O processo de evolução da enfermagem passa por três momentos históricos, o surgimento da enfermagem moderna com Florence Nightingale, formação de sua base cientifica com as teorias de enfermagem e da sistematização da assistência de enfermagem (SAE) na tentativa de padronizar a linguagem.

O trabalho de Nightingale constitui um marco para a história da enfermagem moderna.

Livro relacionado:

Segundo OLIVEIRA et al 2007, no século XIX o nome Nightingale ganha importância na área da enfermagem a partir da sistematização de um campo de conhecimento, instituindo-se “uma nova arte e uma nova ciência” para a qual e preciso educação formal, organizada sobre bases cientificas.

A Enfermagem é a ciência do cuidado. Desde seu surgimento como profissão tem procurado fundamentar sua prática. O processo de enfermagem é definido como um conjunto de etapas fundamentadas numa teoria objetivando sistematizar o cuidado de enfermagem ao paciente proporcionando-lhe uma assistência individualizada e de qualidade. Existem várias teorias que fundamentam o processo do cuidar. A mais utilizada é a das necessidades humanas básicas proposta por Wanda de Aguiar Horta em1970. ASistematização Assistência de Enfermagem (SAE) operacionalizada através da aplicação do processo de enfermagem constitui-se como ferramenta para valorização da enfermagem como ciência visto que suas ações implementadas fundamentam-se em princípios científicos. Garantindo autonomia e independência na prestação da assistência de enfermagem. 

“A enfermagem evoluirá e será no futuro o que seus profissionais fizerem dela. Será a exata dimensão dos sonhos e determinação dos seus integrantes. (…).”(AZEREDO 2004, apud OLIVEIRA et al 2007). 

A importância da teoria de Florence Nightingale para a SAE (sistematização da assistência de enfermagem) 

Florence Nightingale é a percussora da enfermagem moderna em todo o mundo e, desde Florence, adjetivos como: disciplina, obediência e a subserviência na enfermagem são consideradas como parte indissociável do exercício diário, tanto nas ações assistenciais como nas relações enfermagem/médico e enfermagem/administração hospitalar, mas também temos que considerar que, ao participar como voluntária na Guerra da Criméia, em 1854, quando com 38 mulheres organizou um hospital para 4.000 soldados internos, baixando a mortalidade local de 40% para 2%, recebendo prêmio do governo inglês, projetou a profissão para o mundo. (ANDRADE, 2007)

A enfermeira Florence Nightingale tornou-se heroína na Grã-Bretanha como resultado de seu trabalho na Guerra da Criméia e descrevendo as péssimas condições sanitárias das instalações hospitalares em Scutari. Verificouque a manipulação do ambiente físico (ventilação, aquecimento, luz, ruído) era o principal componente do atendimento de enfermagem.
 Descreve ainda em “Notes on nursing” a importância da saúde das casas relacionando-a intimamente à presença de ar puro, água limpa, esgoto eficiente, limpeza e luz. Apesar de Nightingale não apresentar seu trabalho como uma Teoria de Enfermagem, ela orientou a prática da assistência de enfermagem em todo o mundo por mais de 100 anos. (Revista do COREN-SP, 2005)

Segundo OLIVEIRA et al, 2007, a personalidade forte, a visão e a habilidade pratica para organização de Nightingale conseguiram dar a enfermagem, os poderosos fundamentos, os princípios técnicos e educacionais e a elevada ética que impulsionaram a profissão.

Ainda segundo a autora, as concepções teórico-fisiológicas de enfermagem desenvolvidas por Nightingale tiveram como base observações sistematizadas e registros estatísticas extraídos de sua experiência pratica no atendimento a doentes. Dessa vivência foram obtidos quatro conceitos fundamentais: ser humano, meio ambiente, saúde e enfermagem. Esses conceitos, considerado revolucionários para sua época, foram revistos e ainda hoje se identificam com as bases humanísticas da enfermagem, tendo sido revigorada pela teoria holística.

A Enfermagem Moderna, a partir de Florence Nightingale, iniciou sua caminhada para adoção de uma prática baseada em conhecimentos científicos, abandonando gradativamente a postura de atividade caritativa, iminentemente intuitiva e empírica. Para tanto, foram desenvolvidas teorias de enfermagem com o intuito de organizar e sistematizar todas as questões que permeiam a atividade profissional, gerando conhecimentos que apoiarão e subsidiarão a prática do enfermeiro. A partir da aplicação dessa teoria a prática é que se dá o processo de enfermagem (PE).

Para que o PE seja aderido pela equipe de enfermagem e realmente otimize e qualifique o cuidado prestado ao cliente é preciso que se tenha, concomitantemente, uma assistência de enfermagem sistematizada. Então, a SAE e o PE precisam andar lado a lado para termos resultados positivos e benéficos tanto para o cliente quanto para o profissional de enfermagem. (GENTIL et al, 2008)

Segundo ANDRADE, 2007, as habilidades em realizar uma observação minuciosa e precisa passam a ser cada vez mais necessárias, não apenas para simplesmente descrever os fatos ocorridos fielmente ao médico, como era preconizado por Florence Nightingale, à sua época. Tais habilidades, associadas às demais habilidades técnicas e ao acervo de conhecimento em saúde, constituem patrimônio técnico-científico atual da enfermagem.

A enfermagem moderna acredita ser obrigação de cada profissional de sua equipe contribuir para o crescimento e a renovação dos conhecimentos de sua área. Em seu agir, tem de observar e criticar a eficiência dos métodos e técnicas que utiliza. Um corpo de conhecimentos e procedimentos teoricamente organizados, sistematizados e sempre reformulados se constitui em base segura para a ação eficiente. Como estratégia para a aplicabilidade de uma assistência de enfermagem a partir do conhecimento científico e não somente originada da prescrição médica, temos a sistematização da assistência de enfermagem como ponto essencial na cientificidade de nossa prática e na evolução da profissão. (ANDRADE, 2007).

A SAE é resultado do desenvolvimento de uma metodologia da prática do enfermeiro concretizada pela aplicação do processo de enfermagem nas unidades de saúde. A etapa deste processo que se destaca é a dos diagnósticos de enfermagem, onde se analisam os dados coletados do paciente.

A aplicação de uma assistência de enfermagem sistematizada é a única possibilidade de o enfermeiro atingir sua autonomia profissional e constitui a essência de sua prática profissional. Desde 1986, o planejamento da assistência é uma imposição legal com a lei do Exercício Profissional nº 7.498, art.11: "O enfermeiro exerce todas as atividades de enfermagem, cabendo-lhe privativamente: c) planejamento, organização, coordenação, execução e avaliação dos serviços da assistência de enfermagem". Reforçando a importância e necessidade de se planejar a assistência de enfermagem, a Resolução COFEN nº 272/2002, art. 2º afirma que: "A Implementação da Sistematização da Assistência de Enfermagem SAE deve ocorrer em toda instituição da saúde, pública e privada”. (ANDRADE, 2007).

A enfermeira brasileira Wanda de Aguiar Horta propôs na década de 60 que o processo de enfermagem estivesse fundamentado na Teoria das Necessidades Humanas Básicas, afirmando que manifestações ou alterações explicitadas por meio de sinais e sintomas caracterizavam um problema de enfermagem e exigiam o cuidado do profissional da área.

[...]

Revisado por Editor do Webartigos.com