GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: Desafio Social
 
GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: Desafio Social
 


GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: Desafio Social

 


Carmen Luara dos Santos Nascimento 1

Camilla Elayne Silva Ribeiro1

Izaú Nunes de Jesus Neto1

Maria Juliana dos Santos Nascimento1

Pricila Almeida de Oliveira1

Tâmara Romana Leite Silva 1

RESUMO:


O presente artigo de revisão bibliográfica tem como objetivo, um breve levantamento de referencias literárias sobre gravidez na adolescência como um desafio social, visando ainda à importância do profissional enfermeiro nesse processo. È um artigo de cunho bibliográfico, buscando referencias em livros, artigos e revistas.

Palavras-chave: Adolescência; Gravidez; Desafio.

ABSTRACT:

This literature review aims, a brief survey of literary references on teenage pregnancy as a social challenge, aiming also to the importance of the professional nurse in this process. It is an article of bibliographical, seeking references in books, articles and magazines.

Keywords: Adolescence, Pregnancy; Challenge.

Acadêmicos de Graduação em Enfermagem, da Faculdade São Francisco de Barreiras. FASB-BA.

INTRODUÇÃO

 

Adolescência procede do latim adolescere, que constitui “crescer”. Adolescência é o momento da vida humana entre a puberdade e a virilidade; mocidade; juventude. A Organização Mundial da Saúde (OMS) determina adolescência como uma fase que vai dos 10 aos 19 anos, e o Estatuto da Criança e Adolescência (ECA) a conceitua como a faixa etária de 12 a 18 anos. É uma mudança entre a fase de criança e a adulta, sendo uma ocasião de modificação profunda no corpo, na mente e na forma de relacionamento social do indivíduo (GURGEL,  et al 2008).

A vida sexual na adolescência vem se principiando cada vez mais precocemente, com implicações indesejáveis adjacentes como o acrescentamento da presença de doenças sexualmente transmissíveis (DST) nessa faixa etária; e gravidez, muitas vezes ainda indesejável e que por isso, pode concluir em aborto (PIATO, 1991).

A gravidez na adolescência tem sérias decorrências biológicas, familiares, comoveis e econômicas, além das jurídico-sociais, que abordam a pessoa solitariamente e a associação como um todo, abordando ou mesmo aprazando as probabilidades de aumento e aliciação dessas jovens na sociedade. Carecido às repercussões sobre a mãe e sobre o concepto é avaliada gestação de alto risco pela Organização Mundial da Saúde, contudo, recentemente postula-se que o risco seja mais social do que biológico (BRASIL, 1997).

A gravidez na adolescência é uma ocorrência de risco psicossocial que pode ser distinguida como uma dificuldade para os jovens que principiam uma família não planejada. O problema dissimula, principalmente, a biografia da juventude e sua probabilidade de organizar um projeto de vida estável. É notadamente traumático quando ocorre nas categorias socioeconomicamente desfavoráveis (GURGEL,  et al 2008).

O desempenho do enfermeiro, como de toda a equipe de saúde, tem as ações centradas na promoção, prevenção e assistência da saúde, constituindo as duas primeiras de máxima relevância no processo de afazeres que vai ao embate dos princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS). As ações de promoção da saúde são analisadas de grande importância, para coresponsabilidade e fortalecimento da conexão na afinidade enfermeiro/adolescente. A ascensão da saúde permeia diretamente todas as políticas, programas e ações da saúde, com a provocação de instituir a integralidade e equidade, princípios do SUS (GURGEL,  et al 2008).

O presente artigo de revisão bibliográfica tem como objetivo, um breve levantamento de referencias literárias sobre gravidez na adolescência como um desafio social, visando ainda à importância do profissional enfermeiro nesse processo.

DESENVOLVIMENTO

 

 

Analisa-se como adolescência o período compreendido de 10 a 19 anos de idade, sendo abrangido como o período de vida a partir do qual aparecem às características sexuais secundárias e se adolescem processos psicológicos e padrões de assimilação que evoluem da fase infantil para a adulta, entre eles a mudança de um estado de vinculação para outro de relativa autonomia (BRASIL, 1997).

Trata-se de uma fase da vida em que advêm a maturação sexual, a exasperação das agitações familiares e a formação e solidificação de atitudes, valores e comportamentos que originarão sua vida e na qual se inicia a exigência de maiores cargas e definição do campo profissional. Passar por essa circunstância particular exige das equipes de saúde uma abordagem integral das dificuldades detectadas, dentre eles a gravidez na adolescência (VIEIRA et al., 2008).

A adolescente poderá desenvolver dificuldades de crescimento e desenvolvimento, emocionais e comportamentais, educacionais e de aprendizado, além de confusões da gravidez e enigmas de parto. Há inclusive quem analise a gravidez na adolescência como confusão da atividade sexual (VIEIRA et al., 2008).

Segundo Dias et al,  2000:

A gravidez na adolescência, desejada ou não, provoca um conjunto de impasses comunicativos no âmbito social, familiar e pessoal. No âmbito social, lamenta-se as falhas dos programas de educação sexual que, aparentemente, mostravam de modo claro e convincente como iniciar e usufruir com segurança a experiência da sexualidade. No âmbito familiar, a gravidez na adolescência parece indicar dificuldades nas relações entre pais e filhas e nas condições contextuais para o desenvolvimento psicológico da filha. No âmbito individual, a jovem gestante se questiona “por que isso aconteceu justamente comigo?” e “que será agora de minha vida?”. Em outras palavras, a gravidez na adolescência traz sérios problemas para programas de saúde pública, para projetos educacionais, para a vida familiar, e para o desenvolvimento pessoal, social e profissional da jovem gestante como vem sendo reconhecido pela literatura.

 

Os costumes individuais são dependentes tanto da família quanto da sociedade. A sociedade tem advindo por intensas modificações em sua composição, inclusive refugiando melhor a sexualidade na adolescência, sexo antes do casamento, igualmente a gravidez na adolescência. Assim interditos, inibições e estigmas estão amortecendo e a atividade sexual e gravidez aumentando (VIEIRA et al., 2008).

 

 

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A temática abordada no artigo mostra a importância de proferir as reflexões e ações de anticoncepção da gravidez na adolescência com as compreensões de sujeito proativo, reflexivo, com aparências de vulnerabilidades, analisando três dimensões: individual, social e as relações sociais. Sendo as de relações sociais mais relevantes.

Por tanto esse artigo fez-se de grande relevância para nós enquanto acadêmicos de enfermagem e construtores de conhecimento, visto que essa temática tem sido bastante abordada por outros autores.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL, Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Alimentação e Nutrição.

Coordenação da Saúde da Mulher, do Adolescente e da Criança, COSAM.

Pesquisa Nacional sobre Demografia e Saúde, 1996. Rio de Janeiro, 1997.

DIAS, A. C. G; OLIVEIRA, V. Z; GOMES, W. B; Psicol Reflex. Crit. v.13, n.1. Porto Alegre, 2000.

GURGEL, M. G. I; ALVES, M. D. S; VIEIRA, N. F. C; PINHEIRO, P. N. C; BARROSO, G. T. Gravidez na adolescência: Tendência na produção científica de enfermagem. Esc Anna Nery Rev Enferm 2008 dez; 12 (4): 799-05.

PIATO, S. Ginecologia da infância e adolescência. Rio de Janeiro, São Paulo, Livraria Atheneu Editora, 1991.

 

VIEIRA, N. F. C; GURGEL, M. C. L; PINHEIRO, P. N. C; Gravidez na adolescência: tendência na produção científica de enfermagem, 2008 disponível em http://www.eean.ufrj.br/revista_enf/20084/25 gravidez%20na%20adolescencia.pdf

 
Download do artigo
Avalie este artigo:
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Tâmara Romana Leite Silva
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: