca colapso vasomotor e inibição reflexo das funções fisiológicas normais.

TÓXICOS INALADOS: INTOXICAÇÃO POR MONÓXIDO DE CARBONO

O monóxido    de carbono exerce seu efeito tóxico ao   se   ligar   com  a hemoglobina circulante , diminuindo   a capacidade   de transporte   de  oxigênio   do   sangue.   A hemoglobina    ligada    ao  monóxido   de carbono,  chamada de carboxiemoglobina, não transporta  oxigênio.

Manifestações Clinicas

Uma pessoa que sofre intoxicação    por monóxido de carbono parece  intoxicada  (devido a hipóxia cerebral). Os outros   sinais e   sintomas incluem cefaléia, fraqueza muscular,palpitação, confusão mental, que  podem  evoluir rapidamente para o coma. A coloração  cutânea pode variar de rósea vermelho cereja a cianótica e   pálida,  constitui um sinal confiável. A exposição ao monóxido de carbono exige tratamento imediato.

Tratamento

As metas   do    tratamento  são  reverter    a hipóxia cerebral   e  miocárdica e acelerar a eliminação do monóxido de carbono.

-   Transportar imediatamente o  paciente para   o ar fresco;

-   Abrir todas as janelas e portas;

-   Afrouxar todas as roupas apertadas;

-   Iniciar a reanimação cardiopulmonar;

-   Administrar oxigênio;

-   Evitar o calafrio; enrolar o paciente em cobertores;

-   Manter o paciente mais quieto possível;

-   Não administrar álcool em qualquer forma.

INTOXICAÇÃO POR CONTAMINAÇÃO CUTÂNEA (QUEIMADURAS QUÍMICAS)

As lesões de contaminação cutânea a partir da exposição    as   substâncias    químicas   são desafiadoras   por   causa    de      um grande número de agentes agressores  com ações e efeitos metabólicos diversos.A gravidade de uma queimadura química é determinada por um mecanismo de ação,força de penetração e concentração e pela quantidade e duração da exposição da pele à   substância química.

Tratamento

- A  pele    deve ser imediatamente  molhada    em     água    corrente. 

- O fluxo   constante  de água deve continuar    enquanto se retira as roupas do  paciente.

-  A  pele      dos  profissionais    de saúde  que assistem ao  paciente           deve          se       adequadamente protegida.

INTOXICAÇÃO ALIMENTAR

A intoxicação alimentar é uma doença súbita que pode ocorrer depois da ingestão de alimento ou água contaminada. O botulismo é uma forma grave de intoxicação alimentar que exige vigilância continua.

Tratamento

A chave para o tratamento é determinar a  fonte e o tipo de intoxicação     alimentar.       Alimento, conteúdo gástrico,   vômitos,   soro  e  fezes são coletados para  exame.   São  monitorizados   de perto sinais vitais,   sensório,   PVC  e   atividade muscular   do   paciente quando   indicados. São instituídas    medidas para sustentar   o  sistema respiratório.    A morte  por paralisia respiratória pode ocorrer com o   botulismo,  intoxicação por peixes   e outras intoxicações alimentares.

Como grandes volumes de eletrólitos   e   água são perdidos    pelo      vômito   e  diarréias, o equilíbrio       hidroeletrolítico      deve       ser monitorizados.       O vômito     grave   produz alcalose,   e    a    diarréia  grave acidose.     O choque       hipovolêmico       também      pode acontecer a partir de perdas hidroeletrolíticas graves. O paciente é avaliado para os sinais e sintomas  de     distúrbios    hidroeletrolíticos, inclusive letargia, taquicardia, febre, oligúria, anúria e delírio.

...continuação

- Administrar    antiemético   prescrito, por via parenteral;

- Após melhora  de    vômitos      iniciar gradualmente   dieta    branda     com    poucos resíduos

 INTOXICAÇÃO POR ORGANOFOSFORADOS E CARBAMATOS

Os inseticidas      Organofosforados    e   Carbamatos   são atualmente    os    produtos    mais usados   na  agricultura para uma diversidade de culturas,  nas    infestações     em   residências e em   animais e no controle de vetores, como pesticidas e praguicidas.  Estes  agentes agem inibindo  a   ação   da   enzima acetilcolinesterase,   fundamental    para   o    bom funcionamento  do Sistema Nervoso   Central   dos humanos e  outros    animais.    Atualmente,     são utilizados com outras  finalidades como tentativas  de   suicídio, sendo também agentes  comuns   em   intoxicações acidentais e profissionais,respondendo por um número significativo de intoxicações agudas.

Sinais e Sintomas Específicos

Efeitos Muscarínicos:

-   Borramento  da visão,

-   Miose, 

-   Hiperemia conjuntival,

-   Lacrimejamento,  

-   Broncoconstrição – sibilos,

-   Broncorréia – roncos,

-   Dispnéia, sudorese,      

-   Rinorréia, sialorréia,

-   Bradicardia,

-   Hipotensão,incontinência fecal, diarréia,   tenesmo, náuseas, vômitos, dor   abdominal, hipermotilidade                   intestinal, incontinência urinária.

Efeitos Nicotínicos

-   Palidez

-   Taquicardia

-   Hipertensão

-   Fasciculações

-   Caibra

-   Fraqueza muscular

-   Paralisia

-   Paralisia de músculos respiratórios

-   Fadiga

-   Diminuição do esforço respiratório

-   Hiporreflexia

Efeitos Sobre o SNC

-   Ansiedade, agitação

-   Cefaléia, confusão mental

-   Voz arrastada, ataxia

-   Sonolência, hipotensão

-   Fadiga, letargia

-   Convulsão

-   Respiração de Cheyne-Stokes, Dispnéia

-   Paralisia respiratória central

-   Depressão do centro cardiovascular e  coma.

Sinais Maiores e Menores na Intoxicação por Carbamato

Sinais maiores:

-   Miose

-   Sudorese profusa

-   Sialorréia

-   Broncorréia

-   Liberação dos esfíncteres

-   Miofascirculações

Sinais menores:

-   Diarréias

-   Náuseas

-   Vômitos

-   Hipermotilidade intestinal

-   Dor abdominal (difusa e mal definida)

Classificação do Paciente Intoxicado por Chumbinho no primeiro atendimento

-   Grau 0 :Sem sintomatologia 2 horas após   a  ingestão

-   Grau 1: Um ou dois sinais menores até 2 horas após a ingestão, não mantidos

-   Grau 2: Sinais menores, acompanhados   de   um sinal maior

-   Grau 3: Sinais menores, acompanhados de dois sinais maiores, sem comprometimento respiratório.

-   Grau 4: Sinais menores,   acompanhados   de   três ou mais      sinais    maiores,     com     comprometimento respiratório.

-   Grau 5: Quadro completo,   com pelo  menos um sinal de gravidade.

Sinais de Gravidade

- Miofascirculação generalizada e mantida

- Insuficiência respiratória

- Coma

- Parada cardiorrespiratória

CONDUTA DE ACORDO COM A CLASSIFICAÇÃO

Grau 0: Observação por 6 horas

Grau 1:

-  Lavagem gástrica (LG) com  6 litros   ou mais de SF a 0,9%(enquanto sair o agente tóxico);

-  Observação   por   12    horas.     Mantendo-se assintomático,    liberar    o    paciente.    Caso apresente     sintomatologia,    reclassificar   e proceder à conduta.

...continuação

Grau 2:

-   Lavagem gástrica (LG) com 6  litros   ou mais de SF a 0,9% (enquanto sair o agente toxico);

-   Carvão ativado (CA) via   sonda  nasogástrica (SNG), por lavagem, em dose  única de 25g em 250ml de SF a 0,9% para adulto, e 0,5g/kg para crianças.

-   Catártico salino – Hidróxido  de magnésio - 30 ml via SNG 1 hora após CA;

-   Atropina - 1mg, EV, de 15/15 min;

-   Telerradiografia de tórax - quando houver suspeita de broncoaspiração;

-   Reavaliação de 2/2 horas, com nova classificação, quando necessário;

-   Observação por pelo menos 12 horas, após término da atropinização.

...continuação

 GRAU 3

-   LG com 8 litros de SF a 0,9% ou mais;

-   CA via SNG, de 6/6 horas, até 24 horas

-   Catártico salino, 1 hora após cada dose do carvão;

-   Atropina - 1,5mg,      EV,    de 15/15 min,      para    adultos      e 0,03mg/kg/dose, de 15/15 min, para crianças;

-   Telerradiografia   de    tórax;

-   Medidas sintomáticas e de suporte;

-   Reavaliação e nova classificação, se necessário, de 2/2 horas

-   Observação por pelo menos 18 horas, após término da atropinização.

-   Cuidado com a atropinização destes pacientes, pois ao mesmo tempo que pode ter uma melhora rápida, devendo haver a diminuição da dose da atropina, pode evoluir com comprometimento respiratório, necessitando aumentar a dose.

...continuação

 Grau 4:

-   LG com 10L de SF a 0,9% ou mais;

-   Atropina - 2,0 mg, EV,      de 10/10 min,    em   adultos, e 0,05mg/kg/dose, de 10/10 min,em crianças;

-   CA, via SNG, de 6/6 horas, por 24 horas;

-   Catártico salino;

-   Telerradiografia de tórax;

-   Monitorização cardíaca;

-   Medidas sintomáticas e de suporte;

-   Reavaliação de 1/1 hora

-   Observação      por     no mínimo    24h após   término da atropinização.

-   Avaliar indicação de Unidade de   Terapia Intensiva (UTI), pelo risco de desenvolver Insuficiência Respiratória.

...continuação

Grau 5: Idêntico ao grau 4, exceto:

-  Atropina - 2mg, EV, de 10/10min, em adultos,    e    0,05mg/kg/dose,      de 10/10min, em crianças;

-  Em   casos    muito graves   pode   ser aumentada a dose;

-  Observação  por 24 e 48h, no mínimo, após término da atropinização

-  Indicação de UTI.

Contra-Indicações

Drogas que causam depressão do Sistema Nervoso Central, como     Morfina, Barbitúricos, Reserpina, Fenotiazínicos; Aminofilina,  Teofilina; e  Insulina. O Contrathion   está contra-indicado em intoxicação  por Carbamatos, a não ser quando:caso onde haja associação entre carbamato e OF.

 INTOXICAÇÃO POR DROGAS

As manifestações clínicas de um cliente com intoxicação por drogas variam com a droga utilizada, mas os princípios subjacentes de tratamento são essencialmente idênticos. As metas do tratamento para um paciente que sofreu uma intoxicação por drogas são o suporte das funções respiratória e cardiovascular, estimular a depuração do agente e fornecer a segurança para o paciente e equipe.

[...]

 

 
Download do artigo
Revisado por Editor do Webartigos.com
Leia outros artigos de Ivania Matsumoto
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Bacharel em Enfermagem formada pela UNIFESO de Teresópolis em 10/07/09 e Especialista em Enfermagem do Trabalho
Membro desde dezembro de 2008