Evolução da enfermagem: de florence nightingale a wanda de aguiar horta
 
Evolução da enfermagem: de florence nightingale a wanda de aguiar horta
 


EVOLUÇÃO DA ENFERMAGEM: De Florence Nightingale a Wanda de Aguiar Horta

 

O processo de evolução da enfermagem passa por três momentos históricos, o surgimento da enfermagem moderna com Florence Nightingale, formação de sua base cientifica com as teorias de enfermagem e da sistematização da assistência de enfermagem (SAE) na tentativa de padronizar a linguagem.

O trabalho de Nightingale constitui um marco para a história da enfermagem moderna.

 

Segundo OLIVEIRA et al 2007, no século XIX o nome Nightingale ganha importância na área da enfermagem a partir da sistematização de um campo de conhecimento, instituindo-se “uma nova arte e uma nova ciência” para a qual e preciso educação formal, organizada sobre bases cientificas.

 

A Enfermagem é a ciência do cuidado. Desde seu surgimento como profissão tem procurado fundamentar sua prática. O processo de enfermagem é definido como um conjunto de etapas fundamentadas numa teoria objetivando sistematizar o cuidado de enfermagem ao paciente proporcionando-lhe uma assistência individualizada e de qualidade. Existem várias teorias que fundamentam o processo do cuidar. A mais utilizada é a das necessidades humanas básicas proposta por Wanda de Aguiar Horta em1970. ASistematização Assistência de Enfermagem (SAE) operacionalizada através da aplicação do processo de enfermagem constitui-se como ferramenta para valorização da enfermagem como ciência visto que suas ações implementadas fundamentam-se em princípios científicos. Garantindo autonomia e independência na prestação da assistência de enfermagem.

 

“A enfermagem evoluirá e será no futuro o que seus profissionais fizerem dela. Será a exata dimensão dos sonhos e determinação dos seus integrantes. (…).”(AZEREDO 2004, apud OLIVEIRA et al 2007).

 

A importância da teoria de Florence Nightingale para a SAE (sistematização da assistência de enfermagem)

 

Florence Nightingale é a percussora da enfermagem moderna em todo o mundo e, desde Florence, adjetivos como: disciplina, obediência e a subserviência na enfermagem são consideradas como parte indissociável do exercício diário, tanto nas ações assistenciais como nas relações enfermagem/médico e enfermagem/administração hospitalar, mas também temos que considerar que, ao participar como voluntária na Guerra da Criméia, em 1854, quando com 38 mulheres organizou um hospital para 4.000 soldados internos, baixando a mortalidade local de 40% para 2%, recebendo prêmio do governo inglês, projetou a profissão para o mundo. (ANDRADE, 2007)

 

A enfermeira Florence Nightingale tornou-se heroína na Grã-Bretanha como resultado de seu trabalho na Guerra da Criméia e descrevendo as péssimas condições sanitárias das instalações hospitalares em Scutari. Verificouque a manipulação do ambiente físico (ventilação, aquecimento, luz, ruído) era o principal componente do atendimento de enfermagem.
Descreve ainda em “Notes on nursing” a importância da saúde das casas relacionando-a intimamente à presença de ar puro, água limpa, esgoto eficiente, limpeza e luz. Apesar de Nightingale não apresentar seu trabalho como uma Teoria de Enfermagem, ela orientou a prática da assistência de enfermagem em todo o mundo por mais de 100 anos. (Revista do COREN-SP, 2005)

 

Segundo OLIVEIRA et al, 2007, a personalidade forte, a visão e a habilidade pratica para organização de Nightingale conseguiram dar a enfermagem, os poderosos fundamentos, os princípios técnicos e educacionais e a elevada ética que impulsionaram a profissão.

 

Ainda segundo a autora, as concepções teórico-fisiológicas de enfermagem desenvolvidas por Nightingale tiveram como base observações sistematizadas e registros estatísticas extraídos de sua experiência pratica no atendimento a doentes. Dessa vivência foram obtidos quatro conceitos fundamentais: ser humano, meio ambiente, saúde e enfermagem. Esses conceitos, considerado revolucionários para sua época, foram revistos e ainda hoje se identificam com as bases humanísticas da enfermagem, tendo sido revigorada pela teoria holística.

A Enfermagem Moderna, a partir de Florence Nightingale, iniciou sua caminhada para adoção de uma prática baseada em conhecimentos científicos, abandonando gradativamente a postura de atividade caritativa, iminentemente intuitiva e empírica. Para tanto, foram desenvolvidas teorias de enfermagem com o intuito de organizar e sistematizar todas as questões que permeiam a atividade profissional, gerando conhecimentos que apoiarão e subsidiarão a prática do enfermeiro. A partir da aplicação dessa teoria a prática é que se dá o processo de enfermagem (PE).

Para que o PE seja aderido pela equipe de enfermagem e realmente otimize e qualifique o cuidado prestado ao cliente é preciso que se tenha, concomitantemente, uma assistência de enfermagem sistematizada. Então, a SAE e o PE precisam andar lado a lado para termos resultados positivos e benéficos tanto para o cliente quanto para o profissional de enfermagem. (GENTIL et al, 2008)

 

Segundo ANDRADE, 2007, as habilidades em realizar uma observação minuciosa e precisa passam a ser cada vez mais necessárias, não apenas para simplesmente descrever os fatos ocorridos fielmente ao médico, como era preconizado por Florence Nightingale, à sua época. Tais habilidades, associadas às demais habilidades técnicas e ao acervo de conhecimento em saúde, constituem patrimônio técnico-científico atual da enfermagem.

 

A enfermagem moderna acredita ser obrigação de cada profissional de sua equipe contribuir para o crescimento e a renovação dos conhecimentos de sua área. Em seu agir, tem de observar e criticar a eficiência dos métodos e técnicas que utiliza. Um corpo de conhecimentos e procedimentos teoricamente organizados, sistematizados e sempre reformulados se constitui em base segura para a ação eficiente. Como estratégia para a aplicabilidade de uma assistência de enfermagem a partir do conhecimento científico e não somente originada da prescrição médica, temos a sistematização da assistência de enfermagem como ponto essencial na cientificidade de nossa prática e na evolução da profissão. (ANDRADE, 2007).

 

A SAE é resultado do desenvolvimento de uma metodologia da prática do enfermeiro concretizada pela aplicação do processo de enfermagem nas unidades de saúde. A etapa deste processo que se destaca é a dos diagnósticos de enfermagem, onde se analisam os dados coletados do paciente.

A aplicação de uma assistência de enfermagem sistematizada é a única possibilidade de o enfermeiro atingir sua autonomia profissional e constitui a essência de sua prática profissional. Desde 1986, o planejamento da assistência é uma imposição legal com a lei do Exercício Profissional nº 7.498, art.11: "O enfermeiro exerce todas as atividades de enfermagem, cabendo-lhe privativamente: c) planejamento, organização, coordenação, execução e avaliação dos serviços da assistência de enfermagem". Reforçando a importância e necessidade de se planejar a assistência de enfermagem, a Resolução COFEN nº 272/2002, art. 2º afirma que: "A Implementação da Sistematização da Assistência de Enfermagem SAE deve ocorrer em toda instituição da saúde, pública e privada”. (ANDRADE, 2007).

A enfermeira brasileira Wanda de Aguiar Horta propôs na década de 60 que o processo de enfermagem estivesse fundamentado na Teoria das Necessidades Humanas Básicas, afirmando que manifestações ou alterações explicitadas por meio de sinais e sintomas caracterizavam um problema de enfermagem e exigiam o cuidado do profissional da área.
Podemos destacar outras teorias: Teoria das Relações Interpessoais, descrita em 1952 por Hildegard Peplau, Teoria Holística, de Myara E. Levine, de 1967, Teoria do Modelo Conceitual do Homem, elaborada por Martha Rogers em 1970 e a Teoria do Alcance dos Objetivos, de Imogene King e descrita em 1971. Alfaro-LeFevre definiu em 2000 que o processo de enfermagem é um método sistemático de prestação de cuidados humanizados que enfoca a obtenção de resultados desejados de maneira rentável. O método possui cinco passos: investigação, diagnóstico, planejamento, implementação e avaliação. É humanizado pois à medida que planejamos e proporcionamos cuidados devemos considerar exclusivamente os interesses, os ideais e os desejos do consumidor do atendimento de saúde.
É possível afirmar que o processo de enfermagem é o instrumento que ajuda o enfermeiro a tomar decisões e planejar a assistência de enfermagem com a finalidade de propiciar condições para que o cliente integre-se à sua comunidade em sua plenitude. (REVISTA DO COREN-SP2005).

 

Etapas da SAE

 

Segundo Ruth Miranda presidente do COREN-SP, 2005, as etapas da SAE são:

Histórico de enfermagem e exame físico:


Coleta de informações por meio de entrevista sobre a situação de saúde do paciente ou comunidade, identificando os problemas e necessidades passíveis de serem abordados nas intervenções de enfermagem. O exame físico consiste na inspeção, palpação, percussão e ausculta. A chave para a realização de um exame físico eficiente é um sólido conhecimento teórico e habilidades técnicas apropriadas.

 

Diagnóstico de enfermagem:


Julgamento clínico sobre as respostas do indivíduo, família ou comunidade dos problemas detectados, vigentes e potenciais, proporcionando a base para a seleção de intervenções de enfermagem e visando obter resultados pelos quais a enfermeira é a responsável.

Prescrição de enfermagem:


Conjunto de condutas decididas pelo enfermeiro, que direciona e coordena a assistência de enfermagem de forma individualizada e contínua. Entende-se ainda como prescrição de enfermagem toda orientação dirigida à comunidade como forma de prevenção e proteção à saúde da coletividade.

 

Evolução de enfermagem:


Registros feitos pelo enfermeiro, após avaliação do estado geral do paciente, cujo objetivo é nortear o planejamento da assistência a ser prestada e informar o resultado das condutas de enfermagem implementadas anteriormente.

 

A SAE seguramente atende a quatro objetivos: promove a comunicação entre os diversos profissionais, direciona o cuidado de enfermagem e a documentação, cria um registro que pode ser usado em avaliações, em pesquisas e em processos éticos, administrativos, civis ou criminais e fornece documentação sobre necessidades de atendimento de saúde que servem para embasar políticas públicas. (REVISTA DO COREN-SP2005).

 

 

Conclusão

 

 A partir dos conceitos de Florence Nightingale a enfermagem vem passando por transformações de padrões e valores. Com criações de bases cientificas delimitada pelas teorias de enfermagem e implementação do processo de cuidar de forma padronizada através da Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE). A teoria de Nightingale tem ampla aplicabilidade para a prática. A leitura de sua obra provoca a conscientização da enfermeira sobre a influência do meio ambiente nas respostas do cliente. O modelo ambiental de Nightingale deve ser associado a outras teorias para identificação de novas visões da enfermagem buscando efeitos do ambiente sobre o individuo. Com criações de diagnósticos reais e de riscos ambientais, além dos que buscam bem estar e conforto ambiental para os pacientes.

Hoje o enfermeiro tem garantido por lei o direito e dever de planejar uma assistência de qualidade, organizada, sistematizada holística e implementá-la baseado no processo de enfermagem. A operacionalização e implementação do processo de enfermagem ainda encontram desafios devido ao despreparo cognitivo e teórico-prático frente à elaboração dos diagnósticos de enfermagem por parte dos profissionais de enfermagem. Esta fase do processo ainda é uma incógnita e para operacionalizá-lo é necessário formar profissionais capazes de pensar criticamente e correlacionar a prática com a busca de conhecimento. Presencia-se atualmente uma dicotomia entre a teoria e a pratica dificultando a operacionalização do processo de enfermagem. Embora este fato seja explicado pelo excesso de trabalho burocrático atribuído aos enfermeiros, a implantação da SAE é preconizada pelo COFEN de modo a contribuir com a operacionalização do processo de enfermagem e deve ser de pronto implantada em todas as instituições publicas e privadas.

 

Referencial Bibliográfico

 

ANDRADE, Andréia C. A enfermagem não é mais uma profissão submissa. Revista Brasileira de Enfermagem. vol.60 no.1 Brasília Jan./Feb. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-71672007000100018&script=sci_arttext

 

GENTIL, A. C. PASSOS, C. M. CAMPOS, M. D. COSTA, R. S. M.; CAMARGOS, A. T.

Implantação da sistematização da assistência de enfermagem (sae) no centro de terapia intensiva do hospital João xxiii. UFMG, Belo horizonte, 2008. Disponível em: http://www.ciape.org.br/matdidatico/enfermagem/anadias/implantacao_sae.doc

 

OLIVEIRA Marcela L. PAULA, Tais R.; FREITAS, João B. 2007. Evolução Histórica da Assistência de Enfermagem ConScientiae Saúde, São Paulo, V.6 N.1, P.127-136. Disponível em: http://redalyc.uaemex.mx/redalyc/pdf/929/92960115.pdf

 

REVISTA DO COREN-SP2005. Prescrição de Enfermagem como garantia de assistência com qualidade. Disponível em: http://www.corensp.org.br/072005/noticias/revista/anteriores/maio_junho_02/rev_atual.html.

 
Download do artigo
Avalie este artigo:
2 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Clecilene Gomes Carvalho
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
CLECILENE GOMES CARVALHO- Graduada em Enfermagem pela Universidade Vale do Rio Verde (Unincor), campus Betim. Membro da Associação Mineira de Hipertensão Pulmonar – AMIHAP. Pós graduada em Psicologia multifocal; pós graduanda em Enfermagem do Trabalho e Pós graduanda em Saúde Pública com enfâse em E...
Membro desde outubro de 2011
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: