Interpretação textual: Um desafio no ensino atual
 
Interpretação textual: Um desafio no ensino atual
 


A interpretação textual, nos dias atuais, é um tema que vem ganhando destaque e sendo exigido com maior freqüência em concursos, vestibulares e provas em geral, porém, é também um dos grandes obstáculos encontrados pelos alunos.

Identificar idéias centrais, secundárias, implícitas e intertextuais; estabelecer relações entre essas idéias; fazer inferências; reconhecer linguagem real de linguagem figurada; captar o que, de fato, pretende mostrar determinado autor ou até mesmo compreender o que se pede em uma questão, são tarefas que representam uma enorme dificuldade para alunos de variados níveis, desde o fundamental ao superior.

Tudo isso acaba repercutindo, não só no baixo desempenho do aluno em língua portuguesa, como também em várias outras matérias, e até mesmo na vida do indivíduo fora da escola, já que este se depara diariamente com questões que exigem interpretação e compreensão textual.

A falta do hábito de leitura, do acompanhamento acadêmico do educando e de metodologias incentivadoras da leitura são alguns fatores contribuintes para as dificuldades de interpretação textual. Além disso, alguns outros fatores, que podem ser de ordem lingüística, material e cognitiva, contribuem de forma positiva ou negativa, para essa atividade de compreensão textual.

Aos fatores lingüísticos estão associados elementos como: léxico, sinais de pontuação e estruturas sintáticas. Já os aspectos cognitivos estão ligados ao conhecimento de mundo, as experiências e a bagagem cultural do leitor. Dentre os aspectos materiais estão a variedade tipográfica, a letra- o tamanho, a clareza e a fonte empregada, o papel, ou se tratando de texto digital, a tela utilizada (KOCH, 2006, p. 28).

Dentre estes fatores, os de ordem cognitiva referem-se diretamente ao leitor, os outros - lingüísticos e materiais - estão voltados para o autor e para o texto em si. Assim, levando-se em conta um texto bem organizado, coerente, coeso e com material adequado e legível, não se pode atribuir outro responsável pela incompreensão, a não ser o próprio leitor.

Porém, a ausência de um conhecimento prévio acerca do assunto, de conhecimentos gramaticais, a falta de atenção, de costume e a falta de interesse pelo texto levam o leitor a sentir uma enorme dificuldade para compreendê-lo e interpretá-lo. Parece não existir diferença alguma entre essas duas habilidades: compreender e interpretar, mas por menor que seja, há sim uma diferença e vale aqui ressaltar.

A compreensão de um texto abrange o entendimento, a percepção do conteúdo global, da mensagem que se pretende transmitir, das idéias principais e da opinião do autor, mesmo que essa seja contrária a nossa. Percebe-se então que está mais voltada para os objetivos e as idéias do autor, por isso muitos a confundem com a idéia da compreensão como mera captação da mensagem, o que não é verdade. Afinal, o indivíduo, ao compreender o posicionamento de outro, não está impedido de pensar, refletir, e inclusive de confrontar suas idéias.

O termo interpretação, por si só, já nos traz à mente a idéia de multiplicidade, já que cada pessoa pode interpretar de maneira diferente uma mesma coisa. A interpretação textual se dá quando transferimos para o texto o que é nosso: nossa experiência, opinião e visão de mundo, e passamos a explicá-lo da maneira que entendemos, sem nos importamos se o que entendemos foi o que, de fato, o autor quis mostrar. Vemos, então que o elemento que se sobressai é não mais o autor, e sim, o leitor. Tendo em vista que essa postura é praticamente inaceitável, seria essa uma das maiores dificuldades dos alunos, que se torna evidente, principalmente, a partir de textos que abrem espaço para a imaginação tais como a charge, a fábula ou até mesmo a piada.

Mas, apesar da baixa qualidade de ensino ofertada nas escolas; do baixo salário e da desvalorização dos professores, o que acaba desmotivando-os; da aprovação automática; da falta de hábito de leitura da população e de todas as deficiências presentes na educação ainda é possível melhorar o nível de leitura e compreensão de nossos alunos.

Para isso, a escola juntamente com o corpo docente, em especial, o professor de língua portuguesa, já que este trabalha diretamente com a questão da leitura e escrita, tem o poder de mudar ou pelo menos melhorar essa realidade, através de métodos mais eficazes que valorizassem mais o trabalho com a leitura e com o próprio texto.

Além disso, outro fator importante seria avaliar melhor a opinião do aluno, antes de descartá-la ou simplesmente taxá-la como incorreta por não apresentar a idéia ou resposta esperada.

BIBLIOGRAFIA:

KOCH, Ingedore Villaça & ELIAS, Vanda Maria. Ler e Compreender os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2006.

 
Avalie este artigo:
4 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Queilla Moraes
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
"Os que escrevem com clareza têm leitores, os que escrevem de maneira obscura têm comentaristas." Albert Camus
Membro desde janeiro de 2009
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: