FINANÇAS: APLICAÇÕES, PRINCÍPIOS, OBJETIVOS E PROBLEMAS
 
FINANÇAS: APLICAÇÕES, PRINCÍPIOS, OBJETIVOS E PROBLEMAS
 


FINANÇAS: APLICAÇÕES, PRINCÍPIOS, OBJETIVOS E PROBLEMAS


Marta Maciel Lisboa*











RESUMO


Finanças ou Administração Financeira Orçamentária é o estudo de como os agentes econômicos alocam recursos ao longo do tempo. Tem como objetivo, preservar o patrimônio líquido ou riqueza dos proprietários. Esse trabalho irá abordar como estão divididas as finanças e suas propriedades, aplicações, princípios, objetivos e problemas enfrentados pela a maioria das empresas do nosso País, e como o administrador financeiro pode conter tudo isso através de sua tomada de decisão.


PALAVRAS CHAVE¹: Finanças. Administração. Recursos. Decisão.











*Licenciada em Letras Vernáculas
Faculdade de Itaituba - FAI
Bacharelando em Administração
Faculdade do Tapajós - FAT
E-mail: martha-lisboa@hotmail.com

1. INTRODUÇÃO

Define-se Finanças como a arte e a ciência de administrar recursos financeiros. Praticamente todos os indivíduos e organizações obtêm receitas ou levantam fundos, gastam ou investem. A função financeira dentro de uma empresa está diretamente relacionada com a decisão de se fazer um investimento e a decisão de se fazer um financiamento, sem esquecer que estas duas funções principais estão interligadas. Para uma empresa obter o máximo de lucro, precisa ela ter um administrador financeiro que possa atender as mais diversas necessidades, apresentando soluções tais como: orçamentos, previsões financeiras, administração do caixa, administração do crédito, análise de investimento e captação de recursos, além de minimizar todos os problemas que possam aparecer em sua administração para que a empresa alcance a maximização de sua riqueza. A função finanças ou financeira compreende um conjunto de atividades relacionadas com a gestão dos recursos movimentados por todas as áreas da empresa. Tal função, que possui um papel muito importante no desenvolvimento de todas as atividades operacionais, é responsável pela obtenção dos recursos necessários e pela formulação de uma estratégia voltada para a aplicação desses recursos, contribuindo significativamente para o sucesso do empreendimento.


2. METODOLOGIA

O presente artigo caracteriza-se como uma pesquisa exploratória descritiva, e pretende através de uma revisão bibliográfica, analisar os diversos fatores que envolvem os administradores financeiros, a tomar decisões que levem as empresas a maximização de lucros.
A intenção é proporcionar uma visão geral sobre o referido tema, mostrando como as finanças são de suma importância para a vida útil de uma empresa, utilizando-se da ajuda do administrador que é uns dos responsáveis pela evolução do patrimônio líquido da mesma.



3. APLICAÇÕES, PRINCÍPIOS, OBJETIVOS E PROBLEMAS

O enfoque inicial de finanças concentrou-se nos instrumentos contratuais e na descrição das instituições participantes do mercado financeiro. A área de Finanças da Empresa concentra-se nas questões do gerenciamento financeiro da organização, sendo seus tópicos principais: o planejamento e o controle financeiro, a análise financeira, a análise de investimentos, a gestão do capital de giro, o custo e a estrutura de capital e a política de dividendos. As atividades empresariais envolvem recursos financeiros e orientam-se para a obtenção de lucros.
Contando com uma ampla área de aplicação, podem-se fazê-las em quatro áreas básicas:
? Finanças Corporativas - expressão finanças empresariais que transmite com maior propriedade a ideia de que os princípios básicos de administração financeira podem ser aplicados a qualquer empresa;
? Investimentos - que determina o preço de um ativo financeiro, quais os riscos e retornos associados a um investimento e qual a melhor composição de um conjunto de ativos;
? Instituições Financeiras - em uma instituição financeira, os conhecimentos sobre finanças são necessários;
? Finanças Internacionais - correspondem não a uma área específica, mas a uma especialização na qual os fundamentos de finanças são aplicados em relações financeiras internacionais, tanto no que se refere a ativos financeiros, quanto administração financeira empresarial.

Visando uma maior maximização de lucros na empresa, o empresário contrata um Administrador Financeiro, buscando um reforço para o gerenciamento de suas finanças, para não deixar a empresar cair em falência. A função da gestão financeira, geralmente é associada a um alto executivo, denominado frequentemente de diretor financeiro ou vice-presidente de finanças. O vice-presidente de finanças coordena as atividades do tesoureiro e do controlador. A controladoria preocupa-se com a contabilidade de custos e a contabilidade financeira, com os pagamentos de impostos e com os sistemas de informação gerencial. A tesoureira responsabiliza-se pela gestão do caixa e da área de crédito da empresa, por seu planejamento financeiro, e pelos gastos de investimento. Numa empresa menor, o tesoureiro e o controlador talvez sejam a mesma pessoa, não se encontrando dois departamentos distintos.
O Administrador Financeiro precisa ser firme, forte e ter segurança nas suas tomadas de decisões. Tomar decisões de investimento ? refere-se ao montante de recursos aplicados em ativos circulantes e em ativos permanentes. Deve decidir também, quais são os melhores ativos permanentes a adquirir, e saber quando os ativos existentes precisam ser modificados, substituídos ou liquidados. Tomar decisões de financiamento ? estabelecendo a combinação mais apropriada entre curto ou longo prazo, a fim de analisar as alternativas de financiamentos disponíveis, seus custos e suas implicações em longo prazo para a empresa.
Em se tratando das tomadas de decisões do Administrador, não se pode deixar de falar que para ele tomar tais decisões precisa estar em sintonia com os objetivos das Finanças. O objetivo que as empresas mais visam é a maximização dos lucros e do capital, também outros objetivos como exemplo: Manter a empresa em permanente situação de liquidez e condição básica ao desenvolvimento de suas atividades.
Uma empresa apresenta boa liquidez quando seus ativos e passivos são administrados convenientemente. O importante é manter os fluxos das entradas e saídas de caixa sob controle e conhecer antecipadamente as épocas em que irá faltar numerário; Obter novos recursos para planos de expansão, com base em estudos de viabilidade econômico-financeira e aos menores custos.
A empresa necessita ser perpetuada e, para tanto, tem de realizar investimentos em tecnologia, novos produtos, etc., que poderão sacrificar a rentabilidade atual em troca de maiores benefícios no futuro, a fim de assegurar o necessário equilíbrio entre os objetivos de lucro e os de liquidez financeira, quantificando os planos de expansão de acordo com as possibilidades de obtenção de recursos, próprios ou de terceiros.
Todavia, além de falar dos princípios e objetivos da administração financeira, não se pode deixar de citar um problema que abrange a maioria das empresas brasileiras: o problema de Agency, problema esse que ocorre quando alguém ("principal") contrata outra pessoa ("agente") para cuidar de seus interesses. Em tais relações existe a possibilidade de conflito de interesses entre o principal e o agente. Esse problema se relaciona com a maximização da riqueza dos proprietários e o papel da ética nessa questão. Um problema de agency advém do fato de que os administradores, na qualidade de representantes dos proprietários, podem colocar seus objetivos pessoais à frente dos objetivos empresariais.


4. CONCLUSÃO

O presente artigo foi desenvolvido com o objetivo de chamar a atenção dos Micro e Pequenos Empresários para a administração financeira de seus empreendimentos. Consciente da falta de conhecimentos por parte de alguns empresários, a respeito de finanças empresariais, reuniu-se assuntos fundamentais à boa administração financeira. Foram evidenciados conceitos sobre a importância da Administração Financeira e do Administrador Financeiro, bem como os Demonstrativos Financeiros utilizados para o desempenho de suas funções e, ainda, uma visão geral sobre a situação da Administração Financeira das Micro e Pequenas Empresas.
Nesse sentido, se fez necessário destacar a importância de manter pessoas qualificadas dentro das organizações, a fim de levantar informações imprescindíveis ao desenvolvimento das empresas. Com base nos estudos realizados, pode-se dizer que as empresas para obterem um bom desempenho em seus empreendimentos, devem elaborar um plano estratégico de negócios detalhado, levando em consideração todas as possibilidades de mercado, seguido de um planejamento financeiro, verificando a sustentabilidade econômica para obter o sucesso organizacional.










5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

ANTONIK, L. R. A administração financeira das pequenas e médias empresas. Artigo revista FAE BUSINESS n° 8 maio 2004.


BRAGA, R. Fundamentos e técnicas de administração Financeira. São Paulo: Atlas, 1989.


ROSS, Stephen A; Randolph W. Westerfield; Bradford D. Jordan. Princípios de administração financeira. 2 ed. São Paulo : Atlas, 2000. Cap. 1.

 
Avalie este artigo:
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Talvez você goste destes artigos também